2739: Elon Musk não acredita que existam extraterrestres na Área 51

EXTRATERRESTRES

tedconference/ Flickr
Elon Musk, CEO da Tesla e SpaceX

O CEO da Tesla e da Space X, Elon Musk, revelou este sábado que não acredita que existam extraterrestres na Área 51, uma zona militar onde as forças armadas dos Estados Unidos alegadamente guardam provas de vida alienígena.

A revelação do multimilionário norte-americano foi feita este sábado, quando Elon Musk apresentava as últimas actualizações do seu veículo interplanetário reutilizável, a Starship, destinado a transportar cargas e pessoas para a Lua e Marte.

Falando da possibilidade de existir vida em outros planetas, o fundador e CEO da SpaceX disse que não viu “nenhum sinal de alienígenas”, enfatizando que os seres humanos são a única espécie consciente plenamente conhecida até agora.

“Até onde sabemos, somos a única consciência, ou seja, a única vida que existe. Poderia haver outras formas vidas, embora não tenhamos visto nenhum sinal disso”, afirmou.

Musk revelou que é frequentemente questionado sobre se acredita que existem alienígenas escondidos na Área 51. O multimilionário descarta as teorias da conspiração: no seu entender, estas ideias apenas servem propósitos económicos. “É a forma maior e mais de aumentar os fundos para a Defesa” dos Estados Unidos.

“A realidade é que, até onde sabemos, este é o único lugar, pelo menos nesta parte da galáxia ou na Via Láctea, onde há consciência, e demoramos muito tempo para chegar a esse ponto”, destaca ainda durante apresentação.

ZAP //

Por ZAP
29 Setembro, 2019

 

2680: Começou à “invasão” da Área 51. Já há detidos e até um festival

Vista aérea da Area 51, fotografada em 1964

Pelo menos 75 pessoas já chegaram à Área 51, uma base militar secreta dos Estados Unidos, em resposta a um evento criado no Facebook.

Milhão e meio de pessoas combinaram invadir esta sexta-feira esta zona misteriosa no estado norte-americano do Nevada, onde acreditam que o governo mantém em cativeiro os extraterrestres que visitaram a cidade de Roswell em 1947, guarda os cenários onde se simulou a chegada à Lua, esconde Elvis Presley e faz testes a máquinas de tele-transporte. De acordo com a Associated Press, duas pessoas já foram detidas.

No condado de Lincoln, onde fica a Área 51, localizam-se duas cidades — Rachel e Hiko — na qual vivem pouco mais de 170 habitantes. Estas duas cidades isoladas já receberam 1.500 pessoas na segunda-feira, estimou o xerife do condado, Kerry Lee. Além da invasão à Área 51, foram também criados três festivais relacionados com a mesma temática: extraterrestres.

O único hotel da pequena e desértica cidade de Rachel, onde o número de habitantes não chega aos 50, está esgotado. De acordo com a agência Reuters, foram contratados 15 guardas de segurança, uma ambulância particular e encomendados 80 chuveiros portáteis para receber todos os visitantes.

Segundo o Review Journal de Las Vegas, as estradas que durante todo o ano se mantêm desertas estão a receber enchentes de curiosos, nas suas tendas, carros e auto-caravanas. Alguns demarcam-se com bandeiras americanas ou mesmo insufláveis de extraterrestres verdes. Outros mascararam-se de alien.

Some women showed up to the Little A’Le’Inn in full alien garb and have become a crowd favorite. They said they are getting free camping to pose for pictures.

Há até quem tenha escolhido a ocasião para envergar o seu papel de ativista, ao que dizem, em defesa da liberdade destas criaturas cuja existência nunca ficou provada. “Salvem os extraterrestres do Governo”, lê-se num dos cartazes levados pelos invasores.

O xerife Kerry Lee disse à AP que mais de 150 pessoas já tinham iniciado a viagem de vários quilómetros por caminhos de terra para chegar aos portões da Área 51. Kerry Lee agendou uma conferência de imprensa para o final da manhã desta sexta-feira.

Quando os eventos do Facebook começaram a ganhar dimensão, Laura McAndrews, porta-voz da Força Aérea, emitiu um comunicado a avisar a população que era mais prudente manter-se longe daquela base norte-americana.

“É um campo de treino aberto para a Força Aérea dos EUA e desencorajamos qualquer um a tentar entrar na área onde treinamos as forças armadas americanas. A Força Aérea dos EUA está sempre pronta para proteger a América e os seus activos”, alertou.

Na terça-feira, dois youtubers foram detidos por tentarem invadir a Área 51. Ties Granzier e Govert Sweep, dois holandeses de 20 e 21 anos, foram encontrados dentro da base, a quase cinco quilómetros do portão de entrada.

Dentro do carro, as autoridades encontraram câmaras de filmar e fotográficas, um telemóvel, um computador portátil e um drone. As investigações aos materiais revelaram que os dois youtubers já tinham recolhido vídeos e fotografias captados no interior da base militar. Todos os conteúdos foram apagados. Foram libertados no dia seguinte após terem pago 500 dólares de fiança.

