What fueled humans’ big brains? Controversial paper proposes new hypothesis.

SCIENCE/PLEISTOCENE/ANTHROPOLOGY

(Image credit: Shutterstock)

Over the course of the Pleistocene epoch, between 2.6 million years ago and 11,700 years ago, the brains of humans and their relatives grew. Now, scientists from Tel Aviv University have a new hypothesis as to why: As the largest animals on the landscape disappeared, the scientists propose, human brains had to grow to enable the hunting of smaller, swifter prey.

This hypothesis argues that early humans specialized in taking down the largest animals, such as elephants, which would have provided ample fatty meals. When these animals’ numbers declined, humans with bigger brains, who presumably had more brainpower, were better at adapting and capturing smaller prey, which led to better survival for the brainiacs.

Ultimately, adult human brains expanded from an average of 40 cubic inches (650 cubic centimeters) at 2 million years ago to about 92 cubic inches (1,500 cubic cm) on the cusp of the agricultural revolution about 10,000 years ago. The hypothesis also explains why brain size shrank slightly, to about 80 cubic inches (1,300 cubic cm), after farming began: The extra tissue was no longer needed to maximize hunting success.

Related: See photos of our closest human ancestor

This new hypothesis bucks a trend in human origins studies. Many scholars in the field now argue that human brains grew in response to a lot of little pressures, rather than one big one. But Tel Aviv University archaeologists Miki Ben-Dor and Ran Barkai argue that one major change in the environment would provide a better explanation.

“We see the decline in prey size as a unifying explanation not only to brain expansion, but to many other transformations in human biology and culture, and we claim it provides a good incentive for these changes,” Barkai wrote in an email to Live Science. “[Scholars of human origins] are not used to looking for a single explanation that will cover a diversity of adaptations. It is time, we believe, to think otherwise.”

Big prey, growing brains

The growth of the human brain is evolutionarily outstanding, because the brain is a costly organ. The Homo sapiens brain uses 20% of the body’s oxygen at rest despite making up only 2% of the body’s weight. An average human brain today weighs 2.98 lbs. (1,352 grams), far exceeding the brains of chimpanzees, our nearest living relatives, at 0.85 lb. (384 grams).

Related: In photos: Hominin skulls with mixed traits discovered

Barkai and Ben-Dor’s hypothesis hinges on the notion that human ancestors, starting with Homo habilis and peaking with Homo erectus, spent the early Pleistocene as expert carnivores, taking down the biggest, slowest prey that Africa had to offer. Megaherbivores, the researchers argue in a paper published March 5 in the journal Yearbook of Physical Anthropology, would have provided ample calories and nutrients with less effort than foraging plants or stalking smaller prey. Modern humans are better at digesting fat than other primates are, Barkai and Ben-Dor said, and humans’ physiology, including stomach acidity and gut design, indicate adaptations for eating fatty meat.

In another paper, published Feb. 19 in the journal Quaternary, the researchers argue that human species’ tools and lifestyle are consistent with a shift from large prey to small prey. In Barkai’s fieldwork in Africa, for example, he has found Homo erectus sites strewn with elephant bones, which disappear at later sites from between 200,000 and 400,000 years ago. The human ancestors at those more recent sites seemed to have been eating mostly fallow deer, Ben-Dor wrote in an email to Live Science.

Overall, megaherbivores weighing over 2,200 lbs. (1,000 kilograms) began to decline across Africa around 4.6 million years ago, with herbivores over 770 lbs. (350 kg) declining around 1 million years ago, the researchers wrote in their paper. It’s not clear what caused this decline, but it could have been climate change, human hunting or a combination of the two. As the biggest, slowest, fattiest animals disappeared from the landscape, humans would have been forced to adapt by switching to smaller animals. This switch, the researchers argue, would have put evolutionary pressure on human brains to grow larger because hunting small animals would have been more complicated, given that smaller prey is harder to track and catch.

