3612: Big asteroid shows itself ahead of Earth flyby on April 29

SCIENCE/ASTRONOMY

We have nothing to fear from 1998 OR2.

The Arecibo Observatory captured this radar image of the big asteroid 1998 OR2 on April 18, 2020. 1998 OR2 will fly by Earth at a distance of 3.9 million miles (6.3 million kilometers) on April 29.
(Image: © Arecibo Observatory/NASA/NSF)

We’ve now got a good visual on the big space rock that’s going to fly by Earth next week.

On Saturday (April 18), the Arecibo Observatory in Puerto Rico captured a radar image of the asteroid 1998 OR2, which will zoom within 3.9 million miles (6.3 million kilometers) of our planet on April 29.

For perspective: The moon orbits Earth at an average distance of about 239,000 miles (385,000 km). So we have nothing to fear from asteroid 1998 OR2’s Earth flyby on April 29, scientists stress.

Related: Potentially dangerous asteroids (images)

Arecibo team members have been wearing masks in the workplace to help minimize the spread of the novel coronavirus, and they apparently see a bit of themselves in the approaching space rock.

“#TeamRadar and the @NAICobservatory staff are taking the proper safety measures as we continue observations. This week we have been observing near-Earth asteroid 1998 OR2, which looks like it’s wearing a mask! It’s at least 1.5 km across and is passing 16 lunar distances away!” team members tweeted on Saturday via the @AreciboRadar account. (@AreciboRadar is not an official Arecibo account. But @NAICobservatory is, and it retweeted the April 18 post.)

Arecibo Radar @AreciboRadar

#TeamRadar and the @NAICobservatory staff are taking the proper safety measures as we continue observations. This week we have been observing near-Earth asteroid 1998 OR2, which looks like it’s wearing a mask! It’s at least 1.5 km across and is passing 16 lunar distances away!

The Arecibo researchers aren’t the only ones keeping an eye on 1998 OR2. For example, Italian astrophysicist Gianluca Masi, who runs the online Virtual Telescope Project, has been tracking the asteroid as well.

And Masi will continue to do so. On April 28, in fact, he will host a live webcast about 1998 OR2 that will feature telescope views of the object.

Astronomers estimate that 1998 OR2 is between 1.1 and 2.5 miles (1.8 to 4.1 kilometers) wide — big enough that an impact could threaten human civilization. But, to repeat, there is nothing to fear here; the asteroid will miss us by a large margin on April 29.

Indeed, you should quell any general death-from-above fears that may be running rampant in your head. NASA has found and tracked the vast majority of giant near-Earth asteroids, and none of them pose a threat to Earth for the foreseeable future.

Mike Wall is the author of “” (Grand Central Publishing, 2018; illustrated by Karl Tate), a book about the search for alien life. Follow him on Twitter @michaeldwall. Follow us on Twitter @Spacedotcom or Facebook

livescience
By Mike Wall – Space.com Senior Writer
25/04/2020

 

spacenews

 

3585: Northolt Branch Observatories

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

1998 OR2

1998 OR2 is an Amor-type potentially hazardous asteroid with a diameter of 2000 – 4600 metres. It was first observed by NEAT, Haleakala on 24th July 1998. It makes a 'close' approach on the 29th April, at a distance of 0.0420 AU (6.3 million km) from Earth.We observed 1998 OR2 at magnitude +12.2, quite likely to be one of the brightest near-Earth asteroids that we will observe this year.During the days around its close approach 1998 OR2 is expected to become brighter than 11th magnitude. Whilst not visible to the naked eye, it will be easily observable through most telescopes!*A rapidly tumbling piece of debris, Titan 3C Transtage R/B (rocket body) can be seen passing through the animation. It was launched from the Air Force Eastern Test Range in July 1967*#SpotTheAsteroidNortholt Branch ObservatoriesAsteroid DayNEOShield-2Qhyccd

Publicado por Northolt Branch Observatories em Terça-feira, 21 de abril de 2020

 

1998 OR2 is an Amor-type potentially hazardous asteroid with a diameter of 2000 – 4600 metres. It was first observed by NEAT, Haleakala on 24th July 1998. It makes a ‘close’ approach on the 29th April, at a distance of 0.0420 AU (6.3 million km) from Earth.