A designada Área 51 é um terreno militar situado em pleno deserto do Nevada, que está envolvida desde há anos, devido ao secretismo que a rodeia, num halo de mistério que tem motivado numerosas teorias extravagantes. Uma das mais generalizadas é a de que o Governo norte-americano usa este terreno para esconder provas de vida extraterrestre.

De facto, o Governo norte-americano nunca reconheceu a existência desta instalação militar até Agosto de 2013, quando a CIA desclassificou uma série de documentos que confirmavam a existência desta base militar.

Aquela teoria sustenta, entre outros pontos, que foi para ali que se transferiram os restos de uma alegada nave extraterrestre, que se tinha despenhado em Roswell, no Estado do Novo México, em Julho de 1947.

ZAP //

Por ZAP
20 Setembro, 2019

 

2675: É hoje que dois milhões de pessoas querem ir libertar aliens

© TVI24 É hoje que dois milhões de pessoas querem ir libertar aliens

Dois milhões de pessoas prometeram juntar-se esta sexta-feira para invadirem uma base da Força Aérea dos Estados Unidos, para conhecerem e libertarem os extraterrestres que alegadamente estão naquele lugar. Mas será que vai acontecer?

A ideia começou como uma brincadeira na rede social Facebook, mas os militares já avisaram que não será permitida a entrada a civis na Área de Teste 51, localizada perto do Aeroporto de Homey e do lago Groom, no estado do Nevada.

Durante várias décadas, os aficionados de objectos voadores não identificados e de supostas visitas de extraterrestres alimentaram especulações em torno das operações militares secretas na Área 51.

Uma das teorias sobre o local é que estão ali depositados os restos de uma suposta nave extraterrestre que teria caído em Roswell, no Novo México, em Julho de 1947.

A base em questão não está classificada como uma área secreta, mas todas as investigações e operações ali realizadas são consideradas como de máximo segredo e a Agência Central de Inteligência (CIA) reconheceu publicamente a existência dessa instalação pela primeira vez em 2013.

Em Junho, um utilizador do Facebook lançou a ideia de uma mobilização em massa de civis para libertar os extraterrestres, com o título de “Vamos invadir a Área 51: Não nos podem parar a todos”.

“Vamos encontrar-nos na atracção do Alien Tourist Center e coordenar a nossa entrada. Se corrermos juntos, podemos mover-nos mais depressa do as balas”, é possível ler-se na convocatória que é concluída com uma mensagem contundente: “Vamos ver os alienígenas”.

As reacções à ideia são várias, desde o entusiasmo daqueles que acreditam realmente na presença de extraterrestres na base militar até à partilha de ‘memes’ com imagens de figuras verdes e vários símbolos da cultura “freak”, como o personagem Sheldon Cooper, da série televisiva “Big Bang Theory”.

Por outro lado, a convocatória deixou os 54 habitantes de Rachel, a localidade mais próxima da Área 51, preocupados.

Rachel tem apenas quatro negócios e uma pousada e a última bomba de gasolina encerrou no ano de 2006, pelo que quem quiser ali chegar deve abastecer os seus veículos em Álamo, a 80 quilómetros de distância.

Na pousada de Rachel já não há quartos disponíveis, assim como em Álamo, onde todos hotéis já estão com lotação esgotada.

O chefe da polícia do Condado Lincoln, Kerry Lee, admitiu à estação de televisão norte-americana CNN que as autoridades terão várias dificuldades em controlar o grupo enorme de pessoas que tenciona deslocar-se à Área 51.

Poderíamos lidar com cerca de mil pessoas, mas com grandes dificuldades. Que o céu nos proteja se 5.000 pessoas vierem. Isso duplicaria a população de todo o condado”, declarou o chefe da polícia.

Outra preocupação de Lee é o perigo intrínseco na área desértica, em pleno Verão e com recursos de resgate limitados.

msn notícias
Redacção TVI24
20/09/2019

 

Dois milhões querem libertar aliens e há uma localidade em pânico: “Que o céu nos proteja”

© TVI24 Dois milhões querem libertar aliens e há uma localidade em pânico: “Que o céu nos proteja”

A ideia de invasão à Área 51 começou como uma brincadeira na rede social Facebook, mas os militares já avisaram que não será permitida a entrada a civis. A convocatória deixou os 54 habitantes de Rachel, a localidade mais próxima da Área 51, preocupados

Dois milhões de pessoas prometeram juntar-se no dia 20 de Setembro para invadirem uma base da Força Aérea dos Estados Unidos, para conhecerem e libertarem os extraterrestres que alegadamente estão naquele lugar.

A ideia começou como uma brincadeira na rede social Facebook, mas os militares já avisaram que não será permitida a entrada a civis na Área de Teste 51, localizada perto do Aeroporto de Homey e do lago Groom, no estado do Nevada.

