3621: Placas tectónicas podem ter começado a mover-se mais cedo do que se pensava

CIÊNCIA/GEOLOGIA

Jeff Schmaltz / NASA / Wikimedia
Vista do Craton de Pilbara a partir de um satélite

Nos dias que correm, pensa-se que as placas tectónicas começaram a mover-se há cerca de 2,8 mil milhões de anos. No entanto, ainda há quem não concorde com esta teoria e, agora, algumas das rochas mais antigas do planeta sugerem que podemos estar mais de 400 milhões de anos fora do alvo.

De acordo com o site Science Alert, investigadores da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, analisaram o magnetismo de rochas antigas da Austrália e afirmam que as placas tectónicas se moveram há pelo menos 3,2 mil milhões de anos.

Estamos a falar de uma porção do Craton de Pilbara (conhecido como Honeyeater Basalt), uma das fatias mais antigas da crosta antiga da Terra e que contém fósseis de alguns dos primeiros organismos do planeta.

Os dados da equipa revelam uma deriva latitudinal de 2,5 centímetros por ano. Ou, como escrevem no seu artigo, publicado na revista científica Science Advances, “uma velocidade comparável à das placas modernas”.

“É muito comparável às velocidades de movimento das placas que podemos ver a acontecer na Terra moderna”, declara o cientista de Harvard e um dos autores da pesquisa, Alec Brenner.

“É também o exemplo mais antigo que conhecemos no qual um pedaço da crosta terrestre flutuou longas distâncias sobre a superfície”, acrescenta.

Segundo o mesmo site, embora esteja claro que estas rochas experimentaram algum tipo de movimento horizontal, não se sabe ainda se essa mudança aconteceu devido a efeitos locais, à rotação do Craton de Pilbara como um todo, ou até à combinação de ambos.

Certo é que algo grande aconteceu e, se se trata de um movimento tectónico generalizado, isso poderá ter importantes repercussões para a formação de habitats e da vida na Terra. E isto também se poderia aplicar a outros planetas.

“Actualmente, a Terra é o único corpo planetário conhecido que estabeleceu tectónica de placas de qualquer tipo. Esperamos que isto nos dê uma ideia de como é fácil para as placas tectónicas acontecerem noutros mundos, especialmente considerando todas as ligações entre placas tectónicas, a evolução da vida e a estabilização do clima”, explica Brenner.

ZAP //

Por ZAP
30 Abril, 2020

 

spacenews

 

3620: A long-lost type of dark matter may resolve the biggest disagreement in physics

SCIENCE

This stuff would have existed for thousands of years before disappearing.

A map of the sky shows the Cosmic Microwave Background (CMB), a remnant of the period of the early universe when this lost dark matter might have existed.
(Image: © ESA and the Planck Collaboration)

One of the deepest mysteries in physics, known as the Hubble tension, could be explained by a long-since vanished form of dark matter.

The Hubble tension, as Live Science has previously reported, refers to a growing contradiction in physics: The universe is expanding, but different measurements produce different results for precisely how fast that is happening. Physicists explain the expansion rate with a number, known as the Hubble constant (H0). H0 describes an engine of sorts that’s driving things apart over vast distances across the universe. According to Hubble’s Law (where the constant originated), the farther away something is from us, the faster it’s moving.

And there are two main ways of calculating H0. You can study the stars and galaxies we can see, and directly measure how fast they’re moving away. Or you can study the cosmic microwave background (CMB), an afterglow of the Big Bang that fills the entire universe, and encodes key information about its expansion.

Related: The 11 Biggest Unanswered Questions About Dark Matter

As the tools for performing each of these measurements have gotten more precise, however, it’s become clear that CMB measurement and direct measurements of our local universe produce incompatible answers.

Researchers have offered different explanations for the disparity, from problems with the measurements themselves to the possibility we live in a low-density “bubble” within the larger universe. Now, a team of physicists is suggesting that the universe might have fundamentally changed between the time after the Big Bang and today. If an ancient form of dark matter decayed out of existence, that loss would have changed the mass of the universe; and with less mass, there would be less gravity holding the universe together, which would have impact the speed at which the universe expands — leading to the contradiction between the CMB and the direct measurements of the universe’s expansion rate.

A warm component

There was a time, decades ago, when physicists suspected dark matter might be “hot” — zipping around the universe at close to the speed of light, said Dan Hooper, head of the Theoretical Astrophysics Group at the Fermi National Accelerator Laboratory in Batavia, Illinois, and co-author of the new paper. But by the mid-1980s they were convinced that this unseen stuff that makes up most of the mass of the universe is likely slower-moving and “cold.” Physicists refer to the mostly widely-accepted model of the universe as Lambda-CDM, for “Cold Dark Matter.”

Still, Hooper told Live Science, the idea of “warm” dark matter — a form of dark matter that falls somewhere in between the hot and cold models — still gets some traction in the physics world. Some physicists speculate that dark matter is made of “sterile neutrinos,” for example, theoretical ghostly particles that barely interact with matter. This hypothetical dark matter would be much warmer than typical Lambda-CDM models allow, but not hot.

“Another possibility is that most of the dark matter is cold, but maybe some of it is warm. And in our paper, the stuff that’s warm isn’t even stuff that’s around today. It’s stuff that was created in the early universe and after thousands or tens of thousands of years it started to decay. It’s all gone by now,” Hooper said.

Related: 11 fascinating facts about our Milky Way galaxy

That lost dark matter’s mass would have represented a significant chunk of the total mass of the universe when it existed, leading to a different expansion rate when the CMB formed just after the Big Bang. Now, billions of years later, it would be long gone. And all the stars and galaxies we can measure would be moving away from us at speeds determined by the universe’s current mass.