We observed 1998 OR2 at magnitude +12.2, quite likely to be one of the brightest near-Earth asteroids that we will observe this year.

During the days around its close approach 1998 OR2 is expected to become brighter than 11th magnitude. Whilst not visible to the naked eye, it will be easily observable through most telescopes!

*A rapidly tumbling piece of debris, Titan 3C Transtage R/B (rocket body) can be seen passing through the animation. It was launched from the Air Force Eastern Test Range in July 1967*

#SpotTheAsteroid

Northolt Branch Observatories
Asteroid Day
NEOShield-2
Qhyccd

1998 OR2 é um asteróide do tipo Amor potencialmente perigoso com um diâmetro de 2000-4600 metros. Foi observado pela primeira vez pela NEAT, Haleakala em 24 de Julho de 1998. Ele faz uma abordagem “próxima” no dia 29 de Abril, a uma distância de 0.0420 UA (6.3 milhões de km) da Terra.

Observamos 1998 OR2 em magnitude + 12.2, muito provável que seja um dos asteróides mais brilhantes da Terra que iremos observar este ano.

Durante os dias em torno de sua aproximação estreita, espera-se que 1998 OR2 se torne mais brilhante do que a 11 ª magnitude. Embora não seja visível a olho nu, será facilmente observável através da maioria dos telescópios!

* Um pedaço de destroços rapidamente caindo, Titan 3 C Transstage R / B (corpo de foguete) pode ser visto passando pela animação. Foi lançado a partir do Gama de testes oriental da Força Aérea em Julho de 1967 *

#SpotTheAsteroid

Northolt Branch Observatories
Asteroid Day
NEOShield-2
Qhyccd

22/04/2020

 

spacenews

 

3510: Asteróide potencialmente perigoso para Terra é captado em vídeo

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Chama-se (52768) 1998 OR2, é um asteróide numa órbita excêntrica, classificado como objecto próximo da Terra potencialmente perigoso. Faz parte do grupo Amor, isto é, é um asteróide que tem uma órbita entre Marte e a Terra. Além disso, o seu tamanho é imponente, tem cerca de 4 quilómetros de diâmetro. Descoberto em 24 de Julho de 1998, vai passar “perto” do nosso planeta no próximo dia 29 de Abril.

Como já havíamos falado, a NASA classifica-o como potencialmente perigoso e os astrónomos procuram-no para conseguirem filmar o corpo celeste. Assim, o vídeo conseguido traz alguma informação sobre este viajante do espaço.

NASA calculou 32 anos de órbita do (52768) 1998 OR2

O portal Space.com apresenta um vídeo captado no passado dia 16 de Março pelo astrónomo Gianluca Masi. Conforme podemos ver, as imagens captaram o (52768) 1998 OR2 no céu nocturno, quando estava a cerca de 30 milhões de quilómetros da Terra.

Como poderão ver, as imagens mostram em primeiro lugar como as trajectórias do asteróide (52768) 1998 OR2 e a Terra se aproximam de forma tão acentuada. Em seguida, a imagem é filtrada pelo telescópio com recurso a uma média de 10 exposições separadas por 180 segundos, em que o asteróide aparece como um ponto branco entre um mar de pequenas luzes estelares.

Tendo em conta os cálculos feitos até ao ano 2197, este asteróide não contempla qualquer perigoso para a Terra. Isto é, se nunca sair da sua trajectória, pelo menos até aquela data nenhuma assimulação de passagem o coloca em colisão com o nosso planeta.

Asteróide de visita à Terra no final de Abril

Este asteróide viaja a uma velocidade de cerca de 31 mil km/h. Na sua passagem mais perto de nós, voará a cerca de  7 milhões de quilómetros, ou 0,05 unidade astronómica (UA), algo como 16 vezes a distância entre a Terra e a Lua. Sim, é bem distante, mas este é um monstro que, em caso de colisão, faria estragos incalculáveis.

