3675: Já há preparativos para a aproximação do asteróide Apophis em 2029

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Os cientistas já revelaram algumas das observações que vão levar a cabo durante a aproximação do asteróide Apophis à Terra, que atingirá a sua distância mais próxima do nosso planeta em meados de Abril de 2029.

A 13 de Abril de 2029 uma mancha perfurará o céu, tornando-se mais brilhante e mais rápida. Será o asteróide 99942 Apophis, vulgarmente conhecimento como Deus do Caos, a aproximar-se da Terra, conta a agência espanhola Europa Press.

Este corpo rochoso de enormes dimensões (340 metros de largura) passará muito “perto” da Terra, ficando no ponto máximo da sua aproximação a 31.000 quilómetros do nosso planeta – estará mais perto do que qualquer nave espacial já esteve.

Apesar de este corpo passar a uma distância considerada curta a nível astronómico, a probabilidade de o Apophis impactar com a Terra é quase nula (menos de 1 em 100.000).

Na habitual Conferência de Defesa Planetária de 2019, que decorreu em Maryland, nos Estados Unidos, vários cientistas discutiram planos de observação para este evento celestial que está ainda a uma década de distância.

“A aproximação de Apophis em 2019 será uma incrível oportunidade para a Ciência”, disse Marina Brozovic, cientista do Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA. “Observaremos este asteróide com telescópios ópticos e de radar. Com observações de radar, poderemos conseguir ver com detalhe a sua superfície a alguns metros de distância”.

O asteróide, que se verá sob a forma de um ponto de luz em movimento, começará a ser visível a olho nu no céu nocturno sobre o hemisfério sul, sobrevoando a Terra da costa leste até à costa oeste da Austrália. Depois, atravessará o Oceano Índico e, mais tarde, cruzará o equador, movendo-se ainda para oeste, sobre África.

No seu ponto mais próximo da Terra, por volta das 12 horas em Lisboa, Apophis estará sobre o Oceano Atlântico, atravessando-o em apenas uma hora.

Boa “janela” para a Ciência

Desde que foi descoberto, em Junho de 2004, vários telescópios têm acompanhado este asteróide enquanto este continua a sua órbita em torno do Sol.

Os cientistas conhecem bem a sua trajectória futura deste corpo, mas o ano de 2029 será o ano das grandes observações. Com a aproximação deste corpo, os cientistas esperam descobrir mais sobre a sua forma, composição e até sobre o seu interior.

“Já sabemos que um encontro próximo com a Terra mudará a órbita de Apophis, mas os nossos modelos mostram também que o foco próximo pode mudar a forma como este asteróide gira, e pode haver algumas mudanças na superfície, como pequenas avalanches”. disse Davide Farnocchia, astrónomo do Centro de Estudos de Objectos Próximo à Terra (CNEOS) do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.

“O Apophis é um representante de aproximadamente 2.000 asteróides potencialmente perigosos actualmente conhecidos”, completou Paul Chodas, director do CNEOS.

“Ao observar Apophis durante seu sobrevoo em 2029, obteremos informações científicas importantes que poderão um dia ser usadas para a defesa planetária”.

Apesar de ser muito pouco provável que um asteróide venha a colidir com a Terra nos próximos anos – a probabilidade é de 1 em 300.000, segundo a NASA -, as agências espaciais têm reunido esforços para melhorar os programas destinados para o acompanhamento e desvio destes corpos em rota de colisão com a Terra.

Nem Asteróide do Apocalipse, nem Deus do Caos. Nenhum asteróide (conhecido) vai colidir com a Terra nos próximos 100 anos

A NASA continua a afirmar que nenhum asteróide conhecido representa um risco significativo de impacto com a Terra nos próximos…

ZAP //

Por ZAP
12 Maio, 2020

 

spacenews

 

1508: Apophis, o asteróide do caos, poderá colidir com a Terra em 2068

(CC0) RafaelMousob / Pixabay

Em 2004, os astrónomos descobriram o Apophis 99942. Em 2068, este asteróide poderá vir a colidir com o nosso planeta.

O asteróide Apophis 99942, descoberto em 2004, poderá atingir a Terra em 2068. Mas, antes disso, este corpo celeste deverá aproximar-se do nosso planeta em 2029, a uma distância dez vezes menor do que a existente entre a Terra e a Lua. A informação é avançada por cientistas da Universidade Estatal de São Petersburgo, na Rússia.

Baptizado em homenagem ao antigo Deus egípcio do mal, da escuridão e da destruição, Apophis 99942 deverá ficar a apenas 37.800 quilómetros da Terra, ou seja, cerca de um décimo da distância entre o nosso planeta e a Lua – que é de 384 mil quilómetros.

Os cientistas alertaram que esta rocha espacial, que tem um diâmetro de 325 metros, poderá atingir o nosso planeta em 2068 a uma velocidade de 7,43 quilómetros por segundo.

“A aproximação do Apophis 99942 com a Terra causa um aumento significativo de trajectórias possíveis, entre elas as que preveem uma aproximação maior em 2051”, informam os astrónomos no relatório citado pela SputnikNews. Os dados científicos referentes ao asteróide revelam ainda cerca de 100 “possíveis colisões do Apophis com a Terra, sendo a mais perigosa em 2068“, adianta o documento recém divulgado.

Antes da aproximação em 2068, o asteróide aproximar-se-á da Terra em 2044 a uma distância de 16 milhões de quilómetros e, em 2051 e 2060, a uma distância de 760 mil quilómetros e de cinco milhões de quilómetros, respectivamente.

Cientistas da NASA já tinham alertado para a possível colisão entre o Apophis e a Terra, mas adiantaram que a probabilidade de colisão seria extremamente pequena.

Os cientistas estimaram também que havia uma probabilidade de 2,7% de este corpo celeste vir a atingir a Terra em 2029. No entanto, os analistas excluíram esta ameaça, estimando que, a 13 de Abril de 2029, o Apophis irá aproximar-se do nosso planeta a uma distância de 37.800 quilómetros do centro da Terra.

Segundo a RT, as descobertas da equipa russa serão apresentadas no Korolev Readings on Cosmonautics, um evento que se realizará em Moscovo no final deste mês.

Os cientistas admitem que não conseguem calcular com precisão o comportamento do asteróide devido à sua órbita irregular que mudará de forma no futuro.

Boris Shushtov, director do Instituto de Astronomia da Academia Russa de Ciências, assegura que Apophis 99942 não está entre os corpos mais ameaçadores para o Sistema Solar e acrescenta que sua probabilidade de colisão com nosso planeta é muito baixa.

ZAP // SputnikNews

Por ZAP
22 Janeiro, 2019

[vasaioqrcode]