3533: Remains of 90 million-year-old rainforest discovered under Antarctic ice

SCIENCE

Fossil traces of an ancient rainforest were just unearthed in West Antarctica.

An illustration of the temperate rainforest that thrived in West Antarctica about 90 million years ago, when dinosaurs still walked the Earth. (Image: © J. McKay/Alfred-Wegener-Institut; Creative Commons licence CC-BY 4.0)

About 90 million years ago, West Antarctica was home to a thriving temperate rainforest, according to fossil roots, pollen and spores recently discovered there, a new study finds.

The world was a different place back then. During the middle of the Cretaceous period (145 million to 65 million years ago), dinosaurs roamed Earth and sea levels were 558 feet (170 meters) higher than they are today. Sea-surface temperatures in the tropics were as hot as 95 degrees Fahrenheit (35 degrees Celsius).

This scorching climate allowed a rainforest — similar to those seen in New Zealand today — to take root in Antarctica, the researchers said.

The rainforest’s remains were discovered under the ice in a sediment core that a team of international researchers collected from a seabed near Pine Island Glacier in West Antarctica in 2017.

As soon as the team saw the core, they knew they had something unusual. The layer that had formed about 90 million years ago was a different color. “It clearly differed from the layers above it,” study lead researcher Johann Klages, a geologist at the Alfred Wegener Institute Helmholtz Centre for Polar and Marine Research in Bremerhaven, Germany, said in a statement.

An operator on the “Polarstern” ship drives the MeBo seabed drilling system using remote technology. (Image credit: JP Klages/AWI)

Back at the lab, the team put the core into a CT (computed tomography) scanner. The resulting digital image showed a dense network of roots throughout the entire soil layer. The dirt also revealed ancient pollen, spores and the remnants of flowering plants from the Cretaceous period.

By analyzing the pollen and spores, study co-researcher Ulrich Salzmann, a paleoecologist at Northumbria University in England, was able to reconstruct West Antarctica’s 90 million-year-old vegetation and climate. “The numerous plant remains indicate that the coast of West Antarctica was, back then, a dense temperate, swampy forest, similar to the forests found in New Zealand today,” Salzmann said in the statement.

 

The sediment core revealed that during the mid-Cretaceous, West Antarctica had a mild climate, with an annual mean air temperature of about 54 F (12 C), similar to that of Seattle. Summer temperatures were warmer, with an average of 66 F (19 C). In rivers and swamps, the water would have reached up to 68 F (20 C).

In addition, the rainfall back then was comparable to the rainfall of Wales, England, today, the researchers found.

These temperatures are impressively warm, given that Antarctica had a four-month polar night, meaning that a third of every year had no life-giving sunlight. However, the world was warmer back then, in part, because the carbon dioxide concentration in the atmosphere was high — even higher than previously thought, according to the analysis of the sediment core, the researchers said.

“Before our study, the general assumption was that the global carbon dioxide concentration in the Cretaceous was roughly 1,000 ppm [parts per million],” study co-researcher Gerrit Lohmann, a climate modeler at Alfred Wegener Institute, said in the statement. “But in our model-based experiments, it took concentration levels of 1,120 to 1,680 ppm to reach the average temperatures back then in the Antarctic.”

These findings show how potent greenhouse gases like carbon dioxide can cause temperatures to skyrocket, so much so that today’s freezing West Antarctica once hosted a rainforest. Moreover, it shows how important the cooling effects of today’s ice sheets are, the researchers said.

The study was published online yesterday (April 1) in the journal Nature.

Originally published on Live Science.
By Laura Geggel – Associate Editor

 

spacenews

 

3510: Dezenas de baleias azuis são vistas na Antárctida pela 1ª vez em 40 anos

CIÊNCIA/ANIMAIS

Após 60 anos de caça desenfreada às baleias azuis e jubarte, o litoral da Ilha Geórgia do Sul, na costa da Antárctida, virou um lugar vazio e abandonado.

A caça foi proibida em 1982 com a assinatura de um grande acordo internacional.

Trinta e oito anos depois, um grupo de pesquisadores da British Antarctic Survey (BAS) descobriu que essas baleias estão retornando ao local – em grande número! – repovoando a Ilha Geórgia do Sul.

Décadas de protecção e forte pressão do movimento ambientalista permitiram que as baleias azuis, até então ameaçadas de extinção, pudessem se reproduzir e repovoar a região.

Um milagre, pois 97% delas foram mortas pela caça ilegal até os anos 1980.

Em 2018, uma expedição da British Antarctic Survey registou apenas 1 avistamento e algumas confirmações acústicas (som emitido) de baleias azuis. Neste ano, uma nova expedição registou 36 avistamentos e 19 confirmações acústicas – 55 ao todo!

“Para uma espécie tão rara (baleia azul), esse é um número sem precedentes de avistamentos e sugere que as águas da Geórgia do Sul permanecem um importante local de alimentação para essas espécies raras e pouco conhecidas”, diz um comunicado para imprensa publicado no site da British Antarctic Survey.

A expedição de 2020 também encontrou evidências de uma comunidade incrível com 20 mil baleias jubarte!

“Após três anos de pesquisas, estamos emocionados ao ver tantas baleias retornando à Geórgia do Sul para se alimentar novamente”, diz a líder da equipe, Dra. Jennifer Jackson, bióloga de baleias no BAS.

“Este é um local onde a caça ilegal foi realizada extensivamente. Está claro que a protecção a favor das baleias funcionou“, concluiu.

The Greenest Post

 

spacenews

 

3474: Melting ice in Antarctica reveals new uncharted island

SCIENCE

Researchers are calling it Sif Island, after a Norse goddess of the Earth.

The rocky coast of Sif Island peeks out under a mound of Antarctic ice.
(Image: © Gui Bortolotto)

Pointing toward South America like an icy finger, the Antarctic Peninsula is one of the fastest-warming regions on Earth. The peninsula’s two major glaciers — the Thwaites Glacier and the Pine Island Glacier — are retreating toward the mainland faster than new ice can form, chipping away at the continent’s coasts a little more each year.

This week, all that melting ice left behind a surprise that could change maps of the region permanently: an uncharted island, long buried in ice but finally visible above sea level for the first time.

Researchers with the international Thwaites Glacier Offshore Research project discovered the island earlier this week while sailing off the coast of the Pine Island Glacier ice shelf. The small island is only about 1,150 feet long (350 meters) and mostly covered in ice, but rises from the sea with a layer of brown rock distinct from the surrounding glaciers and icebergs.

After making a brief landfall, the researchers confirmed that the island is made of volcanic granite, and even hosts a few resident seals. According to expedition member James Marschalek, a doctoral student at Imperial College London, there is no other rocky outcropping like this visible for more than 40 miles (65 kilometers) in any direction.

The researchers tentatively named the uncharted outcropping Sif Island, after a Norse goddess associated with Earth.

Exciting as the discovery is, the island’s sudden appearance is almost certainly a direct effect of the widespread glacial melt that has become typical in Antarctica in the past decade, Sarah Slack, a member of the expedition and middle school science teacher in Brooklyn, New York, wrote in a blog post.

“At first, we thought maybe an iceberg had become lodged on the outcropping years ago and then melted enough to expose the underlying rock,” Slack wrote on Feb. 26. “But now we think that the ice on the island was once part of the Pine Island Glacier ice shelf, a massive field of floating ice that extends outward into the ocean from the edge of the glacier.”

