1827: Alterações climáticas estão a impedir a recuperação da Grande Barreira de Coral

CIÊNCIA

Richard Ling / Flickr

Cientistas da Austrália e dos Estados Unidos verificaram uma descida histórica no surgimento de novos corais na Grande Barreira de Coral. O culpado é o aquecimento global.

A Grande Barreira de Coral, na Austrália, foi atacada pelo fenómeno de branqueamento em massa em 2016 e 2017. O branqueamento não atingiu este ecossistema em 2018, mas continua a influenciar a vida dos seus organismos.

De acordo com um artigo científico, recentemente publicado na Nature, estes branqueamentos consecutivos causaram uma diminuição de 89% no surgimento de novos corais no ano passado.

Em 20 anos, a Grande Barreira enfrentou quatro branqueamentos em massa: em 1998, 2002, 2016 e 2017. Durante fenómeno, a água aquece mais do que seria suposto e os corais ficam esbranquiçados. Isto acontece porque as algas, que vivem em simbiose com os corais e lhes dão cor, deixam de fazer a fotossíntese e passam a produzir substâncias tóxicas.

Os corais ficam sem acesso aos nutrientes dados pelas algas e, como consequência, ficam desnutridos e podem mesmo morrer. As perdas causadas por este fenómeno foram substanciais. Só em 2016, morreram 30% dos corais rasos da Grande Barreira.

Segundo o Público, recentemente, uma equipa de cientistas analisou as relações entre os corais adultos e a produção de larvas antes e depois dos branqueamentos de 2016 e 2017.

A relação é conhecida como “recrutamento de larvas” e, neste processo, os corais reproduzem-se através da produção de largas designadas plânulas. Depois, essas larvas dispersam-se no plâncton até colonizarem o recife e, no final, dão origem a novos corais.

Segundo Andrew Baird, do Centro de Excelência para o Estudo dos Recifes de Coral (ARC) e um dos autores do estudo, este recrutamento é essencial para a recuperação dos recifes. “Sem bebés não pode haver adultos“, disse ao Público.

“Como consequência da mortalidade em massa de corais adultos em 2016 e 2017 devido ao stress térmico, a quantidade de recrutamento de larvas desceu para níveis históricos de 89% em 2018″, lê-se no artigo.Como houve uma perda de corais adultos, houve uma diminuição de 89% na reposição de novos corais na Grande Barreira – “corais mortos não têm bebés”, ressalva Terry Hughes, líder da equipa, num comunicado do ARC.

“As larvas de corais que são produzidas todos os anos são componentes vitais da resiliência da Grande Barreira de Coral”, sublinha Baird, destacando que a diminuição no recrutamento de larvas foi mais grave na secção Norte da Grande Barreira e nos corais do género Acropora.

O aquecimento global comprometeu gravemente a capacidade de os recifes recuperarem dos branqueamentos”, resume o cientista.

Na prática, tudo se resume a um ciclo: as alterações climáticas causam o branqueamento, o branqueamento mata os corais adultos, os corais mortos não produzem larvas e, sem larvas, não se pode recuperar da perda de adultos causada pelas alterações climáticas.

ZAP //

Por ZAP
9 Abril, 2019

 

1786: Mil milhões de pessoas ficarão expostas a doenças tropicais se aquecimento global continuar

CIÊNCIA E SAÚDE

USDAgov / Flickr
Aedes aegypti, o mosquito da dengue

Cerca de mil milhões de pessoas ficarão expostas a doenças como a febre dengue se o aquecimento global continuar, afirmam cientistas que estudaram as temperaturas no mundo e concluíram que as doenças de climas tropicais estão em expansão.

Os investigadores afirmam que estas doenças atacarão até as zonas do globo com climas actualmente menos favoráveis aos mosquitos, porque os vírus que estes propagam provocam epidemias explosivas quando se verificam as condições certas.

As alterações climáticas são a maior e mais complexa ameaça à saúde mundial”, afirmou o biólogo Colin Carlson, da universidade norte-americana de Georgetown, em Washington, referindo que “os mosquitos são só uma parte do problema”, mas que a preocupação dos cientistas aumentou depois da epidemia de Zika no Brasil em 2015.

