1360: Enorme asteróide vai aproximar-se da Terra pelo menos 62 vezes nos próximos 100 anos

CIÊNCIA

(CC0/PD) Bibbi228 / pixabay

Um enorme asteróide com 213 metros de diâmetros poderia atingir a Terra no próximo século, causando uma explosão devastadora, de acordo com um alerta recentemente divulgado pela agência espacial norte-americana.

De acordo com a NASA, esta rocha espacial, que viaja a 15 quilómetros por segundo e tem um comprimento equivalente a dois Big Ben, é conhecido como 2018 LF16 e foi observado pela primeira vez a 16 de Junho de 2017 pelo Sentry Sistem do Laboratório Jet Propulsion System (JPL), programado para rastrear possíveis riscos de impacto de asteróides.

Segundo os cálculos de Sentry, o impacto potencial mais próximo poderia ocorrer a 8 de Agosto de 2023. As outras datas apontadas para possíveis colisões seriam a 3 de Agosto de 2024 e 1 de Agosto de 2025. No total, há 62 trajectórias do 2018 LF16 previstas, podendo a rocha atingir a Terra até o ano 2117.

Tal como nota o Express, a coisa mais assustadora que poderia acontecer caso um asteróide deste tamanho atingisse a Terra seria a potência originada na colisão – 50 megatons, valor equivalente à explosão da bomba de hidrogénio soviética conhecida como a Bomba Zar, a arma nuclear mais poderosa até agora criada.

Contudo, importa frisar, as probabilidades de uma colisão do 2018 LF16 com a Terra são, felizmente, quase inexistentes. Na verdade, a percentagem exacta desta probabilidade é estimada em 0,0000033%, ou seja, a probabilidade é de um em 300 milhões, apontam os cálculos dos cientistas da NASA.

A tabela da NASA indica que o asteróide passará a cerca de 22.000 quilómetros da Terra, uma distância relativamente pequena – do ponto de vista astronómico -, mas não ao ponto de gerar alarme e levar-nos a abandonar o planeta.

Há vários asteróides que ameaçam a Terra e estima-se que um quarto destes ainda não tenha sido detectado. Por este mesmo motivo, e tal como tem vindo a alertar e a consciencializar o Asteroid Day, é necessário melhorar as nossas capacidades científicas para detectar estes objectos espaciais.

Em suma, e tal como sintetiza o IFL Science, o 2018 FL16 não não vai tirar-nos o sono. Não desconsiderando que é um asteróide de tamanho considerável que está a orbitar o sol, a Terra ficará, muito provavelmente, bem.

ZAP // RT / SputnikNews

Por ZAP
1 Dezembro, 2018

[vasaioqrcode]