1998: O glaciar Vavilov movia-se 20 metros por ano. Agora, move-se 20 por dia

CIÊNCIA

A dramática morte de um glaciar no norte da Rússia pode estar prestes a acontecer. Entre 1958 e 2013, as imagens de satélite do Landsat mostraram que a calota de gelo Vavilov estava a flutuar muito lentamente num ritmo aparentemente estável.

Depois, em 2013, os cientistas começaram a notar que o glaciar estava a escorrer dezenas de vezes mais rápido do que o normal. De acordo com o blog do Observatório da Terra da NASA, a calota de gelo está a deslizar tanto como o tamanho de um vagão de um comboio.

Esta perda de gelo é especialmente incomum porque a calota de gelo Vavilov é um glaciar de base fria num “deserto” polar com muito pouca precipitação. Isso significa que deve ser relativamente imune às pressões que sobrecarregam outras calotas, como o derretimento da parte inferior pelo aquecimento da água do mar, pois a base por baixo do glaciar está congelada.

Mudar de tamanho e forma é normal. No entanto, o que os investigadores estão a ver é sem precedentes. Se a camada de gelo estiver a mudar nesse ritmo, os cientistas suspeitam que a água tenha subido sob a parte terrestre da calota, fazendo com que se torne mais susceptível ao aquecimento global das temperaturas.

“O facto de que uma calota de gelo aparentemente estável no frio ter passado de 20 metros por ano para 20 metros por dia é extremamente incomum, talvez sem precedentes”, disse Michael Willis, um glaciologista da Universidade do Colorado em Boulder ao Observatório da Terra da NASA. “Os números aqui são simplesmente malucos. Antes disso, até onde sabia, glaciares gelados não faziam isso, não podiam fazer isso.”

A calota de gelo Vavilov foi o tema de um estudo realizado por Willis e uma equipa de investigadores do Colorado Boulder no ano passado, que destacou ainda mais a escala do fim da calota.

Nas três décadas anteriores a 2013, a calota de gelo Vavilov derreteu um total de poucos metros. Entre 2015 e 2016, a calota polar afinou cerca de 100 metros, cerca de 0,3 metros por dia, criando um volume suficiente para cobrir Manhattan com cerca de 75 metros de água.

A situação do Vavilov realça que as calotes frias noutras regiões polares, especialmente aquelas ao longo da Antárctida e da Gronelândia, poderiam ser mais vulneráveis ​​às mudanças climáticas do que os modelos climáticos previam anteriormente.

“Este evento obriga a repensar o funcionamento das geleiras a frio”, acrescentou Willis. “Pode ser que possam responder mais rapidamente ao aquecimento do clima ou às mudanças nas suas bases do que pensávamos.”

ZAP // IFL Science

Por ZAP
17 Maio, 2019



[vasaioqrcode]