2785: Terramoto de 1964 libertou um fungo mortal no Pacífico

CIÊNCIA

Yakuzakorat / Wikimedia

Há duas décadas, uma infecção fúngica rara, mas mortal, começou a matar animais e pessoas nos EUA e no Canadá. Até hoje, ninguém sabia como chegou lá.

Agora, um par de cientistas apresentou a sua própria teoria: os tsunamis, provocados por um forte terremoto em 1964, encharcaram as florestas do noroeste do Pacífico com água que continha o fungo.

O fungo chama-se Cryptococcus gattii. Como muitas espécies de fungos, tende a preferir viver no solo, principalmente perto de árvores. Mas também podem invadir os pulmões dos animais vivos, onde começam a crescer novamente. A partir daí, podem infectar o sistema nervoso.

A maioria das pessoas expostas a C. gattii não fica doente e a doença não é contagiosa entre as pessoas. Mas é uma das infecções fúngicas mais mortais do mundo, capaz de adoecer pessoas perfeitamente saudáveis. A sua taxa de mortalidade pode chegar a 33%.

C. gattii tem vivido em ambientes tropicais e subtropicais, principalmente na Austrália e na Papua Nova Guiné. Porém, em 1999, estes surtos do mesmo tipo único de C. gattii começaram a aparecer ao longo do Noroeste do Pacífico Norte-Americano, sem uma explicação clara de como o fungo lá chegou. Desde então, os subtipos estabeleceram-se firmemente em toda a costa oeste, adoecendo centenas de animais e pessoas.

Tem havido várias teorias sobre como o C. gattii chegou ao Noroeste do Pacífico. Alguns cientistas argumentaram que surgiu pela primeira vez das florestas tropicais da América do Sul; outros especularam que veio da Austrália.

Os autores do novo estudo, publicado este mês na revista especializada mBio, teorizaram anteriormente que navios da América do Sul levaram o fungo para as águas costeiras do noroeste do Pacífico, logo após a abertura do Canal do Panamá em 1914, que estabeleceu um transporte relativamente fácil entre o Atlântico e Oceanos do Pacífico. O momento faria sentido, com evidências genéticas a sugerir que todas as populações de C. gattii nos EUA e no Canadá têm entre 66 e 88 anos.

Agora, os cientistas argumentam que o fungo conseguiu sustentar-se durante décadas nas águas do Noroeste do Pacífico antes que outro grande evento o espalhasse pelo continente: o Grande Terremoto do Alasca de 1964.

Ainda registado como o maior terremoto já detectado no Hemisfério Norte e o segundo maior do mundo – registando um 9,2 na escala Richter – o desastre natural matou mais de 100 pessoas, destruiu edifícios e desencadeou uma cadeia de tsunamis que chegaram até ao Japão, de acordo com o Gizmodo.

“Esse evento, como nenhum outro na história recente, causou um empurrão maciço de água do oceano nas florestas costeiras do [noroeste do Pacífico]”, escreveram os autores. “Esse evento pode ter causado uma exposição de C. gattii às costas regionais, incluindo as da ilha de Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá, Washington e Oregon”.

O caso dos autores é quase inteiramente circunstancial. Mas trazem algumas evidências convincentes. Por um lado, com base na análise genética, todas as cepas de C. gattii atualmente presentes no noroeste do Pacífico parecem ter chegado lá num grande evento décadas antes de 1999. As primeiras investigações de surtos também encontraram níveis mais altos de fungos nas árvores e nos solos mais perto do nível do mar. Além disso, pelo menos um paciente de Seattle adoeceu com C. gattii em 1971, quase três décadas antes dos surtos de 1999, mas após o tsunami.

Os autores observam que existem outros casos de desastres naturais que desencadearam surtos de doenças infecciosas raras. Por exemplo, um tornado de 2011 em Joplin, Missouri, pode ter espalhado uma onda de infeções devoradoras de carne causadas pelo fungo Apophysomyces.

Mesmo que a teoria seja verdadeira, ainda há a questão de por que passaram décadas até casos começarem a aparecer regularmente. Se é verdade que C. gattii pode sobreviver nas águas costeiras durante longos períodos de tempo, também precisamos de descobrir se há outras áreas do mundo que podem estar em risco.

Para esse fim, os autores estão a analisar amostras de água em todo o mundo para procurar vestígios do fungo que podem ter passado despercebidos.

ZAP //

Por ZAP
6 Outubro, 2019