2850: Rios ocultos de água quente estão a derreter o gelo da Antárctida

CIÊNCIA

GRID Arendal / Flickr

O gelo antárctico está a ser desestabilizado por rios ocultos e invertidos de água quente que correm por baixo das plataformas, derretendo-as.

Os cientistas conhecem estes canais basais nas plataformas de gelo há vários anos, mas as circunstâncias por trás da sua formação não eram bem compreendidas. Agora, os investigadores descobriram mais sobre o fenómeno e dizem que é algo que precisamos de levar em consideração ao modelar a elevação do nível do mar.

“A circulação de água quente está a atacar a parte inferior destas plataformas de gelo nos pontos mais vulneráveis”, disse a glaciologista Karen Alley, do College of Wooster, em Ohio, em comunicado.

As plataformas de gelo são uma extensão externa flutuante do gelo terrestre que compõe as camadas continentais de gelo, escreve o ScienceAlert. No caso da Antárctica, cerca de três quartos do continente é cercado por plataformas de gelo flutuantes, que agem como uma barreira natural para ajudar a impedir que as geleiras nas camadas de gelo fluam para o oceano.

Este efeito natural de barreira só funciona, no entanto, se as próprias plataformas de gelo contiverem massa gelada suficiente para sustentar o fluxo marítimo de gelo. Porém, as barreiras antárcticas estão a enfraquecer.

Em 2016, uma equipa liderada por Alley analisou imagens de satélite das plataformas de gelo da Antárctica Ocidental e identificou os rios invertidos de água morna que erodiam as plataformas por baixo, tornando-as mais vulneráveis ​​à desintegração. “As nossas observações mostram que os canais basais estão associados ao desenvolvimento de novas zonas de fissuras, sugerindo que estes canais podem causar fractura no gelo”, explicaram os investigadores no artigo de 2016, publicado na revista especializada Nature Geoscience.

“Concluímos que os canais basais podem formar-se e crescer rapidamente como resultado da intrusão de água quente no oceano, e que podem enfraquecer estruturalmente as plataformas de gelo, potencialmente levando à rápida perda da plataforma de gelo em algumas áreas”.

Num novo estudo, Alley e a sua equipa examinaram novamente os canais basais para investigar o que produz estes rios misteriosos. Por acaso, o processo começa na massa aterrada da própria camada de gelo da Antárctica, e não na plataforma de gelo flutuante. À medida que o gelo flui para o mar a partir da camada de gelo em terra, regiões fracas no gelo de fluxo rápido chamado “margens de cisalhamento” podem formar-se nas bordas da massa.

No novo estudo, publicado na semana passada na revista especializada Science Advances, os cientistas descobriram que os canais basais eram mais propensos a formar-se ao longo das margens dos trechos de gelo enfraquecidos e de fluxo rápido – uma consequência dos fluxos quentes de água flutuante que subiam acima da água mais fria e induziam o derretimento nas secções mais vulneráveis nas plataformas de gelo.

À medida que a fusão ocorre, um canal basal é esculpido na parte inferior da frágil margem de cisalhamento, revelando o ponto mais fraco e produzindo quebras nas plataformas de gelo.

“Estamos a ver um novo processo, em que a água quente entra na plataforma por baixo”, disse o glaciologista Ted Scambos, da Universidade do Colorado Boulder. “A calha torna a plataforma fraca e, em poucas décadas, desaparece, libertando o manto de gelo para sair mais rápido no oceano”.

Embora os investigadores não saibam até que ponto estes rios podem estar a apressar os processos de colapso do lençol de gelo e aumento do nível do mar em geral, os cientistas consideram que é importante estudar os efeitos dos canais basais e incorporar o fenómeno na modelagem das mudanças na camada de gelo.

“Isto pode importar um pouco ou pode importar muito”, disse Alley à National Geographic. “Mas sabemos que isto torna mais provável a perda de plataformas de gelo. Estes canais tornam os pontos fracos mais fracos”.

ZAP //

Por ZAP
17 Outubro, 2019

 

2374: O aspecto de uma das mais famosas montanhas da Europa está a mudar (e já se sabe quem é o culpado)

CIÊNCIA

Mrexentric / pixabay

Uma das montanhas mais pitorescas da Europa está a desmoronar-se pouco a pouco devido às alterações climáticas, alertam os especialistas.