“When you measure the local Hubble constant you’re really measuring that thing: You’re measuring how fast things are moving apart from one another, you’re measuring how fast space is expanding,” Hooper said. But translating the CMB data into an expansion rate requires using a model, such as the Lambda-CDM. “So if you get different measurements from the local measurements and the CMB measurement, maybe that model’s wrong.”

Local measurements — measurements of the region of space close enough to Earth for astronomers to precisely measure the speed and distance of individual objects — don’t require cosmological models to interpret, so they’re typically seen as more straightforward and robust.

Some researchers have still suggested there may be problems with our measurements of the local universe. But most attempts to resolve the Hubble tension involve tweaking Lambda-CDM somehow. Usually, they add something to the model that changes how the universe expands or evolves. This paper, Hooper said, is another step down that road.

“I’m not going to give the impression that it makes everything great,” he said. “It’s not a perfect concordance among the data by any means. But it makes the tension less severe — I don’t know of any solution to this, other than ‘the measurements are wrong,’ that reduces the tension [as much as you’d need to fully solve the problem].”

Dark Radiation

Hooper’s original proposal to his collaborators on the paper didn’t involve warm dark matter at all, he said. Instead, he imagined a second, lost form of cold dark matter. But when they started to test that idea, he said, they found that this extra cold dark matter was screwing up the whole structure of the universe. Stars and galaxies formed in ways that didn’t match what we see around us in the universe today. The decayed, lost form of dark matter, they concluded, had to be warm if it was going to fit observations.

The new paper doesn’t determine what particles the lost dark matter might be made of, but strongly suggests that warm dark matter might have been made up of sterile neutrinos — particles that other physicists also believe are likely out there.

“It’s definitely the thing that requires the fewest number of tooth fairies to make work,” Hooper said. “But other possibilities exist.”

Whatever it is though, it must have turned into something even more exotic and feebly interacting when it decayed. Matter can’t just stop existing; it has to transform into something else. If that something else were distributed differently through the universe, or interacted differently with other particles in the universe, that would change how the universe expanded.

“So we’d be surrounded in a bath of this dark radiation,” Hooper said. “We’re already surrounded in a bath of neutrinos so this would just be a little bit more of that kind of stuff. Some sort of bath that fills the universe today of very, very inert forms of matter.”

For now, researchers don’t have methods for probing the for this sort of hidden radiation, Hooper said, so the idea remains speculative. The paper was published to the arXiv database April 13.

Originally published on Live Science.
By Rafi Letzter – Staff Writer

 

spacenews

 

3618: O oceano está a passar por uma mudança como não se via há 10 mil anos

CIÊNCIA/GEOFÍSICA/CLIMA

(CC0/PD) Free-Photos / Pixabay

Mudanças na circulação oceânica podem ter causado uma mudança nos ecossistemas do Oceano Atlântico, não observada nos últimos 10.000 anos, revelou uma nova análise dos fósseis do fundo do mar.

Esta é a surpreendente conclusão de um novo estudo publicado, este mês, na revista Geophysical Research Letters.  O clima tem estado bastante estável nos últimos 12.000 anos desde o final da última Era Glacial, um período conhecido como Holoceno. Pensa-se que essa estabilidade é o que permitiu à civilização humana realmente avançar.

No oceano, as principais correntes também eram consideradas relativamente estáveis durante o Holoceno. Estas correntes possuem ciclos naturais, que afectam onde os organismos marinhos podem ser encontrados, incluindo plâncton, peixes, aves marinhas e baleias.

No entanto, as alterações climáticas no oceano estão a tornar-se aparentes. Os recifes de coral tropicais estão a ficar brancos, os oceanos a tornar-se mais ácidos à medida que absorvem carbono da atmosfera, e espécies como a cavala estão a mover-se em direcção aos pólos. Mas ainda parece haver uma visão predominante de que pouco aconteceu no oceano até agora. Nas nossas cabeças, os grandes impactos estão confinados para o futuro.

Para desafiar este ponto de vista, foi necessário procurar lugares onde os fósseis do fundo do mar não apenas cobriam a era industrial em detalhe, mas também onde se estendiam há milhares de anos. Os investigadores encontraram no fundo do mar, ao sul da Islândia, uma grande corrente marítima que faz com que os sedimentos se acumulem em grandes quantidades.

Para conseguir amostras dos fósseis, os cientistas recolheram núcleos do sedimento. O sedimento mais profundo contém os fósseis mais antigos, enquanto o sedimento de superfície contém fósseis que foram depositados nos últimos anos.

Uma das maneiras mais simples de descobrir como era o oceano no passado é contar as diferentes espécies de plâncton fóssil que podem ser encontradas em tais sedimentos. Diferentes espécies gostam de viver em diferentes condições.

Um estudo recente mostrou que as distribuições modernas de foraminíferos são diferentes do início da era industrial. As alterações climáticas já estão claramente a causar impacto.

Da mesma forma, a visão de que as correntes oceânicas modernas são como as dos últimos dois mil anos foi desafiada por um outro estudo de 2018, que mostrou que a circulação estava mais fraca nos últimos 1.500 anos.

Os efeitos da circulação incomum podem ser encontrados no Atlântico Norte. Logo ao sul da Islândia, uma redução no número de espécies de plâncton de água fria e um aumento no número de espécies de água quente mostram que as águas quentes substituíram as águas frias e ricas em nutrientes.

Mais a norte, outras evidências fósseis mostram que mais água quente está a chegar ao Árctico desde o Atlântico, provavelmente contribuindo para o derretimento do gelo do mar.

Mais a oeste, uma desaceleração na circulação significa que as águas não estão a aquecer tanto quanto seria de esperar, enquanto no extremo oeste, as quentes correntes do Golfo parecem estar deslocar-se para o norte, o que terá consequências profundas para importantes pescarias.

