Rio Tejo “espanhol” escondia círculo de pedras como Stonehenge

CIÊNCIA

Seca revelou conjunto de menires debaixo de água com mais de 4 mil anos.

© SIC Notícias Dolmen Guadalperal no verão de 2019

Durante décadas, um cromeleque (conjunto de pedras pré-histórico em círculo) esteve oculto sob as águas do rio Tejo, no reservatório espanhol Valdecañas.

Meses de seca intensa fizeram desaparecer as águas do reservatório – revelando assim toda a estrutura megalítica. É uma oportunidade para o reinício das investigações sobre o enigmático círculo, mas também o início da discussão sobre se as pedras devem ser movidas ou deixadas no mesmo sítio.

Constituída por 150 menires dispostos em círculo, o Dólmen de Guadalperal é também conhecido como “Stonehenge espanhol”. Foi construído na Idade do Cobre ou do Bronze, nas margens do rio Tejo, há pelo menos 4.000 anos.

Os menires colocados na vertical fazem lembrar os famosos que constituem o conjunto britânico Stonehenge, bem como outros conjuntos megalíticos que há um pouco por toda a Europa, todos, supõe-se, para o mesmo fim.

Ao longo dos tempos, foram sendo colocadas lajes horizontais formando uma estrutura como um túmulo ou abrigo fechado chamado dólmen.

As teorias sobre pedras dispostas em círculo

Durante anos se acreditou que estes cromeleques funcionavam como um calendário ou observatório astronómico.

Já no século XXI, os arqueólogos desenvolveram a tese de que Stonhenge teria sido um cemitério, utilizado como um túmulo para famílias distintas, depois de 10 anos de pesquisas que incluíram escavações, trabalho de laboratório e a análise de 63 antigos restos humanos.

Análises efectuadas aos restos de 80.000 ossos de animais detectados no local também sugerem que, por volta de 2.500 A.C., decorreram em Stonehenge grandes festas comunitárias, como a celebração dos solstícios do verão e do inverno.

© Chris Helgren / Reuters

Perdido nos tempos, o local milenar foi redescoberto em 1920 e captou a atenção do antropólogo alemão Hugo Obermaier.

Mas o tempo que teve para estudar as pedras foi pouco. O Estado espanhol começou a transformar o rio Tejo num reservatório, que engoliu não só o cromeleque, mas também vários outros locais historicamente significativos de vários períodos.

Na década de 1960, a estrutura pré-histórica praticamente desapareceu de vista.

Este ano de 2019 foi particularmente seco, com Espanha a sofrer o Junho mais seco do século, o que fez com que os menires reaparecessem.

Duas imagens do satélite Landsat da NASA mostram bem como a terra sofreu uma grande transformação devido ao excesso de calor.

msn notícias
SIC Notícias
23/09/2019