O estudo, publicado esta sexta-feira no boletim científico PLOS, baseou-se no registo mensal das temperaturas mundiais.

Nos próximos cinquenta anos, quase toda a população mundial estará exposta em alguma altura a doenças sazonais dos trópicos, “que já começaram a aparecer em climas propícios” como o estado norte-americano da Florida. “Zonas como a América do Norte, a Europa e montanhas nos trópicos onde o clima era demasiado frio para vírus vão enfrentar novas doenças, como a dengue“, afirmou Carlson.

Ao mesmo tempo que o clima aquece em certas regiões e potencia o aumento da população de mosquitos, nas zonas onde estes já são responsáveis pela transmissão de doenças em maior escala, o número de insectos pode diminuir porque fica demasiado quente para sobreviverem.

“Pode parecer que há más notícias por um lado e boas notícias por outro, mas acaba por ser tudo mau, porque numa região em que fique demasiado quente para a transmissão do dengue há outras ameaças para a saúde que são igualmente graves”, afirmou.

“Temos uma tarefa hercúlea pela frente. Precisamos de perceber, agente patogénico a agente patogénico e região a região, quando poderão surgir problemas para podermos planear uma resposta global”, concluiu.

ZAP // Lusa

Por Lusa
30 Março, 2019

 

Ciclone Idai “já se inscreve na tendência global das alterações climáticas”

Moçambique é o terceiro país de África mais vulnerável a fenómenos extremos. O investigador Pedro Garrett diz que os ciclones mais intensos “são o resultado da emissão desproporcional de emissões de gases com efeito de estufa para a atmosfera”.

© EPA/JOSH ESTEY

É o pior ciclone tropical da última década, pelo menos, na região do sudoeste do Índico. O Idai, que deixou um rasto de mortes e destruição, cujo saldo final ainda não é conhecido, numa vasta região de Moçambique, do Malawi e do Zimbabwe, “já se inscreve na tendência global das alterações climáticas, em que se observa um aumento da frequência e da intensidade deste tipo de fenómenos”, afirma ao DN Pedro Garrett, investigador do Programa Doutoral em Alterações Climáticas e Políticas de Desenvolvimento Sustentável, coordenado na Universidade de Lisboa pelo especialista Filipe Duarte Santos.

“Não se pode atribuir nenhum eventos em específico às alterações climáticas, mas a análise dos dados históricos já indica que existe um aumento da frequência e da intensidade destes fenómenos [furacões e ciclones tropicais], que é consequência das alterações climáticas e, portanto, esta situação insere-se nesse quadro de alterações climáticas”, explica o investigador.

“Estes ciclones mais intensos são o resultado da emissão desproporcional de gases de efeito estufa e das suas consequências na dinâmica energética do nosso planeta,”, nota Pedro Garrett, sublinhando que “Moçambique, na linha da trajectória da maior parte dos ciclones que ocorrem naquela região do globo, já está a sofrer o seu impacto directo”. E esta tendência, adianta, “vai aumentar nas próximas décadas”, de acordo com os modelos climáticos.

Os ciclones que ocorrem nesta região do globo, onde se localiza Moçambique, e os mecanismos que estão na sua origem são bem conhecidos. Estão ligados à oscilação das águas quentes superficiais entre a região oeste da América do Sul e a costa sudeste de África, associada aos fenómenos El Niño e La Niña. Neste último caso, como está agora a acontecer, as águas quentes são arrastadas para a região sudoeste do Índico, junto a Madagáscar e à costa africana.

“Neste tipo de fenómenos [os ciclones] existe uma enorme descarga de energia dos oceanos para a atmosfera, que é libertada também sob a forma de vapor de água, que por sua vez alimenta estas tempestades”, explica o investigador da Universidade de Lisboa, sublinhando que “a maior parte da energia do chamado efeito de estufa está a ser recebida e acumulada nos oceanos”. É isso que depois alimenta as tempestades mais intensas com fenómenos extremos de precipitação e ventos mais fortes, e que “já se vê a acontecer”.

“É expectável que as temporadas de ciclones nesta região se tornem mais intensas e mais frequentes nas próximas décadas”, confirma Pedro Garrett.

A juntar a esta tendência, que torna Moçambique o terceiro país africano mais vulnerável a desastres relacionados com fenómenos meteorológicos extremos, de acordo o Global Facility for Disaster Reduction and Recovery (GFDRR), um grupo de trabalho ligado ao Banco Mundial e às Nações Unidas, as condições no terreno, com grandes índices de pobreza e desordenamento territorial, acabam por agravar ainda mais os impactos destes fenómenos climáticos extremos, como agora se viu.

Moçambique é um dos países africanos mais expostos a episódios meteorológicos extremos, potencialmente causadores de vítimas humanas e danos materiais avultados, incluindo os dois extremos que são as secas e inundações.

“Secas e inundações até podem ocorrer ao mesmo tempo em diferentes zonas do país, o que decorre também de um problema de gestão das bacias hidrográficas e da ocupação do solo”, diz Pedro Garrett, notando que “a situação é ainda mais difícil no contexto do clima em mudança”.

A região central de Moçambique foi atingida em cheio pelo ciclone Idai.
© EPA/NASA WORLDVIEW

Furacões mais lentos e perigosos

Um estudo publicado no ano passado na Nature já tinha confirmado, justamente, que os furacões, os ciclones e as tempestades tropicais se tornaram nas últimas décadas mais intensos e perigosos.

A equipa de James Kossin, do National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), dos Estados Unidos, passou em revista os dados dos últimos 68 anos das tempestades tropicais ocorridas no mundo, entre 1949 e 2016, e identificou um padrão que tinha estado oculto: o de que elas estão, em média, 10% mais lentas. Depois de se formarem sobre os oceanos, a progressão destas tempestades através da atmosfera, e frequentemente sobre regiões densamente habitadas nos vários continentes, está actualmente a acontecer de forma mais vagarosa, o que significa que a quantidade de chuva que desaba sobre uma determinada zona tem estado a crescer, aumentando significativamente o risco de desastres naturais, como inundações ou deslizamentos de terras.

“Este abrandamento global em 10% [da velocidade a que furacões e tufões se deslocam] ocorreu ao longo de um período em que o planeta sofreu um aumento de temperatura de 0,5 graus Celsius”, explicou na altura o autor do estudo.

Apesar de a média global do abrandamento ser de 10%, este varia conforme as regiões. Na do Índico, onde se localiza Moçambique, este abrandamento na passagem dos ciclones tropicais é da ordem dos 4%.

Filomena Naves
19 Março 2019 — 16:48

 

1723: Em breve, o inverno acabará na Austrália e fará nascer um “novo verão”

(CC0/PD) Desertrose7 / Pixabay

Muito em breve, a Austrália deixará de ter o inverno tal qual como o conhece. Uma nova ferramenta climática prevê que, até 2050, os australianos passarão a enfrentar uma nova estação que poderá ser chamada de “novo verão”.

A previsão é avançada por cientistas da Escola de Arte e Design e do Instituto de Mudanças Climáticas da Universidade Nacional Australiana (ANU), que trabalharam em conjunto num projecto de design que parte dos dados já existentes para comunicar os possíveis impactos das mudanças climáticas para que o público os possa compreender.

De acordo com os cientistas, o “novo verão” representa um período do ano em que as temperaturas atingirão um pico constante, e em muitos casos acima de 40ºC, durante um período sustentado. Através da ferramenta disponível online, as pessoas podem clicar em milhares de locais do território australiano para ver de que forma o clima mudará nas suas cidades até meados de 2050.

“Observamos a temperatura média histórica de cada estação e comparamos com os dados projectados e o que encontramos em todos os lugares é que realmente não há um período de inverno sustentado ou duradouro”, disse  ou prolongado”, disse Geoff Hinchliffe, professor na Escola de Arte e Design, citado em comunicado.

“Dentro de 30 anos, o inverno, tal como o conhecemos, será inexistente, deixará de existir em todas as partes [da Austrália], excepto nalgumas regiões da Tasmânia”, sustentou.

A ferramenta, que usa dados do Bureau of Meteorology e do Scientific Information for Land Owners, mostra quantos graus vai subir a temperatura média em cada local, dando ainda conta de quantos dias haverá a mais com 30 ou 40 graus numa determinada região na Austrália em 2050 comparativamente com o que é hoje registado.

