2334: Ilhas Marshall são dez vezes mais radioactivas que Chernobyl

U.S. Army / Wikimedia

Algumas das Ilhas Marshall no Oceano Pacífico – como os atóis Bikini e Enewetak – ainda são mais radioactivas que Chernobyl e Fukushima, embora mais de 60 anos tenham passado desde que os EUA testaram armas radioactivas.

Ao testar o solo para plutônio-239 + 240, os investigadores descobriram que algumas das ilhas tinham níveis entre 10 e 1.000 vezes maiores do que em Fukushima – onde um terremoto e tsunami levaram à fusão de reactores nucleares – e cerca de 10 vezes mais altos do que os níveis na zona de exclusão de Chernobyl.

Os cientistas levaram apenas um número limitado de amostras de solo, o que significa que é necessária uma investigação mais abrangente. Independentemente disso, ficaram surpreendidos que nem os governos nacionais nem as organizações internacionais tivessem “qualquer orientação adicional sobre os níveis de plutónio permissíveis no solo”, embora os níveis nas Ilhas Marshall fossem altos.

Depois de lançar bombas atómicas nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em 1945, efectivamente terminando a II Guerra Mundial, os EUA decidiram testar mais armas radioactivas. Alguns desses testes ocorreram nas Ilhas Marshall, uma cadeia de ilhas entre o Hawai e as Filipinas, um distrito do Território da Confiança das Ilhas do Pacífico – administrado pelos EUA em nome das Nações Unidas.

As duas primeiras bombas – chamadas Able e Baker – foram testadas no Atol de Bikini em 1946 e deram início a um período de 12 anos de testes nucleares nos atóis Bikini e Enewetak, durante os quais os EUA testaram 67 armas nucleares.

O primeiro teste da bomba de hidrogénio – Ivy Mike – foi testado em Enewetak em 1951. Os EUA realizaram o seu maior teste de bomba de hidrogénio no Atol de Bikini – a bomba de 1954 do Castelo Bravo, que foi mais de 1.000 vezes mais poderosa que “Little Boy”, a arma de urânio que dizimou Hiroshima.

Além de contaminar os atóis Bikini e Enewetak, a precipitação nuclear dos testes também choveu e as pessoas que vivem nos atóis de Rongelap e Utirik adoeceram, de acordo com a Live Science.

Em 2016, uma equipe de investigadores da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, publicou um estudo na revista Proceedings of National Academy of Sciences sobre a radiação gama de fundo em três dos atóis Marshall do norte: Enewetak, Bikini e Rongelap. Descobriram que os níveis de radiação no Bikini eram mais altos do que o relatado anteriormente, por isso decidiram fazer estudos mais aprofundados sobre a radioactividade nas ilhas.

Agora, a mesma equipa escreveu três novos estudos, publicados na revista PNAS, em quatro dos atóis nas ilhas do norte de Marshall: Bikini, Enewetak, Rongelap e Utirik. Os níveis externos de radiação gama foram significativamente elevados no Atol de Bikini; na ilha de Enjebi no Atol de Enewetak; e na Ilha Naen, no Atol Rongelap, em comparação com uma ilha no sul das Ilhas Marshall, que os cientistas usaram como controlo.

Os níveis nas ilhas Bikini e Naen eram tão altos que ultrapassaram o limite máximo de exposição que os EUA e a República das Ilhas Marshall concordaram.

Os cientistas também descobriram que as ilhas de Runit e Enjebi no Enewetak Atoll, bem como nas ilhas Bikini e Naen, tinham altas concentrações de isótopos radioactivos no solo. Essas quatro ilhas tinham níveis de plutónio radioactivo que eram mais altos que Fukushima e Chernobyl.

No segundo estudo, os investigadores trabalharam com mergulhadores profissionais, que recolheram 130 amostras de solo da cratera Castle Bravo, no Atol de Bikini. O nível de alguns dos isótopos – plutônio-239.240, amerício-241 e bismuto-207 – tinha uma ordem de magnitude maior do que os níveis encontrados noutras ilhas Marshall.

Estas descobertas são importantes porque “medir a contaminação radioativa do sedimento da cratera é um primeiro passo para avaliar o impacto geral dos testes de armas nucleares nos ecossistemas oceânicos”.

No terceiro estudo, os cientistas testaram mais de 200 frutas – a maioria cocos e pandanus – em 11 das ilhas de quatro diferentes atóis no norte das Ilhas Marshall. Os níveis de césio-137 não pareciam bons para uma grande parte dos frutos dos atóis Bikini e Rongelap, que tinham níveis de radioactividade superiores aos considerados seguros por vários países e organizações internacionais

ZAP //

Por ZAP
18 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

1927: Os restos das bombas atómicas chegaram às entranhas das criaturas no lugar mais remoto da Terra

PH2 Norr, U.S. Navy / Wikimedia

A Guerra Fria já terminou, mas o seu legado ainda continua vivo, mesmo nos corpos de criaturas que vivem na mais profunda trincheira subaquática do mundo.

No fundo do Pacífico Oeste, nas suas profundezas mais escuras – o ponto mais profundo da Terra, a Fossa das Marianas – uma equipa de cientistas descobriram a presença de isótopos de carbono instáveis nos corpos de animais parecidos com camarões.