These growing brains would then explain many of the behavioral changes across the Pleistocene. Hunters of small, fleet prey may have needed to develop language and complex social structures to successfully communicate the location of prey and coordinate tracking it. Better control of fire would have allowed human ancestors to extract as many calories as possible from smaller animals, including grease and oil from their bones. Tool and weapon technology would have had to advance to allow hunters to bring down and dress small game, according to Barkai and Ben-Dor.

A fuzzy past

Single hypotheses for human brain evolution haven’t held up well in the past, however, said Richard Potts, a paleoanthropologist and head of the Smithsonian’s Human Origins Program in Washington, D.C., location, who wasn’t involved in the research. And there are debates about many of the arguments in the new hypothesis. For example, Potts told Live Science, it’s not clear whether early humans hunted megaherbivores at all. There are human cut marks on large-mammal bones at some sites, but no one knows whether the humans killed the animals or scavenged them.

The researchers also sometimes use arguments from one time period that might not apply to earlier times and places, Potts said. For example, the evidence suggests a preference for large prey by Neanderthals living in Europe 400,000 years ago, which would have served those human relatives well in winter, when plants were scarce. But the same thing might not have held true a few hundred thousand or a million years earlier in tropical Africa, Potts said.

And when it comes to brains, size isn’t everything. Complicating the picture, brain shape also evolved over the Pleistocene, and some human relatives — such as Homo floresiensis, which lived in what is now Indonesia between 60,000 and 100,000 years ago — had small brains. H. floresiensis hunted both small elephants and large rodents despite its small brain.

The period over which humans and their relatives experienced this brain expansion is poorly understood, with few fossil records to go on. For example, there are perhaps three or four sites firmly dated to between 300,000 and 400,000 years ago in Africa that are certainly related to humans and their ancestors, said John Hawks, a paleoanthropologist at the University of Wisconsin–Madison who was not involved in the research and was skeptical of its conclusions. The human family tree was complicated over the course of the Pleistocene, with many branches, and the growth in brain size wasn’t linear. Nor were the declines in large animals, Hawks told Live Science.

“They’ve sketched out a picture in which the megaherbivores decline and the brains increase, and if you look at that through a telescope, it sort of looks true,” Hawks told Live Science. “But actually, if you look at the details on either side, brain size was more complicated, megaherbivores were more complicated and it’s not like we can draw a straightforward relationship between them.”

The paper does, however, draw attention to the fact that human species may indeed have hunted large mammals during the Pleistocene, Hawks said. There is a natural bias in fossil sites against preserving large mammals, because human hunters or scavengers wouldn’t have dragged an entire elephant back to camp; they would have sliced off packets of meat instead, leaving no evidence of the feast at their home sites for future paleontologists and archaeologists.

“I’m sure we’re going to be talking more and more about what was the role of megaherbivores in human subsistence, and were they important to us becoming human?” Hawks said.

Originally published on Live Science.
By Stephanie Pappas – Live Science Contributor
12/03/2021


5157: Cientistas afirmam que não é possível localizar a origem da humanidade

CIÊNCIA/ANTROPOLOGIA

(dr) Mark Thiessen / National Geographic

Apesar do número de evidências fósseis já encontradas, não é possível localizar com precisão a área onde os humanos modernos surgiram, concluiu uma nova investigação conduzida por antropólogos da Alemanha e do Reino Unido.

No novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica Nature, a equipa sustenta não só que os dados disponíveis são insuficientes para determinar com precisão no espaço e no tempo a génese da humanidade, como também sugere que o evento não pode ser determinado, nem do ponto de vista teórico.

“Ao contrário do que muitos acreditam, nem o registo genético nem o registo fóssil até agora encontrado revelam um lugar ou um período de tempo definido para a origem da nossa espécie”, começa por explicar Pontus Skoglund, especialista do Instituto Max Planck e co-autor do estudo, citado em comunicado.

E acrescenta: “Um momento como este, em que a maior parte da nossa ancestralidade foi encontrada numa pequena região geográfica e as características que associamos à nossa espécie apareceram, pode não ter existido. Para já, seria útil que nos afastássemos da ideia de uma única época e local de origem”.

