4684: Há uma espécie de aranha que amarra o parceiro durante o acto sexual (tudo para não morrer)

CIÊNCIA/BIOLOGIA

Jenn Forman Orth / Flickr

Para os machos das aranhas-berçário, a escravidão durante o acasalamento pode ser uma questão de sobrevivência. As aranhas machos reduzem assim a possibilidade de serem vítimas de canibalismo sexual.

As aranhas-teia de berçário são caçadoras de membros longos que capturam e dominam as suas presas. Embora os corpos das fêmeas possam ser um pouco maiores do que os dos machos, os investigadores observaram que as pernas dos machos eram mais longas.

Outros estudos anteriores descreveram o comportamento incomum de acasalamento da aranha macho, em que este enrola seda em torno das pernas da fêmea antes e durante o ato sexual.

Em algumas espécies de insectos e aranhas, o sexo pode ser uma jogada mortal para os machos, pois há a possibilidade das suas parceiras os identificarem como um refeição pós-coito. Embora esse não seja um resultado compreensivelmente ideal para os humanos, a canibalização é “bastante benéfica para as mulheres”, disse Alissa Anderson, co-autora do estudo publicado na Biology Letters em 2016.

A ecologista da Universidade de Nebraska-Lincoln, referiu ao Live Science que para uma fêmea recém-fertilizada com óvulos, o valor imediato do seu parceiro transforma-se em “recursos para o seu desenvolvimento” – como é o caso de uma refeição.

Quando uma fêmea consome o macho após o acasalamento, isso leva a que hajam mais descendentes e aumenta o peso das pequenas aranhas e as suas possibilidades de sobrevivência, revela o estudo.

É o conflito entre esses dois desejos concorrentes – a necessidade urgente da fêmea por sustento e a necessidade do macho de não morrer – que pode levar a estratégias incomuns de sobrevivência sexual, explica Anderson.

De acordo com os investigadores, numa espécie de aranha que pratica o canibalismo sexual, os machos fingem-se de mortos para não serem comidos. Em outras espécies, os machos prendem as fêmeas até à inconsciência, enquanto os machos de outras espécies procuram e acasalam com fêmeas que estão ocupadas canibalizando os parceiros sexuais anteriores.

Durante o acasalamento, os machos enrolam fios de seda em volta das pernas das fêmea, sendo que os cientistas descobriram que as aranhas machos de pernas mais longas, que tinham corpos maiores, eram as mais bem-sucedidas em embrulhar os parceiros e eram mais eficazes no afastamento após o acasalamento.

Restringir as fêmeas também permitiu que os machos conseguissem “mais inserções”, o que é conhecido em outras espécies por aumentar as chances de fertilização bem-sucedida.

Como as pernas mais longas podem ajudar os machos a manipular a sua seda para prender as fêmeas de maneira mais eficaz, essa provavelmente é uma característica seleccionada sexualmente, concluiu o estudo.

ZAP //

Por ZAP
19 Novembro, 2020