3728: Mínimo solar profundo. O Sol está muito calmo e os cientistas em alerta

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Pitris / Canva

Com um baixo número de manchas solares a surgir na superfície, o Sol entrou num período de calmaria incomum que colocou os cientistas em alerta.

O nível de actividade do Sol está tão baixo que alguns cientistas sugerem que podemos estar a aproximar-nos de um período profundo de actividade solar mínima e, potencialmente, de um grande mínimo. Segundo a Newsweek, o último episódio semelhante aconteceu no século XVII e coincidiu com uma curta era do gelo.

A nossa estrela tem um ciclo de 11 anos, causado pelo fortalecimento e enfraquecimento do campo magnético. Quando a actividade é mais alta – máximo solar – aparecem várias manchas na superfície do Sol. O último evento deste tipo aconteceu em 2014.

Por contraste, o mínimo solar é registado quando a actividade decai, fazendo com que apareçam menos manchas na superfície do Sol.

Em Abril, uma equipa de investigadores da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos previu que a chegada do mínimo solar seria muito semelhante com o último ciclo. Em comunicado, Lisa Upton afirmou que o próximo ciclo solar seria muito parecido com o anterior, com um máximo fraco e um “longo e profundo mínimo“.

A cientista acrescentou, no entanto, que não existiam indicações de que nos estaríamos a aproximar de um mínimo solar como o último grande mínimo registado – conhecido como Mínimo de Maunder.

O Mínimo de Maunder ocorreu entre 1650 e 1715, quando a actividade solar foi extremamente baixa. Este período de tempo é muitas vezes associado a um período de arrefecimento global, uma vez que as temperaturas eram cerca de um grau centígrado mais baixas em comparação com o começo da Revolução Industrial.

À Newsweek, Mathew Owens, professor de Física Espacial da Universidade de Reading, no Reino Unido, começou por explicar que entrar num mínimo solar não é algo incomum, mas o nível de actividade solar actual é fora do padrão.

“O Sol não tem apresentado manchas durante uma grande parte do ano, o que é mais calmo do que o comum”, descreveu o cientista.

O investigador espera que este período de “calmaria” do Sol termine em breve. “Com base nos ciclos solares anteriores, eu esperaria um aumento da actividade nos próximos meses. No entanto, o Sol pode sempre surpreender-nos.”

Crise de meia idade? O Sol está (muito) mais calmo do que as suas estrelas-irmãs

O nosso Sol está a comportar-se de uma forma estranha em comparação com os seus pares cósmicos. A estrela está…

ZAP //

Por ZAP
22 Maio, 2020

 

spacenews

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.