“Além dos dados, também nos concentramos em desenvolver as formas visuais mais eficazes para transmitir como é que a mudança climática irá afectar locais específicos”, disse Hinchliffe. E concretiza: “significava usar cor, forma e tamanho à volta de uma composição quadrante que mostra os valores de temperatura de um ano inteiro num único instante”.

A experiência torna-se assim “visualmente rica e interessante, dando muitos detalhes de uma forma particular que se conecta emocionalmente com as pessoas, localizando-as na sua própria cidade”, rematou o cientista.

ZAP //

Por ZAP
16 Março, 2019

 

1690: Os humanos são susceptíveis ao efeito do sapo em ebulição (e isso pode trazer-nos sérios problemas)

(CC0/PD) jplenio / pixabay

O mundo está ficar perigosamente quente, mas já notou este aumento extremo da temperatura? Não totalmente, respondem os cientistas, num estudo no qual demonstram a tremenda adaptabilidade dos seres humanos do século XXI.

Há um análogo famoso para este fenómeno que, apesar de adequado, é também assustador: o efeito do sapo em ebulição. Um sapo imerso em água que aquece gradualmente não percebe a mudança repentina da temperatura, mesmo que esteja a ser fervido vivo.

Os cientistas não se agarram a este fenómeno de olhos fechados. Em vez disso, tomam-no como uma metáfora para a forma actual de os humanos se estarem a adaptar a um futuro sombrio provocado pelas alterações climáticas irreversíveis. “É um verdadeiro efeito de ebulição”, sintetiza Frances C. Moore, da Universidade da Califórnia.

O estudo, recentemente publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), sugere que as pessoas aprendem a aceitar a temperatura extrema como algo “normal” em apenas dois anos. “As pessoas parecem estar a habituar-se às mudanças que, ao mesmo tempo, querem evitar.”

Moore e sua equipa analisaram mais de dois milhões de tweets, entre Março de 2014 e novembro de 2016, para analisar de que forma as pessoas reagiam a eventos climáticos, comparando os tweets com dados meteorológicos. No fundo, os cientistas queriam perceber de que forma as pessoas reagiam a mudanças significativas nas condições meteorológicas localizadas.

Os cientistas descobriram que as pessoas tinham tendência a tweetar sobre o clima se este fosse incomum para a estação do ano em que viviam: condições meteorológicas quentes no inverno ou temperaturas frias no verão.

No entanto, esta tendência depende também da experiência passada, sobretudo das memórias que as pessoas têm sobre o clima. Isto é, num mundo cada vez mais quente, as pessoas percebem cada vez menos o clima extremo – ou seja, parecem-se cada vez mais com o sapo em ebulição, que não percebe que está a ser fervido.

“As temperaturas que inicialmente eram consideradas notáveis, tornam-se ​​rapidamente comuns com a exposição repetida ao longo de uma escala de tempo de aproximadamente cinco anos“, escrevem os autores no artigo científico.

“Como o ajuste da expectativa é rápido em relação ao ritmo das mudanças climáticas antropogénicas, essa mudança na linha de base subjectiva tem grandes implicações para a notabilidade das anomalias de temperatura à medida que a mudança climática avança”, adiantaram ainda.

Contudo, apesar de a mudança climática ser algo chocante e extremo, a nossa interpretação é algo subjectiva, uma vez que a nossa capacidade de avaliar o tempo “normal” parece estar baseada num ponto de referência imaginário do tempo entre dois a oito aos, avança o ScienceAlert.

Isto significa que demora cerca de dois a oito anos para que as pessoas ajustem os seus padrões de normalidade – parando assim de reconhecer que aquelas temperaturas que um dia consideraram extremas eram, de facto, extremas (e estão a “vivê-las” agora).

“A definição de ‘temperatura normal’ muda rapidamente com o tempo nesta época de mudança climática”, escreveram os autores.

Os investigadores alertam que esta incapacidade de entender o clima “normal” pode dificultar que tanto cientistas como governos criem políticas para resolver questões inertes às alterações climáticas.

O facto de as pessoas estarem a acostumar-se a um clima desagradável e incomum (mesmo que não tenham consciência disso) pode trazer problemas sérios num futuro cada vez mais próximo.

