4116: A perda de biodiversidade pode estar a deixar-nos doentes

CIÊNCIA/MICROBIOLOGIA

Prawny / Pixabay

A perda de biodiversidade, nomeadamente microbiana, pode enfraquecer as nossas resistências e tornar-nos mais débeis ao longo do tempo.

Em 2050, espera-se que 70% da população do mundo viva em vilas e cidades. A vida urbana traz muitos benefícios, mas os habitantes da cidade em todo o mundo estão ver um rápido aumento de problemas de saúde, como asma e doença inflamatória intestinal.

Agora, alguns cientistas acham que isso está relacionado com a perda de biodiversidade. A possibilidade é avançado no portal The Conversation por Jake M. Robinson, investigador da Universidade de Sheffield, no Reino Unido. Actualmente, a taxa a que diferentes espécies são extintas é mil vezes maior do que o normal.

A diversidade microbiana é uma grande parte da biodiversidade que está a ser perdida. E esses micróbios – bactérias, vírus e fungos, entre outros – são essenciais para manter ecossistemas saudáveis. Como os seres humanos fazem parte desses ecossistemas, a nossa saúde também sofre quando desaparecem ou quando barreiras reduzem a nossa exposição a eles.

O nosso intestino, pele e vias respiratórias abrigam microbiomas distintos. Só o intestino humano abriga até 100 biliões de micróbios, o que supera as nossas próprias células humanas. Os nossos micróbios fornecem serviços que são essenciais para a nossa sobrevivência, como o processamento de alimentos e o fornecimento de químicos que apoiam o funcionamento cerebral.

O contacto com uma gama diversificada de micróbios no nosso ambiente também é essencial para fortalecer o nosso sistema imunológico. Micróbios encontrados em ambientes mais próximos aos que nos desenvolvemos desempenham um papel importante em “educar” o nosso sistema imunológico.

Parte do nosso sistema imunológico é de acção rápida e inespecífica, o que significa que ele ataca todas as substâncias na ausência de regulamentação adequada. Micróbios do nosso ambiente ajudam a fornecer esse papel regulador. Eles também podem estimular substâncias químicas que ajudam a controlar a inflamação e impedir que o nosso corpo ataque as nossas células, ou substâncias inócuas, como pólen e poeira.

A exposição a uma gama diversificada de micróbios permite que os nossos corpos montem uma resposta defensiva eficaz contra patogénicos. Outra parte do nosso sistema imunológico produz pequenos exércitos de “células de memória” que mantêm um registo de todos os patogénicos que o nosso corpo encontra. Isso permite uma resposta imune rápida e eficaz a patogénicos semelhantes no futuro.

Para ajudar a combater doenças infecciosas como a covid-19, precisamos de sistemas imunológicos saudáveis. Mas isso é impossível sem o apoio de diversos microbiomas. Assim como os micróbios desempenham papéis importantes nos ecossistemas, ajudando as plantas a crescer e a reciclar os nutrientes do solo, eles também fornecem ao nosso corpo nutrientes e químicos que promovem uma boa saúde física e mental. Isso fortalece a nossa resiliência ao enfrentar doenças e outros momentos stressantes das nossas vidas.

Mas as nossas cidades geralmente não têm biodiversidade. Muitos de nós trocamos espaços verdes e azuis por espaços cinzentos. Como resultado, os moradores urbanos estão muito menos expostos a uma diversidade de micróbios promotores de saúde. A poluição também pode afectar o microbioma urbano. Poluentes do ar podem alterar o pólen, de modo que é mais provável que ele cause uma reacção alérgica.

A “germofobia”, a percepção de que todos os micróbios são maus, agrava esses efeitos, incentivando muitos de nós a esterilizar todas as superfícies de casa, e muitas vezes impede que as crianças saiam e brinquem na terra. O solo é um dos habitats com maior biodiversidade da Terra; portanto, os estilos de vida urbanos podem realmente prejudicar os jovens, cortando essa conexão vital.

As pessoas que vivem em áreas urbanas mais carentes têm problemas de saúde, menor esperança média de vida e maiores taxas de infecções. Não é por acaso que essas comunidades geralmente carecem de espaços verdes e azuis acessíveis e de alta qualidade.

Por ZAP
7 Agosto, 2020

 

spacenews

 

1310: Hora H para a biodiversidade é agora. Ou, talvez, nunca

CIÊNCIA

Delegados à cimeira das Nações Unidas sobre a Convenção da Biodiversidade têm duas semanas para mostrarem o que valem. Com as espécies a perderem terreno, políticos têm pouco tempo para inverter essa tendência

É necessário criar mais áreas marinhas protegidas no planeta
© Arquivo Global Imagens

Sem alarido, os trabalhos da Conferência das Partes da Convenção da Biodiversidade das Nações Unidas (COP 14) – sim, a biodiversidade também tem uma COP – arrancaram este sábado no Egipto. Apesar da ausência de mediatismo, porém, o que está em causa nesta cimeira – preservar os habitats naturais que estão a regredir a grande velocidade e salvar da extinção a maioria das espécies – é tão crucial para o futuro do planeta como o que se discute nas muito mais mediáticas COP do clima.

A natureza regride à frente dos nossos olhos. Ainda há duas semanas, a directora executiva da Convenção da Biodiversidade da ONU, Cristiana Pasca Palmer, alertava, em entrevista ao The Guardian, para números alarmantes: desde 1970, 60% dos mamíferos, aves, peixes e répteis desapareceram da face do planeta. A perda de biodiversidade, disse a directora da convenção, “é um assassino silencioso”. Porquê? Porque as pessoas não se apercebem dessa realidade, ao contrário do que sucede com as alterações climáticas, que “são sentidas no dia-a-dia”, afirmou.