Ainda não sabemos o que causou estas transformações na circulação oceânica. Mas parece que o oceano é mais sensível às alterações climáticas modernas do que se pensava anteriormente, e teremos que nos adaptar.

Por ZAP
28 Abril, 2020

 

spacenews

 

3617: Cientistas resolvem o mistério da estranha rotação da atmosfera de Vénus

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

(CC0) GooKingSword / Pixabay

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas japoneses dá resposta ao mistério da estranha rotação da atmosfera de Vénus que gira muito mais rápido – cerca de 60 vezes – do que a superfície do planeta.

A superfície do segundo planeta do Sistema Solar, cujo tamanho e gravidade são semelhantes às da Terra, é difícil de explorar uma vez que os seus céus são completamente coberto por nuvens espessas de ácido sulfúrico.

A dificultar também esta situação está o clima tórrido do planeta, cujas temperaturas ronda os 460 graus Celsius, tal como recorda da Russia Today.

A superfície de Vénus demora 243 dias terrestres para completar um rotação em torno do seu eixo, ao passo que a sua atmosfera gira quase 60 vezes mais rápido do que a superfície, completando uma volta em torno do planeta a cada quatro dias.

Este fenómeno, que há há algum tempo intriga os cientistas, é conhecido como a super rotação atmosférica, sendo também observado na maior lua de Saturno, a exótica Titã.

Visando resolver este problema, a equipa de cientistas japoneses analisou imagens ultravioleta e dados infravermelho térmicos da sonda Akatsuki, que desde Dezembro de 2015 orbita Vénus. Com estes dados, os especialistas foram capazes de rastrear o movimento das nuvens do planeta, conseguindo também mapear os ventos deste mundo e perceber como é que o calor circula na atmosfera.

Estudos anteriores sugeriram que, para gerar este tipo de rotação, a atmosfera de Vénus deve ter momento angular (momentum angular ou quantidade de movimento angular) suficiente, isto é, a quantidade de momento que um determinado corpo tem graças à sua rotação, para superar o atrito com a superfície do planeta.

Agora, no novo estudo, cujos resultados foram recentemente publicados na revista científica Science, os cientistas detalha que a atmosfera de Vénus recebe o seu momento angular através das marés térmicas, que são variações na pressão atmosférica impulsionada pelo aquecimento solar próximo ao equador do planeta.

“Sugere-se que as marés térmicas podem estar a contribuir para a aceleração por detrás da super-rotação [de Vénus], mas acho que a principal suposição [para resolver o problema] era diferente. Por isso, foi uma surpresa“, disse o autor principal do estudo, Takeshi Horinouchi, cientista planetário da Universidade Hokkaido em Sapporo, no Japão, em declarações ao portal Space.com.

Vénus pode esconder um oceano subterrâneo de magma

Vénus pode esconder um mar de magma sob a superfície que poderia ajudar os cientistas a entender o passado profundo…

ZAP //

Por ZAP
29 Abril, 2020

 

spacenews

 

Black hole bends escaping light ‘like a boomerang’

SCIENCE/ASTRONOMY

Even light can’t resist the pull of these irresistible cosmic objects.

(Image: © ESO/L. Calçada)

Light escaping from a black hole may “boomerang” its way to freedom, new X-ray images reveal.

Researchers found this odd behavior while reviewing archival X-ray observations of a black hole that’s approximately 10 times as massive as our sun. Located about 17,000 light-years from Earth, the black hole siphons material from a partner star; together, the black hole and star are known as XTE J1550-564.

Things can get pretty weird around a black hole. These exceptionally dense cosmic objects exert such a powerful gravitational pull that even light can’t resist their attraction. And scientists recently found that light behaves even more strangely around a black hole than once thought. Light in a black hole’s accretion disk — a spiraling, flattened cloud of dust and gas that circles the edges of a black hole — can sometimes escape into space. But the departing light from the XTE J1550-564 black hole didn’t follow the predictable path. Instead of escaping directly from the disk, the light was instead pulled back toward the black hole and then reflected off the disk and away from the black hole “like a boomerang,” researchers reported in a new study.

Related: Stephen Hawking’s most far-out ideas about black holes

They modeled the black hole’s accretion disk and its corona — a lower-density gas zone very close to the black hole — using data captured by the Rossi X-ray Timing Explorer, a now-defunct NASA satellite mission that investigated black holes, neutron stars and other X-ray emitting objects between 1995 and 2012.

“Typically, what we study is light that comes from that gas” — the corona — “and it bounces off of this disk that’s spiraling toward the black hole,” said lead study author Riley Connors, a postdoctoral researcher in physics at the California Institute of Technology’s Cahill Center for Astronomy and Astrophysics in Pasadena, California.

Normally, the team studies light “coming from that corona and hitting the disk, bouncing off, and then arriving at our telescopes. That’s something we’ve been studying for a long time,” Connors told Live Science.

This time, however, some of the light bouncing off the black hole’s disk appeared to originate in the disk itself rather than in the corona; it was then dragged back toward the black hole before bouncing away.

“The thing that we found, that was predicted in the 1970s, is that you could see light that comes from the disk bent all the way back onto itself,” Connors said.

Light from different regions around the black hole has distinctive X-ray signatures that tell scientists where the light came from. When the study authors looked at the data for XTE J1550-564, they saw light that was reflected from the black hole but had emission “fingerprints” that didn’t quite match those in light that came from the corona, Connors said. The researchers then turned to computer models to explain the anomaly.

