2124: Alterações climáticas ameaçam Algarve até ao final do século

girolame / Flickr

Até ao final do século, o Algarve pode ter mais eventos meteorológicos extremos e uma maior mortalidade devido a ondas de calor, assim como problemas causados por cheias e pelo avanço do mar, aponta um estudo recentemente divulgado.

A subida do nível do mar, o aumento da temperatura e a diminuição dos recursos hídricos são os factores que se prevê que tornem a região do Algarve mais vulnerável até ao final do século, aponta o cenário traçado no Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas (PIAAC).

Segundo disse à Lusa o coordenador científico do plano, Luís Dias, um modelo estatístico desenvolvido no plano estima que “a mortalidade no Algarve associada a eventos particularmente quentes pode subir de 2% para 7%“, sobretudo no sotavento (leste) algarvio, sendo Alcoutim “a situação mais preocupante”.

“Em cenário de alterações climáticas, Julho e Agosto passam a ser meses muito quentes”, o que pode modificar a tendência da ocupação turística no Algarve, refere aquele responsável, que nota a possibilidade de passarem a haver duas épocas turísticas, de tempo mais ameno, intervaladas por dois meses muito quentes.

No que respeita à subida do nível do mar, as zonas mais afectadas poderão ser Faro e Quarteira – mais vulneráveis por terem ocupação urbana -, mas também Lagos e Tavira, neste último caso devido ao aumento da probabilidade da ocorrência de cheias e inundações, acrescentou o especialista.

De acordo com Luís Dias, apesar de actualmente ainda ser possível travar o avanço do mar com a alimentação artificial de praias e a criação de dunas, essas soluções poderão não ser suficientes daqui a 40 ou 50 anos, tendo que ser equacionadas outras medidas, como a construção de paredões ou, mesmo, a deslocalização de parte da população.

Por outro lado, “devem ser tomadas medidas no espaço público para proteger as áreas urbanas de cheias e inundações”, sendo necessário também que as cidades tenham mais condições para que os habitantes enfrentem o calor: através de mais espaços verdes, presença de água, sombreamento e até uso de micro-aspersores para pulverizar água.

A diminuição de recursos hídricos é outra ameaça que paira sobre a região, que actualmente já enfrenta períodos de seca, com um agravamento do cenário na agricultura que pode ser mitigado pela implementação da dessalinização de água do mar.

“Mantendo-se a agricultura no estado em que está e o consumo no estado em que está, e partindo do princípio que não haverá alteração, no pior cenário, por volta de 2080 teremos que construir uma central de dessalinização”, refere.

O PIAAC envolveu responsáveis universitários, autarcas e técnicos de instituições públicas na elaboração de propostas de medidas de adaptação que, a longo prazo, contribuam para minimizar os impactos das alterações climáticas em vários sectores.

O coordenador não científico do plano, Filipe Duarte Santos, é membro do centro de investigação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, tendo sido um dos revisores do relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC).

Esta iniciativa envolveu um investimento superior a 470 mil euros, verba financiada em 85% pelo Fundo de Coesão, através do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos, e em 15% pelos municípios algarvios.

ZAP // Lusa

Por Lusa
6 Junho, 2019



[vasaioqrcode]

1038: Descoberto porto romano com quase dois mil anos em Vila do Bispo

CIÊNCIA

(dr)
Boca do Rio – um sítio pesqueiro entre dois mares

Descoberta resulta de uma campanha arqueológica iniciada há aproximadamente dois anos na praia da Boca do Rio, em Budens, classificado como um dos mais importantes da ocupação romana entre os séculos I e V, no sudoeste algarvio.

Uma equipa luso-alemã das Universidades do Algarve e de Marburgo descobriram, em Vila do Bispo, um porto romano com dois mil anos, com o melhor estado de conservação “identificado até hoje em Portugal”, anunciou o município.

A descoberta resulta de uma campanha arqueológica iniciada há aproximadamente dois anos na praia da Boca do Rio, em Budens, classificado como um dos mais importantes da ocupação romana entre os séculos I e V, no sudoeste algarvio.

Em comunicado, a autarquia adianta tratar-se de um antigo complexo industrial de transformação de preparados de peixe e do respectivo porto, que faziam parte de uma ‘villa’ marítima, com uma “grande casa voltada ao mar, de onde se têm recolhido mosaicos e outros objectos que documentam a vida quotidiana” na ocupação romana.

Durante o Período Romano o mar entrava terra dentro, formando uma extensa laguna, o actual Paul da Boca do Rio/Lontreira, em cuja margem direita se desenvolveu um importante complexo de transformação de preparados de peixe, sobretudo a partir de finais do século II d.C., servido pelo porto agora descoberto”, refere a autarquia.

Actualmente, o porto situa-se numa zona seca e é constituído por “um imponente cais em silharia de calcário com mais de 40 metros de extensão, de onde sobressaem pedras perfuradas para amarração de barcos, uma rampa e uma escadaria de acesso à água do antigo paleoestuário da Boca do Rio”.

Para além da recém identificada estrutura portuária, existem, sob as dunas, várias fábricas que serviam para a produção de molhos e pastas de peixe, produto conhecido pelos romanos como ‘garum’.

O sítio pesqueiro romano foi abandonado na primeira metade do século V, voltando a ser ocupado com uma armação de pesca do atum no século XVI e, de novo, após o ‘tsunami’ de 1755, no século XVIII.

As armações da época moderna “aproveitaram as estruturas romanas fundadas nas dunas para aí edificar os seus edifícios que ainda hoje se podem ver no local”, sublinha a autarquia.

O sítio da Boca do Rio é um dos locais que melhor preserva o registo do maremoto que se seguiu ao terramoto de 1755, que arrasou Lisboa, Cádis (em Espanha) e boa parte da costa algarvia.

Os trabalhos arqueológicos desenvolvidos na praia da Boca do Rio decorrem ao abrigo do projecto de investigação “Boca do Rio – um sítio pesqueiro entre dois mares”, coordenado pelos professores João Pedro Bernardes, do Centro de Estudos em Artes, Arqueologia e Património (CEAACP) da Universidade do Algarve, e Félix Teichner, da Universidade de Marburgo.

O estudo desenvolve-se com o apoio logístico e financeiro do município de Vila do Bispo, encontrando-se sediado no Centro de Acolhimento à Investigação – Núcleo de Investigação Arqueológica de Vila do Bispo.

ZAP // Lusa

Por Lusa
18 Setembro, 2018

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico