1924: Descoberto o antídoto para o veneno mais mortífero do mundo

CIÊNCIA

Derek Keats / Wikimedia

O animal mais venenoso do mundo não é nem uma cobra nem um escorpião – é a cubozoa – uma criatura equipada com veneno suficiente para matar mais de 60 pessoas. Agora, investigadores descobriram um antídoto para a picada letal da vespa do mar.

Publicando as suas descobertas na Nature Communications, investigadores da Universidade de Sydney conseguiram identificar uma molécula que age como um antídoto para esse veneno. No entanto, é importante notar que, até agora, só testaram em células humanas num prato e em ratos, por isso ainda é cedo.

Nomeada pela sua forma cubóide, a Chironix fleckeri tem até 60 tentáculos, cada um com até 3 metros e carregados com milhões de ganchos cheios de veneno. O objectivo deste poderoso veneno é atordoar ou matar presas rapidamente para que não danifique os tentáculos.

Os animais podem ser encontrados na costa do norte da Austrália e em todas as águas do Indo-Pacífico, acumulando velocidades de até 7,5 quilómetros por hora enquanto caçam peixes e camarões.

As pessoas que são picadas por este animal sofrem uma dor excruciante, necrose de pele e, às vezes, até paragem cardíaca e morte em apenas alguns minutos. Muitas vítimas entram em choque e afogam-se quando a dor é severa. Aqueles que sobrevivem a um podem sofrer dores por várias semanas e ficar com cicatrizes.

“Nós estávamos a ver como o veneno funciona para tentar entender melhor como causa dor. Usando novas técnicas de edição de genoma CRISPR, conseguimos identificar como o veneno mata as células humanas. Felizmente, já havia uma droga que poderia agir e quando experimentamos a droga como um antídoto de veneno em ratos, descobrimos que poderia bloquear a cicatrização do tecido e a dor”, disse Greg Neely, da Escola de Vida e Ciências Ambientais de Sidney.

“O caminho do veneno que identificamos neste estudo requer colesterol e como há muitos medicamentos disponíveis que atacam o colesterol, poderíamos tentar bloquear o caminho para ver como afecta a actividade do veneno. Tomamos uma das drogas, que sabemos que é segura para uso humano, usamos contra o veneno, e funcionou”, disse o principal autor do estudo, Raymond Lau. “É um antídoto molecular.”

A equipa descobriu que, nos ratos e nas células humanas, o antídoto impedia a necrose da pele, a cicatrização e a dor. O antídoto deve ser aplicado na pele até 15 minutos após ser picado. São necessários mais estudos para ver se também pode parar um ataque cardíaco.

ZAP // IFL Science
Por ZAP
5 Maio, 2019

[vasaioqrcode]