De acordo com um artigo publicado na revista Arctic, Antarctic and Alpine Research, o derretimento o permafrost na montanha Matterhorn, de 4.480 metros de altura, e a remoção das suas geleiras estão a causar a desintegração da montanha.

A equipa do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, na Suíça, instalou 50 sensores de movimento a 3.692 metros de altura em Junho para actualizar as previsões de possíveis deslizamentos de terra nesta montanha característica em forma de pirâmide que se localiza na fronteira da Suíça com a Itália.

Os investigadores compararam o derretimento de Matterhorn com um gelado de stracciatella recheado com pedaços finos de chocolate. Quando os pedaços amolecem, o gelado perde a firmeza.

“Quando as montanhas altas descongelam no verão, a rigidez diminui e os sedimentos do solo ficam instáveis ​​como consequência da água”, disse um dos cientistas, Jan Beutel, ao jornal The Daily Mail.

As fendas crescem e movem-se. Muitas continuam a mover-se na mesma direção todos os anos e, em algum momento, uma pequena escala da superfície acaba por se partir”, disse.

Embora o Matterhorn não entre em colapso, a remoção da neve e do seu manto de gelo terá consequências na aparência da montanha. “A natureza está a mudar, são mudanças subtis, mas coisas importantes estão a acontecer”, disse. O cientista lembrou que as montanhas mais altas são as primeiras a perceber as consequências da mudança climática.

O especialista sublinhou ainda que o alpinismo está a ser afectado negativamente pelo aquecimento global, criando condições instáveis ​​para subidas e aumentando o risco de deslizamentos de terra.

ZAP //

Por ZAP
27 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

 

2329: Localidade a 900km do Polo Norte registou uma temperatura de 21º, a mais alta desde 1956

Johannes Zielcke / Flickr

O termómetro atingiu, no domingo, os 21 graus centígrados em Alert – a localidade habitada mais setentrional do planeta, a menos de 900 quilómetros do Polo Norte, que fica em Nunavut, no Canadá – e estabeleceu um “recorde de calor absoluto” para o verão boreal.

De acordo com a informação revelada na terça-feira por uma instituição de meteorologia canadiana, citada pelo Sapo 24, Alert, uma base militar permanente estabelecida no paralelo 82 fundamentalmente para a intercepção de comunicações russas, é sede de uma estação meteorológica desde 1950.

“É impressionante do ponto de vista estatístico. É um exemplo entre centenas de outros recordes estabelecidos pelo aquecimento global”, explicou à agência France-Press (AFP) Armel Castellan, meteorologista do Ministério do Meio Ambiente do Canadá.

A 14 de Julho, a base registou 21 graus, já a 15 de Julho, registou 20. “Este é um recorde absoluto, nunca tínhamos visto nada assim”, disse Armel Castellan.

As altas temperaturas que se verificaram no norte “são totalmente devastadoras” sobretudo porque “tivemos temperaturas muito mais quentes que o habitual durante uma semana e meia”.

O recorde anterior de 20 graus centígrados foi estabelecido no dia 08 de Julho de 1956, mas desde 2012 que se registaram vários dias com temperaturas entre 19 e 20 graus nesta estação.

Refira-se que a média diária em Alert, para um mês de Julho, é de 3,4 graus e a temperatura média máxima é de 6,1 graus.

Portanto, não será exagerado falar de “uma onda de calor árctica”, disse David Phillips, especialista do gabinete do Meio Ambiente e Mudança Climática do governo canadiano. E reforçou à CBC que se trata de algo “sem precedentes”.

“O norte, do Yukon às ilhas do Árctico, registou a sua segunda ou terceira primavera mais quente”, assinalou David Phillips. E os modelos de previsões do governo canadiano “revelam que isto vai continuar em Julho e entre Agosto e princípio de Setembro”, revelou.

A actual onda de calor deve-se a uma frente de alta pressão sobre a Gronelândia, que é “bastante excepcional” e alimenta os ventos do sul no Oceano Árctico.

De acordo com David Phillips, o Árctico está a aquecer três vezes mais rápido do que outras partes do planeta. E, por essa razão, destacou a urgência em levar a cabo uma drástica redução das emissões de carbono.