Peter Neff @peter_neff

Looks like ice retreated from the new “Sif Island” near #ThwaitesGlacier, #Antarctica since the early 2010s, based on a quick look at @googleearth timelapse.@ThwaitesGlacier @GlacierThwaites @rdlarter https://twitter.com/houston_wellner/status/1231700563634642944 

Julia Smith Wellner @houston_wellner

After being the first visitors, we can now confirm that Sif Island is made of granite and that it is covered by remnant ice shelf, and a few seals. Photos by CD Hillenbrand (BAS) and Laura Taylor (UH). @glacierthwaites @glacieroffshore @GAViglione #nbp2002 @BAS_News @UHEAS

View image on Twitter
View image on Twitter
View image on Twitter

Using satellite images from Google Earth, expedition member Peter Neff made a time-lapse model showing how the ice shelf’s steady retreat since 2011 left Sif Island detached and alone in Pine Island Bay. From above, the dollop of ice looks like just another lonely iceberg. Now that its island status has been confirmed, further study of Sif could reveal how the region’s rocky underbelly will continue responding to climate change.

It’s likely that the island emerged due to a process called glacial rebound, Lindsay Prothro, a glacial geologist at Texas A&M University-Corpus Christi who was not involved with the expedition, told Nature.com. When glacial ice melts, it relieves pressure on the underlying continent; in response, the continent may “rebound,” or rise up higher than it previously was. It’s unclear whether rebound hastens or slows the rate at which ice shelves break apart — hopefully, further study of Sif Island could provide some clues.

The team’s expedition is due to end on March 25. After that, a full analysis of Sif Island rock samples can commence.

Originally published on Live Science.

By Brandon Specktor – Senior Writer
28/02/2020

 

 

3198: A crise climática vista do Espaço. Vídeo da NASA revela degelo dos glaciares no Alasca

CIÊNCIA/CLIMA

Um vídeo publicado recentemente pela NASA mostra o derretimento dos glaciares do Alasca visto do Espaço. Algumas imagens revelam mudanças de quase 50 anos.

O nosso planeta está a caminhar a passos largos para uma situação preocupante de não retorno. Vários dados científicos apontam para um cenário de crise climática global.

Recentemente, a agência espacial NASA partilhou um vídeo no qual é possível observar o degelo dos glaciares e calotas de gelo do Alasca visto do Espaço, informa a Sputnik News.

Durante a conferência anual da União Americana de Geofísica, que se realizou em São Francisco, nos Estados Unidos, os investigadores mostraram uma sequência de imagens do Alasca, da Gronelândia e da Antárctica, tiradas por satélites, incluindo as do estudo geológico do programa Landsat, da NASA.

Juntando todos os dados, os cientistas conseguiram perceber as dramáticas alterações que estão a ocorrer nos glaciares do Alasca. Entre os casos mostrados, um que preocupa particularmente os especialistas é o da diminuição dramática do glaciar Hubbard.

Na Gronelândia, por exemplo, diferentes registos de satélites mostram uma aceleração na diminuição dos glaciares desde ano 2000, assim como surgimento de lagoas devido ao degelo, que estão a espalhar-se nas alturas mais elevadas durante a última década. Este fenómeno poderia acelerar o fluxo de gelo.

Utilizando imagens de 1972 a 2019, o glaciologista Mark Fahnestock, da Universidade Fairbanks, compôs uma sequência de imagens de vários glaciares do Alasca e do território Yukon. “Agora temos este registo extenso e detalhado que nos permite ver o que aconteceu no Alasca. Quando imagens como estas são reproduzidas, temos uma ideia do quão dinâmicos são estes sistemas e quão instável é o fluxo de gelo”, afirmou.

Apesar de as imagens não serem propriamente uma novidade, o vídeo mostra o cenário actual dos glaciares do Alasca.

ZAP //

Por ZAP
15 Dezembro, 2019

 

spacenews

 

3124: Mais de metade dos piores cenários de há dez anos são já realidade

CIÊNCIA

(h) NASA Earth Observatory

Mais de metade dos piores cenários climáticos identificados há uma década pelos cientistas estão comprovadamente a acontecer, alertou esta quinta-feira uma equipa de investigadores num artigo publicado na revista Nature, em que defendem a declaração de uma “emergência planetária”.

A destruição da floresta amazónica e a perda das grandes massas de gelo na Antárctida e Gronelândia estão entre nove pontos críticos em relação aos quais estão a acontecer mudanças sem precedentes mais cedo do que se esperava, e que, combinados, podem levar a um “efeito dominó” com efeitos catastróficos.

“Há uma década, identificámos uma série de potenciais pontos críticos e vemos agora que mais de metade foram activados“, afirmou o director do Instituto de Sistemas Globais da Universidade britânica de Exeter, Tim Lenton.

A ameaça de “mudanças rápidas e irreversíveis significa que não se pode esperar para ver”, afirmou o co-autor Johan Rockström, do Instituto para a Investigação do Impacto Climático de Potsdam [Alemanha], salientando que “cientificamente, há provas fortes para declarar um estado de emergência planetária, para desencadear uma acção mundial que acelere a transição para um mundo que possa continuar a evoluir num planeta estável”.

O colapso dos gelos na Gronelândia e na Antárctida poderá levar à subida irreversível de dez metros do nível dos oceanos, alertam os cientistas, chamando a atenção para os efeitos combinados desse e de outros fenómenos como a destruição da floresta tropical ou o derretimento dos gelos permanentes, difíceis de prever.

Contudo, não afastam a hipótese de propiciarem “um ponto crítico global”, que pode ser “uma ameaça à existência da civilização”. A redução de emissões de gases com efeito de estufa poderá fazer abrandar a perda do gelo, dando mais tempo para mover as populações em zonas de mais baixa altitude, defendem.

Embora as temperaturas globais tenham sofrido flutuações ao longo de milhões de anos, os autores do artigo afirmam que os humanos estão a “forçar o sistema” com as concentrações de dióxido de carbono na atmosfera a aumentarem a um ritmo maior do que o que precedeu a última idade do gelo.

“Não há análises de custo económico/benefício que nos possam ajudar. Precisamos de mudar a nossa abordagem ao problema do clima”, afirmou Tim Lenton.

Deixar para trás a economia assente nos combustíveis fósseis antes de 2050 é uma hipótese improvável, mas já hoje, com a temperatura 1,1 graus acima dos níveis pré-industriais, é provável que o aumento atinja 1,5 graus já em 2040, o que consideram que, só por si, já é uma emergência.

Além da Amazónia, da Antárctida e da Gronelândia, as alterações nas massas de gelo do Árctico, os recifes de coral, os gelos permanentes, as correntes marinhas no Atlântico e as florestas do Norte são os pontos críticos sensíveis identificados pelos cientistas.

Os resultados da investigação foram publicados na revista Nature.

ZAP // Lusa

Por Lusa
30 Novembro, 2019

spacenews

 

2959: Gelo antárctico pode vir a desencadear uma nova era glacial

CIÊNCIA

GRID Arendal / Flickr

As mudanças que estão a ocorrer na Antárctida, com a quebra das suas camadas de gelo e a sua chegada ao mar, podem causar uma descida da temperatura, o que poderia levar a uma nova era glacial. 

Esta é a conclusão de uma investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Chiado, nos Estados Unidos, cujos resultados foram publicados na revista científica Nature.

Depois de realizar uma série de simulações computorizadas, os especialistas de Chicago sugeriram que o aumento do gelo no mar alteraria a circulação no oceano, causando assim uma inversão no efeito de estufa, uma vez que os níveis de dióxido de carbono aumentariam na água e diminuiriam no ar.

Malte Jansen, professor da universidade norte-americana e um dos autores do estudo, disse que é fundamental determinar porque é que a Terra passa por ciclos periódicos de eras glaciais, nos quais os glaciares avançam e cobrem o planeta até que recuam – para que isto aconteça, notou, o clima deve passar por grandes mudanças.