Para chegar a esta conclusão, a equipa realizou uma revisão completa sobre o conhecimento já existente sobre a ancestralidade humana, frisa o portal Science Alert.

Na mesma nota, Chris Stringer, outro dos especialistas envolvidos na investigação, observa que a origem complexa do Homo sapiens está a tornar-se cada vez mais evidente.

“Alguns dos nossos antepassados terão vivido em grupos ou populações que podem ser identificadas no registo fóssil, enquanto muito pouco se sabe sobre os outros [antepassados]. Na próxima década, o crescente reconhecimento das nossas complexas origens deve expandir o foco geográfico de trabalho de campo paleoantropológico a regiões que antes se consideravam periféricas na nossa evolução, como África central e ocidental e o subcontinente indiano e o sudeste asiático“.

Face à existência de várias espécies e populações que deixaram a sua marca na nossa genética, o grupo de antropólogos sugere que se pergunte, em primeiro lugar, como é que a humanidade se originou – só depois, sustentam, é que se deve explorar o “onde”.

“As principais questões emergentes referem-se aos mecanismos que impulsionaram e sustentaram este mosaico humano, com todos os seus vários fios ancestrais, ao longo do tempo e do espaço”, observa a antropóloga Eleanor Scerri.

“Compreender a relação entre habitats fracturados e a mudança de nichos humanos desempenhará, sem dúvida, um papel fundamental no esclarecimento destas questões, deixando mais claro que padrões demográficos melhor se adaptam ao registo genético e paleoantropológico”, remata a especialista.

ZAP ZAP //

Por ZAP
18 Fevereiro, 2021


4974: Muito mais do que tabaco. Cientistas identificam drogas tomadas pelos maias em recipientes antigos

CIÊNCIA/ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA

Washington State University

Uma equipa de cientistas da Washington State University identificou a presença de planta que não é do tabaco em recipientes de drogas dos antigos maias.

Os investigadores detectaram “marigold mexicana” (Tagetes lucida) em resíduos retirados de 14 vasos de cerâmica. Originalmente enterrados há mais de mil anos na península mexicana de Yucatán, os vasos também contêm vestígios químicos presentes em dois tipos de tabaco seco e curado, Nicotiana tabacum e N. rustica.

A equipa, liderada pelo antropólogo Mario Zimmermann, acredita que a marigold mexicana era misturada com o tabaco para tornar o ato de fumar mais agradável.

“Embora tenha sido estabelecido que o tabaco era normalmente usado nas Américas antes e depois do contacto, as evidências de outras plantas usadas para fins medicinais ou religiosos permaneceram amplamente inexploradas”, disse Zimmermann, em comunicado. “Os métodos de análise desenvolvidos em colaboração entre o Departamento de Antropologia e o Instituto de Química Biológica dão-nos a capacidade de investigar o uso de drogas no mundo antigo como nunca antes.”

Neste trabalho, foi usado um novo método de análise baseado em metabolómica que pode detectar milhares de compostos de plantas ou metabólitos em resíduos colhidos de recipientes, canos, tigelas e outros artefactos arqueológicos. Os compostos podem ser usados ​​para identificar que plantas eram consumidas.

Anteriormente, a identificação de resíduos de plantas antigas dependia da detecção de um número limitado de biomarcadores, como nicotina, anabasina, cotinina e cafeína.

“O problema com isso é que, embora a presença de um biomarcador como a nicotina mostre que o tabaco foi fumado, não diz o que mais foi consumido ou armazenado no artefacto”, disse David Gang, professor do Instituto de Química Biológica da Washington State University. “A nossa abordagem não só dizem, sim, encontrámos a planta na qual está interessado, mas também pode dizer o que mais estava a ser consumido.”

Zimmermann ajudou a desenterrar dois dos vasos cerimoniais que foram usados ​​para a análise na primavera de 2012. Na época, estava a trabalhar numa escavação dirigida pelo Instituto Nacional de Antropologia e História do México nos arredores de Mérida, onde um empreiteiro descobriu evidências de um sítio arqueológico maia enquanto limpava terras para um novo conjunto habitacional.