TP, ZAP //

Por TP
17 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

 

1281: Avistamento de OVNIs ao largo da costa irlandesa sob investigação

A hipótese de poder tratar-se de um meteoro não foi suficiente para que a autoridade irlandesa decidisse não investigar o assunto. O alerta foi dado por um piloto da British Airways.

© Reuters/Mike Blake

Depois de relatos de luzes brilhantes e avistamento de OVNIs na costa sudoeste do país, a Autoridade da Aviação da Irlanda (IAA) decidiu dar início a uma investigação oficial. De acordo com a BBC, às 6:47 da passada sexta-feira, uma piloto da British Airways comunicou à torre de controlo aéreo de Shannon ter visto um dispositivo “mover-se muito rapidamente”, questionando se se trataria de um exercício militar. Mas a hipótese foi negada pelo controlador do tráfego aéreo.

Foi uma “luz muito brilhante” e um objecto a subir pelo lado esquerdo do avião que fizeram a piloto desconfiar. A velocidade do objecto voador, que se desviava “muito rapidamente para o norte”, foi outro elemento que contribuiu para a tese de que poderia tratar-se de um OVNI. A comunicação da piloto com a torre de controlo pode ser ouvida aqui.

Um outro piloto de um avião da Virgin sugeriu que o objecto pudesse ser um meteoro a reentrar na atmosfera terrestre, admitindo que há “múltiplos objectos que seguem o mesmo tipo de trajectória” e são igualmente brilhantes. Mas diz ter visto duas luzes brilhantes” à direita da aeronave que pilotava, e que desapareceram a alta velocidade. Outro comandante garante que a velocidade era “astronómica”, como Mach 2 – que é o dobro da velocidade do som.

A Autoridade de Aviação irlandesa decidiu, então, dar início a uma investigação. “Na sequência de relatos de actividade aérea anormal de um pequeno número de aeronaves, na sexta-feira, 9 de Novembro, o IAA apresentou um relatório”, seguiu em comunicado.

“Este relatório será investigado no processo normal de investigação de ocorrências confidenciais”, explicou ainda a autoridade.

O porta-voz do aeroporto de Shannon recusou dar quaisquer declarações sobre o tema, pelo menos enquanto a investigação estiver a decorrer.

Diário de Notícias
Catarina Reis
13 Novembro 2018 — 08:30

[vasaioqrcode]

 

1253: NASA detecta “anomalia térmica” no centro do oceano Atlântico

CIÊNCIA

NASA

Na Terra, há vários lugares com temperaturas extremamente altas, mas a maioria destes pontos encontra-se em terra. Mas, desta vez o satélite da NASA registou o fenómeno térmico bem no centro do oceano Atlântico.

O satélite meteorológico dos Estados Unidos Suomi NPP registou, recorrendo ao seu sensor ultravioleta e infravermelho que serve para monitorizar incêndios, uma área de temperaturas extremamente altas. E o maior problema desta descoberta é que esta, até ao momento continua sem explicação.

No mapa obtido pelos meteorologistas observam-se manchas vermelhas que correspondem a lugares de alta temperatura. Todos estes pontos estão localizados em terra, excepto um, que se encontra no meio do oceano.

Para solucionar o mistério, os especialistas da NASA decidiram colocar várias hipóteses, mas nenhuma delas parece corresponder à realidade.

Inicialmente, os cientistas da agência espacial norte-americana assumiram que a temperatura poderia ter aumentado após uma emissão de gás natural, mas fenómenos deste tipo ocorrem, por norma, perto da costa e em baixas profundidades. Em sentido contrário, nesta situação o ponto enigmático estava longe de qualquer terra firme.

Outra hipótese que foi colocada estava relacionada com a actividade no entanto, logo se descobriu que não há nenhum vulcão na área.

Finalmente, os cientistas concluíram que se trata da Anomalia do Atlântico Sul — uma região onde os cinturões de radiação espacial se encontram a algumas centenas de quilómetros da superfície da Terra.

Todos os objectos que cruzam a área estão expostos à radiação espacial. Por isso mesmo, o funcionamento de aparelhos espaciais que sobrevoam a zona é suspenso, incluindo o telescópio Hubble. Os satélites meteorológicos também sofreram os efeitos desta anomalia.

“Todas as noites o sensor detectava dezenas de anomalias térmicas em locais onde não deviam existir”, disse o investigador da NASA, Wilfrid Schroeder, ao Newsweek.