“Temos a certeza de que o balanço de carbono entre a atmosfera e o oceano deve ter mudado, mas não sabemos muito bem como ou por que motivo“, explicou Jansen.

Para tentar explicar estas mudanças, descreve a Russia Today, os cientistas desenvolveram um modelo no qual a atmosfera arrefece o suficiente para gerar gelo marinho antárctico.

Jansen sublinhou que o Oceano Antárctico tem um papel fundamental neste sentido, uma vez que pode condicionar “a circulação dos oceanos” e funcionar como uma “cobertura” que impede a troca de dióxido de carbono com a atmosfera.

Alice Marzocchi, especialista do Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido e autora principal do estudo, explicou que se trata de um loop. “À medida que a temperatura desce, menos carbono é libertado para a atmosfera, o que provoca um maior arrefecimento”.

Para Marzocchi, o oceano é “o maior reservatório de carbono em escalas de tempo geológicas” e, por isso, “estudar o seu papel no ciclo do carbono” permite “simular com maior precisão as mudanças ambientais futuras”.

Rios ocultos de água quente estão a derreter o gelo da Antárctida

O gelo antárctico está a ser desestabilizado por rios ocultos e invertidos de água quente que correm por baixo das…

ZAP //

Por ZAP
4 Novembro, 2019

 

2859: Manto de gelo da Antárctida ainda liberta cloro radioactivo de testes nucleares dos anos 50

CIÊNCIA

Jason Ardell / Flickr

Um novo estudo confirmou que o manto de gelo da Antárctica ainda está a libertar cloro radioactivo, proveniente de testes feitos com armas nucleares na década de 1950.

Quando as bombas nucleares são detonadas — tal como aconteceu nas décadas de 50 e 60, com os testes dos Estados Unidos no Oceano Pacífico —, o cloro-36 é um dos isótopos radioactivos libertados no ar, quando os neutrões reagem com o cloro na água do mar.

Desde então, outros isótopos voltaram aos níveis pré-teste, mas, aparentemente, isso não aconteceu com o cloro-36, como mostra um novo estudo agora citado pelo Science Alert.

Este isótopo também ocorre naturalmente e é usado pelos cientistas para datar os núcleos de gelo, juntamente com o berílio-10. No entanto, no seu estado padrão, o cloro-36 fica permanentemente preso pela neve na Antárctida, portanto, não devemos encontrar nenhuma leitura dele na atmosfera.

“Já não há cloro-36 nuclear na atmosfera global. É por isso que devemos observar os níveis naturais de cloro-36 em todos os lugares”, explica a cientista Mélanie Baroni, do Centro Europeu de Pesquisa e Ensino das Geociências do Meio Ambiente de França (Cerege).

Ao analisar duas áreas específicas da Antárctida — uma com relativamente pouca queda de neve anual e outra com muita —, os cientistas descobriram que altos níveis de cloro-36 ainda estão presentes perto da superfície do gelo à volta do local com pouca queda de neve, a estação de pesquisa russa Vostok.

Em 2008, havia dez vezes os níveis naturais de cloro-36 no gelo à volta da base. A radioactividade resultante é muito pequena para ter um sério impacto na atmosfera da Terra, mas parece que, afinal, este isótopo é mais resistente do que se pensava. Para surpresa dos cientistas, também está a mostrar ser mais ágil, subindo das profundezas da neve desde 1998.

As conclusões deste estudo, publicado em Setembro na revista Journal of Geophysical Research – Atmospheres, podem dar-nos uma nova visão sobre como o clima da Terra evoluiu ao longo de milhões de anos.

Além disso, esta investigação também serve como lembrete para o impacto duradouro que as armas nucleares têm no ambiente, décadas depois de terem sido detonadas.

ZAP //

Por ZAP
19 Outubro, 2019

 

2850: Rios ocultos de água quente estão a derreter o gelo da Antárctida

CIÊNCIA

GRID Arendal / Flickr

O gelo antárctico está a ser desestabilizado por rios ocultos e invertidos de água quente que correm por baixo das plataformas, derretendo-as.

Os cientistas conhecem estes canais basais nas plataformas de gelo há vários anos, mas as circunstâncias por trás da sua formação não eram bem compreendidas. Agora, os investigadores descobriram mais sobre o fenómeno e dizem que é algo que precisamos de levar em consideração ao modelar a elevação do nível do mar.

“A circulação de água quente está a atacar a parte inferior destas plataformas de gelo nos pontos mais vulneráveis”, disse a glaciologista Karen Alley, do College of Wooster, em Ohio, em comunicado.

As plataformas de gelo são uma extensão externa flutuante do gelo terrestre que compõe as camadas continentais de gelo, escreve o ScienceAlert. No caso da Antárctica, cerca de três quartos do continente é cercado por plataformas de gelo flutuantes, que agem como uma barreira natural para ajudar a impedir que as geleiras nas camadas de gelo fluam para o oceano.

Este efeito natural de barreira só funciona, no entanto, se as próprias plataformas de gelo contiverem massa gelada suficiente para sustentar o fluxo marítimo de gelo. Porém, as barreiras antárcticas estão a enfraquecer.

Em 2016, uma equipa liderada por Alley analisou imagens de satélite das plataformas de gelo da Antárctica Ocidental e identificou os rios invertidos de água morna que erodiam as plataformas por baixo, tornando-as mais vulneráveis ​​à desintegração. “As nossas observações mostram que os canais basais estão associados ao desenvolvimento de novas zonas de fissuras, sugerindo que estes canais podem causar fractura no gelo”, explicaram os investigadores no artigo de 2016, publicado na revista especializada Nature Geoscience.

“Concluímos que os canais basais podem formar-se e crescer rapidamente como resultado da intrusão de água quente no oceano, e que podem enfraquecer estruturalmente as plataformas de gelo, potencialmente levando à rápida perda da plataforma de gelo em algumas áreas”.

Num novo estudo, Alley e a sua equipa examinaram novamente os canais basais para investigar o que produz estes rios misteriosos. Por acaso, o processo começa na massa aterrada da própria camada de gelo da Antárctica, e não na plataforma de gelo flutuante. À medida que o gelo flui para o mar a partir da camada de gelo em terra, regiões fracas no gelo de fluxo rápido chamado “margens de cisalhamento” podem formar-se nas bordas da massa.

No novo estudo, publicado na semana passada na revista especializada Science Advances, os cientistas descobriram que os canais basais eram mais propensos a formar-se ao longo das margens dos trechos de gelo enfraquecidos e de fluxo rápido – uma consequência dos fluxos quentes de água flutuante que subiam acima da água mais fria e induziam o derretimento nas secções mais vulneráveis nas plataformas de gelo.

À medida que a fusão ocorre, um canal basal é esculpido na parte inferior da frágil margem de cisalhamento, revelando o ponto mais fraco e produzindo quebras nas plataformas de gelo.

“Estamos a ver um novo processo, em que a água quente entra na plataforma por baixo”, disse o glaciologista Ted Scambos, da Universidade do Colorado Boulder. “A calha torna a plataforma fraca e, em poucas décadas, desaparece, libertando o manto de gelo para sair mais rápido no oceano”.

Embora os investigadores não saibam até que ponto estes rios podem estar a apressar os processos de colapso do lençol de gelo e aumento do nível do mar em geral, os cientistas consideram que é importante estudar os efeitos dos canais basais e incorporar o fenómeno na modelagem das mudanças na camada de gelo.

“Isto pode importar um pouco ou pode importar muito”, disse Alley à National Geographic. “Mas sabemos que isto torna mais provável a perda de plataformas de gelo. Estes canais tornam os pontos fracos mais fracos”.

