207: Asteróide potencialmente perigoso era muito maior do que os cientistas esperavam

JPL-Caltech / NASA

Novas imagens sugerem que o asteróide 3200 Phaethon é consideravelmente maior do que antes se tinha pensado, ocupando o segundo lugar no ranking dos asteróides potencialmente perigosos para o planeta.

Apesar das novas informações serem preocupantes, não há razão para entrar em pânico já: o asteróide não deve visitar-nos nos próximos 400 anos. Apesar disso, as novas observações da NASA vão ajudar os cientistas a compreender mais sobre a natureza do 3200 Phaethon e qual o seu potencial impacto se entrar em colisão com a Terra.

Novas medições foram feitas a partir do Arecibo Observatory Planetary Radar, em Porto Rico, e concluíram que o diâmetro do asteróide tem, afinal 5,8 quilómetros, cerca de um quilómetro acima do que os especialistas pensavam inicialmente.

“Estas novas observações mostram que o Phaethon pode ter uma forma similar ao Bennu. No entanto, dentro do Phaethon cabiam mil Bennus“, explica Patrick Taylor, um dos cientistas.

As novas imagem têm uma resolução suficientemente alta para converter 75 metros para um único pixel. Além disso, revelam também uma característica escura e circular perto de um dos pólos do asteróide.

Os investigadores acreditam que isso poderá ser uma cratera ou uma depressão na rocha o que impede que o raio do radar do Observatório reflicta de volta para a Terra. Uma outra depressão foi encontrada perto do equador.

Para ser qualificado como objecto potencialmente perigoso, as rochas espaciais têm que atingir um determinado tamanho e as suas órbitas têm que as levar suficientemente perto da Terra, mesmo que seja muito pouco provável que colidam com a Terra num futuro próximo.

Por outras palavras, o “potencialmente” tem tanto peso como o “perigoso”. Quer isso dizer que, para já, não há razão para pânico, especialmente com um objecto como o 3200 Phaethon que tem movimentos estáveis que podem ser previstos com centenas de anos de avanço.

ZAP // Science Alert

Por ZAP
29 Dezembro, 2017

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=c53689bb_1514544983406]

 

146: Asteróide de 5km vai passar a rasar a Terra antes do Natal

JPL-Caltech / NASA

Um asteróide com cerca de 5km de extensão vai passar “de raspão” na Terra no dia 16 de Dezembro. A NASA destaca que não há motivo para pânico.

O asteróide 3200 Phaeton vai passar a cerca de 10 milhões de quilómetros do nosso planeta. Segundo a BBC, a distância pode parecer grande, mas à escala astronómica é um fio de cabelo: apenas 26 vezes a distância do nosso planeta à lua.

De acordo com a NASA, não há motivo para alarme, dado que é extremamente improvável que a passagem do Phaeton cause qualquer tipo de dano ao planeta Terra.

Os cientistas estão convencidos de que o asteróide Phaeton é o responsável pela chuva de meteoros das Geminíadas, observada todos os anos nos dias 13 e 14 de Dezembro. 

Apesar de a órbita do Phaeton ser muito semelhante à dos meteoros das Geminíadas, as chuvas de meteoros são provocadas, geralmente, por cometas – o que não é o caso de Phaeton. A hipótese é de que o Phaeton esteja literalmente a partir-se aos poucos, fazendo com que apresente uma actividade muito idêntica à dos cometas.

A passagem do asteróide vai permitir observações precisas a partir dos observatórios de Arecibo, em Porto Rico, e Goldstone, na Califórnia. A agência especial afirma, em comunicado, que “as imagens serão excelentes para obter um modelo detalhado em 3D”.

A aparição deste ano será a mais próxima da Terra desde a descoberta do Phaeton, diz a NASA. A última passagem próxima da Terra ocorreu em 2007.

De acordo com os cálculos da NASA, o asteróide Phaeton irá voltar a aproximar-se da Terra em 2050 e, a 14 de Dezembro de 2093, passará apenas a 1,9 milhões de quilómetros do nosso planeta – o que não significa, porém, que seremos atingidos, garante a NASA.

Devido à sua trajectória, o asteróide é classificado pelos astrónomos como o terceiro maior Asteróide Possivelmente Danoso (PHA) identificado. Os outros dois são o asteróide 53319 1999 JM8, com cerca de 7 km de extensão, e o 4183 Cuno, cerca de 5,6 km.

ZAP //

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[yasr_visitor_votes size=”medium”]

[powr-hit-counter id=d36021e6_1511895734944]