4379: Pegadas com 120 mil anos mostram como é que os humanos saíram de África

CIÊNCIA/ARQUEOLOGIA

(h)

Uma equipa de investigadores encontrou centenas de pegadas na Arábia Saudita que podem retratar como é que os antigos humanos saíram de África para a Eurásia.

Há cerca de 120 mil anos, naquilo que hoje é o norte da Arábia Saudita, um pequeno grupo de homo sapiens parou para beber num lago raso que também era frequentado por camelos, búfalos e elefantes maiores do que qualquer espécie vista hoje. Possivelmente, os humanos caçaram os animais, mas a sua estadia não foi longa.

Este é o cenário pintado por um conjunto de pegadas humanas e de animais encontradas no deserto de Nefude, na Arábia Saudita. O comportamento deste humanos ancestrais foi reconstruido por uma equipa de investigadores e os resultados do estudo foram publicados, na semana passada, na revista científica Science Advances.

A investigação mostra uma possível rota usada pelos nossos ancestrais à medida que saíam do continente africano, escreve a Phys.

Hoje, a Península Arábica é uma vasta região árida, deserta e praticamente inóspita. No entanto, nem sempre foi o caso, revelam os autores do estudo. Devido às alterações climáticas, outrora, a Península Arábica era muito mais verdejante e húmida.

“As pegadas são uma forma única de evidência fóssil, pois fornecem retratos no tempo, normalmente representando algumas horas ou dias, uma resolução que dificilmente obtemos de outros registos”, explica o autor do estudo, Mathew Stewart, do Instituto Max Planck.

No total, sete das centenas de pegadas descobertas foram identificadas como pertencentes a hominídeos, incluindo quatro que, devido à orientação semelhante, distâncias entre si e diferenças de tamanho, foram interpretadas como dois ou três indivíduos a viajarem juntos.

“Sabemos que humanos estavam a visitar este lago ao mesmo tempo que os animais e, incomum para a área, não há ferramentas de pedra”, salientou Stewart, o que indicaria que os humanos teriam feito um assentamento de longo prazo lá. Assim, sabe-se que passagem pelo lago foi curta, provavelmente para apenas recolherem mantimentos.

A presença de elefantes também comprova a ideia de que haveria recursos abundantes de água e vegetação, ao contrário dos dias de hoje.

Os cientistas já sabiam que os primeiros humanos se espalharam para a Eurásia através do sul da Grécia e do Levante. Esta nova investigação mostra que os humanos podem ter também optado por “rotas interiores, seguindo lagos e rios”.

ZAP //

Por ZAP
23 Setembro, 2020