2092: Há um fungo que mina ouro (e depois usa-o)

CIÊNCIA

[Nota do webmaster]- Já não bastava ter de traduzir de brasuquês para português ibérico, os textos originais, também certos vídeos não possuem os respectivos links para publicação online. Deste modo, foi efectuada uma captura de écran.

Os fungos, semelhantes a fios, ligam o ouro aos seus filamentos, dissolvendo e precipitando partículas dos seus arredores, num processo que poderia ajudar a encontrar novos depósitos de ouro.

Pode haver uma vantagem biológica em fazê-lo, como os fungos revestidos de ouro foram encontrados para crescer e espalhar-se mais rápido do que aqueles que não interagem com o ouro e desempenham um papel central numa comunidade de solo biodiversa.

A descoberta foi feita pela Agência Nacional de Ciência da Austrália, CSIRO, e publicada a 23 de maio na revista especializada Nature Communications.

“Os fungos podem oxidar minúsculas partículas de ouro e precipitá-lo nos seus filamentos – este processo de ciclagem pode contribuir para a distribuição de ouro e outros elementos em redor da superfície da Terra”, disse o principal autor, Tsing Bohu, em comunicado.

“Os fungos são bem conhecidos por desempenhar um papel essencial na degradação e reciclagem de material orgânico, como folhas e casca, bem como para a reciclagem de outros metais, incluindo alumínio, ferro, manganês e cálcio. Mas o ouro é tão quimicamente inactivo que a interacção é tanto incomum como surpreendente“.

Bohu está a realizar análises e modelagens adicionais para entender porque é que os fungos estão a interagir com o ouro e se é ou não uma indicação de um depósito maior abaixo da superfície.

A Austrália é o segundo maior produtor de ouro do mundo e, embora a produção de ouro tenha atingido picos recordes em 2018, estimativas estimadas mostram que a produção diminuirá no futuro próximo, a menos que novos depósitos de ouro sejam encontrados.

Novas ferramentas de exploração de baixo impacto são necessárias para a próxima geração de descobertas. A CSIRO está a usar ciência e tecnologia inovadoras para resolver os maiores desafios, como garantir que o mundo tenha um suprimento sustentável de recursos.

“A indústria está a usar activamente técnicas inovadoras de amostragem de exploração, que podem armazenar minúsculos traços de ouro e podem estar ligados a depósitos maiores abaixo da superfície”, disse Ravi Anand, cientista da CSIRO.

“Queremos entender se os fungos que estudamos, conhecidos como fusarium oxsporum – e os seus genes funcionais – podem ser usados ​​em combinação com as ferramentas de exploração para ajudar a indústria a direccionar as áreas prospectivas de uma maneira com menos impacto e mais económica do que a perfuração.”

Os investigadores também destacam o potencial de usar fungos como uma ferramenta de biorremediação para recuperar ouro do lixo.

Embora o Fusarium oxsporum seja encontrado em solos ao redor do mundo e produza um micélio ou “flor” rosa – não é algo que garimpeiros devem procurar, já que as partículas de ouro só são vistas sob um microscópio.

A descoberta foi possível graças à colaboração entre a CSIRO, a Universidade da Austrália Ocidental, a Universidade de Murdoch e a Curtin University.

ZAP //

Por ZAP
2 Junho, 2019



[vasaioqrcode]