A equipa de arqueólogos usou equipamento GPS para dividir a área numa grade semelhante a um tabuleiro de xadrez. Depois, abriram caminho através da densa selva em busca de pequenos montes e outros sinais reveladores de edifícios antigos onde os restos mortais de pessoas importantes como os xamãs às vezes são encontrados.

“Quando se encontra algo realmente interessante, como um recipiente intacto, isso dá uma sensação de alegria”, disse Zimmermann. “Existem literalmente toneladas de fragmentos de cerâmica, mas os recipientes completos são escassos e oferecem um potencial de pesquisa muito interessante”.

A equipa está actualmente em negociações com várias instituições no México para obter acesso a recipientes mais antigos da região que possam analisar em busca de resíduos vegetais. Outro projecto que estão a desenvolver actualmente passa por examinar resíduos orgânicos preservados na placa dentária de restos humanos antigos.

“Estamos a expandir as fronteiras da ciência arqueológica para que possamos investigar melhor as relações de tempo profundas que as pessoas tiveram com uma ampla gama de plantas psicoactivas, que foram (e continuam a ser) consumidas por humanos em todo o mundo”, disse Shannon Tushingham, professor de antropologia na Washington State University. “Existem muitas formas engenhosas pelas quais as pessoas gerem, usam, manipulam e preparam plantas nativas e misturas de plantas, e os arqueólogos estão apenas a começar a arranhar a superfície de quão antigas essas práticas eram.”

A descoberta do conteúdo dos recipientes pinta uma imagem mais clara das práticas de uso de drogas dos antigos maias. Este estudo, que foi publicado na semana passada na revista científica Scientific Reports, também abre caminho para estudos futuros que investiguem outros tipos de plantas psicoactivas e não psicoactivas que eram fumadas, mastigadas ou inaladas entre os maias e outras sociedades pré-colombianas.

Por Maria Campos
20 Janeiro, 2021


3051: Os símios de hoje são mais inteligentes do que a nossa ancestral Lucy

CIÊNCIA/ANTROPOLOGIA

Uma nova investigação que analisou crânios fósseis e modernos sugere que os grandes símios vivos são mais inteligentes do que o nosso ancestral pré-humano Australopithecus, grupo no qual se insere a famosa “Lucy”.

Segundo noticia a agência Europa Press, a nova investigação, conduzida por cientistas da Universidade de Adelaide, na Austrália, em colaboração com o Instituto de Estudos Evolucionários da Universidade de Witwatersrand, desafia a antiga tese que sustenta que, devido ao facto de o cérebro dos Australopithecus ser maior do que o de muitos macacos modernos, estes eram mais inteligentes.

A nova investigação, cujos resultados foram publicados na revista científica Proceedings of Royal Society B, mediu a taxa de fluxo sanguíneo para a parte cognitiva do cérebro, com base no tamanho dos buracos no crânio que passavam pelas artérias supridas.

A técnica em causa foi calibrada em humanos e outros mamíferos e aplicada a 96 crânios de grandes símios e 11 crânios fósseis de Australopithecus.

Roger Seymour, cientista que participou no estudo, explicou, citado em comunicado, que o estudo evidenciou uma maior taxa de fluxo sanguíneo na parte cognitiva do cérebro dos grandes símios em comparação com os Australopithecus.

“Os resultados foram inesperados para os antropólogos, porque geralmente a inteligência está directamente relacionada ao tamanho do cérebro”.

“No começo, o tamanho do cérebro parece razoável porque é uma medida da quantidade de células cerebrais, os chamados neurónios. No entanto, ao pensar sobre isso, a cognição se baseia baseia-se não só no número de neurónios, mas também no número de conexões entre os neurónios, as sinapses. Estas conexões governam o fluxo de informações no cérebro. Uma actividade sináptica maior resulta numa maior capacidade de processamento de informações”, sustentou, citado na mesma nota.