This illustration shows how some of the light coming from a disk around a black hole is bent back onto the disk itself due to the gravity of the black hole; the light is then reflected back off the disk. (Image credit: NASA/JPL-Caltech/R. Hurt (IPAC)/R. Connors (Caltech))

Putting a new spin on black holes

This discovery could help scientists confirm other elusive aspects of black holes, such as how fast they spin. Researchers already understand how an accretion disk around a black hole behaves. By adding this boomeranging light to their computer models, astrophysicists can then calculate a black hole’s rotation speed based on how much of the light is bending and bouncing back, Connors explained.

“It’s perhaps a more reliable way for us to measure how fast the black holes are spinning,” he said. ‘”

Though this phenomenon has been documented to date only in the XTE J1550-564 system, this is likely not the only black hole where light performs these unusual gymnastic feats, Connors said.

“We’re starting to look at data from other black holes; we have data from multiple X-ray satellites for dozens of these systems in our own galaxy,” he said. “We think that we should see this in many other sources.”

The findings were published online March 20 in The Astrophysical Journal.

Originally published on Live Science.
By Mindy Weisberger – Senior Writer
24/04/2020

 

spacenews

 

North Pole’s largest-ever ozone hole finally closes

SCIENCE/LARGEST OZONE HOLE

An unusually strong polar vortex kept the hole open for nearly a month — now, it’s finally shut again.

Ozone-rich air (red) floods the atmosphere over the North Pole on April 23, closing the single largest ozone hole ever detected in the Arctic.
(Image: © Copernicus Atmosphere Monitoring Service)

After looming above the Arctic for nearly a month, the single largest ozone hole ever detected over the North Pole has finally closed, researchers from the European Union’s Copernicus Atmosphere Monitoring Service (CAMS) reported.

“The unprecedented 2020 Northern Hemisphere ozone hole has come to an end,” CAMS researchers tweeted on April 23.

The hole in the ozone layer — a portion of Earth’s atmosphere that shields the planet from ultraviolet radiation — first opened over the Arctic in late March when unusual wind conditions trapped frigid air over the North Pole for several weeks in a row.

Those winds, known as a polar vortex, created a circular cage of cold air that led to the formation of high-altitude clouds in the region. The clouds mixed with man-made pollutants like chlorine and bromine, eating away at the surrounding ozone gas until a massive hole roughly three times the size of Greenland opened in the atmosphere, according to a statement from the European Space Agency (ESA).

Related: 16 times Antarctica revealed its awesomeness in 2019

While a large ozone hole opens every autumn over the South Pole, the conditions that allow these holes to form are much rarer in the Northern Hemisphere, the ESA researchers said. The Arctic ozone hole opened this year only because the cold air was concentrated in the area for much longer than is typical.

Copernicus ECMWF @CopernicusECMWF

The unprecedented 2020 northern hemisphere #OzoneHole has come to an end. The #PolarVortex split, allowing #ozone-rich air into the Arctic, closely matching last week’s forecast from the #CopernicusAtmosphere Monitoring Service.

More on the NH Ozone hole https://bit.ly/39JQRU8 

Late last week, that polar vortex “split,” the CAMS researchers said, creating a pathway for ozone-rich air to rush back into the area above the North Pole.

For now, there’s far too little data to say whether Arctic ozone holes like this one represent a new trend. “From my point of view, this is the first time you can speak about a real ozone hole in the Arctic,” Martin Dameris, an atmospheric scientist at the German Aerospace Center, told Nature.

Meanwhile, the annual Antarctic ozone hole, which has existed for roughly four decades, will remain a seasonal reality for the foreseeable future. Scientists are optimistic that the hole may be starting to close; a 2018 assessment by the World Meteorological Organization found that the southern ozone hole has been shrinking by about 1% to 3% per decade since 2000 — however, it likely won’t heal completely until at least 2050. Warmer Antarctic temperatures caused by global warming are partially responsible for the hole’s apparent shrinkage, but credit is also due to the Montreal Protocol, a global ban on ozone-depleting pollutants enacted in 1987.

Originally published on Live Science.
By Brandon Specktor – Senior Writer
27/04/2020

 

spacenews

 

‘UFO’ videos declassified by US Navy

UFO’S

Three videos show unidentified aircraft flying at hypersonic speeds

U.S. Navy videos of alleged UFO sightings were previously available but had not been officially declassified. (Image: © U.S. Navy)

Three videos of midair military interactions with UFOs, previously released without official permission by a UFO research group, were declassified and shared online today (April 27) by the U.S. Navy.

The footage, captured by U.S. Navy pilots years ago, shows mysterious, wingless aircraft traveling at hypersonic speeds, with no visible means of propulsion. UFO research group To the Stars Academy of Arts and Science published the clips in 2017 and 2018; at the time, those videos were allegedly declassified, Live Science previously reported. However, in September 2019, Joseph Gradisher, a spokesperson for the Deputy Chief of Naval Operations for Information Warfare said that the footage had not been cleared for official release.

Today, the three clips — “FLIR,” “GOFAST” and “GIMBAL” — appeared for the first time on the Naval Air Systems Command website, available to download through the Freedom of Information Act.

Related: Flying saucers to mind control: 22 declassified military & CIA secrets

In releasing the videos, the U.S. Navy officially acknowledges that its pilots encountered so-called unidentified aerial phenomena, according to the military news website Military.com.

The three sightings, which took place in November 2004 and in January 2015, were recorded by F/A-18 Hornet fighter pilots during military training exercises in restricted airspace. Unlike fighter jets, the airborne enigmas had “no distinct wing, no distinct tail, no distinct exhaust plume,” Navy pilot Lt. Danny Accoin said in the 2019 History Channel documentary series “Unidentified: Inside America’s UFO Investigation.”

Department of Defense officials decided to release the videos after determining that the footage “does not reveal any sensitive capabilities or systems, and does not impinge on any subsequent investigations of military air space incursions by unidentified aerial phenomena,” Pentagon spokesperson Sue Gough said in a statement.