ZAP //

Por ZAP
17 Outubro, 2019

 

2829: O ar acima da Antárctida acabou de ficar muito quente de um momento para o outro

CIÊNCIA

NASA

Um fenómeno atmosférico raro provocou um aumento da temperatura estranho no ar acima da Antárctida. Segundo os cientistas, houve mesmo quebras de temperatura recorde na estratosfera.

Eun-Pa Lim, do Bureau of Meteorology da Austrália, e os seus colegas observaram que o ar acima da Antárctica estava a ficar mais quente no final de Agosto. Nas semanas que se seguiram, esse aquecimento intensificou-se.

O aquecimento foi o resultado do repentino aquecimento estratosférico – um fenómeno que ocorre regularmente no Hemisfério Norte, aproximadamente uma vez a cada um ou dois anos, disse Lim em declarações à Newsweek. No Hemisfério Sul, porém, é muito mais raro, tendo sido observado apenas em 2002.

“No final de Agosto até ao início de Setembro, estava cerca de 30 a 35 graus Kelvin mais quente do que o normal na estratosfera alta e média na região da calota polar da Antárctica, que foi um aquecimento recorde para essa época do ano”, disse Lim. “Desde então, a magnitude do aquecimento anómalo reduziu em cerca de 15 graus Kelvin na estratosfera média a baixa”.

Todos os Invernos, ventos velozes do oeste desenvolvem-se na estratosfera – a segunda camada na atmosfera da Terra que fica acima da troposfera. Esta camada estende-se por cerca de 50 quilómetros de altura, com a camada de ozono dentro dela. Estes ventos, que podem chegar a 240 quilómetros por hora, desenvolvem-se devido às diferenças de temperatura entre o Pólo Sul, onde não há luz solar, e o oceano, que ainda recebe luz solar.

“À medida que o sol se desloca para o sul durante a primavera, a região polar começa a aquecer. Esse aquecimento faz com que o vórtice estratosférico e os ventos ocidentais associados enfraquecem gradualmente ao longo de alguns meses”, disse Lim.

Alguns anos, isto acontece mais rápido do que o normal, com o ar da atmosfera mais baixa aquecendo a estratosfera, causando o enfraquecimento dos ventos. “Muito raramente, se as ondas forem suficientemente fortes, podem rapidamente quebrar o vórtice polar, invertendo a direcção dos ventos e tornando-se leste. Esta é a definição técnica de ‘aquecimento estratosférico repentino’”.

O aquecimento estratosférico repentino é o resultado de variações naturais na atmosfera, disse Lim, acrescentando que parece que este evento é resultado de variabilidade aleatória. Lim acrescentou que, agora, a sua equipa quer analisar o que aconteceu com o aquecimento, a fim de entender melhor os mecanismos físicos da relação entre a estratosfera e a troposfera.

“O evento actual começou com um aquecimento muito rápido e forte, mas o aquecimento foi mantido na estratosfera e ainda não afectou a atmosfera mais baixa, o que é muito incomum”, disse.

Espera-se que o repentino aquecimento estratosférico traga ventos quentes e secos sobre a Austrália nos próximos três meses. Num estudo publicado esta semana na revista especializada Nature Geoscience, a equipa colocou as temperaturas crescentes num modelo que fornece previsões para o Hemisfério Sul. As descobertas mostraram que a Austrália provavelmente terá menos chuva e temperaturas mais quentes na primavera, aumentando potencialmente o risco de incêndios florestais.

ZAP //

Por ZAP
14 Outubro, 2019

 

2763: Micro-plásticos detestados pela primeira vez em pinguins da Antárctida

CIÊNCIA

slobirdr / Flickr

A poluição por micro-plásticos já chegou à Antárctida, de acordo com um estudo da Universidade de Coimbra (UC) publicado na revista Scientific Reports, do grupo Nature.

Uma equipa de investigadores do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC (FCTUC) “encontrou, pela primeira vez, micro-plásticos em pinguins da Antárctida, confirmando que este tipo de poluição já entrou na cadeia alimentar marinha”, foi hoje anunciado.

“Ao analisarem a dieta de pinguins ‘gentoo Pygocelis papua’ em duas regiões da Antárctida, os investigadores observaram que 20% das 80 amostras de fezes das aves continham micro-plásticos”, afirma a FCTUC numa nota enviada hoje à agência Lusa.

As partículas de plástico, com comprimento inferior a cinco milímetros, têm “diversas tipologias, formas e cores, o que indica uma grande variedade de possíveis fontes destes micro-plásticos”, acrescenta.

“A poluição marinha por plásticos é reconhecidamente uma ameaça aos oceanos em todo o mundo, mas só recentemente tem havido um aumento do esforço científico sobre micro-plásticos”, sublinha a FCTUC.

“Em zonas mais remotas do planeta, como a Antárctida, esperava-se que a presença de micro-plásticos fosse muito reduzida, embora estudos recentes já tenham encontrado micro-plásticos em sedimentos e nas águas do Oceano Antárctico”, destaca a Faculdade.

Para Filipa Bessa, autora principal do artigo, “é alarmante que micro-plásticos já tenham chegado à Antárctida”. Este estudo é “o primeiro a registar micro-plásticos em pinguins e na cadeia alimentar marinha Antárctica”, refere a investigadora, citada pela FCTUC.

“A variedade de micro-plásticos encontrados nos pinguins poderá indicar diferentes fontes de poluição, indiciando uma difícil solução para este problema”, sublinha ainda Filipa Bessa.

José Xavier, autor sénior do artigo, afirma, por seu lado, que “este estudo vem na altura certa, pois os micro-plásticos podem causar efeitos tóxicos nos animais marinhos e nada se sabe sobre o que eles poderão provocar nos animais da região Antárctica”.

Por isso, conclui o docente do Departamento de Ciências da Vida da FCTUC, “esta descoberta é de muita importância para desenvolver novas medidas para reduzir a poluição na Antárctida, particularmente relacionada com plásticos, podendo servir de exemplo para outras regiões do mundo”.

ZAP // Lusa

Por Lusa
3 Outubro, 2019

 

2749: Icebergue duas vezes maior que ilha da Madeira separa-se da Antárctida

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

É o maior icebergue a soltar-se da plataforma de gelo Amery em mais de 50 anos. Cientistas dizem que evento não está ligado às alterações climáticas, sendo normal.

O icebergue D28 soltou-se no dia 25 de Setembro.
© DR

Um icebergue com 1582 quilómetros quadrados, mais de duas vezes o tamanho da ilha da Madeira (741 quilómetros quadrados), separou-se da plataforma de gelo Amery, na Antárctida. Baptizado de D28, é o maior icebergue em 50 anos e obriga a monitorização constante, já que pode tornar-se um risco se alcançar as rotas de transporte marítimo.

As plataformas de gelo, como a Amery, são massas de gelo flutuantes que são como uma extensão dos glaciares que fluem da terra para o mar.

@CopernicusEU

The new D28 Iceberg (five times the area of Malta  or ~1582km²) just calved away from Amery ice shelf #Antarctica
Before (20/09) and after (25/09) #Sentinel1 captures processed by @StefLhermitte

Os cientistas monitorizam há quase duas décadas uma secção da plataforma de gelo conhecida como “dente a abanar” (por parecer que está prestes a separar-se), mas foi de uma zona vizinha que o D28 acabou por soltar-se. “É um molar comparado com um dente de leite”, disse a professora Helen Amanda Fricker, do Instituto Scripps de Oceanografia dos EUA, à BBC.