Seymour recordou disse que os grandes símios são conhecidos por serem muito inteligentes, dando como exemplo o gorila Koko, que foi ensinado a comunicar-se com mais de 1.000 sinais, e do chimpanzé Washoe, que aprendeu cerca de 350 sinais.

“De acordo com os resultados, estima-se que o fluxo sanguíneo para os hemisférios cerebrais do Koko seja aproximadamente o dobro do fluxo da Lucy. Uma vez que a taxa de fluxo sanguíneo poderá ser uma melhor medida da capacidade de informações do que o tamanho do cérebro, Koko pode ter sido mais inteligente”, rematou.

Com apenas um metro de altura e 27 quilos, Lucy viveu na África Oriental há mais de três milhões de anos. O seu fóssil foi descoberto a 24 de Novembro de 1974 pelo famoso paleoantropólogo norte-americano Donald Johnson e cerca de 40% do esqueleto sobreviveu até aos dias de hoje.

Antropólogos resolvem finalmente o mistério da morte de Lucy

Uma equipa de investigadores americanos afirma que Lucy, o australopiteco que viveu há três milhões de anos, morreu depois de…

ZAP //

Por ZAP
19 Novembro, 2019

 

2969: Desigualdade pode ser mais acentuada em Marte

CIÊNCIA

NASA
Concepção artística de uma colónia em Marte

Como seria a vida em Marte? Temos tendência a julgar que a vida no Planeta Vermelho seria mais risonha, mas em termos de desigualdades, Savannah Mandel garante que isso não é verdade.

A antropóloga espacial Savannah Mandel passou dez semanas no “aeroporto” norte-americano para naves espaciais comerciais, no deserto do Novo México, a fazer trabalho de campo para a sua dissertação. Durante essas semanas, Mandel cruzou-se com vários trabalhadores “dispostos a arriscar tudo” para participar em empreendimentos no Espaço.

O motivo? “Eles acreditam que as viagens espaciais garantem o futuro da humanidade”, explica Mandel, apesar de sustentar que os problemas da humanidade não desaparecem noutro planeta. Aliás, podem até piorar quando se trata de desigualdade, frisou, citada pelo OZY.

Com apenas 23 anos, Mandel é um dos membros mais jovens de um pequeno grupo de antropólogos ao redor do mundo, que centra todas as suas atenções em estudar de que forma os seres humanos se relacionam com o Espaço.

Valerie Olson, pioneira no campo e professora da Universidade da Califórnia, em Irvine, estima que existam menos de 100 antropólogos do Espaço na Terra. No entanto, a especialista sublinha que, devagarinho, o campo está a crescer.

A investigação de Mandel sobre o Spaceport America é inovadora: a jovem debruçou-se sobre a vida dos trabalhadores. Actualmente, trabalha como escritora científica do Instituto Americano de Física e é também uma escritora de ficção científica dedicada a completar um romance sobre um robô.

Este ano, o The Geek Anthropologist publicou um romance de Mandel sobre o primeiro antropólogo na Lua. Na história da autora, a reprodução lunar deve ser aprovada, havendo apenas um ponto, em toda a nave, apelidada de “O Condado”, onde um casal pode conceber.

Recentemente, a conferência sobre Espaço e Humanidade, realizada em Lexington, no Kentucky, juntou desde académicos a artistas, para reflectir como os seres humanos serão afectados pelas mudanças espaciais, como reconhecer e evitar preconceitos, por exemplo.

Mandel falou sobre um artigo que escreveu, no ano passado, para o The Geek Anthropologist, descrevendo os perigos de um “Efeito Elísio“, segundo o qual a comercialização do Espaço – como mineração de asteróides – aprofunda as disparidades globais de riqueza, uma vez que a lei existente é obscura.

Num artigo deste ano, desta vez para o Anthropology News, Mandel ecoou o tema, alertando sobre o “imperialismo lunar“, segundo o qual os países ocidentais com mais recursos financeiros olham o para o Espaço com a mentalidade colonial forjada pela sua própria história.