To the Stars Academy, founded by former Blink-182 singer Tom DeLonge, shared the Flir and Gimbal clips in December 2017, and shared GoFast in March 2018. Though a video description claimed that all three clips had “been through the official declassification review process of the United States government and approved for public release,” the footage had not been properly declassified and should not have been shared publicly, Gradisher said in 2019.

There is as yet no explanation or identification — official or not — for the mysterious aircraft that the pilots recorded.

Originally published on Live Science.
By Mindy Weisberger – Senior Writer

 

spacenews

 

3613: Big asteroid shows itself ahead of Earth flyby on April 29

SCIENCE/ASTRONOMY

We have nothing to fear from 1998 OR2.

The Arecibo Observatory captured this radar image of the big asteroid 1998 OR2 on April 18, 2020. 1998 OR2 will fly by Earth at a distance of 3.9 million miles (6.3 million kilometers) on April 29.
(Image: © Arecibo Observatory/NASA/NSF)

We’ve now got a good visual on the big space rock that’s going to fly by Earth next week.

On Saturday (April 18), the Arecibo Observatory in Puerto Rico captured a radar image of the asteroid 1998 OR2, which will zoom within 3.9 million miles (6.3 million kilometers) of our planet on April 29.

For perspective: The moon orbits Earth at an average distance of about 239,000 miles (385,000 km). So we have nothing to fear from asteroid 1998 OR2’s Earth flyby on April 29, scientists stress.

Related: Potentially dangerous asteroids (images)

Arecibo team members have been wearing masks in the workplace to help minimize the spread of the novel coronavirus, and they apparently see a bit of themselves in the approaching space rock.

“#TeamRadar and the @NAICobservatory staff are taking the proper safety measures as we continue observations. This week we have been observing near-Earth asteroid 1998 OR2, which looks like it’s wearing a mask! It’s at least 1.5 km across and is passing 16 lunar distances away!” team members tweeted on Saturday via the @AreciboRadar account. (@AreciboRadar is not an official Arecibo account. But @NAICobservatory is, and it retweeted the April 18 post.)

Arecibo Radar @AreciboRadar

#TeamRadar and the @NAICobservatory staff are taking the proper safety measures as we continue observations. This week we have been observing near-Earth asteroid 1998 OR2, which looks like it’s wearing a mask! It’s at least 1.5 km across and is passing 16 lunar distances away!

The Arecibo researchers aren’t the only ones keeping an eye on 1998 OR2. For example, Italian astrophysicist Gianluca Masi, who runs the online Virtual Telescope Project, has been tracking the asteroid as well.

And Masi will continue to do so. On April 28, in fact, he will host a live webcast about 1998 OR2 that will feature telescope views of the object.

Astronomers estimate that 1998 OR2 is between 1.1 and 2.5 miles (1.8 to 4.1 kilometers) wide — big enough that an impact could threaten human civilization. But, to repeat, there is nothing to fear here; the asteroid will miss us by a large margin on April 29.

Indeed, you should quell any general death-from-above fears that may be running rampant in your head. NASA has found and tracked the vast majority of giant near-Earth asteroids, and none of them pose a threat to Earth for the foreseeable future.

Mike Wall is the author of “” (Grand Central Publishing, 2018; illustrated by Karl Tate), a book about the search for alien life. Follow him on Twitter @michaeldwall. Follow us on Twitter @Spacedotcom or Facebook

livescience
By Mike Wall – Space.com Senior Writer
25/04/2020

 

spacenews

 

3612: Novo estudo refere que a cratera Jezero em Marte pode abrigar sinais de vida

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

A NASA continua a palmilhar a superfície de Marte na expectativa de conhecer os pontos fundamentais para a chegada do novo veículo ao solo marciano. Nesse sentido, uma nova análise de imagens de satélite sustenta a hipótese de que a cratera de Jezero no planeta vermelho poderá ser um bom lugar para procurar marcadores de vida.

Conforme já foi veiculado pela agência espacial, a sonda Perseverance da NASA, cujo lançamento está previsto para Julho de 2020, aterrará na cratera de Jezero.

Rios de Marte deixaram marcas fortes na paisagem

As faixas ondulantes de terra visíveis do espaço revelam rios que outrora percorriam a superfície marciana. Contudo, fica a questão que poderá ser importante, no estudo do planeta: durante quanto tempo é que a água correu?

Segundo um novo estudo, esta água correu no leito tempo suficiente para registar evidências de vida antiga no planeta.

Quando os investigadores modelaram o tempo que levou a formar as camadas de sedimentos num delta de um rio antigo depositados à medida que este descia para a cratera, concluíram que se a vida tivesse existido perto da superfície marciana, poderiam ter sido capturados vestígios dela dentro das camadas do delta.

Provavelmente houve água durante uma duração significativa em Marte e esse ambiente era certamente habitável, mesmo que pudesse ter sido árido.

Mostrámos que os sedimentos eram depositados rapidamente e que se houvesse orgânicos, teriam sido enterrados rapidamente, o que significa que provavelmente teriam sido preservados e protegidos.

Referiu o autor principal Mathieu Lapôtre, professor assistente de ciências geológicas na Universidade de Stanford.

Formação da cratera Jezero

A NASA seleccionou a cratera Jezero para a sua próxima missão rover, em parte, porque o local contém um delta do rio. Os investigadores sabem que os deltas do rio na Terra preservam eficazmente as moléculas orgânicas associadas à vida.

Mas sem uma compreensão das taxas e durações dos eventos de construção do delta, a analogia continuou a ser especulativa. Assim, a nova investigação na AGU Advances oferece orientações para a recuperação de amostras, a fim de compreender melhor o antigo clima marciano e a duração da formação do delta. O Rover Perseverance to Mars da NASA, que será lançado como parte da primeira missão de retorno de amostras de Marte, irá inicialmente estudar essa área.

