4583: Encontrado o buraco negro mais distante que pertence a uma rara família de galáxias

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

M. WEISS / CFA

Uma equipa de astrónomos identificou uma das classes mais raras conhecidas de galáxias emissoras de raios gama, chamada BL Lacertae, nos primeiros 2 mil milhões de anos de idade do Universo.

Com a ajuda do Grande Telescópio das Canárias, uma equipa de astrónomos identificou uma rara classe de galáxias que emitem raios gama – conhecida como BL Lacertae – nos primeiros 2.000 milhões de anos do Universo.

Só uma pequena fracção de galáxias emite raios gama, que são a forma mais extrema de luz. Os astrónomos acreditam que estes fotões altamente energéticos se originam nas proximidades de buracos negros super-massivos que residem nos centros dessas mesmas galáxias.

Quando isso acontece, são chamadas de galáxias activas – o buraco negro engole a matéria ao seu redor e emite jactos de matéria e radiação. Menos de 1% dessas galáxias activas têm jactos apontados para a Terra: chamam-se blazares e são uma das fontes de radiação mais poderosas do Universo.

Os blazares podem ser divididos em dois tipos: BL Lacertae (BL Lac) e radio-quasars de espectro plano (FSRQ). De acordo com os cientistas, estes últimos são galáxias activas relativamente jovens, ricas em poeira e gás que cercam o buraco negro. Com o passar do tempo, a quantidade de matéria disponível para alimentar o buraco negro diminui e o FSRQ evolui para um Lac BL.

Isto significa que BL Lacertae pode representar uma fase mais antiga e mais evoluída na vida de um blazar, “enquanto os FSRQs são uma espécie de fase adulta”, explicou o cientista Vaidehi Paliya, citado pelo Europa Press.

Os astrónomos acreditam que a idade actual do Universo ronda em torno de 13,8 mil milhões de anos. Ora, o FSRQ mais distante conhecido foi identificado a uma distância de quando o Universo tinha cerca de mil milhões de anos. Em comparação, o BL Lac mais distante conhecido foi visto quando o Universo tinha cerca de 2,5 mil milhões de anos.

Esta constatação levanta a hipótese de que os FSRQs podem mesmo evoluir para BL Lacs.

Mais recentemente, uma equipa de cientistas descobriu um novo BL Lac muito mais longe do que o recorde de distância anterior. A descoberta do 4FGL J1219.0 + 3653 foi descrita num artigo científico publicado no The Astrophysical Journal Letters.

“Descobrimos um BL Lac existente há cerca de 800 milhões de anos, ou seja, quando o Universo tinha menos de 2 mil milhões de anos”, informou a investigadora Cristina Cabello.

“Esta descoberta desafia o cenário actual de que os BL Lacs são uma fase evoluída dos FSRQs”, acrescentou o cientista Nicolás Cardie.

ZAP //

Por ZAP
2 Novembro, 2020