3649: Cientistas descobrem azoto “preso” num famoso (e antigo) meteorito marciano

CIÊNCIA/BIOQUÍMICA

NASA – JSC

Uma equipa de cientistas do Japão identificou compostos orgânicos com azoto “presos” no Allan Hills 84001, um famoso meteorito de origem marciana.

Uma nova análise a este corpo rochoso com mais de 4 mil milhões de anos revelou um componente que, até agora, passou despercebido aos cientistas que o estudaram: a presença de azoto, um dos elementos cruciais para a vida.

Tal como frisa o portal Science Alert, esta é a primeira evidência real de moléculas fixas de azoto no Planeta Vermelho, cuja habitabilidade é há anos discutida.

Em declarações à Newsweek, Atsuko Kobayashi, um dos autores envolvidos no estudo, recorda que o azoto é um elemento fundamental para a vida tal como a conhecemos, tal como o carbono, que também esta presente na composição do Allan Hills 84001.

O material orgânico que incluiu o azoto foi encontrado nos minerais carbonáticos do meteorito, detalhou o Instituto de Tecnologia de Tóquio em comunicado.

Estudos anteriores concluíram que estes minerais se formaram há aproximadamente 4.000 milhões de anos e, as substâncias incorporadas devem ter pelo menos a mesma idade.

O meteorito é fruto do impacto de um asteróide na superfície de Marte há de 15 milhões de anos. Depois, este corpo celeste passou grande parte da sua “vida” no Espaço, ainda antes de encaminhar para a Terra. Foi encontrado em 1984 por uma expedição norte-americana na Antárctida e, desde então, tem gerado bastante discussão sobre a eventual “actividade biogénica” no Planeta Vermelho.

Jovem Marte rico em compostos orgânicos

Uma vez que os minerais dos carbonatos se sedimentam por norma a partir de águas subterrâneas, a descoberta aponta para um jovem Marte húmido e rico em compostos orgânicos – ambiente que pode ser favorável ao início da vida, notam os cientistas.

“As moléculas orgânicas são aquelas que contêm cadeias e anéis de átomos de carbono ligados, como aqueles que são utilizados pela vida [na Terra] (…) Geralmente, contêm átomos de azoto, particularmente nos aminoácidos que compõem as proteínas, bem como o ADN e o RNA”, explicou Kobayashi.

No seu entender, a detecção de azoto sugere que o jovem Marte não era tão rico em oxigénio como é actualmente. “A nossa química de azoto diz-nos que a atmosfera não tinha muito oxigénio quando essas moléculas foram formadas – o que uma informação nova”.

A descoberta no final do século XX de compostos orgânicos nos meteoritos marcianos e, mais recentemente, na crosta de Marte, abriu um debate sobre a sua origem, recorda ainda Russia Today. Pouco se sabe quanto anos têm, quão amplamente são distribuídos e o elo que ocupam na cadeia bioquímica.

O certo é que a descoberta de azoto neste meteorito vem dar força aos cientistas que acreditam que Marte pode abrigar vida. Afinal, esta rocha “está no centro do debate sobre a ‘vida em Marte’”, apontou ainda Kobayashi.

Marte pode ter tido vida ainda antes da Terra

Uma equipa internacional de cientistas, liderada pela Universidade de Western Ontário, no Canadá, acredita que Marte pode ter tido condições…

ZAP //

Por ZAP
7 Maio, 2020