O estudo incorpora uma descoberta recente que os investigadores fizeram sobre a Terra: rios sinuosos de rosca única, que não têm plantas a crescer sobre as suas margens, movem-se de lado cerca de 10 vezes mais depressa do que os que têm vegetação.

Com base na força da gravidade de Marte, e assumindo que o planeta vermelho não tinha plantas, os cientistas estimam que o delta na cratera de Jezero levou pelo menos 20 a 40 anos para se formar. No entanto, a formação era provavelmente descontínua e originou que esse processo durasse cerca de 400.000 anos.

Isto é útil porque um dos grandes desconhecidos de Marte é o tempo. Encontrando uma forma de calcular a taxa para o processo, podemos começar a ganhar esta dimensão de tempo.

Referiu Lapôtre.

Uma vez que os rios de um só fio e serpenteantes são mais frequentemente encontrados com vegetação na Terra, a sua ocorrência sem plantas permaneceu, em grande parte, indetectável até há pouco tempo. Pensava-se que antes do aparecimento das plantas, só existiam rios entrançados, compostos por múltiplos canais entrelaçados.

Evolução da vida na Terra

Agora que os investigadores sabem que o devem procurar, encontraram rios serpenteantes na Terra onde não há plantas, como no McLeod Springs Wash, na bacia do Toiyabe, no Nevada.

Os investigadores estimaram também que os períodos húmidos conducentes a uma acumulação significativa de deltas eram cerca de 20 vezes menos frequentes em Marte antigo do que são actualmente na Terra.

Segundo os cientistas, as descobertas da cratera de Jezero poderiam ajudar a compreensão de como a vida evoluiu na Terra. Se a vida já existiu lá, é provável que não tenha evoluído para além da fase de célula única. Isso porque a cratera de Jezero formou-se há mais de 3,5 mil milhões de anos, muito antes dos organismos na Terra se terem tornado multi-celulares.

Se a vida existiu uma vez na superfície, algum evento desconhecido que esterilizou o planeta parou a sua evolução. Isso significa que a cratera marciana poderia servir como uma espécie de cápsula do tempo preservando sinais de vida como poderia ter existido em tempos na Terra.

Poder usar outro planeta como uma experiência de laboratório para saber como a vida poderia ter começado noutro lugar ou onde há um registo melhor de como a vida começou – isso poderia realmente ensinar-nos muito sobre o que é a vida. Estas serão as primeiras amostras que vimos como uma rocha em Marte e depois trazidas de volta à Terra, por isso é bastante excitante.

Concluiu Lapôtre.

Marte é, a seguir à Terra, o planeta que o ser humano mais conhece, contudo, ainda sabe muito pouco. Descobrir os segredos do solo marciano poderá ajudar a descobrir o início da vida terrena.

Pplware
27 Abr 2020

 

spacenews

 

3611: Northolt Branch Observatories

Near-Earth asteroids 2020 HP6 and 2020 HW6

2020 HP6 is a small Apollo-type asteroid with a diameter of 7-16 metres. It was first observed by Pan-STARRS 1, Haleakala on 22nd April. 2020 HP6 made a close approach yesterday. April 27th, at a distance of 0.00084 (125,000km) from the Earth.

2020 HP6 is fading rapidly and is already fainter than +25.0 mag

Ver mais

Asteróides perto da Terra 2020 HP6 e 2020 HW6

2020 HP6 é um asteróide do tipo Apollo com um diâmetro de 7-16 metros. Foi observado pela primeira vez por Pan-STARRS 1, Haleakala no dia 22 de Abril. 2020 HP6 fez uma abordagem estreita ontem. 27 de Abril, a uma distância de 0.00084 (125,000 km) da Terra.

2020 HP6 está a desaparecer rapidamente e já está mais fraco do que + 25.0 Mag
_________________________________________________________

2020 HW6 é um asteroide tipo Apollo com um diâmetro de 19-42 metros. Foi observado pela primeira vez pela Montanha Palomar — ZTF no dia 25 de Abril. 2020 HW6 fez um close no dia 26 de Abril, a uma distância de 0.0056 (837,000 km) da Terra.

2020 HW6 actualmente é observável em + 17.0 mag e desaparecendo

Northolt Branch Observatories
Asteroid Day
NEOShield-2
Qhyccd

 

spacenews

 

3610: Rede de satélites Starlink começará os testes beta ainda este ano

TECNOLOGIA/ESPAÇO

oninnovation / Flickr

O CEO da Space X, Elon Musk, anunciou esta semana que os testes beta à rede de satélites Starlink, que pretende dotar com Internet regiões mais isoladas e rurais do mundo, começarão ainda no decorrer deste ano.

De acordo com o CNet, que cita o empresário, o projecto de rede de banda larga global começará os seus testes beta privados dentro de três meses, avançado três meses depois para os testes beta públicos, que deverão ocorrer a norte.

Numa resposta a um utilizador do Twitter, Elon Musk, que é também CEO da Tesla, disse que a Alemanha se encontra suficientemente a norte, o que poderá significar que grande parte do norte da Europa e do Canadá serão elegíveis para testar o serviço.

Esta quarta-feira, e empresa lançou o sétimo lote com mais 60 mini-satélites para órbita. Ao todo, a constelação conta agora com 420 destes dispositivos.

A iniciativa pretende colocar 42.000 satélites em órbita para fazer chegar Internet a todos os cantos do mundo. “A Starlink oferecerá Internet de banda larga de alta velocidade para locais onde o acesso não é confiável, caro ou está completamente indisponível“, escreveu a empresa de Musk no Twitter a 22 de Abril.