@MarkDoman

The D28 iceberg that broke away from the Amery ice shelf in Antarctica last week. Read more about it here: http://ab.co/2o42umU  Imagery via @CopernicusEU and @sentinel_hub

“Nós previmos que um grande icebergue se iria soltar entre 2010 e 2015”, disse Fricker à estação de televisão australiana ABC. “Estou contente de ver este desprendimento depois de tantos anos. Sabíamos que iria acontecer, mas para nos manter atentos, não foi exactamente onde esperávamos”, acrescentou.

Os cientistas não acreditam que este acontecimento esteja ligado às alterações climáticas, sendo parte normal do ciclo de vida das plataformas de gelo a cada 60 ou 70 anos. O último grande icebergue a soltar da plataforma Amery, em 1963 ou 1964, tinha 9000 quilómetros quadrados.

Diário de Notícias
01 Outubro 2019 — 10:15

 

2666: Há décadas que o buraco na camada de ozono não estava tão pequeno (e pode estar quase curado)

CIÊNCIA

(cv) Seeker / Youtube

Após um enorme esforço global, a camada de ozono sobre a Antárctida é a mais pequena em décadas. Nesse ritmo de recuperação, a agência ambiental das Nações Unidas declarou que a maior parte da camada de ozono será completamente curada durante a nossa vida.

Desde 2000 que partes da camada de ozono se recuperam a uma taxa de 1 a 3% a cada 10 anos, de acordo com a mais recente avaliação científica da deplecção de ozono. Espera-se que a taxa sugira que o Hemisfério Norte e o ozono de latitude média se curem completamente até aos anos 2030, com o Hemisfério Sul reparado nos anos 2050.

O ozono é uma molécula composta por três átomos de oxigénio. 10% do ozono atmosférico pode ser encontrado na troposfera, que se estende ao nível do solo até a uma altitude de cerca de sete quilómetros. No nível do solo, o ozono é um poluente do ar, formado por subprodutos na combustão de escapamento de veículos e combustíveis fósseis.

A camada de ozono é uma região da estratosfera da Terra com altas concentrações de ozono gasoso que ajuda a proteger o planeta dos raios ultravioleta nocivos do Sol.

O uso de certos produtos químicos fabricados pelo homem, especialmente refrigerantes e solventes manufacturados, pode actuar como substâncias que destroem o ozono após serem transportados para a estratosfera, causando o esgotamento da camada e a formação de um “buraco”.

Actualmente, o buraco na camada de ozono da Antárctica está a passar por um surto de crescimento sazonal que começa todos os anos em Agosto e atinge o pico em Outubro. Dados recentemente divulgados pelo Serviço de Monitorização de Atmosfera Copernicus (CAMS) mostraram que o ozono está a comportar-se de uma forma “muito incomum”.

Embora o buraco de ozono deste ano tenha crescido sob algumas condições estranhas, fazendo com que pareça mais distante do pólo do que o habitual, os meteorologistas prevêem que ainda está a caminhar para a menor área de qualquer buraco de ozono na Antárctida em 30 anos.

“As nossas previsões mostram que permanecerá pequeno esta semana e esperamos que o buraco de ozono deste ano seja um dos menores que temos visto desde meados da década de 1980″, disse Antje Inness, cientista sénior do CAMS, em comunicado.

Depois de o buraco no ozono ter sido descoberto em 1985, o mundo agiu rapidamente para resolver o problema. Em 1987, 196 países e a União Europeia assinaram o Protocolo de Montreal para eliminar gradualmente a produção de quase cem substâncias responsáveis ​​pela destruição do ozono.

Até ao momento, este continua a ser o único tratado das Nações Unidas a ser adoptado por todos os Estados membros. Como os resultados reafirmam, o protocolo foi um sucesso sem precedentes.

No momento em que o mundo está a oscilar no precipício de mudanças climáticas catastróficas, a recuperação do buraco na camada de ozono serve como um lembrete de que é possível que o mundo resolva os seus problemas ambientais por meio de acções colectivas e mudanças políticas.

“O Protocolo de Montreal foi um sucesso tão grande por causa do apoio global unânime”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, em comunicado da ONU. “Devemos lembrar que o Protocolo de Montreal é um exemplo inspirador de como a humanidade é capaz de cooperar para enfrentar um desafio global e um instrumento fundamental para enfrentar a crise climática de hoje”.

ZAP //

Por ZAP
19 Setembro, 2019

 

2646: Descoberto um mundo subterrâneo perdido no meio da Antárctida

CIÊNCIA

Durante as primeiras expedições na Antárctida, exploradores polares descobriram uma caverna de gelo “perdida” com três andares, vários lagos e um rio.

A formação geológica foi encontrada na ilha Galindez, onde estão baseados os exploradores da 24.ª Expedição Antárctida Ucraniana (UAE). Havia uma entrada conhecida para a caverna em frente à estação costeira da ilha, mas há alguns anos a abertura ficou bloqueada quando um glaciar se deslocou para o oceano.

Após várias tentativas de encontrar uma nova entrada para a caverna, o grupo de exploradores encontrou uma abertura numa antiga base britânica. Dessa forma, descobriram que a caverna é realmente três vezes maior do que se pensava anteriormente.

No piso inferior da magnífica caverna, a equipa encontrou um lago congelado e uma divisão gigante, quase tão alto como um prédio de quatro andares (12 metros), tendo oito metros de largura e 30 metros de comprimento.

Sobre os três andares da caverna, com cerca de 200 metros, a equipa também descobriu um rio de gelo e uma pena de pássaro num bloco de gelo 20 metros abaixo da superfície.

Os membros da equipa sabem se a pena não pertence a um pinguim, mas a amostra foi enviada de volta para a Ucrânia para um exame mais aprofundado a fim de determinar exactamente a que animal pertence e há quanto tempo tem estado lá.

ZAP // Sputnik News

Por ZAP
15 Setembro, 2019

 

2589: Os céus pintam-se de verde!

Cores espectaculares nos céus da Antárctida. As imagens foram captadas na estação de investigação chinesa de Zhongshan.
A equipa de cientistas chineses chegou à Antárctida em Dezembro passado naquela que é a 35ª missão no local.

msn vídeo
06/09/2019

2452: Pela primeira vez, foi encontrada uma rara poeira interestelar na neve da Antárctida

ravas51 / Wikimedia

Cientistas que estudavam a neve recém-caída na Antárctida descobriram um raro isótopo de ferro na poeira interestelar escondido dentro dela, sugerindo que a poeira apareceu recentemente.

Esta descoberta poderia dar informações cruciais sobre a história das explosões estelares na nossa vizinhança galáctica.

Sabe-se que a poeira cósmica cai na Terra a toda a hora, em forma de minúsculos fragmentos do entulho da formação de estrelas e planetas. A Antárctida é um óptimo lugar para procurar essa poeira, porque é uma das regiões mais preservadas da Terra, tornando mais fácil encontrar isótopos que não se originaram no nosso próprio planeta.

Neste caso, o isótopo que os investigadores identificaram é o raro 60Fe (ou ferro-60), uma das muitas variantes radioactivas do ferro. Anteriormente, a presença deste ferro em sedimentos do fundo do mar e restos fossilizados de bactérias sugeriu que uma ou mais super-novas explodiram nas proximidades da Terra entre 3,2 e 1,7 milhões de anos atrás.

O novo estudo marca a primeira vez que o ferro interestelar 60 foi detectado na recente neve da Antárctida – a poeira terá caído dos céus nos últimos 20 anos, de acordo com os investigadores.

“Fiquei pessoalmente muito surpreendido, porque era apenas uma hipótese de que poderia haver ferro-60 e era ainda mais incerto que o sinal fosse suficientemente forte para ser detectado”, disse o físico nuclear Dominik Koll, da Universidade Nacional da Austrália, ao ScienceAlert.

