4820: Cientistas ficaram “sem palavras” com as amostras recolhidas do asteróide Ryugu

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Akademy / Flickr
Asteróide Ryugu numa imagem capturada pela nave espacial japonesa Hayabusa2

Cientistas da agência espacial japonesa Jaxa revelaram ao jornal britânico The Guardian que ficaram surpresos ao ver a quantidade de poeira que a sonda espacial Hayabusa-2 recolheu do asteróide Ryugu.

Depois de uma missão de seis anos, a sonda espacial japonesa Hayabusa-2 recolheu, em 2019, poeira da superfície do asteróide Ryugu, a uma distância de 300 mil quilómetros.

Agora, neste mês de Dezembro, as amostras do corpo rochoso chegaram à Terra através de uma cápsula que “rompeu” a atmosfera da Terra e aterrou no deserto a sul da Austrália antes de ser transportada para o Japão.

Os cientistas, que tiveram acesso às amostras na passada terça-feira, confessaram que ficaram surpreendidos com a quantidade e qualidade das amostras recolhidas.

Quando realmente abrimos [a cápsula], fiquei sem palavras. Foi mais do que esperávamos e eram tantas coisas que fiquei realmente impressionado (…) Não eram apenas partículas finas como pó, mas havia também muitas amostras com vários milímetros de diâmetro”, disse ao mesmo jornal Hirotaka Sawada, cientista da Jaxa.

Os cientistas esperam que as amostras recolhidas lhes permitam investigar e melhor entender a origem do Sistema Solar. A sonda Hayabusa2 prosseguiu a sua viagem, rumo a outro asteróide, baptizado de 1998KY26.

Sara Silva Alves, ZAP //

Por Sara Silva Alves
16 Dezembro, 2020


4563: “Asteróide do caos”. Novos dados confirmam que Apophis pode impactar com a Terra em 2068

CIÊNCIA/ASTRONOMIA/ASTERÓIDES

(dr) Detlev van Ravenswaay

Um astrónomo do Instituto de Astronomia da Universidade do Havai revelou novas descobertas críticas relacionadas com um grande asteróide que deverá passar muito perto da Terra.

Dave Tholen e os seus colaboradores anunciaram a detecção da aceleração Yarkovsky no Apophis, o “asteróide do caos”. Esta aceleração surge de uma força extremamente fraca num objecto devido à radiação térmica não uniforme.

Esta força é particularmente importante para o asteróide Apophis, uma vez que afeta a  probabilidade de um impacto na Terra em 2068.

Todos os asteróides precisam de irradiar novamente como calor a energia que absorvem da luz solar para manter o equilíbrio térmico, um processo que altera ligeiramente a órbita do asteróide.

Antes da detecção da aceleração Yarkovsky no Apophis, os astrónomos concluíram que um impacto potencial com a Terra em 2068 era impossível. Porém, segundo um comunicado da Universidade do Havai, a detecção desse efeito a actuar no Apophis significa que o cenário de impacto de 2068 ainda é uma possibilidade.

O asteróide Apophis é digno de nota por causa da sua abordagem extremamente próxima da Terra na sexta-feira, 13 de Abril de 2029, quando o asteróide de 300 metros se tornará visível a olho nu enquanto passa dentro do cinturão de satélites de comunicação que orbitam a Terra.

“Já sabemos há algum tempo que um impacto com a Terra não é possível durante a aproximação de 2029”, disse Tholen, que rastreou com precisão o movimento do Apophis no céu desde que a sua equipa o descobriu em 2004.

“As novas observações que obtivemos com o telescópio Subaru no início deste ano foram suficientemente bons para revelar a aceleração Yarkovsky de Apophis e mostram que o asteróide está a afastar-se de uma órbita puramente gravitacional em cerca de 170 metros por ano, o que é suficiente para manter o cenário de impacto de 2068 em jogo.”

Já há preparativos para a aproximação do asteróide Apophis em 2029

Os cientistas já revelaram algumas das observações que vão levar a cabo durante a aproximação do asteróide Apophis à Terra,…

Ler mais

Outras observações para refinar a amplitude do efeito Yarkovksy e como afecta a órbita de Apophis estão em andamento. Os astrónomos saberão antes de 2068 se há alguma probabilidade de impacto.

Os cálculos da órbita foram realizados por Davide Farnocchia, do Jet Propulsion Laboratory, que é co-autor do artigo apresentado no encontro virtual de 2020 da Divisão de Ciências Planetárias da Sociedade Astronómica Americana.

ZAP //

Por ZAP
29 Outubro, 2020