De acordo com o portal TechCrunch, a Space X está também a trabalhar para resolver o problema do brilho excessivo dos satélites. Esta informação surge depois de vários astrónomos e outros especialistas acusarem Musk de “poluir” os céus, defendendo que as observações astronómicas estavam a ser colocadas em causa.

Rússia diz que a Starlink de Musk está a arruinar as fotografias espaciais (e vai fazer queixa à ONU)

A Academia de Ciências da Rússia vai fazer queixa junto das Nações Unidas sobre a constelação de satélites de Elon…

ZAP //

Por ZAP
27 Abril, 2020

 

spacenews

 

3609: O Sistema Solar “roubou” asteróides ao espaço interestelar (e escondeu-os perto de Júpiter)

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

JPL-Caltech / NASA

O Oumuamua, asteróide interestelar detectado no Sistema Solar em 2017, pode não ter sido o único a passar por nós. Um novo estudo revelou que há vários asteróides interestelares no Sistema Solar há muito tempo.

Uma equipa de investigadores identificou, pela forma como se movem em redor do Sol, 19 asteróides que terão sido capturados de outra estrela quando o Sistema Solar tinha apenas alguns milhões de anos. Os astrónomos acreditam que, na altura, o Sol fazia parte de um berçário estelar, um aglomerado de estrelas a nascer próximas da mesma nuvem de gás e poeira.

“A proximidade das estrelas significava que sentiam a gravidade um do outro muito mais fortemente do que hoje”, explicou Fathi Namouni, astrónomo e cosmólogo do Observatoire de la Côte d’Azur, em França, em comunicado. “Isto permitiu que os asteróides fossem puxados de um sistema estelar para outro”.

Fathi e a sua colega Helena Morais, da Universidade Estadual Paulista, no Brasil, encontraram o seu primeiro residente interestelar permanente em 2018, enquanto investigavam um grupo de asteróides chamados Centauros, que ficam entre Júpiter e Neptuno, e geralmente têm órbitas estranhas.

Um asteróide chamado 2015 BZ509 estava numa órbita mais estranha do que a maioria – exactamente a mesmo que Júpiter, mas na direcção oposta. Se fosse nativo do Sistema Solar, deveria estar a viajar na mesma direcção.

Os investigadores descobriram que a origem mais provável do asteróide era o espaço interestelar que teria sido capturado no Sistema Solar há 4,5 mil milhões de anos.

Neste novo estudo, a equipa examinou Centauros e objectos transnetunianos com alta inclinação orbital em relação ao plano orbital dos planetas. Como o 2015 BZ509, alguns desses objectos também têm órbitas retrógradas.

“Com excentricidades moderadas a altas, as órbitas dos Centauros podem ser inclinadas em alguns graus em relação ao plano invariável do Sistema Solar para quase 180°, resultando num movimento retrógrado”, segundo os investigadores. “As suas características orbitais costumam ser tomadas como um sinal do seu passado violento no Sistema Solar, uma noção reforçada pela sua chamada instabilidade. Se uma órbita do Centauro for integrada para frente ou para trás no tempo, invariavelmente atingirá o Sol, planetas ou será ejectado do Sistema Solar”.

O estudo incluiu 17 Centauros com inclinações orbitais superiores a 60º e dois objectos transnetunianos. Os cientistas usaram as órbitas conhecidas desses objectos para criar vários clones de cada um para simular as suas órbitas no tempo. Nesse momento, tudo no Sistema Solar estava num disco plano ao redor do Sol. Tudo deveria estar a orbitar em torno do mesmo plano e na mesma direcção.

De acordo com as simulações, os 19 asteróides não faziam parte do disco arrumado. A maioria dos clones acabou por colidir com o Sol ou por ser expulsa do Sistema Solar. No entanto, como os asteróides ainda estão no Sistema Solar, devem ter superado as probabilidades.

A probabilidade de os asteróides serem capturados pela gravidade do Sol de fora do Sistema Solar é maior do que a probabilidade de nascerem no Sistema Solar.

O estudo futuro destas rochas pode ajudar a validar as descobertas da equipa. A partir daí, poderiam ajudar a identificar mais intrusos interestelares, o que, por sua vez, poderia ajudar a aprender mais sobre a formação do Sistema Solar, bem como de outros sistemas planetários.

O estudo foi publicado este mês na revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

ZAP //

Por ZAP
28 Abril, 2020

 

spacenews

 

3608: Hubble capta galáxia espiral (cercada por um segundo par de braços espirais)

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

NASA / ESA / Hubble / J. Greene
Galáxia NGC 2273

O Telescópio Hubble capturou a imagem incomum de uma galáxia espiral, na qual os braços espirais contêm um segundo par.

O Telescópio Espacial Hubble continua a revelar-nos segredos impressionantes do Universo. O mais recente é uma imagem peculiar da galáxia NGC 2273, uma galáxia espiral semelhante à Via Láctea que contém um segundo par de braços espirais.

À semelhança de um quasar, o núcleo muito activo da NGC 2273 é alimentado por um buraco negro super-massivo. Isso faz com que a região central da galáxia brilhe em vários comprimentos de onda, ao ponto de ofuscar todas as outras estrelas.

Aliás, foi o seu brilho fora do comum que permitiu a sua detecção, no final do século XIX, apesar de estar a 95 milhões de anos-luz de distância, revela o Universe Today.

À primeira vista, a NGC 2273 parece uma galáxia espiral comum, com dois braços giratórios que se estendem a partir de uma barra central composta por estrelas densamente compactadas, gás e poeira.

No entanto, estes braços escondem um segundo par de braços em espiral, o que faz desta galáxia uma estrutura com múltiplas conexões, composta por anéis internos e um conjunto de “pseudoanéis” externos.