ZAP //

Por ZAP
9 Março, 2019

 

1661: O céu pode ficar sem nuvens e deixar a Terra a “arder”

Jonas Witt / Flickr

Uma nova investigação científica adverte que uma alta concentração de dióxido de carbono na atmosfera da Terra pode fazer com que as nuvens desaparecerem do céu. Como resultado, o oceano ficará mais vulnerável à luz do Sol.

De acordo com uma nova investigação, levada a cabo por uma equipa de cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia, os estrato-cúmulos — nuvens baixas com massas arredondadas e cilíndricas com o topo e a base relativamente planos — servem para proteger a Terra do calor excessivo.

Ou seja, se estas nuvens desaparecerem, a temperatura no planeta subiria oito graus Celsius. Além disso, importa frisar, há ainda o aumento estimado entre 2 a 4 graus Celsius causado pelo efeito de estufa. Esta mudança, por sua vez, levaria a sérios cataclismos e causaria a extinção em massa de animais e plantas.

Segundo a investigação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista especializada Nature Geoscience, a Terra sofreu já um fenómeno similar há 55 milhões de anos: o planeta aqueceu a tal ponto que os crocodilos passaram a nadar nas águas do Árctico, tendo várias espécies de mamíferos sido extintas.

Esta drástica mudança climática ficou conhecida como o Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno. Foi um dos cataclismos climáticos mais significativos da era Cenozoica, que alterou a circulação oceânica e atmosférica, causando uma grande mudança na fauna terrestre.

Para os cientistas, o aquecimento poderia ter sido desencadeado por variadas causa, mas os principais factores foram a intensa actividade vulcânica e a libertação do metano armazenado nos sedimentos oceânicos.

Neste sentido, Kerry Emanuel, especialista em meteorologia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, afirma que o alarmante prognóstico dos cientistas da Califórnia parece ser bastante plausível.

Quanto ao desaparecimento das nuvens, os cientistas também asseguram tratar-se de um processo que se deve a vários factores. No entanto, as estatísticas sobre a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera são realmente alarmantes. Desde 1955, a concentração deste gás cresceu cerca de um terço. Se o processo continuar com ao mesmo ritmo, a humanidade pode chegar a um ponto sem retorno antes do fim do século.

Contudo, e segundo advertem os cientistas, a humanidade é capaz de evitar a repetição do cataclismo devastador do Paleoceno-Eoceno se cumprir os termos do Acordo de Paris.

ZAP // Sputnik News

Por ZAP
5 Março, 2019

 

1660: Sabemos finalmente o que matou a vida marinha na extinção em massa mais mortal da História

kevinzim / Flickr
Trilobite

O aumento das temperaturas acelerou o metabolismo das criaturas, aumentando as suas necessidades de oxigénio. No entanto, também esgotou o oxigénio dos oceanos, fazendo com que os animais (literalmente) sufocassem.

Há cerca de 252 milhões de anos, a Terra sofreu uma devastação catastrófica – um evento de extinção tão grave que destruiu quase toda a vida na Terra. É chamado de Evento de Extinção Permiano-Triássico, também conhecido como A Grande Morte.

Até 70% de todas as espécies de vertebrados terrestres foram mortas, assim como 96% de todas as espécies marinhas, incluindo o famoso trilobite, que já havia sobrevivido a dois outros eventos de extinção em massa.

É amplamente aceite que a mudança climática é a culpada – em particular a actividade vulcânica de longo prazo na Sibéria, que expeliu tanto material na atmosfera que envolveu o mundo num manto de cinzas durante um milhão de anos, bloqueando a luz solar, reduzindo o ozono, fazendo cair chuva ácida e elevando as temperaturas.

Agora, os cientistas mostraram o que erradicou a vida marinha: o aumento das temperaturas acelerou o metabolismo das criaturas, aumentando as suas necessidades de oxigénio, ao mesmo tempo que esgotou o oxigénio dos oceanos. Como resultados, os animais literalmente sufocaram.

O problema é que, actualmente, estamos a vivenciar um aquecimento atmosférico muito semelhante – e muito mais rápido.