Tendo em conta o fenómenos, os engenheiros que constroem satélites meteorológicos desenvolveram filtros para prevenir os efeitos da radiação proveniente da anomalia magnética da região, para que os dispositivos não captem falsos sinais.

Ao que parece, um destes sinais conseguiu “enganar” os filtros acima mencionados. Embora o fenómeno tenha uma explicação científica clara, a descoberta atraiu os fãs das teorias da conspiração. Alguns deles supuseram que o “ponto quente” teria sido causado por um submarino nuclear danificado.

ZAP // SputnikNews

Por SN
7 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

711: Perdemos um campo de futebol de floresta por segundo em 2017

(CC0/PD) skeeze / pixabay

Brasil, Colômbia e República Democrática do Congo são alguns dos países que registaram perdas recorde no ano de 2017, segundo o novo relatório da Global Forest Watch.

De acordo com uma pesquisa da Global Forest Watch, o mundo perdeu mais do que o equivalente a um campo de futebol de floresta por cada segundo de 2017, totalizando uma área equivalente à dimensão de um país como Itália.

Os novos dados, obtidos através de satélite, mostram que este foi o segundo pior ano desde que há registo, com uma perda de 29,4 milhões de hectares, cita o jornal britânico The Guardian.

A redução da cobertura florestal duplicou desde 2003, enquanto que o desmatamento de florestas tropicais duplicou desde 2008. O Brasil, que já vinha de uma tendência de queda, voltou a sofrer com este problema no ano passado devido à instabilidade política. Outras nações, como a Colômbia e a República Democrática do Congo, também sofreram perdas recorde.

O território brasileiro foi o país que mais sofreu com as perdas florestais desde que a Global Forest Watch começou a fazer este levantamento em 2001. Enquanto que houve uma diminuição no ano passado em relação ao desmatamento recorde que ocorreu em 2016, os números de 2017 ainda são os segundos mais altos da história.

Mais de um quarto das perdas de árvores no Brasil no ano de 2017 foram causadas por incêndios deliberadamente provocados para limpar terra.

Na Colômbia, um verdadeiro centro global para a biodiversidade, as perdas aumentaram 46% no ano passado. As FARC, a maior organização guerrilheira do país, anteriormente controlavam grande parte do território amazónico colombiano, bloqueando o acesso.

A desmobilização dessas forças armadas rebeldes deixou um vazio de poder e a desflorestação ilegal para gado, extracção de madeira e produção de cocaína dispararam.

Por outro lado, na Indonésia, a desflorestação caiu 60% em 2017, um ano húmido que se traduziu num menor número de incêndios florestais e também por causa de acções levadas a cabo pelo Governo.

A culpa também é nossa

As perdas florestais são um factor decisivo para as emissões de carbono que impulsionam o aquecimento global. O seu efeito é quase o mesmo que o total de emissões dos EUA, o segundo país maior poluidor do mundo.

A desflorestação destrói o habitat da vida selvagem e é uma das principais razões para as populações de animais selvagens terem caído para metade nos últimos 40 anos, iniciando uma sexta extinção em massa.

Enquanto apenas 2% do financiamento para a acção climática vai para a protecção de florestas, estas têm o potencial de fornecer um terço dos cortes de emissões globais necessários até 2030.

“É realmente uma questão urgente que devia estar a receber mais atenção”, explica Frances Seymour, do World Resources Institute, uma das entidades responsáveis pelo Global Forest Watch.

De acordo com as informações recolhidas por este estudo, a destruição humana causa virtualmente todo a desflorestação nos trópicos.

“A principal razão pela qual as florestas tropicais estão a desaparecer não é um mistério – amplas áreas continuam a ser devastadas para cultivo de soja, carne bovina, óleo de palma, madeira e outras comodidades comercializadas globalmente”, explica. “Grande parte é ilegal e está ligada à corrupção“, acrescenta.

Não é só o ambiente que sofre

Os incêndios são dominantes em latitudes mais altas, causando cerca de dois terços das perdas florestais em países como a Rússia e o Canadá, e podem estar a tornar-se mais comuns devido às alterações climáticas.

Novas florestas estão a ser cultivadas na China e na Índia, por exemplo, mas a extensão exacta em que compensam a destruição das florestas já existentes ainda é desconhecida. Por enquanto, claro é que a desflorestação excede significativamente a reflorestação.

