4377: Terra vai ter em Dezembro uma estranha “mini lua” na sua órbita

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Este fenómeno não é estranho, embora desperte várias perguntas ainda por responder. Contudo, tal como no passado, no próximo mês de Dezembro, a Terra irá ter uma nova Lua. Não será um astro como o nosso satélite natural, que nos acompanha há milhões de anos, mas é um novo companheiro. Sim, vem na nossa direcção um “objecto”, mas que vai ter um comportamento diferente e é apelidado de mini-lua.

Será um asteróide? Poderá ser, mas não parece. Será algo extraterrestre? Também não tem tais características, parece ser algo mais “mundano”!

Será um cometa, um asteroide… será um extraterrestre?

Quando estes objectos são detectados, as contas são feitas numa grande velocidade para que se perceba qual será o seu caminho, ao passar pela nossa vizinhança. Embora seja um fenómeno mais ou menos compreendido pelo homem, na realidade só conseguimos confirmar duas destas mini-luas: 2006 RH120, que nos visitou em 2006 e 2007; e 2020 CD3, na órbita da Terra de 2018 a 2020.

A Terra tem uma nova pequena Lua, mas será por pouco tempo

A nossa Lua tem agora uma companhia. A força gravítica da Terra puxou para perto de si um asteróide. Os astrónomos no Catalina Sky Survey, no Arizona, avistaram no passado dia 15 de Fevereiro … Continue a ler A Terra tem uma nova pequena Lua, mas será por pouco tempo

Agora, os astrónomos detectaram um novo objecto, chamado 2020 SO. Este eventual astro tem uma trajectória de entrada que provavelmente fará com que a gravidade da Terra “capture” este objecto a partir do próximo mês de Outubro até maio de 2021.

Objecto que tem uma órbita caótica

As contas que se fizeram, aquelas muito rápidas, levaram a que as simulações mostrassem a trajectória do objecto. Segundo o professor de física e astrofísico Tony Dune, esta mini-lua “terá um caminho altamente caótico”. Portanto, o seu caminho terá que ser submetido a várias revisões enquanto estiver próximo. Nada é dado como totalmente certo.

Não será um asteróide a passar muito perto da Terra?

Segundo a classificação feita pela NASA, 2020 SO foi classificado como um asteróide do tipo Apolo, uma classe de asteróides cujo caminho atravessa a órbita da Terra. Conforme temos visto, estes corpos rodeiam frequentemente o nosso planeta, mas este tem especificamente algumas peculiaridades: a órbita é semelhante à Terra e a baixa velocidade de 2020 SO sugerem que não é realmente um asteróide.

Na verdade, as suas características, segundo os especialistas, são mais consistentes com algo criado pelo homem. Os objectos vindos da Lua também têm uma velocidade mais lenta do que os asteróides, mas este objecto é ainda mais lento.

É por isso que tudo aponta para que estejamos perante lixo espacial. Muito provavelmente será uma secção de um foguete Atlas-Centaur que lançou uma carga experimental chamada Surveyor 2 à Lua em Setembro de 1966, explicada pelo astrónomo Paul Chodas do JPL da NASA.

Esta explicação tem algum cabimento porque durante décadas uma espécie de foguetes com múltiplas fases (algo como peças “destacáveis”) foram usados à medida que a viagem progredia. A fase de reforço regressa à Terra e é reutilizada, mas o resto permanece no espaço. E há muitos destes objectos pelo espaço, além de que são muito fáceis de perder pelos radares humanos, o que explicaria que não tinha sido detectado antes.

Astrónomos apostam as fichas em como é uma secção de um foguete Atlas-Centaur

Conforme é explicado, o tamanho estimado do objecto 2020 SO corresponde ao tamanho de uma destas etapas do Centaur dos anos 60. De acordo com a base de dados CNEOS da NASA, o objecto mede entre 6,4 e 14 metros de comprimento (um Centauro mede 12,68 metros). Além disso, esta base de dados diz que este objecto provavelmente fará duas voltas perto da Terra. No dia 1 de Dezembro de 2020, passará a uma distância de cerca de 50.000 quilómetros. Por volta de 2 de Fevereiro de 2021, voará a 220.000 km.

Nem está perto o suficiente para entrar na atmosfera da Terra, por isso o objecto não representa nenhum perigo. Mas estas distâncias, particularmente a uma velocidade lenta, podem ser suficientes para estudá-lo mais de perto e determinar o que é o SO 2020.

Pplware
Autor: Vítor M.
23 Set 2020

 

spacenews

 

3470: Terra tem uma segunda Lua em órbita e é do tamanho de um automóvel

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

O novo satélite estará na órbita terrestre durante algum tempo, de forma temporária. Trata-se de um pequeno asteróide e é a segunda mini-Lua a ser descoberta.

Mini-Lua foi descoberta por cientistas do projecto Catalina Sky Survey, financiado pela NASA
© Catalina Sky Survey

A Terra tem uma segunda “mini-Lua”, um asteróide que é do tamanho de um automóvel e estará na órbita terrestre há três anos, revelam os astrónomos que descobriram este objecto. Não deve ficar por muito mais tempo: em Abril apontam os cientistas, deve sair da órbita.

Com aproximadamente 1,9 a 3,5 metros de diâmetro, o objecto foi observado na noite de 15 de Fevereiro pelos investigadores Kacper Wierzchos e Teddy Pruyne, do projeto Catalina Sky Survey (CSS), financiado pela NASA (a agência espacial americana), no estado do Arizona.

Grande Notícia. A Terra tem um novo objecto capturado temporariamente/Possível mini-Lua chamada 2020 CD3“, que pode ser um asteróide tipo C [com uma importante composição de carvão, muito escuro], tuitou Wierzchos na quarta-feira.

Kacper Wierzchos @WierzchosKacper

BIG NEWS (thread 1/3). Earth has a new temporarily captured object/Possible mini-moon called 2020 CD3. On the night of Feb. 15, my Catalina Sky Survey teammate Teddy Pruyne and I found a 20th magnitude object. Here are the discovery images.

O cientista disse que a informação é “importante”, porque “é apenas o segundo asteróide conhecido a orbitar a Terra, depois do 2006 RH120, também descoberto pelo CSS. A sua rota indica que entrou na órbita terrestre há três anos, acrescentou.

O centro de planetas menores do Observatório Astrofísico Smithsonian, que acumula informação sobre os objectos menores do sistema solar, disse que “nenhum vínculo com um objecto artificial foi encontrado”. Por outras palavras: trata-se, sem qualquer dúvida, de um asteróide capturado pela gravidade terrestre.

A dinâmica orbital “indica que este objecto está temporariamente ligado à Terra”.

Este novo vizinho terrestre não está numa órbita estável e é pouco provável que permaneça nessa posição por muito tempo.

“Está a afastar-se do sistema Terra-Lua, enquanto conversamos”, e deve sair em Abril, disse o investigador Grigori Fedorets, da Queen’s University, de Belfast, à revista “New Scientist“.

O único asteróide até agora conhecido a gravitar em torno da Terra, o 2006 RH120, esteve em órbita de Setembro de 2006 a Junho de 2007.

Diário de Notícias

DN/AFP
27 Fevereiro 2020 — 19:23

 

robotstargate@gmail.com