Segundo Justin Penn, da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, “esta é a primeira vez que fazemos uma previsão mecanicista sobre o que causou a extinção que pode ser directamente testada com a análise do registo fóssil, permitindo-nos fazer previsões sobre as causas de extinção no futuro”.

A equipa realizou uma simulação por computador das mudanças pelas quais a Terra passou durante A Grande Morte. Antes das erupções vulcânicas da Sibéria, as temperaturas e níveis de oxigénio eram semelhantes às de hoje, pormenor que deu aos investigadores uma boa base para trabalhar.

Posteriormente, os cientistas elevaram os gases de efeito estufa na atmosfera do modelo para imitar as condições após a erupção, o que elevou a temperatura da superfície do mar em cerca de 11 graus Celsius. Esse aumento teve como resultado um esgotamento de oxigénio de cerca de 76% – e cerca de 40% no fundo do mar, principalmente em profundidades maiores.

Para observar de que forma esse esgotamento poderia afectar a vida marinha, a equipa incluiu no estudo dados de requisitos de oxigénio de 61 espécies modernas. E tal como se previa, foi um autêntico desastre. “Muito poucos organismos marinhos permaneceram nos mesmos habitats em que viviam – ou fugiram ou morreram“, disse o oceanógrafo Curtis Deutsch, também da Universidade de Washington.

Os mais prejudicados foram as criaturas mais sensíveis ao oxigénio, com a devastação mais pronunciada em altas latitudes, longe do Equador. Quando a equipa comparou os seus resultados com o registo fóssil, confirmou as suas descobertas.

Os animais que vivem nas águas mais quentes ao redor do Equador podem migrar para latitudes mais altas, onde encontrarão habitats semelhantes aos que acabaram de deixar. No entanto, o mesmo não acontece com os animais que já vivem em latitudes mais atas, uma vez que não têm para onde fugir.

No total, isso causou mais de 50% da perda marinha da Grande Morte. O restante foi provavelmente causado por outros factores, como a acidificação pelo CO2 das armadilhas siberianas e um declínio acentuado na vida das plantas causado pelo desbaste do ozono.

Os cientistas afirmam que é importante prestar atenção a estes factos, uma vez que o aquecimento dos oceanos da Terra está a acelerar cada vez mais.

“Sob um cenário de emissões como o de hoje, em 2100 o aquecimento no oceano terá atingido 20% do aquecimento no final do Permiano-Triássico, e no ano 2300 atingirá entre 35 e 50%”, disse Penn.

É importante não esquecer que “este estudo destaca o potencial para uma extinção em massa decorrente de um mecanismo similar sob mudanças climáticas antropogénicas”, concluem os cientistas.

ZAP // ScienceAlert

Por ZAP
4 Março, 2019

 

1653: Já há data para o primeiro verão sem gelo no Árctico

NASA GODDARD/ KATY MERSMANN

O oceano Árctico pode ficar sem de gelo durante o verão nos próximos 20 anos devido a uma fase de aquecimento natural que se faz sentir já há algum tempo no Pacífico tropical, sendo depois exacerbada pela actividade do Homem.

Modelos computacionais preveem que a mudança climática tornará o Árctico quase livre de gelo marinho durante o verão em meados deste século, a menos que as emissões de gases de efeito de estufam sejam reduzidas em grande medida pelos humanos.

Contudo, uma análise mais detalhada sobre os ciclos de temperatura a longo prazo no Pacífico tropical aponta para um Árctico sem gelo em Setembro, o mês com menos gelo marinho, segundo descreve um novo estudo esta semana publicado na científica Geophysical Research Letters.

“A trajectória aponta para a ausência de gelo no verão, mas não se sabe ao certo quando acontecerá”, explicou James Screen, professor associado de ciência do clima da Universidade de Exeter, no Reino Unido, e autor principal do estudo em comunicado.

Existem vários modelos climáticos utilizados pelos cientistas para prever quando ocorrerá o primeiro Setembro sem gelo. A maioria dos modelos projecta que haverá menos de 1 milhão de quilómetros quadrados de gelo marinho até meados deste século, as projecção de quando isso acontecerá variam em janelas de tempo de 20 anos devido a flutuações climáticas naturais.

