5005: Cientistas perceberam finalmente como é que as borboletas voam

CIÊNCIA/BIOLOGIA

Michael Wallace / Flickr

Há muito tempo que os cientistas se questionam como é que as borboletas voam. Isto porque, em comparação com outros animais, têm asas invulgarmente curtas, largas e grandes em relação ao tamanho do seu corpo.

Mas agora, conta o canal televisivo CNN, biólogos da Universidade de Lund, na Suécia, testaram uma teoria com 50 anos que defende que estes insectos “batem” as asas juntas, empurrando o ar preso para criar um jacto e levar assim o animal na direcção contrária.

A equipa estudou algumas borboletas durante o voo e, na sua análise aerodinâmica, descobriu que as asas têm a forma de uma concha durante o movimento ascendente e batem uma na outra, empurrando o insecto para a frente. Enquanto isso, o movimento descendente ajuda no suporte do peso.

Os investigadores também notaram que as asas tinham um comportamento incomum: em vez de chocarem, como duas superfícies planas, dobravam-se para criar uma “forma de bolso”, o que captura mais ar e melhora a propulsão.

Segundo a cadeia televisiva norte-americana, os biólogos descobriram que as asas flexíveis aumentaram a eficiência do “aplauso” em 28%, em comparação com as asas rígidas.

Os especialistas acreditam que estes insectos podem ter evoluído para favorecer este formato de asa incomum, com o intuito de evitar predadores.

“Esta flexibilidade pode ser uma das razões pelas quais têm este formato de asa incomum. As borboletas levantam voo muito rapidamente – fazem isto como uma medida de segurança, para minimizar o risco de serem apanhadas”, explicou Per Henningsson, professor associado de Biologia na universidade sueca e um dos autores do estudo publicado, esta quarta-feira, na revista científica Journal of the Royal Society Interface.

ZAP //

Por ZAP
25 Janeiro, 2021