Estima-se que apenas cerca de 15% das florestas que provavelmente existiam antes da civilização humana ainda hoje permaneçam intactas. Um quarto foi destruído e o resto fragmentado ou degradado.

A destruição das árvores não prejudica apenas o ambiente. “Juntamente com essa violência contra a Terra, também há uma crescente violência sobre as pessoas que defendem essas florestas”, afirma Victoria Tauli-Corpuz, relatora especial da ONU sobre os direitos dos povos indígenas.

De acordo com Tauli-Corpuz, metade dos 197 defensores ambientais mortos em 2017 pertenciam a grupos indígenas.”Há muito que estes povos administram as florestas que são cruciais para a luta contra as alterações climáticas”, explica.

“Os novos dados mostram que a taxa de perda de cobertura de árvores é menos de metade em terras comunitárias e indígenas, comparativamente com outros lugares”.

ZAP // HypeScience

Por HS
30 Junho, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=4f60f80f_1530365805896]

– Perguntem aos Trampas que existem espalhados pelo Planeta Terra que eles responderão: “No problem…”

427: África começou a dividir-se em dois continentes

O continente africano vai dividir-se em dois. A Somália, metade da Etiópia, o Quénia, a Tanzânia e parte de Moçambique irão separar-se para formar um novo continente. Vai acontecer daqui a uns milhões de anos – mas já começou.

As discussões na comunidade científica sobre a forma como o continente africano se está a dividir em dois continentes avivaram-se depois se no dia 19 de Março ter aparecido no Quénia uma gigantesca fissura, que rasgou a meio um vale e cortou uma estrada importante da região do Narok, no oeste do país.

A enorme fissura, com vários quilómetros de comprimento, tem cerca de 15 metros de profundidade e mais de 20 de largura, mas não é o primeiro fenómeno deste tipo a manifestar-se no continente africano. Há dezenas ou centenas de pontos fracos ao longo do chamado Grande Vale do Rift, que atravessa o continente desde o Corno de África, na Somália, até Moçambique.

Esta formação, também conhecida como Vale da Grande Fenda, é um complexo de falhas tectónicas criado há cerca de 35 milhões de anos com a separação das placas tectónicas africana e arábica, e estende-se cerca de 5000 km no sentido norte-sul, com largura que varia entre 30 e 100 km e uma profundidade de centenas a milhares de metros.

Segundo o jornal local Daily Nation, o Quénia, atravessado pelo Grande Vale do Rift, está literalmente a partir-se ao meio, e a profunda fissura que se deu a conhecer em Março em Narok “é apenas o início“.

A fissura apareceu na zona com menor actividade sísmica do país. Segundo explicou ao jornal italiano La Vanguardia a geóloga Sara Figueras Vila, do Instituto Cartográfico e Geológico da Catalunha, “o último sismo importante nesta região aconteceu em 1928, com uma magnitude de 6.9 na Escala de Richter”.

Desde então, praticamente não houve actividade sísmica na região, assegura a geóloga.

O aparecimento desta fissura sem que tenha ocorrido recentemente nenhum terramoto é um evento inesperado e preocupante. Mas segundo explica ao Daily Nation o geólogo queniano David Adede, o fenómeno poderá ter a ver com actividade tectónica e vulcânica passada na região.

No fundo do vale encontram-se o vulcão Suswa. Nas proximidades, Monte Longonot. Os dois vulcões poderão ser responsáveis por inúmeras falhas vulcânicas ocultas ao longo do território queniano do Grande Vale do Rift.

“Apesar de esta fissura ter permanecido inactiva no passado recente, do ponto de vista da actividade tectónica, poderá haver movimentos em profundidade que estão a criar pontos frágeis que se estendem até à superfície”, diz Adede.

“Estas zonas frágeis formam linhas de falha e fissuras que normalmente são preenchidas com cinzas vulcânicas. As fortes chuvas que recentemente assolaram a região poderão ter levado as cinzas, ajudando a descobrir a fissura”, explica o geólogo.

Mas o facto de a região assentar em duas placas tectónicas que estão a divergir lentamente em direcções opostas terá consequências inevitáveis.