“Foi um momento muito alegre quando vi a primeira contagem de ferro 60 aparecer nos dados, porque significa que a nossa imagem astrofísica geral pode não estar muito errada.”

A imagem é a seguinte: o Sistema Solar está actualmente a viajar através do que é conhecido como Nuvem Interstelar Local (LIC), uma bolsa de meio interestelar denso que contém muita poeira interestelar.

Se o ferro-60 tiver sido depositado na Terra nos últimos anos, isso ajuda a validar a ideia de que a nossa vizinhança galáctica local e a sua composição particular de estrelas estelares inter-estelares podem ter sido moldadas pela explosão de estrelas.

Isto também pode ajudar a identificar melhor a nossa localização no LIC e durante quanto tempo o Sistema Solar está a passar por ele. “Esperamos um aumento acentuado no fluxo de ferro-60 na época em que o Sistema Solar entrou no LIC”, escreveu a equipa no estudo, publicado em Agosto na revista especializada Physical Review Letters.

O presente estudo envolveu uma análise química de espectrometria de massa altamente sensível realizada em 500 quilogramas de neve removida da Antárctida e cuidadosamente transportada para a Alemanha – para um dos dois únicos locais em todo o mundo onde esse tipo de análise pode ser realizado.

“Não há ferro estável ou outros elementos abundantes na Antárctida, o que ajuda muito na medição das relações 60Fe / Fe”, disse Koll ao ScienceAlert. “A neve foi tirada com uma pá e foi acondicionada em caixas de armazenamento que foram mantidas abaixo de 0°C para manter a neve congelada até chegar a Munique.”

Os investigadores mediram as proporções de outros elementos isótopos na sua amostra, para garantir que o isótopo de ferro fosse de origem verdadeiramente interestelar. Isto permitiu-lhes descartar outras possíveis origens mais próximas de casa, como rochas espaciais dentro do nosso Sistema Solar irradiadas com raios cósmicos ou mesmo testes de armas nucleares.

ZAP //

Por ZAP
16 Agosto, 2019

 

2444: Supernova poderá ter deixado poeira radioactiva no gelo da Antárctida

Cientistas encontraram evidências de poeira produzida por super-novas vizinhas. De acordo com uma nova investigação, esta matéria está escondida debaixo de mil quilos de neve na Antárctida. Assim, poderão ser estes indícios que ajudarão os astrónomos a perceber que o Sol está realmente no meio de uma “Bolha Local”.

Há muitos mistérios por baixo das toneladas de gelo, alguns sinais poderão mostrar a realidade do nosso sistema solar.

O que é um super-nova?

Super-nova é um evento astronómico que ocorre durante os estágios finais da evolução de algumas estrelas. Este momento é caracterizado por uma explosão muito brilhante. Por um curto espaço de tempo, isto causa um efeito similar ao surgimento de uma estrela nova, antes de desaparecer lentamente ao longo de várias semanas ou meses.

Em apenas alguns dias o seu brilho pode intensificar-se em mil milhões de vezes a partir do seu estado original. Com isso, o fenómeno torna a estrela tão brilhante quanto uma galáxia, mas, com o passar do tempo, a sua temperatura e brilho diminuem lentamente. Assim, a explosão de uma super-nova de tipo II pode expulsar para o espaço até 90% da matéria da estrela progenitora.

Vestígios de poeira radioactiva de uma super-nova na neve antárctica

O nosso sistema solar é mais do que apenas o Sol, planetas, luas e asteróides – este está cheio de poeira, grande parte da qual pode ter origem em fontes inter-estelares. Uma equipa de cientistas na Austrália, Alemanha e Áustria espera encontrar a assinatura elementar dessa poeira aqui na Terra. Eventualmente serão revelados dados que ajudarão a entender melhor o ambiente pelo qual o sistema solar se move.

Estou animado com a possibilidade de aprender algo sobre as explosões estelares extremas e grandes estruturas ao redor do nosso planeta que estão inimaginavelmente distantes e grandes. Isso é possível apenas olhando para o nosso próprio planeta.

Referiu Dominik Koll, o primeiro autor do estudo.

Os investigadores organizaram um transporte de cerca de 500 quilos de neve relativamente fresca (não mais de 20 anos). Este material viajou da Estação Kohnen na Antárctida até Munique, Alemanha. Posteriormente, derreteram-na no laboratório, passaram por um filtro e evaporaram-na para recolher poeira e micro-meteoritos.

A poeira a seguir foi incinerada e depois colocaram-na num espectrómetro de massa acelerador. Este método cria iões carregados a partir da amostra, passa os iões através de um íman e para um acelerador de partículas antes de os enviar para o detector. Isto permite que os investigadores procurem apenas isótopos atómicos específicos.

À descoberta de ferro-60 vindo do espaço

Especificamente, a equipa esperava encontrar ferro-60, um isótopo radioactivo de longa duração libertado por estrelas explosivas, ou super-novas. Contudo, o ferro-60 pode ter vindo de outras fontes, como matéria irradiada por raios cósmicos.

Assim, para garantir que estavam realmente a medir a poeira interestelar, também procuraram na amostra por manganésio 53, outro isótopo produzido por raios cósmicos de alta energia. Posteriormente, os cientistas compararam a sua razão de ferro-60 e manganésio 53 com a razão que esperariam se não houvesse poeira interestelar. No entanto, a equipa mediu muito mais ferro-60 do que esperavam apenas dos raios cósmicos.

Mas como chegou lá esta poeira?

Estes investigadores já mostrou anteriormente que uma super-nova próxima depositou ferro-60 no sistema solar nos últimos 1,5 milhão a 3 milhões de anos. Desta forma, e tendo em conta que esta poeira rica em ferro-60 ainda está a cair na Terra, então poderemos estar a passar por uma nuvem de poeira remanescente desta super-nova.

Estudos como estes podem pintar melhor um quadro do ambiente interestelar através do qual o Sol está a viajar. Astrónomos perceberam que o Sol está no meio de uma “Bolha Local”, uma área onde o meio interestelar é muito menos denso que a média, talvez por causa de uma super-nova relativamente recente. Dentro da bolha está a Nuvem Interstelar Local, uma região que é um pouco mais densa que a Bolha. Os núcleos radioactivos da neve da Antárctida podem ser uma forma importante de sondar as origens da Bolha e da Nuvem.

Os investigadores referem que ainda há muito a fazer. O grupo liderado por Koll espera um dia explorar material mais antigo. A ideia será ver como a deposição dessa poeira mudou com o tempo.

A Antárctida é mais do que apenas um deserto gelado. Na verdade, este ainda desconhecido lugar na Terra, pode estar a esconder uma história secreta de super-novas antigas. Esta informação foi publicada na revista científica Physical Review Letters.

Imagem: Wikip
Fonte: Physics

 

2350: “Neve artificial” poderia salvar lençol de gelo da Antárctida

CIÊNCIA

GRID Arendal / Flickr

O lençol de gelo da Antárctida pode deslizar para o oceano e inundar as cidades costeiras. No entanto, esta catástrofe pode ser evitada se os Governos investirem num projecto de engenharia para cobrir a superfície com “neve artificial”.

Os cientistas acreditam que o aquecimento global já provocou tanto derretimento no pólo sul que o gigantesco lenço de gelo da Antárctida está em processo de desintegração, o que provocaria um eventual aumento global do nível da água do mar até três metros nos próximos séculos.

Mas uma equipa de cientistas do Potsdam Institute for Climate Impact Research, na Alemanha, acredita ter uma solução.

