2538: Nem Asteróide do Apocalipse, nem Deus do Caos. Nenhum asteróide (conhecido) vai colidir com a Terra nos próximos 100 anos

forplayday / Canva

A NASA continua a afirmar que nenhum asteróide conhecido representa um risco significativo de impacto com a Terra nos próximos 100 anos.

Vários média noticiaram nos últimos dias a aproximação à Terra do asteróide 99942 Apophis, também conhecido como “Deus do Caos”.

Este corpo rochoso, que tem 340 metros de largura, “passará” pela Terra nos próximos 10 anos, de acordo com as estimativas dos cientistas, e ficará a 30.500 quilómetros de distância do nosso planeta, recorda a agência Europa Press.

O Apophis é um dos maiores asteróides a passar tão perto da Terra e uma eventual colisão poderia ser devastara para toda a vida na Terra.

O jornal britânico The Express escreveu que a NASA já iniciou os preparativos para a passagem do Apophis, dando conta que a agência norte-americana está também atenta a eventuais mudanças na sua trajectória e a futuros impactos com a Terra.

Contudo, a NASA desdramatiza a situação. Na sua página oficial, escreve que o maior risco de impacto para um asteróide conhecido (FD 2009) ocorrerá em 2185 e tem uma probabilidade de impacto de 1 em 714 – ou seja, uma possibilidade menor que 0,2%.

A tabela de risco que monitoriza riscos de impactos é da responsabilidade do NEO Study Center do Jet Propulsion Laboratory, sendo também continuamente actualizada à medida que novos asteróides são descobertos e que mais asteróides conhecidos são observados.

Um dos asteróide que a NASA estuda de perto é o Bennu, que tem uma possibilidade de impactar a Terra de 1 em 2.700 entre 2175 e 2195.

A nave espacial OSIRIS-REx completará uma investigação de 2 anos ao asteróide antes de extrair uma amostra de material da superfície do corpo rochoso para depois devolvê-la à Terra. O lugares para pousar no Bennu, também conhecido como Asteróide do Apocalipse, foram recentemente definidos.

Além de recolher uma amostra, OSIRIS-REx também estudará como é que a luz absorvida pelo Sol e re-irradiada pelo Bennu afecta a sua órbita e, consequentemente, como é que esta órbita se pode tornar mais perigosa para a Terra.

ZAP //

Por ZAP
29 Agosto, 2019

(extra-notícia) Asteróide “Deus do Caos”

 

1914: O asteróide Apophis vai passar junto à Terra tão perto como uma nave espacial

(CC0/PD) photoshopper24 / pixabay

O 99942 Apophis, celebrizando como o asteróide do caos, passará “perto” da Terra no próximo 13 de Abril de 2029, a cerca de 31.000 quilómetros da superfície do planeta, revelou a agência espacial norte-americana.

Apesar de a distância ser realmente “curta” – há naves espaciais a orbitar à mesma distância -, o corpo rochoso não representa qualquer perigo para a Terra, tal como informa a NASA em comunicado esta semana divulgado.

“A 13 de Abril de 2029, uma partícula de luz vai espalhar-se pelo céu tornando-se mais brilhante e mais rápida. A determinado ponto, viajará mais do que a largura da Lua cheia num minuto e ficará tão brilhante quanto as estrelas na Ursa Menor”, pode ler-se.

“Mas o ponto não será um satélite ou um avião – será um asteróide próximo da Terra, com 340 metros de largura (…) que passará sem perigo” pelo planeta.

Baptizado em homenagem ao antigo Deus egípcio do mal, da escuridão e da destruição, Apophis 99942 ficará a 31.000 quilómetros da Terra, ou seja, menos de um décimo da distância entre o nosso planeta e a Lua – que é de 384 mil quilómetros.

O anúncio da aproximação do asteróide acontece na mesma semana em que a NASA está a levar a cabo uma série de “exercícios de mesa” durante a Conferência de Defesa Planetária – que decorre de 29 de Abril a 3 de Maio – para definir o que fazer caso um destes corpos venha a impactar a Terra no futuro. Simplificando: o projecto visa antecipar um potencial evento “apocalíptico”, tendo como principal objectivo accionar uma resposta planeada de forma a mitigá-lo ou minimizá-lo.

“A abordagem aproximada do Apophis em 2029 será uma oportunidade incrível para a Ciência”, disse Marina Brozović, cientista de radar do Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA, que trabalha com observações de radar de objectos próximos da Terra (NEOs).

Na mesma nota de imprensa a NASA recorda que “é raro” que um asteróide destas dimensões passe tão perto da Terra. “Embora os cientistas tenham já visto pequenos asteróides, na ordem de 5 a 10 metros, voando perto da Terra a uma distância semelhante, os asteróides do tamanho do Apophis são muito menos numerosos e, por isso, não passam pela Terra com tanta frequência”.

O asteróide, que passará junto à Terra como um ponto de luz em movimento, poderá ser visto a olho nu no céu nocturno do hemisfério sul, sobrevoando a Terra desde a costa leste até à costa oeste da Austrália.

Desde que foi descoberto, em Junho de 2004, o Apophis tem sido acompanhado por vários telescópios que estão atentos às suas movimentações. Os cientistas sabem, por exemplo, que este corpo vai depois aproximar-se da Terra em 2044, 2051, 2060 e 2068, sendo a última data a aproximação “mais perigosa”.

As observações científica mais importantes ocorrerão em 2029, ano em quando os cientistas conseguirão estudar com mais detalhe o tamanho, a forma, a composição e talvez até o interior do Apophis, aponta ainda a NASA.

Apesar de todas as aproximações, é muito pouco provável que este corpo celeste venha a colidir com a Terra: as probabilidades são de 1 em 1000.000. Contudo, são ainda necessários outros estudos para excluir completamente esta possibilidade.

ZAP //

Por ZAP
2 Maio, 2019

[vasaioqrcode]