O modelo climático utilizado no novo estudo prevê um verão árctico sem gelo entre 2030 e 2050, se os gases de efeito estufa continuarem a subir ao ritmo actual.

Tendo em conta a fase de aquecimento de longo prazo no Pacífico tropical, uma nova investigação aponta que é mais provável que um Árctico sem gelo ocorra mais perto de 2030 do que em 2050.

ZAP //

Por ZAP
2 Março, 2019

 

1565: “Deserto submarino” no Pacífico pode provocar desastre ambiental

Uma equipa de cientistas acredita que o desaparecimento progressivo da estrela-do-mar-girassol, cuja causa é ainda desconhecida, na costa da Califórnia, nos Estados Unidos, pode vir a causar um desastre ambiental no Pacífico. 

Os cientistas alertam para este “deserto submarino” através de uma novo artigo científico publicado na quarta-feira passada na revista especializada Science Advances.

“Nunca vi um declínio desta magnitude numa espécie tão importante”, disse o autor principal do estudo, Drew Harvell, em declarações ao The Washington Post.

A pesquisa dá conta que a doença que afecta a estrela do mar, que prejudicou significativamente a estrela-do-mar-girassol (Pycnopodia helianthoides), pode estar por detrás de surtos de doenças infecciosas que desde 2013 colocam em risco várias espécies de animais, incluindo rãs, corais e até morcegos.

Os investigadores frisam ainda que esta espécie marinha está à beira da extinção, pedindo, por isso, às autoridades que tomem medidas, tentando salvar a espécie através de um programa de reprodução com estrelas-do-mar-girassol em Washington, Canadá e Alasca. Por outro lado, escreveram, o declínio desta espécie coincidiu com o período que aquecimento global que ocorreu no Pacífico entre 2013 e 2015.

A equipa monitorizou o progressivo desaparecimento da estrela-do-mar-de-girassol através de incursões em águas rasas na área entre 2006 e 2014, nas quais foram contabilizadas entre “duas a 100 estrelas” dessa espécie, sendo depois registado uma queda significativa no número de espécies a partir desse momento.

Por último, os cientistas afirmam ainda que o maior inimigo das estrelas-do-mar-de-girassol – os ouriços-do-mar-roxos (Strongylocentrotus purpuratus) – estão a multiplicar-se no fundo do mar, tornando a sobrevivência destas estrelas-do-mar ainda mais complicada, uma vez que se alimentam da vegetação, que é também um elemento-chave para o ecossistema da área em causa do Pacífico.

De acordo com o Oceanário, a estrela-do-mar-girassol é uma das maiores estrelas-do-mar, sendo a mais rápida de todas as espécies já conhecidas. A espécie é capaz de se deslocar 50 centímetros por minuto. Nos Estados Unidos, é também conhecida como sea pigs (porcos do mar), nome devido à sua voracidade.

ZAP //

Por ZAP
7 Fevereiro, 2019

 

1561: O oceano vai mudar de cor até ao fim deste século

(CC0/PD) Mariamichelle / pixabay

O aquecimento global está a alterar significativamente o fitoplâncton dos oceanos do mundo, o que afectará a sua cor no final deste século. As regiões azuis e verdes vão ficar intensificadas.

Os satélites devem detectar essas mudanças de tom, fornecendo alertas antecipados de mudanças em larga escala nos ecossistemas marinhos, de acordo com um novo estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), publicado na revista Nature.

Os investigadores desenvolveram um modelo global que simula o crescimento e a interacção de diferentes espécies de fitoplâncton ou algas, e a forma como a mistura de espécies em vários locais mudará à medida que as temperaturas aumentam em todo o mundo.

Os cientistas também simularam a maneira como o fitoplâncton absorve e reflete a luz e como o oceano muda de cor à medida que o aquecimento global afecta a composição das comunidades fitoplanctónicas.

Os investigadores conduziram o modelo até o final do século XXI e descobriram que, no ano 2100, mais de 50% dos oceanos do mundo mudariam de cor.

O estudo sugere que as regiões azuis, como as regiões subtropicais: tonar-se-ão ainda mais azuis, reflectindo ainda menos fitoplâncton – e a vida em geral – nessas águas. Algumas regiões que são mais verdes hoje, como as próximas dos pólos, podem ficar ainda mais verdes, já que as temperaturas mais quentes aumentam as florações de um fitoplâncton mais diversificado.