23 Mar 2020
spacenews

2695: NASA vigia atentamente 5 asteróides que vão passar pela Terra

CIÊNCIA

Apesar de não haver nas contas da NASA nenhum asteróide em rota de colisão com a Terra nos próximos 100 anos, tudo pode mudar rapidamente. De facto, neste momento, há 5 asteróides que estão a ser vigiados de forma mais individual.

Segundo as informações, uma das 5 rochas que estão a caminho do nosso planeta é um corpo celeste grande. De tal forma que, se porventura estivesse em rota de colisão com o planeta, poderia destruir uma cidade inteira.

NASA vigia o caminho de 5 asteróides que passarão pela Terra

A NASA está a seguir um total de cinco asteróides que se dirigem agora para a Terra. Um dos asteróides que se aproxima é grande o suficiente para aniquilar uma grande área metropolitana. No entanto, estes não estão numa rota de colisão para tal cenário.

De acordo com o Center for Near Earth Object Studies (CNEOS) da NASA, o primeiro asteróide que se aproximará da Terra é chamado de 523934 (1998 FF14). A agência observou que o asteróide está a viajar actualmente a uma velocidade de cerca de 80 mil km/h. Contudo, este tem um diâmetro estimado de cerca de 430 metros, tornando-o significativamente maior do que a Torre Eiffel.

Asteróides que mesmo pequenos podem causar danos… se caíssem na Terra

Dado o enorme tamanho do asteróide, este poderia causar danos significativos se atingir a Terra. Ao contrário dos asteróides mais pequenos que normalmente explodem em pleno ar, o 523934 (1998 FF14) poderia muito provavelmente atravessar a nossa atmosfera e causar um evento de impacto maciço.

Se o asteróide atingir o planeta, pode criar uma cratera com cerca de alguns quilómetros de largura e nivelar uma área tão grande quanto uma cidade.

De acordo com o CNEOS, o asteróide aproximar-se-á da Terra amanhã, 24 de Setembro às 8:27 horas (hora de Lisboa). Durante este tempo, o asteróide estará a cerca de 0,02780 unidades astronómicas ou a aproximadamente 4.1 milhões de quilómetros de distância.

Pequenos mas muito velozes

A segunda rocha que passará pela Terra chama-se 2019 SW1. Move-se a uma velocidade perto dos 46 mil km/h e tem um diâmetro estimado de 21 metros. O CNEOS prevê que a 2019 SW1  passará pela Terra também a 24 de Setembro, pelas 11:52 horas (hora de Lisboa). Contudo, o asteróide estará a cerca de 0,00769 unidades astronómicas ou aproximadamente 1.1 milhões de quilómetros do centro da Terra. No fundo, estamos a falar em cerca de três vezes a distância entre o planeta e a Lua.

Posteriormente, chega o terceiro asteróide conhecido como 2019 QY3. Esta rocha viaja a uma velocidade de 30 mil km/h e possui um diâmetro estimado de 66 metros. De acordo com o CNEOS, o 2019 QY3 irá passar pela Terra no dia 26 de Setembro às 8:35 da manhã. A sua distância mais próxima à Terra durante a sua aproximação será de cerca de 5 milhões de quilómetros de distância.

O quarto asteróide, o 2017 KP27, viaja à velocidade estimada de cerca de 17 mil km/h. Segundo as informações do CNEOS, este asteróide tem cerca de 45 metros de comprimento e passará pelo nosso planeta no dia 26 de Setembro às 20:36. Durante este tempo, o asteróide estará a aproximadamente 1.6 milhões de quilómetros do centro do planeta.

Por fim, chega o 2006 QV89. Este asteróide voa a uma velocidade de cerca de 15 mil km/h. O organismos da NASA notou que este asteróide tem cerca de 52 metros de comprimento. Assim sendo, este passará já na madrugada do dia 27 de Setembro pelas 04:54.