Ao identificar a “impressão digital” distintiva dos isótopos, os investigadores conseguiram rastreá-lo até às sobras de ogivas nucleares da Guerra Fria.

Segundo o artigo publicado na revista Geophysical Research Letters, cientistas liderados pela Academia Chinesa de Ciências documentaram como as explosões de atmosfera de ogivas nucleares acima do Pacífico acabaram nas entranhas de pequenos crustáceos a profundidades de até 11 mil metros.

A equipe de cientistas começou a recolher pequenos crustáceos, conhecidos como anfípodes, na primavera de 2017. Análises do conteúdo do tecido muscular e dos intestinos encontraram níveis estranhamente elevados do carbono do isótopo instável do carbono-14 (14C), um sinal de denotações termo-nucleares.

O pequeno grupo de nações com energia nuclear do mundo – principalmente os EUA e a ex-URSS – realizou mais de duas mil explosões em testes nucleares desde 1945, quase 400 delas denotadas na atmosfera entre 1945 e 1963. Como resultado dessa actividade atómica, a quantidade de 14C na atmosfera duplicou durante os anos 1950 e 1960.

Aparentemente, esse 14C “desceu” até às águas superficiais do oceano. Aqui, foi comido por criaturas que habitam a superfície, onde penetrou profundamente na cadeia alimentar da vida marinha do Pacífico. Como necrófagos, os anfípodes também comem carne apodrecida de criaturas marinhas que flutuaram até o fundo do mar depois de morrerem.

Os níveis de 14C também sugeriram que esses habitantes do mar profundo têm uma vida útil relativamente longa de mais de dez anos, muito maior do que os seus primos de águas rasas. “Esta bomba 14C misturou-se rapidamente nos reservatórios de carbono oceânicos e terrestres de superfície, permitindo que o 14C seja rastreado dentro do ciclo de carbono numa escala de tempo curta, de anos a décadas”, escrevem os autores do estudo.

A radioactividade não é a única relíquia da actividade humana que pode ser encontrada nestas trincheiras. Cientistas encontraram sacos de plástico na Fossa das Marianas.

Ainda mais preocupante, um estudo recente publicado no início deste ano descobriu a presença de micro-plásticos em animais que vivem na Fossa das Marianas. De facto, quase 75% do camarão testado neste estudo continha pelo menos uma micro-partícula de plástico, mostrando que a influência humana se espalhou até nos lugares mais remotos da Terra.

ZAP // IFL Science
Por ZAP
6 Maio, 2019

[vasaioqrcode]

 

1078: Os bombardeios da Segunda Guerra Mundial chegaram até ao Espaço

CIÊNCIA

U.S. Air Force / Public Domain

As poderosas bombas lançadas durante a Segunda Grande Guerra deixaram profundas e claras cicatrizes em terra. Agora, um novo estudo sugere que estas consequências podem ter chegado mais longe – até ao Espaço.

De acordo com um novo estudo, publicado esta terça-feira na Annales Geophysicae, os bombardeamentos causaram ondas de choque que atingiram a borda do Espaço. Como resultado, estas ondas enfraqueceram a atmosfera superior da Terra, a ionosfera.

A investigação, levada a cabo por uma equipa de investigadores da Universidade de Reading, no Reino Unido, focou-se essencialmente nos grandes bombardeios das cidades alemãs que foram atingidas pelas forças aliadas.

Segundo a pesquisa, as ondas de choque produzidas pelas bombas lançadas sobre as cidades europeias há quase 80 anos foram fortes o suficiente para enfraquecer a atmosfera superior electrizada – a ionosfera – acima do Reino Unido – a 1000 quilómetros de distância.

Os investigadores estão a utilizar estes dados para melhor compreender de que forma é que as forças naturais – como raios, erupções vulcânicas e terramotos – também afectam a atmosfera superior da Terra, nota a Europa Press.

“As imagens das cidades da Europa reduzidas a escombros devido a ataques aéreos em tempo de guerra são um lembrete duradouro do tipo de destruição que as explosões artificias podem causar”, explicou Chris Scott, professor de Física do Espaço.

Contudo, frisa o investigador, “o impacto dessas bombas na atmosfera da Terra nunca tinha sido analisado até agora”. “O que não perceberam na época [da Guerra] é que os registos ionesféricos realmente contêm as assinaturas da guerra em si”.

É assombroso ver como é que as ondas causadas por explosões provocadas pelo Homem podem afectar a borda do Espaço. Cada ataque libertou uma energia de, pelo menos, 300 raios. E a enorme energia envolvida permitiu-nos identificar como é que os eventos na superfície da Terra podem também afectar a ionosfera”, continuou em comunicado.

Para o estudo, os investigadores observaram e analisaram os registos diários no Radio Research Center em Slough, Reino Unido, colectados entre 1943-45.

A ionosfera afecta várias tecnologias modernas, como comunicações de rádio, sistemas de GPS, radiotelescópios e alguns radares de alerta, no entanto, a extensão do impacto sobre as comunicações de rádio durante a Segunda Guerra Mundial não é ainda clara.

ZAP //

Por ZAP
27 Setembro, 2018

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico