2427: Achado arqueológico reescreve história da antiga civilização Maia

(CC0/PD) aladecuervo / Pixabay
Templo de Kukulcán, localizado em Chichén Itzá – uma cidade arqueológica maia, no Iucatã

Uma equipa de cientistas norte-americanos descobriu, através de um achado arqueológico, que a antiga civilização Maia enfrentou conflitos militares violentos durante o chamado “período clássico”, entre 250 e 900 da nossa era.

De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram recentemente publicados na revista científica Nature, estes conflitos brutais resultaram na morte de vários habitantes, bem como na destruição de cidades inteiras.

Até então, observa o portal Newsweek, os cientistas acreditavam que no período em causa as guerras tinham um carácter puramente local e que os conflitos não causavam vítimas entre os civis ou um grande impacto económico.

A comunidade científica datou os grandes conflitos de guerra mais tarde na História, durante os séculos IX e X, época na qual ocorreu o declínio da civilização.

Mas a narrativa da História da civilização Maia pode ter que mudar. A equipa descobriu inscrições gravadas numa estela de pedra que contradizem a datação comummente aceite. A pedra dá conta de uma batalha sangrenta que ocorreu a 21 de maio de 697 em Witzná, uma cidade maia localizada no norte da actual Guatemala.

Os estudos epigráficos levados a cabo revelaram que as inscrições continham o termo “puluuy”, que se traduz como “queimado” e admite duas interpretações distintas: a primeira está relacionada com algum tipo de ritual, enquanto que a segunda pode remeter para eventos de carácter estritamente bélico.

Posteriormente, os cientistas analisaram materiais dos terreno circundante, para perceber qual das duas teorias fazia mais sentido.

David Wahl, da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos, e os seus colegas analisaram as rochas sedimentares de um lago localizado a dois quilómetros do antigo assentamento de Witzná e encontraram restos de carvão – a evidência arqueológica da existência de vários incêndios brutais no passado.

Escavações realizadas no local também mostraram que todos os principais edifícios da área, incluindo o palácio real e vários monumentos, foram consumidos pelas chamas no final do século VII, durante um período de guerra que vitimou muitos civis.

“Após este evento, a evidência mostra uma diminuição dramática na actividade humana, o que indica um grande impacto negativo sobre a população local”, apontaram os autores.

“Estas descobertas fornecem informações sobre as estratégias e o grande impacto social das guerras do período clássico”, mostrando também que “os mais se envolveram em tácticas semelhantes à da guerra total anterior e com mais frequência do que se pensava anteriormente”, lê-se ainda na mesma publicação.

O declínio da civilização maia terá ocorrido entre os séculos IX e X, tendo sido causado por vários factores, como epidemias, esgotamento dos recursos naturais, invasão de tribos inimigas e secas persistentes e repetidas, apontou um outro estudo científico publicado no ano passado na revista científica Science.

ZAP //

Por ZAP
10 Agosto, 2019