Durante várias décadas, os aficionados de objectos voadores não identificados e de supostas visitas de extraterrestres alimentaram especulações em torno das operações militares secretas na Área 51.

Uma das teorias sobre o local é que estão ali depositados os restos de uma suposta nave extraterrestre que teria caído em Roswell, no Novo México, em Julho de 1947.

A base em questão não está classificada como uma área secreta, mas todas as investigações e operações ali realizadas são consideradas como de máximo segredo e a Agência Central de Inteligência (CIA) reconheceu publicamente a existência dessa instalação pela primeira vez em 2013.

Em Junho, um utilizador do Facebook lançou a ideia de uma mobilização em massa de civis para libertar os extraterrestres, com o título de “Vamos invadir a Área 51: Não nos podem parar a todos”.

“Vamos encontrar-nos na atracção do Alien Tourist Center e coordenar a nossa entrada. Se corrermos juntos, podemos mover-nos mais depressa do as balas”, é possível ler-se na convocatória que é concluída com uma mensagem contundente: “Vamos ver os alienígenas”.

As reacções à ideia são várias, desde o entusiasmo daqueles que acreditam realmente na presença de extraterrestres na base militar até à partilha de ‘memes’ com imagens de figuras verdes e vários símbolos da cultura “freak”, como o personagem Sheldon Cooper, da série televisiva “Big Bang Theory”.

Por outro lado, a convocatória deixou os 54 habitantes de Rachel, a localidade mais próxima da Área 51, preocupados.

Rachel tem apenas quatro negócios e uma pousada e a última bomba de gasolina encerrou no ano de 2006, pelo que quem quiser ali chegar deve abastecer os seus veículos em Álamo, a 80 quilómetros de distância.

Na pousada de Rachel já não há quartos disponíveis, assim como em Álamo, onde todos hotéis já estão com lotação esgotada.

O chefe da polícia do Condado Lincoln, Kerry Lee, admitiu à estação de televisão norte-americana CNN que as autoridades terão várias dificuldades em controlar o grupo enorme de pessoas que tenciona deslocar-se à Área 51.

Poderíamos lidar com cerca de mil pessoas, mas com grandes dificuldades. Que o céu nos proteja se 5.000 pessoas vierem. Isso duplicaria a população de todo o condado”, declarou o chefe da polícia.

Outra preocupação de Lee é o perigo intrínseco na área desértica, em pleno Verão e com recursos de resgate limitados.

msn notícias
Redacção TVI24
01/08/2019

 

2315: Quase um milhão de pessoas quer invadir a Área 51 à procura de extraterrestres

Storm Area 51, They Can’t Stop All of Us / Facebook

Quase um milhão de pessoas quer invadir a misteriosa Área 51, uma zona militar em que as forças armadas dos Estados Unidos alegadamente guardam provas de vida extraterrestre, como apontam várias teorias desde há décadas.

Assaltemos a Área 51. Não nos podem parar a todos” é o lema desta iniciativa que, depois de ser publicada no Facebook, já recebeu o apoio de quase um milhão de pessoas, que confirmaram a sua presença nesta acção marcada para 20 de Setembro.

“Vamos encontrar-nos no Centro Turístico Alienígena e coordenar a nossa entrada. Se entrarmos à bruta, podemos mover-nos mais rapidamente do que as balas”, segundo a convocatória, que conclui de forma concludente: “Vamos ver os alienígenas”.

A iniciativa suscitou, além de uma surpreendente adesão, uma série de ‘memes’ com imagens de homenzinhos verdes e diversos símbolos da cultura ‘freak’, como o personagem Sheldon Cooper, da série Big Bang Theory.

A designada Área 51 é um terreno militar situado em pleno deserto do Nevada, que está envolvida desde há anos, devido ao secretismo que a rodeia, num halo de mistério que tem motivado numerosas teorias extravagantes. Uma das mais generalizadas é a de que o Governo norte-americano usa este terreno para esconder provas de vida extraterrestre.

De facto, o Governo norte-americano nunca reconheceu a existência desta instalação militar até Agosto de 2013, quando a CIA desclassificou uma série de documentos que confirmavam a existência desta base militar.

Aquela teoria sustenta, entre outros pontos, que foi para ali que se transferiram os restos de uma alegada nave extraterrestre, que se tinha despenhado em Roswell, no Estado do Novo México, em Julho de 1947.

Em declarações ao Washington Post, a porta-voz da Força Aérea dos EUA, Laura McAndrews, afirmou que as autoridades estão a par desta iniciativa, mas não especificou como vão reagir caso as pessoas apareçam no local em Setembro.

A representante destacou que a Área 51 é um campo de treino da Força Aérea e, por isso, “desaconselha” todos aqueles que queiram tentar lá entrar. “A Força Aérea está sempre pronta para proteger os EUA e as suas estruturas”, afirmou.

ZAP // Lusa

Por ZAP
15 Julho, 2019

[vasaioqrcode]