A antropologia do Espaço recebe muito menos recursos académicos e governamentais do que outras disciplinas. Mandel quer continuar, mas não tem certeza se poderá construir  uma carreira na academia por causa da sua paixão assumida por ficção científica.

Ainda assim, torna-se urgente trazer este tipo de temas para cima da mesa. As startups espaciais, e até a própria NASA, beneficiariam em poder contar com o contributo de antropólogos do Espaço, uma vez que apresentam narrativas e perspectivas diferentes, com foco na conservação como forma de proteger um novo mundo logo desde o início.

Mandel deseja que todo o seu trabalho inspire as pessoas sobre o que está por vir. “Adoro o Espaço, mas realmente quero que não deixemos a Terra no pó. Estamos a mover-nos muito rapidamente para um futuro interestelar”.

ZAP //

Por ZAP
5 Novembro, 2019

 

2059: Antropólogos descobriram quando é que os humanos aprenderam a cozinhar

CIÊNCIA

Randii Oliver / NASA

O hidrato de carbono amido ainda é um elemento pouco compreendido da dieta humana moderna e a nossa dieta de amido do passado pode dar uma ajuda nas investigações futuras.

Apesar de uma narrativa arqueológica que liga os nossos primeiros ancestrais hominídeos a uma dieta rica em raízes e tubérculos, há poucas evidências arqueológicas em tempo profundo do consumo de amido humano-vegetal. Geneticistas hipotetizam que a duplicação de genes de digestão do amido no início do Homo sapiens é uma resposta adaptativa a um aumento na dieta de amido.

Num novo estudo, publicado na revista Journal of Human Evolution, cientistas da Universidade Wits ofereceram a primeira evidência arqueológica de que humanos anatomicamente modernos estavam a assar e a comer amido de plantas há 120 mil anos.

O estudo é baseado em descobertas feitas na caverna do rio Klasies, na África do Sul, onde foram encontrados restos de comida carbonizada de lareiras. O trabalho é parte de uma investigação multidisciplinar sistémica sobre o papel que as plantas e o fogo desempenhavam na vida das comunidades da Idade Média da Pedra.

A principal autora, Cynthia Larbey, do Departamento de Arqueologia da Universidade de Cambridge, disse: “Os nossos resultados mostraram que as pequenas lareiras eram usadas para cozinhar alimentos e raízes de amido e tubérculos eram claramente parte da sua dieta, desde os primeiros níveis em torno de há 120 mil anos até há 65 mil anos. Apesar das mudanças nas estratégias de caça e tecnologias de ferramentas de pedra, ainda cozinhavam raízes e tubérculos”.

Já Sarah Wurz, da Escola de Geografia, Arqueologia e Estudos Ambientais da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, África do Sul, disse: “A investigação mostra que os primeiros seres humanos seguiram uma dieta equilibrada e que eram génios ecológicos, capazes de explorar inteligentemente os seus ambientes para encontrar alimentos adequados e talvez remédios”.

Combinando raízes cozidas e tubérculos com proteínas e gorduras de moluscos, peixes, fauna pequena e grande, as comunidades conseguiram adaptar-se de forma ideal ao seu ambiente, indicando grande inteligência ecológica.

“Evidências do Rio Klasies, onde vários fragmentos de crânios humanos e dois fragmentos maxilares, datados de há 120 mil anos, mostram que os seres humanos que viviam naquele período pareciam os humanos modernos de hoje. No entanto, eram um pouco mais robustos”, rematou Wurz.

ZAP //

Por ZAP
27 Maio, 2019


[vasaioqrcode]

OVNI’s podem ser máquinas do tempo de um futuro distante

salorca2 / Flickr

O professor norte-americano Michael P. Masters apresentou uma nova teoria sobre objectos voadores não identificados (OVNI’s), defendendo que estes objectos são incríveis máquinas do tempo de um futuro distante.