“O modelo sugere que as alterações não parecerão muito grandes a olho nu e o oceano ainda vai parecer que tem regiões azuis em regiões subtropicais e regiões verdes perto do equador e os pólos”, disse Stephanie Dutkiewicz, do Departamento de Ciências Terrestres, Atmosféricas e Planetárias do MIT e no Programa Conjunto sobre Ciência e Política de Mudança Global. “O padrão básico ainda estará lá. Mas será suficientemente diferente para afectar o resto da cadeia alimentar que o fitoplâncton sustenta”.

A cor do oceano depende de como a luz solar interage com o que está na água. Apenas as moléculas de água absorvem quase toda a luz do sol, excepto a parte azul do espectro, que é reflectida. Assim, regiões de oceano aberto relativamente áridas aparecem como azul profundos. Se houver organismos no oceano, podem absorver e reflectir diferentes comprimentos de onda da luz, dependendo das suas propriedades individuais.

O fitoplâncton, por exemplo, contém clorofila, um pigmento que absorve principalmente nas porções azuis da luz solar para produzir carbono para a fotossíntese e menos nas porções verdes. Como resultado, mais luz verde é reflectida para fora do oceano, dando às regiões ricas em algas um tom esverdeado.

Desde o final dos anos 90, os satélites têm medições contínuas da cor do oceano. Os cientistas usaram essas medidas para obter a quantidade de clorofila e, por extensão, fitoplâncton, numa determinada região oceânica. Mas Dutkiewicz diz que a clorofila não necessariamente reflete o sensível sinal da mudança climática.

Qualquer variação significativa na clorofila poderiam ser devido ao aquecimento global, mas também poderiam ser devido à “variabilidade natural” – aumentos regulares e periódicos da clorofila devido a fenómenos naturais relacionados ao clima.

ZAP // Europa Press

Por ZAP
6 Fevereiro, 2019

 

1559: Dois terços dos glaciares dos Himalaias podem derreter até 2100

Wolfgang Beyer / Wikimedia

Dois terços dos glaciares das montanhas do Hindu-Kush-Himalaias poderão derreter até ao fim do século se o planeta continuar a aquecer por causa dos gases de efeito de estufa, segundo um estudo científico.

O chamado “terceiro pólo”, por causa da quantidade de gelo ali concentrada, estende-se por 3.500 quilómetros, entre o Afeganistão e a Birmânia, e a continuação do aquecimento global ameaça desestabilizar os grandes rios da Ásia, concluíram os investigadores do Centro Internacional para o Desenvolvimento Integrado da Montanha, uma organização sediada em Katmandu, no Nepal.

O estudo envolveu 350 cientistas e durou cinco anos, que olharam para os rios alimentados pelo gelo das cordilheiras, que incluem o Ganges, o Mekong e o Rio Amarelo, ao longo dos quais vivem 1,65 mil milhões de pessoas.

“É a crise climática de que ainda não se falou”, afirmou o investigador Philippus Wester.

Mesmo que se limitasse o aumento da temperatura global a 1,5 graus até 2100, cumprindo a meta do acordo de Paris de 2015, a região do Hindu-Kush-Himalaias perderia um terço do gelo, afectando também os 250 milhões de pessoas que vivem nas zonas montanhosas.

“O aquecimento global pode transformar os picos montanhosos gelados que atravessam oito países em montanhas de rocha nua em menos de um século. As consequências para as populações da região, que já é uma das zonas montanhosas mais frágeis e em risco, irão da poluição atmosférica ao aumento dos fenómenos climáticos extremos”, alertou.

Ao influenciar o volume e as alturas dos degelos, o aquecimento global põe em risco a produção agrícola que depende da água que corre da montanha, prejudicando a segurança alimentar e assoberbando os sistemas de distribuição de água urbanos.

O estudo, esta semana publicado na Springer Link, dá ainda conta que as consequências do derretimento dos glaciares dos Himalaias podem afectar quase 2 mil milhões de pessoas com secas mais frequentes, chuvas mais violentas e inundações súbitas.

ZAP // Lusa

Por ZAP
5 Fevereiro, 2019