4719: Lulas gigantes estão a deixar enormes cicatrizes em tubarões brancos

CIÊNCIA/BIOLOGIA

(dr) Becerril-García et al. 2020

Cientistas marinhos encontraram evidências que sugerem que grandes tubarões brancos (Carcharodon carcharias) estão a ser atacados por lulas gigantes no Oceano Pacífico.

Uma equipa de investigadores encontrou 14 tubarões brancos (Carcharodon carcharias) com evidências de cicatrizes causadas por lulas gigantes no México.

O estudo, recentemente publicado na Nature, indica que os cientistas marinhos examinaram 14 tubarões brancos com cicatrizes ao longo de cinco anos, entre 2008 e 2019. A maioria dos espécimes ainda não tinha atingido a idade adulta na altura e as marcas apareceram quase que universalmente na cabeça e tronco dos animais.

Segundo o All That’s Interesting, os ataques aconteceram próximo da Ilha de Guadalupe e é um fenómeno que, segundo os investigadores, tem acontecido nas águas do Oceano Pacífico Norte.

Com os cefalópodes – animais marinhos como lulas, polvos e chocos – constituem cerca de 50% da dieta de algumas espécies de tubarões, os cientistas sugerem que os ferimentos são provocados durante a tentativa de caça. “O consumo de cefalópodes pode ser essencial na dieta do tubarão branco por permitir uma rápida digestão e absorção devido à grande quantidade de proteínas e baixo teor de lípidos presentes nesse grupo de invertebrados”, escreveram no artigo.

As lulas gigantes vivem a uma profundidade entre os 200 e 1.000 metros. Em busca de uma refeição, os tubarões brancos mergulham nestas profundidades, um comportamento comum principalmente entre os adultos e “adolescentes”, numa região onde a luz do Sol não chega.

“O facto de a lula causar estas marcas nos tubarões sugere um encontro extremamente agressivo entre predador e presa, no qual as cicatrizes defensivas se projectam na cabeça, guelras e corpo do tubarão branco”, escreveram os autores do artigo científico, alertando que, em alguns casos, podem gerar feridas abertas e de alta intensidade.

ZAP //

Por ZAP
26 Novembro, 2020


2997: Triângulo das Bermudas. Lula gigante pode ser a culpada de todos os misteriosos desaparecimentos

MAR

Allexxandar / Canva

O misterioso desaparecimento de barcos no Triângulo das Bermudas poderia estar ligado à agressividade de lulas gigantes, cuja existência foi comprovada em 2004.

Até 2004, a existência de lulas gigantes era considerada um mito por grande parte da comunidade científica mundial. No entanto, naquele ano, os investigadores japoneses Tsunemi Kubodera e Kyoichi Mori conseguiram filmar pela primeira vez o animal, de cerca de oito metros de comprimento, no litoral do Japão, não muito longe das Ilhas Ogasawara.

Este ano, de acordo com a Sputnik News, uma equipa de cientistas da organização Pesquisa e Exploração Oceânica (OER, na sigla em inglês), nos Estados Unidos, publicaram um vídeo em que uma lula gigante foi vista no golfo do México, local próximo ao Triângulo das Bermudas.

A descoberta dá força à ideia de que o desaparecimento de barcos nas Bermudas poderia ser resultado de ataques de lulas gigantes, hipótese que até então só era ouvida de mitos antigos.

“A lenda das lulas gigantes não é uma lenda. Elas existem. Algumas delas têm mais de 45 metros de comprimento”, disse Rob Simone, investigador das Bermudas, num documentário referido pelo Express.

A ideia de Simone também foi sustentada pelo cientista do Aquário de Vancouver Jeffrey Marliave. “A maior parte dos casos [de ataques a barcos] não foi [causado por] polvos. A única espécie que poderia realizar um ataque a um barco pequeno seria um parente do polvo, a lula gigante“, declarou Marliave.

Estima-se que, nos últimos 100 anos, o misterioso “Triângulo das Bermudas” tenha provocado a destruição de 75 aviões e afundado centenas de barcos e navios – provocando mais de mil mortes. Em média, 5 aviões continuam a desaparecer na região todos os anos.

Ao longo dos anos, foram avançadas várias teorias para explicar o mistério. A mais recente teoria foi avançada em 2016 por um grupo de meteorologistas segundo os quais a culpa dos desaparecimentos será da presença de “nuvens hexagonais” que podem originar ventos muito fortes ou “bombas de ar” capazes de destruírem ou afundar navios e aviões.

No passado, entre outras teorias, atribuiu-se o mistério a bolhas de gás metano do fundo do oceano, campos magnéticos, ondas gigantes, ou a explicações mais metafísicas, como dimensões alternativas, universos paralelos ou raptos por extraterrestres.

ZAP //

Por ZAP
8 Novembro, 2019