1232: Cientistas “ressuscitam” um dos mais antigos “ancestrais” dos humanos

CIÊNCIA

(dr) SCRIPPS RESEARCH

Cientistas da China e dos Estados Unidos criaram uma bactéria sintética cujas características se parecem com as dos ancestrais das mitocôndrias, as “centrais de energia” das células.

Os eucariotas são todos os seres vivos – humanos, animais, fungos e plantas – com células eucarióticas que têm um núcleo complexo rodeado por vários organelos, diferenciando-se dos organismos unicelulares procariontes. Os cientistas acreditam que os eucariotas apareceram quando os seus ancestrais “assimilaram” várias bactérias e arqueias.

As mitocôndrias são uma boa ilustração deste processo, isto porque possuem uma membrana dupla que as separa do resto da célula e o seu próprio ADN e sistema de síntese de proteínas.

Actualmente, acredita-se que a “assimilação” de mitocôndrias foi um passo-chave na evolução dos “nossos ancestrais” unicelulares e teve lugar nas primeiras etapas deste processo.

Peter Schultz, um dos autores do estudo publicado recentemente na Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), e a sua equipa criaram o primeiro “instrumento” que permite verificar esta teoria e entender se que forma as bactérias conseguiram penetrar e sobreviver dentro das células dos nossos ancestrais. Para isso, os cientistas transformaram radicalmente o ADN de uma bactéria bacilar.

Posteriormente, os especialistas inseriram estas bactérias em células de leveduras com mitocôndrias danificadas por um processo semelhante. Como mostrou a experiência, o aparecimento de micróbios dentro das células de leveduras fez com que as últimas ressuscitassem e permitiu iniciar um ciclo de multiplicação, levando consigo parte das novas “mitocôndrias”.

“Estes organismos sintéticos permitirão verificar duas teorias-chave sobre as etapas mais importantes da evolução de vida – a transição do ARN (ácido ribonucleico) para o ADN e a transição das células procariontes para eucariotas com mitocôndrias”, comentou o Peter Schultz.

No futuro, os cientistas planeiam mudar o genoma da bactéria bacilar para que seja ainda mais parecido com mitocôndrias reais. Novos experiência, acredita Schultz e a sua equipa, ajudarão a entender quando e como os ancestrais das bactérias começaram a usar esta simbiose.

ZAP // Sputnik News

Por SN
2 Novembro, 2018