2598: Descoberta na costa do Japão nova espécie de baleia-bicuda

CIÊNCIA

(cv) YouTube

Além de ser mais pequena, a Berardius minimus possui uma morfologia diferente, um bico mais curto e uma cor mais escura em comparação com as espécies Berardius já conhecidas.

Há vários anos que os pescadores de baleia japoneses falam de um tipo raro de baleia-bicuda, apelidando-a de Kurotsuchikujira. O pequeno tamanho deste cetáceo iludiu os investigadores mas, agora, uma nova investigação descobriu que este animal pode ser mesmo caracterizado como uma nova espécie, escreve o IFLScience.

As baleias-bicudas gostam de viver no oceano profundo e são especialmente evasivas, tornando-as uma das espécies de baleias mais difíceis de estudar. No Pacífico Norte e nas águas adjacentes, existem duas espécies de Berardius: a Berardius bairdii e agora a Berardius minimus, assim baptizada pelo seu tamanho particularmente pequeno.

Os investigadores analisaram quatro exemplares já falecidos desta baleia: três da ilha de Hokkaido, no Japão, e uma da ilha de Unalaska, nos Estados Unidos. Todas “diferiam dos seus congéneres” na morfologia, osteologia e filogenia molecular.

Ilustração da Berardius minimus (em cima) e da Berardius bairdii (em baixo)

“Só de olhar para elas, podemos dizer que têm um tamanho corporal notavelmente menor, um corpo em forma de eixo, um bico mais curto e uma cor mais escura em comparação com as espécies Berardius já conhecidas”, disse Tadasu K. Yamada, curador emérito do Museu Nacional da Natureza e Ciência do Japão e um dos autores do estudo publicado, em Agosto, na revista Scientific Reports.

Além de ser mais pequena — a B. minimus mede pouco mais de seis metros (em comparação com a B. bairdii, que mede cerca de dez) —, esta nova espécie também possui um bico distintamente mais curto e outras diferenças notáveis no crânio e na composição esquelética.

“Ainda há muitas coisas que não sabemos sobre a B. minimus. Ainda não sabemos como são as fêmeas adultas e ainda existem muitas questões relacionadas à distribuição desta espécie, por exemplo”, afirma outro dos autores do estudo, Takashi F. Matsuishi.

As baleias nesta parte do mundo também são chamadas de Karasu. Os investigadores não têm a certeza se as Karasu e as Kurotsuchikujira são da mesma espécie ou se são, na verdade, uma terceira e nova espécie.

ZAP //

Por ZAP
8 Setembro, 2019