NASA: Asteróide classificado como perigoso vai passar pela Terra no próximo ano

Chama-se 1998 OR2 e é um enorme asteróide que está actualmente numa trajectória para passar pelo nosso planeta. Contudo, este não é um asteróide qualquer. O astro tem órbita excêntrica, é classificado como objecto … Continue a ler NASA: Asteróide classificado como perigoso vai passar pela Terra no próximo ano

Pplware
Imagem: NASA
Fonte: Business Times

 

2460: NASA: Asteróide classificado como perigoso vai passar pela Terra no próximo ano

Chama-se 1998 OR2 e é um enorme asteróide que está actualmente numa trajectória para passar pelo nosso planeta. Contudo, este não é um asteróide qualquer. O astro tem órbita excêntrica, é classificado como objecto próximo da Terra e como asteróide potencialmente perigoso do grupo Apollo.

O 1998 OR2 foi descoberto no dia 24 de Julho de 1998. Quem o detectou foram astrónomos do programa NEAT no Observatório de Haleakala, no Havai. Contudo, este é um dos asteróides mais brilhantes e um dos mais perigosos que existe.

Asteróide  de 1998 OR2 é da classe dos mais perigosos que passam pela Terra

Os asteróides – corpos rochosos que vagueiam pelo no espaço – não evocam uma sensação particularmente positiva. Na verdade, cada vez se tem falado mais, após sabermos que não estamos a salvo dos impactos.

Assim, há cada vez mais olhos a vigiar o espaço e, segundo informações recentes, parece que há uma grande rocha prestes a passar por cá. Se entrar na nossa atmosfera, seguramente vai fazer muitos estragos.

Chama-se 1998 OR2, esta rocha está desde há muitos anos na mira da NASA. A agência projectou a sua órbita até ao ano 2197. Pela estimativa da rota, este astro nunca irá colidir com a Terra, a não ser que algo perturbe a sua rota.

NASA classifica como muito grande

O Centro de Estudos de Objectos Próximos à Terra (CNEOS) da NASA revelou que o asteróide 1998 OR2 tem um diâmetro estimado de 4 quilómetros e espera-se que passe pela Terra no dia 29 de Abril de 2020, às 15:26 horas de Portugal Continental.

No seu ponto mais próximo, o asteróide estará a uma distância de aproximadamente 0,04205 unidades astronómicas ou cerca de 6,3 milhões de quilómetros do centro do nosso planeta. Parece seguro, certo? Bem, o curso do asteróide pode ser alterado devido a alguns fenómenos e pode eventualmente colidir com a Terra.

Mas que fenómenos serão esses?

Em primeiro lugar existe o efeito Yarkovsky, que é conhecido por afectar o semieixo maior dos asteróides. Este fenómeno pode ser definido como a força consequente exercida sobre um corpo celeste devido a mudanças na temperatura. Entre as várias razões para esta alteração da temperatura, está a influência da radiação externa ou a gerada internamente.

Dessa forma, este tipo de alteração pode afectar a rotação do asteróide 1998 OR2 e, eventualmente, a sua órbita, fazendo com que este se vire para a Terra.

O segundo factor que poderia levar ao evento catastrófico de colisão de asteróides seria a perturbação da trajectória causada pela Fenda de ressonância gravitacional. Este último pode ser descrito como uma pequena região no espaço em torno de um planeta onde a gravidade do planeta pode alterar a órbita de um corpo celeste que transita por perto. Dessa forma, no caso de um asteróide, a gravidade poderá atrair para dentro da órbita do planeta, levando a uma colisão.

Que consequências resultariam de um impacto deste asteróide o planeta?

Há muitos dados apenas avançados com base em previsões, felizmente não temos registos que atestem a certeza dos factos. Contudo, além do dano tectónico causado pelo asteróide, o impacto também alteraria severamente as condições meteorológicas e atmosféricas do planeta.

17/08/2019