4451: As noites estão mais quentes do que os dias em grande parte do planeta

CIÊNCIA/AMBIENTE

JMA / EUMETSAT / NASA

O aquecimento nocturno é mais comum do que o aquecimento diurno em mais de metade das superfícies terrestres do planeta, revela uma nova investigação conduzida pela Universidade de Exeter, em Inglaterra.

De acordo com o novo estudo, o aquecimento global está a afectar as temperaturas nocturnas e diurnas de forma diferente, e um maior aquecimento nocturno é mais comum do que um maior aquecimento diurno em todo o planeta.

Os cientistas analisaram o aquecimento do planeta entre 1983 e 2017 e descobriram que as temperaturas nocturnas foram neste período, em média, “desproporcionalmente” mais altas em mais de 0,25 graus Celsius em mais de metade do planeta (54%) quando comparadas às temperaturas diurnas, escreve a agência espanhola Europa Press.

O estudo, cujos resultados foram recentemente publicados na revista especializada Environment and Sustainability Institute, mostra que esta “assimetria de aquecimento” foi causada principalmente por mudanças nos níveis de cobertura das nuvens.

O aumento da cobertura das nuvens arrefece a superfície do dia e retém o calor à noite, levando assim a um maior aquecimento nocturno.

“A assimetria do aquecimento  tem implicações potencialmente significativas para o mundo natural”, disse o autor principal do estudo, Daniel Cox, citado em comunicado.

“Mostramos que o aumento do aquecimento nocturno está associado a um clima cada vez mais húmido e isso tem revelado importantes consequências para o crescimento das plantas e na interacção entre espécies de mamíferos e isectos, por exemplo”.

E acrescentou ainda: “Espécies que são apenas activas durante a noite ou durante o dia serão especialmente afectadas [por este fenómeno]”.

ZAP //

Por ZAP
7 Outubro, 2020