Os autores do mais recente estudo, publicado na Science Advances, propõem a utilização de 12 mil turbinas de vento para bombear água do mar a 1.500 metros de altura da superfície, local onde a água congelaria tornando-se numa espécie de neve que faria peso sobre a camada de gelo, impedindo assim que ela se dissolve-se ainda mais.

“Nós já acordamos o gigante do pólo sul”, começou por dizer Anders Levermann, professor e co-autor do artigo científico, citado pela Reuters, adiantando que estamos actualmente “num ponto sem retorno, se nada fizermos”.

Segundo o Straits Times, a quantidade necessária de neve para atingir os objectivos propostos seria de, pelo menos, 7,4 mil milhões de toneladas. Além disso, a operação teria obrigatoriamente de envolver centenas de canhões, alimentados por 12 mil turbinas eólicas, capazes de pulverizar água do mar numa área do tamanho da Costa Rica.

Este projecto ambicioso necessitaria de vários talentos da engenharia. Contudo, poderia também representar um risco ambiental significativo para uma das últimas áreas primitivas do planeta.

Citado pelo RT, Levermann admite que, se o projecto for realizado, terá “efeitos terríveis” na Antárctida, mas insiste que impedir o aumento global do nível do mar é uma “compensação desejável”.

ZAP //

Por ZAP
22 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

 

2294: A Halley VI não precisa dos humanos para nada (e isso é uma boa notícia)

CIÊNCIA

(dr) British Antarctic Survey
A base britânica de investigação científica Halley VI

No inverno extremo da Antárctida, a base móvel de pesquisas do Reino Unido, entretanto abandonada por questões de segurança, continua a funcionar normalmente.

A Halley VI, base móvel de pesquisas do Reino Unido situada na plataforma de gelo Brunt no Mar de Weddell, na Antárctida, foi projectada para albergar cientistas mas, nos últimos anos, devido a várias fendas no gelo acabou por ser encerrada por questões de segurança.

Porém, embora esteja totalmente abandonada, isso não significa que a investigação tenha de parar. Segundo o Science Alert, os investigadores da British Antarctic Survey (BAS) anunciaram que, pela primeira vez desde que foi suspensa, a base continuou as suas medições do clima, ozono e clima espacial (sem ninguém pôr lá os pés desde Fevereiro).

“Estamos confiantes de que temos um bom design, mas as condições do inverno na Antárctida são tão brutais que nunca sabemos muito bem o que pode acontecer. Até agora, os sistemas operaram em temperaturas de até -43ºC e suportaram ventos de até 43 nós”, diz Thomas Barningham, cientista responsável pelo Halley Automation Project.

Durante estes períodos, a instalação mantém-se operacional graças a um sistema de energia autónomo que fornece electricidade aos instrumentos científicos da estação.

Luke Collins / Flickr

O núcleo da plataforma de automação é uma micro-turbina instalada num contentor com temperatura controlada, que funciona com um sistema de abastecimento autónomo para manter o Halley VI e todos os seus dispositivos a funcionar.

A micro-turbina precisa de trabalhar 24 horas, sete dias por semana, durante nove meses para garantir que a Halley VI continua a fazer o seu trabalho até que os investigadores regressem em Novembro.

É uma tarefa difícil, mas até agora a plataforma esteve ligada durante 136 dias, por isso, a British Antarctic Survey está confiante. Todos os dias, os investigadores têm recebido no Reino Unido 1GB de novos dados.

Para a equipa do BAS, este tempo ininterrupto representa a possibilidade de devolver a Halley VI ao lugar onde deveria estar, depois de dois Invernos ‘offline’ em 2017 e 2018.

“Estamos a medir o ozono desde a década de 50 e estes dois Invernos perdidos de dados deixam-me realmente triste. Por isso, estou muito orgulhoso da posição em que nos encontramos agora”, afirma o director de ciência da BAS, David Vaughan, à BBC.

ZAP //

Por ZAP
9 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

 

2176: O mistério dos buracos que se abrem na Antárctida foi finalmente resolvido

CIÊNCIA

Em 2016 e 2017, os cientistas fotografaram duas enormes polínias, espaços abertos de água cercados por gelo marinho, no meio do Mar de Weddell, a oeste da Antárctida.

O buraco de 2016 tinha cerca de 33.000 quilómetros quadrados, mas o de 2017 tinha uma área de cerca de 50.000 quilómetros quadrados – do tamanho de dois terços de Portugal.

Um grupo de investigadores da Universidade de Washington, nos EUA, tentou investigá-los, usando imagens de satélite, robôs e elefantes marinhos equipados com sensores. De acordo com o estudo publicado na revista Nature, a origem desse fenómeno está na acumulação de uma série de anomalias oceânicas.

“Pensamos que este grande buraco era estranho, talvez um processo que tinha desaparecido. Mas os eventos de 2016 e 2017 mostraram que não”, disse Ethan Campbell, director da investigação, em comunicado. “As observações mostraram que as polínias recentes abriram-se por causa de uma combinação de factores: algumas são as condições incomuns do oceano e as outras uma série de intensas tempestades que rodopiavam em redor do Mar de Weddell com quase a força de um furacão”.

Normalmente as polínias formam-se perto da costa por causa do impulso do vento. Mas também podem aparecer no interior e, nesse caso, tornam-se um oásis para pinguins, baleias e focas, já que podem emergir e respirar lá.

No Mar de Waddell, as primeiras polínias foram detectados em 1974, 1975 e 1976, graças ao lançamento dos primeiros satélites. Até então, esses buracos eram do tamanho da Nova Zelândia e mostraram que conseguiam persistir apesar das baixas temperaturas. Mas não se soube nada sobre o fenómeno até às deteções de 2016 e 2017. Por essa razão, os investigadores perguntaram-se por que estava a acontecer novamente e se a mudança climática poderia alterar esse fenómeno.

O Oceano Antárctico é um agente fundamental no clima do planeta, especialmente através das correntes oceânicas e do ciclo do carbono, do fluxo de dióxido de carbono da atmosfera para os oceanos e vice-versa. É um dos oceanos com as tempestades mais poderosas do mundo. No entanto, o eu comportamento é difícil de entender.

Nesta ocasião, os cientistas usaram as observações do projecto SOCCOM, que está a tentar registar o que está a acontecer nesta região extrema do planeta, através de múltiplos instrumentos meteorológicos, satélites e até sensores ligados a elefantes marinhos.

O estudo mostra que os ventos precisam de se aproximar da costa, o que favorece a mistura de água no mar de Weddell. Lá, nas profundezas, existe uma montanha submersa, conhecida como Elevação Maud, que aprisionam a água mais densa.

Quando a água da superfície é especialmente salgada, ventos fortes podem gerar uma inversão da corrente, na qual a água da superfície começa a circular de modo que o gelo não se pode formar. Em particular, sal e água quente permanecem ancorados à superfície, mas o vento arrefece e afunda e é substituído por um pouco de água mais quente. Isso cria um ciclo que permite a troca entre águas superficiais e profundas.

Isso tem relevância para o clima, porque as correntes dependem das águas profundas, frias e densas da Antárctida. “Neste momento, as pessoas acreditam que a água se forma na plataforma antárctica, mas as polínas poderiam ter sido mais comuns no passado”, segundo Stephen Riser, co-autor do estudo. “Precisamos de melhorar os nossos modelos para estudar estes processos, o que poderia ter grandes implicações para o clima”.

Os modelos prevêem que a mudança climática aumentará o derretimento do gelo e que isso reduzirá a formação de polínias, porque a água derretida reduzirá a salinidade da água. No entanto, outras previsões indicam que os ventos em torno da Antárctida serão fortalecidos, o que implicaria um aumento na formação de polínias. Além de moldar as correntes oceânicas, as polínias podem afectar o ciclo do carbono.