Para Masters, que lecciona na Universidade Montana Tech, nos Estados Unidos, os OVNI’s e as demais alegadas naves alienígenas não visitam a Terra depois de uma viagem iniciada no Espaço, partindo antes de um ponto distante no futuro da Humanidade.

“O fenómeno pode [ilustrar] os nossos próprios descendentes distantes a voltar, através do tempo, para nos estudarem no seu próprio passado evolutivo”, afirmou o professor em entrevista ao canal de televisão KXLF, citado pelo tablóide britânico Express.

Segundo Masters, as relatos sobre alegadas abduções e os exames médicos realizados provam que os OVNI’s são, na verdade, antropólogos do futuro. O professor defende que estes antropólogos futuristas são bastante parecido com ele mesmo.

Além destas evidências, sublinha o cientista, a maioria das pessoas que dizem ter visto ou testemunhado alienígenas descrevem-nos como humanoides dotados de tecnologias incríveis. Para Masters, estas pessoas referiam-se a cientistas que viajam no tempo como seres extraterrestres ou descendentes humanos distantes.

O antropólogo, especializado em avistamentos de OVNI’s, disse que estes encontros podem ser cientificamente explicados, mesmo que os cépticos possam considerar esta uma ciência marginal. “Os extraterrestres, que são geralmente descritos como bípedes, que caminham erectos, com cinco dedos em cada mão e pé, simetria bilateral, têm dois olhos, uma boca e nariz, podem comunicar-se connosco nos nossos próprios idiomas”, reforçou.

O especialista, que explora a nova teoria no seu livro sob o título Identified Flying Objects, afirma que os futuros cientistas regridem no tempo para melhor estudar e entender os seres humanos do passado. “Com o ritmo acelerado da mudança na ciência, tecnologia e engenharia, é provável que os seres humanos de um futuro distante possam algum dia desenvolver o conhecimento e a maquinaria necessária para voltar ao passado”.

Masters nota, contudo, que nem tudo o que é apresentado no seu livro representa uma verdade absoluta. “Vou continuar vigilante no meu próprio cepticismo”, concluiu.

ZAP // SputnikNews

Por ZAP
6 Abril, 2019

[vasaioqrcode]

 

1255: Descobertas anomalias misteriosas em ossadas humanas do Pleistoceno

CIÊNCIA

Erik Trinkaus / National Academy of Sciences

Um antropólogo da Universidade de Washington descobriu “uma abundância de anomalias de desenvolvimentos” em ossadas humanas do Pleistoceno.

No estudo publicado a 5 de Novembro na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, Erik Trinkaus, investigador que liderou o projecto, descreveu as suas conclusões acerca dos fósseis encontrados em várias localizações do Médio Oriente e da Euroásia.

Plistoceno abrange o período entre 2,588 milhões e 11,7 mil anos atrás. Segundo estudos anteriores, trata-se do período em que seres humanos anatomicamente modernos surgiram em África e partiram do continente para dominar novos territórios.

De acordo com o antropólogo, o Plistoceno destaca-se ainda pelo aparecimento de uma ampla variedade de deformações físicas em espécies de Homo, dentre elas a nossa — Homo sapiens.

Erik Trinkaus examinou 66 fósseis de até 200 mil anos atrás e reparou na grande quantidade de alterações anatómicas, tais como distorções de braços e pernas e deformações no crânio e maxilares.

Foram reveladas 75 anomalias, podendo dois terços delas ser encontrados em 1% dos humanos modernos. O investigador defende que as anormalidades surgiram devido a doenças – tais como distúrbios sanguíneos ou hidrocefalia. Para Trinkaus, o número de deformações seja extremamente alto num grupo tão pequeno de fósseis.

O antropólogo sugeriu ainda que o cruzamento sanguíneo ou acasalamento de indivíduos geneticamente semelhantes são as razões prováveis para o desenvolvimento das deformações.

As ossadas analisadas foram encontradas extremamente bem preservadas, o que pode ser resultado de um cuidado especial no funeral das pessoas deformadas.

