4707: Astrónomos detectaram milhões de sinais de uma civilização inteligente. Mas éramos nós

CIÊNCIA/ASTROFÍSICA

(dr) CSIRO

Uma equipa de astrónomos da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, detectou “assinaturas de tecnologia”, ou emissões de rádio de baixa frequência, que podem apontar para uma possível tecnologia alienígena. No entanto, uma análise posterior concluiu que os sinais se originaram aqui, no nosso planeta.

O astrónomo Jean-Luc Margot, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, e a sua equipa procuraram “tecno-assinaturas” usando o telescópio Green Bank, localizado na Virgínia, Estados Unidos. Segundo o Science Alert, a busca destas emissões de rádio de baixa frequência pode apontar para a existência de potencial tecnologia extraterrestre.

“Uma das grandes vantagens da busca de tecno-assinaturas em comprimentos de onda de rádio é que somos sensíveis a sinais emitidos a milhares de anos-luz de distância e não requer tanta energia”, explicou Margot. O artigo foi aceite no The Astronomical Journal e está disponível no arXiv.

Em Abril de 2018 e 2019, durante um tempo total de observação de quatro horas, os cientistas concentraram-se em 31 estrelas semelhantes ao nosso Sol ao redor do plano galáctico, e detectaram mais de 26,6 milhões de potenciais tecno-assinaturas.

No entanto, uma análise mais detalhada dos dados revelou que, cada uma delas, foi gerada no nosso planeta.

Ainda assim, os métodos usados ​​para processar estes dados são um passo significativo na identificação de possíveis tecno-assinaturas alienígenas, separando-as daquilo a que chamamos de interferência de radiofrequência (RFI) de origem antropogénica.

As RFI poderiam ocultar um sinal extraterrestre. A interferência de radiofrequência dificulta o nosso trabalho, porque detectamos dezenas de milhões de sinais por hora e precisamos de tomar uma decisão sobre cada sinal: é antropogénico ou extraterrestre?”, explicou Margot ao portal.

“Seria muito mais fácil se detectássemos apenas poucos sinais. Felizmente, os nossos algoritmos permitem-nos classificar automaticamente mais de 99,8%”, indicou.

ZAP //

Por ZAP
24 Novembro, 2020