Em vésperas desta COP, que decorre em Sharm El-Sheikh até 29 deste mês, com representantes dos 196 países signatários da convenção, Cristiana Pasca Palmer não poupou palavras, alertando para necessidade de um novo acordo para a preservação do mundo natural nos próximos dois anos. A não ser assim, avisou, o que pode estar em causa é a extinção da própria humanidade.

Preparar compromisso para Pequim

O dramatismo das afirmações da directora da Convenção da Biodiversidade da ONU surge do pouco se andou nesta área até agora. Há oito anos, em Aichi, no Japão, os 196 países signatários da convenção da biodiversidade celebraram um protocolo com metas concretas, mas os resultados são demasiado escassos.

O acordo previa a redução para metade da perda dos habitats naturais, a garantia de actividades de pesca sustentáveis em todas as regiões do mundo e a expansão de reservas naturais de 10% para 17% da superfície do planeta até 20120. Mas a dois anos de terminar o prazo, os avanços foram poucos ou nenhuns, como se verá nas contas desta COP.

“A perda de biodiversidade e a destruição continuam a um ritmo sem precedentes, sobretudo devido à perda de habitats, às alterações climáticas, à poluição e às espécies invasoras”, afirmou Cristiana Pasca Palmer ao site de informação ambiental Unearthed, ligado à Greenpeace, antes do início dos trabalhos em Sharm El-Sheikh.

Durante as próximas duas semanas, os delegados à COP têm uma árdua tarefa pela frente: voltar a pôr nos carris esta pesada carruagem, que dentro de dois anos, tem de estar afinada para que a cimeira de Pequim, em 2020, possa traçar novas metas.

O objectivo é conseguir na capital chinesa um compromisso com uma ambição política idêntica à do Acordo de Paris para o clima – embora não seja completamente claro neste momento se ficar abaixo de 1,5 graus de aumento de temperatura até final do século é exequível, face aos níveis de emissões de gases com efeito de estufa que persistem. Mas, para a biodiversidade, apesar de alguns sinais positivos, as dificuldades parecem ser ainda mais duras.

Como sublinhou Cristiana Pasca Palmer, há dados que deixam alguma esperança, Por exemplo, na Ásia, a cobertura florestal cresceu 2,5% nos últimos anos, e há hoje mais áreas marítimas protegidas do que há 10 anos, mas não chega. E para que, de Pequim, possa sair em 2020 um compromisso robusto, é necessário que este COP no Egipto comece já a trabalhar nele.

Diário de Notícias
Filomena Naves
17 Novembro 2018 — 20:26

[vasaioqrcode]

 

1242: 70% da biodiversidade intacta que resta na Terra está em apenas cinco países

CIÊNCIA

Os poucos ecossistemas intactos que ainda restam na Terra, que ajudam a preservar a vida selvagem e servem como amortecedores cruciais contra os efeitos das alterações climáticas, correm o risco de serem destruídos devido à actividade humana.

O aviso é deixado por investigadores da Universidade de Queensland, na Austrália, e da organização não-governamental norte-americana Wildlife Conservation Society (WCS) através de um artigo publicado na passada quinta-feira na revista Nature.

Actualmente, 77% da superfície terrestre – com excepção da Antárctida – e 87% dos oceanos foram alterados devido a efeitos directos da actividade do Homem. Há cem anos, apenas 15% do planeta era utilizado para actividades agrícolas, aponta o estudo.

Só entre 1993 e 2009, a actividade humana destruiu a vida selvagem numa área de 3,3 milhões de quilómetros quadrados – mais do que a superfície da Índia. Hoje em dia, as únicas águas oceânicas não afectadas pela pesca industrial ou pela poluição estão confinadas às regiões polares.

(dr) Nature
Áreas que ainda mantêm ecossistemas selvagens intactos

“As áreas selvagens são agora os únicos lugares que contêm combinações de espécies próximas da sua abundância natural” e, por isso, estes espaços são os únicos que “apoiam o processo ecológico” necessário para “manter a biodiversidade numa escala evolutiva”, escreveram os especialistas na publicação.

Portanto, estes lugares são “importantes reservatórios de informação genética“, indispensáveis nos esforços reunidos para regenerar a vida selvagem em áreas degradadas pela actividade humana, explicaram os autores.

Cerca de 94% dos ecossistemas selvagens intactos estão actualmente localizados em apenas 20 países, enquanto apenas cinco deles – Rússia, Canadá, Austrália, Brasil e Estados Unidos – compõem 70% da vida selvagem.

(dr) Nature
Os países que contêm 94% de toda a vida selvagem intacta (excluindo a Antárctida)

“Um punhado de países abriga muito desta terra intocada e estes países têm uma grande responsabilidade em manter o que resta da natureza selvagem”, frisou James Watson, professor na Universidade de Queensland e autor principal do estudo.

Face a estes dados, é essencial que os governos unam esforços junto de uma estrutura global para a conservação ambiental, uma vez “a contribuição de ecossistemas intactos não foi especificamente abordada em nenhum dos quadros políticos internacionais, como o Plano Estratégico das Nações Unidas para a Biodiversidade ou o Acordo de Paris”, alertam por fim os autores do estudo.

O novo estudo é divulgado na mesma semana em que o WWF revelou que as populações de animais do planeta diminuíram 60% desde 1970, devido sobretudo à acção humana.

ZAP // RT / Deutsche Welle

Por ZAP
4 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]