ZAP // Sputnik / Phys

Por ZAP
8 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

321: Cientistas descobrem porque os incas tinham “crânios extraterrestres”

Cornell University
Matthew Velasco, investigador da Universidade Cornell, nos EUA

A aparência “extraterrestre” dos crânios dos incas, como no filme “Alien”, tem suscitado o interesse dos cientistas desde há muito tempo. Agora, investigadores norte-americanos parecem ter encontrado a resposta para este enigma.

Muitos povos antigos tinham tradições estranhas, que muitas vezes indiciavam a correlação entre o aspecto de uma pessoa e a sua posição e papel na sociedade. Por exemplo, a nobreza chinesa da Idade Média enfaixava os pés das meninas para que estes não crescessem, pois pés pequenos eram símbolo de origem nobre.

No Japão, mais ou menos no mesmo período, ganhou fama a tradição de pintar os dentes de negro. Os dentes negros eram símbolo de riqueza e fidelidade conjugal. Mais tarde, esta tradição espalhou-se por outros países asiáticos.

Do mesmo modo, segundo os cientistas, os incas alongavam os crânios dos filhos, que ficavam parecidos com “extraterrestres”, por razões sociais, mas os motivos exactos permaneciam um mistério, pois não restaram nenhumas descrições escritas da tradição.

O antropólogo Matthew Velasco, da Universidade Cornell, em Ithaca, nos Estados Unidos, e a sua equipa, descobriram uma das possíveis razões para a estranha tradição, após estudar vários crânios e corpos do povo antigo do vale do Colca, datados aproximadamente do início do século XIV.

Segundo crónicas dos conquistadores, no território do vale habitavam duas grandes tribos, os Collagua e os Cabanas, cada uma com as suas próprias tradições de “moldagem de crânios”. A primeira costumava estender e alongar os crânios, enquanto a segunda tinha crânios largos e “chatos”.

maurizio_l / Flickr
Os incas alongavam os crânios dos seus filhos, que ficavam parecidos com “extraterrestres”, por razões sociais

Velasco e os colegas decidiram analisar a forma como estas tradições mudaram ao longo do tempo para entender que papel desempenharam na vida destas tribos.

Alguns arqueólogos acreditam que a tradição terá sido trazida à região pelos incas, que pretendiam incitar o confronto entre as duas tribos, fazendo com que estas se juntassem ao império.

Os especialistas norte-americanos compararam como a forma dos crânios da nobreza de ambas as tribos mudou durante alguns séculos, desde o século XIV até ao colapso do Império Inca.

A equipa descobriu que a tradição não foi imposta pelas incas, mas sim causada pela crescente desigualdade social e estratificação da sociedade. As tentativas dos Collagua e Cabanas de se unirem perante a ameaça comum proveniente do império vizinho também contribuiu para este fenómeno.

“As mulheres com crânios alongados parecem ter comido melhor e ter morrido menos de violência. Assim, podemos afirmar que a forma do crânio desempenhou um papel importante no surgimento da estratificação social no Peru antigo”, diz o estudo, publicado no início de Janeiro na revista Current Anthropology.

Com o tempo, o número de crânios “extraterrestres” foi aumentando, de 30% no início do século XIV para 74% na altura em que o vale se tornou parte do Império Inca – e em que desaparecem as diferenças nas “técnicas” das duas tribos.

“A forma do crânio era uma espécie de “bilhete de identidade”, indicando que uma dada pessoa pertencia a um certo grupo, o que podia ajudar a unir a nobreza, fazendo com que cooperasse na área política”, explica o cientista.

Ainda não se sabe por que os indígenas do vale de Colca escolheram a forma alongada, mas Velasco acredita que isso pode ter a ver com sua religião e mitos, segundo os quais eles eram “filhos de vulcões”.

E se essa teoria estiver certa, a exótica tradição era não apenas um instrumento social, mas também um fenómeno religioso.

ZAP // Sputnik News

Por SN
26 Fevereiro, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=e4e07e27_1519638997190]