3254: Esfinge real descoberta numa área “misteriosa” do Egipto

CIÊNCIA

Ministério das Antiguidades do Egipto

Uma equipa de arqueólogos descobriu uma pequena esfinge real na passada semana, no sul do Cairo, no Egipto. O objecto foi encontrado durante uma inspecção arqueológica na necrópole de Tuna el Yebel, na província de Menia.

Em comunicado, o Ministério das Antiguidades do Egipto explica que se trata de uma pequena esfinge (35 centímetros de altura e 55 centímetros de comprimento) de calcário.

O director-geral do Ministério, Gamal El Samastaui, destacou as “características e detalhes claros e bonitos do rosto” da esfinge. Na sua opinião, este achado e os seus traços demonstram “a capacidade do antigo artista egípcio“.

O mesmo responsável prometeu continuar a investigar e a escavar a área até conseguir explicar como é que a estátua chegou até esta área “misteriosa”.

A esfinge foi encontrada num sítio arqueológico onde, nos últimos três anos de escavações, foi encontrado um vale de múmias, vários cemitérios e catacumbas com muitos caixões de pedra e madeira. Os especialistas acreditam que as múmias encontradas na zona se encontram em boas condições de conservação.

Ministry of Antiquities وزارة الآثار

وزارة الاثار: العثور علي تمثال ملكي علي هيئة ابي الهول بتونا الجبل

كشفت البعثة الأثرية المصرية برئاسة/ سيد عبد المالك عبد الحميد كبير مفتشي أثار ملوى، علي تمثال ملكي صغير الحجم علي هيئة أبي الهول، و ذلك اثناء أعمال المسح الأثري بمنطقة كوم اللولي بجبانة تونا الجبل بمحافظة المنيا.

و اوضح جمال السمسطاوي مدير عام اثار مصر الوسطي ان التمثال مصنوع من الحجرى الجيري و يبلغ ارتفاعه بالقاعدة 35 سم و طولة 55 سم، ذو ملامح و تفاصيل الوجه واضحة و جميلة، مما يعكس مدي مهارة الفنان المصري

Ver mais

A imagem pode conter: 1 pessoa
A imagem pode conter: ar livre

Os especialistas encontraram juntamente com a esfinge uma colecção de amuletos de cerâmica da divindade Bes, bem como vasos de barro de várias formas e tamanhos e uma garrafa de alabastro, segundo o ministério.

As esfinges são um símbolo da realeza do Antigo Egipto, representando a força e o poder do faraó. Além disso, são ainda consideradas símbolos da vida após a morte, sendo muitas vezes encontradas junto a túmulos.

Nos últimos meses, o Egipto tem anunciado uma série de descobertas da Antiguidade, na esperança de animar a indústria turística do país, fonte primária de rendimento nacional. O sector foi muito afectado na última década pela instabilidade que se seguiu à turbulência popular de 2011, que derrubou o então ditador de longa dara Hosni Mubarak.

Nova esfinge descoberta (acidentalmente) no Egipto

Durante obras de reparação numa estrada, na cidade egípcia de Luxor, foi encontrada uma nova esfinge debaixo da terra, revelou…

ZAP //

Por ZAP
22 Dezembro, 2019

 

spacenews

 

1214: Arqueólogos descobriram o salão de festas do faraó Ramsés II

CIÊNCIA

Egyptian Ministry of Antiquities
Arqueólogos descobriram o Salão de festas de Ramses II

Arqueólogos da Universidade Ain Shams, no Cairo, encontraram nas ruínas do bairro árabe de Matariya o salão de festas do faraó egípcio Ramsés II. Durante o seu reinado, a zona correspondia à cidade de Heliópolis, uma das capitais do antigo país dos faraós.

A equipe de arqueólogos conseguiu identificar um conjunto de portas, paredes e instalações, que inclui um recinto em redor. Obras de perfuração efectuadas em Março deste ano possibilitaram a descoberta, detalhou o comunicado divulgado pelo Conselho Supremo de Antiguidades egípcio na quinta-feira.

Ramsés II foi o terceiro faraó da XIX dinastia egípcia, que reinou entre 1279 a.C. e 1213 a.C. O seu reinado é muitas vezes considerado o mais prestigiado da história egípcia no aspectos económico, cultural e militar.

O investigador responsável pala expedição, professor Mamduh al Damati, afirmou estar  impressionado pela unicidade do salão real, sem igual em qualquer construção do Império Novo egípcio.

Segundo o professor, a câmara cerimonial foi usada para celebrações reais não apenas durante o reinado de Ramsés II, mas também nos tempos dos seus sucessores. Os arqueólogos encontraram no recinto um artefacto do rei Ramsés III, que reinou cerca de três décadas depois de Ramsés II.

Entre os achados mais importantes destaca-se uma grande tigela de cerâmica, encontrada na sua posição original. De acordo com os arqueólogos, após o fim da época de Ramsés, a tigela poderá ter servido para abastecer com trigo um templo de Rá próximo do local.

As imagens distribuídas pelo Conselho Supremo de Antiguidades mostram a parte elevada da sala com um suposto trono real. Estão particularmente bem conservados quatro degraus, que separam a estrutura do chão.

A descoberta arqueológica foi anunciada alguns dias depois de um espectáculo especial, organizado pelas autoridades para delegações internacionais, em comemoração ao 50º aniversário do transporte, peça por peça, do templo de Ramsés II em Abu Simbel.

ZAP // Sputnik News

Por SN
29 Outubro, 2018

[vasaioqrcode]