3612: Novo estudo refere que a cratera Jezero em Marte pode abrigar sinais de vida

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

A NASA continua a palmilhar a superfície de Marte na expectativa de conhecer os pontos fundamentais para a chegada do novo veículo ao solo marciano. Nesse sentido, uma nova análise de imagens de satélite sustenta a hipótese de que a cratera de Jezero no planeta vermelho poderá ser um bom lugar para procurar marcadores de vida.

Conforme já foi veiculado pela agência espacial, a sonda Perseverance da NASA, cujo lançamento está previsto para Julho de 2020, aterrará na cratera de Jezero.

Rios de Marte deixaram marcas fortes na paisagem

As faixas ondulantes de terra visíveis do espaço revelam rios que outrora percorriam a superfície marciana. Contudo, fica a questão que poderá ser importante, no estudo do planeta: durante quanto tempo é que a água correu?

Segundo um novo estudo, esta água correu no leito tempo suficiente para registar evidências de vida antiga no planeta.

Quando os investigadores modelaram o tempo que levou a formar as camadas de sedimentos num delta de um rio antigo depositados à medida que este descia para a cratera, concluíram que se a vida tivesse existido perto da superfície marciana, poderiam ter sido capturados vestígios dela dentro das camadas do delta.

Provavelmente houve água durante uma duração significativa em Marte e esse ambiente era certamente habitável, mesmo que pudesse ter sido árido.

Mostrámos que os sedimentos eram depositados rapidamente e que se houvesse orgânicos, teriam sido enterrados rapidamente, o que significa que provavelmente teriam sido preservados e protegidos.

Referiu o autor principal Mathieu Lapôtre, professor assistente de ciências geológicas na Universidade de Stanford.

Formação da cratera Jezero

A NASA seleccionou a cratera Jezero para a sua próxima missão rover, em parte, porque o local contém um delta do rio. Os investigadores sabem que os deltas do rio na Terra preservam eficazmente as moléculas orgânicas associadas à vida.

Mas sem uma compreensão das taxas e durações dos eventos de construção do delta, a analogia continuou a ser especulativa. Assim, a nova investigação na AGU Advances oferece orientações para a recuperação de amostras, a fim de compreender melhor o antigo clima marciano e a duração da formação do delta. O Rover Perseverance to Mars da NASA, que será lançado como parte da primeira missão de retorno de amostras de Marte, irá inicialmente estudar essa área.

O estudo incorpora uma descoberta recente que os investigadores fizeram sobre a Terra: rios sinuosos de rosca única, que não têm plantas a crescer sobre as suas margens, movem-se de lado cerca de 10 vezes mais depressa do que os que têm vegetação.

Com base na força da gravidade de Marte, e assumindo que o planeta vermelho não tinha plantas, os cientistas estimam que o delta na cratera de Jezero levou pelo menos 20 a 40 anos para se formar. No entanto, a formação era provavelmente descontínua e originou que esse processo durasse cerca de 400.000 anos.

Isto é útil porque um dos grandes desconhecidos de Marte é o tempo. Encontrando uma forma de calcular a taxa para o processo, podemos começar a ganhar esta dimensão de tempo.

Referiu Lapôtre.

Uma vez que os rios de um só fio e serpenteantes são mais frequentemente encontrados com vegetação na Terra, a sua ocorrência sem plantas permaneceu, em grande parte, indetectável até há pouco tempo. Pensava-se que antes do aparecimento das plantas, só existiam rios entrançados, compostos por múltiplos canais entrelaçados.

Evolução da vida na Terra

Agora que os investigadores sabem que o devem procurar, encontraram rios serpenteantes na Terra onde não há plantas, como no McLeod Springs Wash, na bacia do Toiyabe, no Nevada.

Os investigadores estimaram também que os períodos húmidos conducentes a uma acumulação significativa de deltas eram cerca de 20 vezes menos frequentes em Marte antigo do que são actualmente na Terra.

Segundo os cientistas, as descobertas da cratera de Jezero poderiam ajudar a compreensão de como a vida evoluiu na Terra. Se a vida já existiu lá, é provável que não tenha evoluído para além da fase de célula única. Isso porque a cratera de Jezero formou-se há mais de 3,5 mil milhões de anos, muito antes dos organismos na Terra se terem tornado multi-celulares.

Se a vida existiu uma vez na superfície, algum evento desconhecido que esterilizou o planeta parou a sua evolução. Isso significa que a cratera marciana poderia servir como uma espécie de cápsula do tempo preservando sinais de vida como poderia ter existido em tempos na Terra.

Poder usar outro planeta como uma experiência de laboratório para saber como a vida poderia ter começado noutro lugar ou onde há um registo melhor de como a vida começou – isso poderia realmente ensinar-nos muito sobre o que é a vida. Estas serão as primeiras amostras que vimos como uma rocha em Marte e depois trazidas de volta à Terra, por isso é bastante excitante.

Concluiu Lapôtre.

Marte é, a seguir à Terra, o planeta que o ser humano mais conhece, contudo, ainda sabe muito pouco. Descobrir os segredos do solo marciano poderá ajudar a descobrir o início da vida terrena.

Pplware
27 Abr 2020

 

spacenews