120: A bactéria mais famosa do mundo vai ao espaço estudar resistência a antibióticos

(cc) NIAID
Bactérias E.coli vistas ao microscópio electrónico

Este Domingo foi lançada para o espaço a missão Cygnus que, para além de abastecer a Estação Espacial Internacional, levou consigo o satélite E. coli AntiMicrobial (EcAMSat) para testar como as micro-bactérias se desenvolvem em micro-gravidade.

A agência espacial norte-americana, NASA, realizou este domingo com sucesso o lançamento da missão Cygnus, uma missão não tripulada de abastecimento à Estação Espacial Internacional, ISS.

A missão Cygnus entregou cerca de 3,3 toneladas de alimentos, equipamentos e materiais para experiências científicas. No entanto, desta vez levou consigo um dos agentes patogénicos mais conhecidos, responsável por milhões de infecções e doenças – a bactéria E. coli.

A famosa Escherichia coli vai participar num estudo de resistência a antibióticos, um fenómeno que está a aumentar à escala global, preocupando a comunidade médica e científica.

A experiência irá examinar a forma como a micro-gravidade prejudica a capacidade da E.coli de se reproduzir quando exposta a antibióticos. Em comunicado, a NASA afirmou que “o efeito dos voos espaciais sobre a resistência bacteriana da E.coli, assim como a sua base genética, serão demonstrados” nesta experiência.

Desde que os seres humanos começaram a usar antibióticos, em meados do séculos XX, bactérias patogénicas como a E.coli desenvolveram novos genes que os tornaram cada vez mais resistentes a antibióticos.

De acordo com a agência espacial, este problema pode representar um grande perigo para os astronautas, tendo em conta que no espaço o sistema imunológico se debilita.

Os especialistas estão confiantes de que os resultados desta experiência podem ajudar a projectar contra-medidas eficazes para proteger a saúde dos astronautas durante as missões espaciais de longo prazo.

A experiência irá determinar a menor concentração de antibiótico que inibe o crescimento bacteriano. O conhecimento adquirido nesta experiência pode ser útil para prescrever a dose correta de antibióticos para futuros viajantes espaciais.

Na Terra, este estudo irá ajudar a entender como o microorganismo responde a vários “níveis de stress” e diferentes concentrações de antibióticos, para o desenvolvimento de medicamentos mais eficazes.

A E.coli, à semelhança de outras bactérias, mostrou uma resistência crescente ao longo do tempo, levando ao aparecimento de super-bactérias. Perante estes microorganismos, os cientistas sentem-se impotentes dado que, mesmo tentando combatê-las, poderiam fazer com que se desenvolvessem ainda com maior resistência.

ZAP // NASA / Space

[SlideDeck2 id=42]

[yasr_visitor_votes size=”medium”]

[powr-hit-counter id=7cf92a16_1510665018864]

[counterize type=”countries”]