ZAP //

Por ZAP
15 Junho, 2019

[vasaioqrcode]

2108: Encontrada debaixo da Antárctida uma placa oculta que evita inundação mundial

CIÊNCIA

Jeremy Harbeck / NASA
Glaciar de Thwaites, na Antárctida

Uma estrutura rochosa antiga encontrada no coração da plataforma de gelo Ross ajuda a determinar onde o gelo da Antárctida derrete e onde permanece firme e congelado.

A estrutura é uma antiga fronteira tectónica, provavelmente formada durante o nascimento do continente antárctico ou pouco depois. De acordo com uma nova investigação publicada na revista Nature Geoscience, esse limite protege a linha de deslizamento da plataforma de gelo, o ponto em que é suficientemente espessa para se estender até ao fundo do mar.

A geologia criada pelo limite mantém a água do oceano quente, que promove a fusão, longe daquela parte da prateleira. Mas a circulação oceânica impulsionada pela mesma geologia leva a um derretimento no verão ao longo da borda leste da estante.

A placa permaneceu escondida sob a terra durante centenas de milhões de anos. Trata da plataforma de gelo Ross, que desacelera o deslizamento para o oceano de aproximadamente 20% do gelo da Antárctida, o que equivale a uma elevação do nível do mar em quase 11,6 metros.

Os investigadores detectaram a placa graças às observações realizadas pelo sistema de exploração chamado IcePod. O sistema consegue medir a altura, largura e a estrutura interior de um bloco de gelo, além de interceptar sinais magnéticos e gravitacionais dos blocos subjacentes.

O sistema também permite “ver” através do gelo até uma profundidade de centenas de metros para detectar estruturas que os satélites são incapazes de identificar.

Esta placa rochosa, situada entre o leste e oeste da Antárctida, criou uma divisão sob o continente que protege a plataforma de gelo Ross das águas mais quentes e do seu possível derretimento.

“Podemos ver que esta barreira geológica faz com que o fundo marinho no leste da Antárctida seja mais profundo que no oeste. Isso afecta a maneira como a água circula sob o bloco de gelo”, afirmou Kirsty Tinto, geóloga da Universidade de Columbia e autora do estudo.

Num futuro próximo, a linha de deslizamento da plataforma de gelo – o ponto em que entra em contacto com o fundo do mar – deve permanecer estável, pelo menos diante de mudanças climáticas moderadas. Mas variações no clima local terão um grande impacto na rapidez com que a borda frontal da plataforma de gelo derrete.

Essas variações podem incluir reduções no declínio do gelo marinho ou diminuição da cobertura de nuvens, disse Laurie Padman, cientista da Earth and Space Research, em Oregon, e co-autora do estudo, em comunicado.

.

ZAP //

Por ZAP
4 Junho, 2019



[vasaioqrcode]

1943: Um buraco misterioso continua a abrir-se na Antárctida

CIÊNCIA

NASA

Em 1970, quando os satélites começaram a tirar fotografias da Terra, os cientistas notaram um misterioso buraco no mar de Lazarev, na Antárctida. No verão, a lacuna desapareceu e, durante décadas, o acontecimento não foi explicado.

Há um ano e meio, durante os meses mais frios de inverno, quando o gelo deveria estar denso, um gigantesco buraco de 9.500 quilómetros quadrados apareceu repentinamente no mesmo bloco de gelo. Dois meses depois, cresceu 740% antes de, mais uma vez, recuar com o gelo do verão.

Demorou décadas, mas os cientistas pensam que finalmente entendem por que razão isto continua a acontecer. Usando observações de satélite e dados de reanálise, investigadores da Universidade de Nova York em Abu Dhabi descobriram que os buracos efémeros, conhecidos como polínias, parecem ser cicatrizes de tempestades ciclónicas.

Em Setembro de 2017, quando o ar quente e o ar frio colidiram no Polo Sul, os autores explicaram que os ventos internos de um ciclone – atingindo 117 quilómetros por hora e ondas de 16 metros de altura – empurrou o bloco de gelo da Antárctida em todas as direcções e para longe do olho da tempestade.

A polínia resultante não é necessariamente má. Na verdade, as perfurações podem ser importantes, porque oferecem caminhos cruciais para a vida selvagem, incluindo focas e pinguins, e fornecem habitat para o fitoplâncton. Essas lacunas são poderosos influenciadores da atmosfera e um indicador potencial de mudança climática.

“Uma vez aberta, a polínia funciona como uma janela através do gelo marinho, transferindo enormes quantidades de energia durante o inverno entre o oceano e a atmosfera”, disse a cientista atmosférica Diana Francis, autora principal do estudo publicado na revista Journal of Geophysical Research: Atmospheres.

“Devido ao seu grande tamanho, os polínias no meio do mar impactam o clima regional e globalmente, à medida que modificam a circulação oceânica.” Embora os polínias não sejam necessariamente desastrosas, a sua presença pode ter um efeito sobre o clima.

A gama de factores que os buracos podem influenciar é surpreendente e o risco de ocorrerem com mais frequência é alto. Em climas mais quentes, estudos anteriores indicam que a actividade do ciclone nos pólos da Terra só se intensificará. Os ciclones extra-tropicais vão aproximar-se cada vez mais da Antárctida.

ZAP // Science Alert

Por ZAP
8 Maio, 2019

[vasaioqrcode]

 

1909: Mystery Sea Opened Up During the Antarctic Winter. Now, Scientists Know Why.


A polynya in Antarctica’s Weddell Sea.
Credit: Wolfgang Kaehler/LightRocket via Getty Images

A swath of ice-free sea that regularly opens up during the frigid Antarctic winters is created by cyclones.

Sea ice in Antarctica is thickest in the winter, so the appearance of open water is perplexing. These open seas are called polynyas. In 2017, scientists spotted one in the Lazarev Sea, which they called the Maud Rise polynya because it sits over an ocean plateau called Maud Rise.

Now, researchers led by Diana Francis, a New York University Abu Dhabi atmospheric scientist, find that cyclonic winds push ice in opposite directions, causing the pack to open up and expose open sea. [Antarctica: The Ice-Covered Bottom of the World (Photos)]

In mid-September 2017, the Maud Rise polynya was 3,668 square miles (9,500 square kilometers) in size. By mid-October, it had grown to 308,881 square miles (800,000 square km).

The Maud Rise polynya in September 2017.
Credit: NASA Worldview

An analysis of high-resolution satellite imagery explained the rapid growth. Warm, moist air flowing in from the western South Atlantic hit cold air headed northward from the south, setting the stage for violent storms. The resulting cyclones rated 11 on the Beaufort storm scale, meaning they involved wind speeds of up to 72 mph (117 km/h) and waves up to 52 feet (16 meters) high anywhere they encountered open sea.

These swirling winds pushed ice away from the cyclonic centers, Francis and her colleagues wrote April 24 in the journal JGR Atmospheres.

Polynyas aren’t new or necessarily harmful. According to the National Snow and Ice Data Center (NSIDC), they can provide important ocean access for Antarctic animals and habitat for phytoplankton.

However, polynyas may change in a warming future, Francis and her colleagues speculated. Antarctica is expected to experience stronger cyclones as the climate changes, because models show that storms are likely to form more often toward the poles and to be more intense, according to the NSIDC.

If those predictions are correct, Antarctica might see more open water in future winters.

Originally published on Live Science.
By Stephanie Pappas, Live Science Contributor 
April 30, 2019 06:59am ET

[vasaioqrcode]