Inevitavelmente, um novo continente

Dentro de 10 milhões de anos, quatro países do Corno de África – a Somália, metade da Etiópia, o Quénia e a Tanzânia, além de uma parte de Moçambique, irão inexoravelmente separar-se do resto do continente africano e formar um novo continente.

O processo, estimam os geólogos, estará concluído em cerca de 50 milhões de anos: a chamada “placa Somali” ter-se-á tornado por completo um continente novo, separada da sua irmã maior, a “placa Núbia”, por um oceano novo.

Segundo um estudo de 2009, realizado por cientistas da Universidade de Rochester, no Reino Unido, o processo parece ter tido início em 2005, com o aparecimento na Etiópia de uma fissura de mais de 60 quilómetros após a erupção do vulcão Dabbahu. A falha não mais deixou de crescer, e mais de uma dezena de novas falhas apareceram entretanto.

Desde então, a teoria de que África se vai dividir em dois continentes ganhou bastante popularidade na comunidade científica, mas nem todos estão de acordo.

Numa entrevista recente à NTV Kenya, o sismólogo queniano Silas Simiyu sustenta que a fissura de Narok não é uma falha vulcânica, mas apenas resultado das abundantes chuvas que se registaram na região. “As camadas de terra abateram devido às chuvas e encheram os canais subterrâneos de água”, diz o cientista queniano.

Mas Lucia Perez Diaz, do Grupo de Pesquisa da Dinâmica de Falhas da Universidade de Londres, não tem dúvidas. Em termos práticos, as duas placas do continente africano estão a separar-se, diz a geóloga ao The Conversation. E as fissuras recentes que apareceram no leste do Grande Vale do Rift são um exemplo de que isso já está a acontecer.

Após um dramático processo, durante uns 50 milhões de anos, teremos então inevitavelmente algo como a Grande Núbia e o Corno de África. Mal podemos esperar.

ZAP //
Por ZAP
2 Abril, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=5bcc36ea_1522663602708]

 

377: Scott Kelly voltou do espaço com ADN diferente do irmão gémeo

Bill Ingalls / NASA
O astronauta Scott Kelly

Depois de ter passado um ano no espaço, Scott Kelly regressou à Terra mas algo mudou: 7% dos genes do astronauta da NASA não voltaram ao normal após o seu regresso.

Há dois anos, um estudo realizado pela NASA analisou Scott Kelly antes, durante e depois de passar um ano a bordo da Estação Espacial Internacional, através de uma comparação com o seu irmão gémeo, Mark, que permaneceu na Terra.

Os resultados preliminares revelaram que 7% dos genes do astronauta não voltaram ao normal após o seu regresso à Terra. A transformação do ADN sugere assim mudanças a longo prazo nos seus genes.

A agência já tinha avançado o ano passado com alguns resultados. Os dados mais recentes foram publicados pela agência e retirados do Workshop de Investigação de 2018 para o Programa de Pesquisa Humana da NASA, realizado em Janeiro deste ano.

De modo a acompanhar as mudanças físicas, os cientistas mediram os metabolitos de Scott, citocinas e proteínas antes, durante e depois da missão.

Com estes resultados, os cientistas descobriram que as missões espaciais estão associadas ao stress provocado pela privação de oxigénio, aumento da inflamação e deslocamentos de nutrientes que afectam a expressão genética.

Algumas das mutações, encontradas depois da missão, podem ter sido causadas pelo stress das viagens espaciais. Uma das mudanças mais importantes foi a hipoxia, uma quantidade de oxigenação tecidual diferente.

Mark Sowa / NASA
Scott e Mark Kelly, os gémeos astronautas da NASA

A hipoxia pode ter sido provocada pela falta de oxigénio e, pelo contrário, a existência de altos níveis de dióxido de carbono. Além disso, registaram-se mudanças nos cromossomas, colagénio, coagulação do sangue e na formação óssea do astronauta.

O estudo realizado com os gémeos é importante, já que ajuda a NASA a obter informações acerca do que acontece com o corpo humano no espaço, especialmente em missões que superam os seis meses de duração.

Esta pesquisa sobre de que forma o corpo humano se ajusta à gravidade, ao isolamento, à radiação e ao stress das viagens espaciais é necessária antes que os astronautas sejam enviados em missões que irão durar o triplo do tempo.

ZAP // Futurism

Por ZAP
16 Março, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=ab4dc1a3_1521201546413]