Esta característica é muito peculiar. De acordo com a teoria predominante da formação e evolução das galáxias, os anéis são criados quando os braços espirais de uma galáxia dão voltas ao redor do centro galáctico e parecem ficar “aninhados”, perto um do outro.

Os astrónomos acreditam que os “pseudoanéis” de NGC 2273 se formaram graças a dois conjuntos de braços em espiral que se uniram e o anel interno por duas estruturas em arco mais próximas ao centro galáctico.

A NASA estima que o Hubble continuará a orbitar a Terra até 2030 ou 2040. Até lá, podem surgir mais surpresas impressionantes como esta.

ZAP //

Por ZAP
28 Abril, 2020

 

spacenews

 

3607: Estrela sobrevive quase-encontro com buraco negro gigante

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Ilustração do buraco negro e da anã branca.
Crédito: raios-X – NASA/CXO/CSIC-INTA/G.Miniutti et al.; Ilustração – NASA/CXC/M. Weiss

Os astrónomos podem ter descoberto um novo tipo de história de sobrevivência: uma estrela que teve um encontro próximo com um buraco negro gigante e sobreviveu para contar a narrativa através de emissões de raios-X.

Dados do Observatório de raios-X da NASA e do XMM-Newton da ESA descobriram a história que começou com uma gigante vermelha que passou demasiado perto de um buraco negro super-massivo numa galáxia a cerca de 250 milhões de anos-luz da Terra. O buraco negro, localizado numa galáxia chamada GSN 069, tem uma massa de cerca de 400.000 vezes a do Sol, colocando-o na extremidade inferior da gama dos buracos negros super-massivos.

Assim que a gigante vermelha foi capturada pela gravidade do buraco negro, as camadas externas da estrela contendo hidrogénio foram arrancadas e levadas para o buraco negro, deixando o núcleo da estrela – conhecido como anã branca – para trás.

“Na minha interpretação dos dados de raios-X, a anã branca sobreviveu, mas não escapou,” disse Andrew King, da Universidade de Leicester, Reino Unido, que realizou este estudo. “Agora está presa numa órbita elíptica em torno do buraco negro, completando uma viagem aproximadamente a cada nove horas.”

À medida que a anã branca faz quase três órbitas por cada dia terrestre, o buraco negro retira material na sua maior aproximação (a não mais do que 15 vezes o raio do horizonte de eventos – o ponto de não retorno – do buraco negro). O detrito estelar entra num disco em redor do buraco negro e liberta um surto de raios-X que o Chandra e o XMM-Newton podem detectar. Além disso, King prevê que ondas gravitacionais serão emitidas pelo par constituído pelo buraco negro e pela anã branca, especialmente no seu ponto mais próximo.

Qual será o futuro da estrela e da sua órbita? O efeito combinado das ondas gravitacionais e uma mudança no tamanho da estrela à medida que perde massa deverá fazer com que a órbita se torne mais circular e cresça em tamanho. O ritmo de perda de massa diminui constantemente, assim como a distância da anã branca ao buraco negro aumenta.

“Vai esforçar-se para fugir, mas não há escapatória. O buraco negro vai devorar a anã branca cada vez mais lentamente, mas nunca parará,” disse King. “Em princípio, esta perda de massa vai continuar até e mesmo depois da anã branca desvanecer até à massa de Júpiter, daqui a um bilião de anos. Esta seria uma maneira notavelmente lenta e complicada do Universo formar um planeta!”

Os astrónomos encontraram muitas estrelas que foram completamente destruídas por encontros com buracos negros (os chamados eventos de perturbação de maré), mas há muito poucos casos relatados de “quase-encontros”, onde a estrela provavelmente sobreviveu.

Encontros próximos como este devem ser mais comuns do que colisões directas, dadas as estatísticas dos padrões de tráfego cósmico, mas podem ser facilmente não observados por várias razões. Primeiro, uma estrela sobrevivente mais massiva pode demorar demasiado tempo a concluir uma órbita em torno do buraco negro para os astrónomos observem surtos repetidos. Outra questão é que os buracos negros super-massivos que são muito mais massivos do que o situado na galáxia GSN 069 podem engolir directamente uma estrela, em vez desta cair para órbitas onde perde massa periodicamente. Nestes casos, os astrónomos nada observariam.

“Em termos astronómicos, este evento só é visível através dos nossos telescópios actuais por um curto período de tempo – cerca de 2000 anos,” disse King. “De modo que a menos que tenhamos uma sorte extraordinária de ter capturado este evento, podem haver muito mais que estejamos a perder. Tais encontros podem ser uma das principais maneiras dos buracos negros do tamanho do buraco negro de GSN 069 crescerem.”

King prevê que a anã branca tem uma massa de apenas dois-décimos da massa do Sol. Se a anã branca era o núcleo da gigante vermelha que foi completamente despojada do seu hidrogénio, deverá ser rica em hélio. O hélio teria sido criado pela fusão de átomos de hidrogénio durante a evolução da gigante vermelha.

“É incrível pensar que a órbita, a massa e a composição de uma pequena estrela a 250 milhões de anos-luz de distância podem ser inferidas,” disse King.

King fez uma previsão com base no seu cenário. Dado que a anã branca está tão perto do buraco negro, os efeitos da Teoria da Relatividade Geral significam que a direcção do eixo da órbita deve oscilar, ou “precessar”. Esta oscilação deve repetir-se a cada dois dias e pode ser detectável com observações suficientemente longas.

O artigo que descreve estes resultados foi publicado na edição de Março de 2020 da revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society e está disponível online.

Astronomia On-line
28 de Abril de 2020

 

spacenews

 

3606: Instrumento EXPRES olha para os céus de um planeta distante e abrasador

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

O planeta MASCARA-2 b, um gigante gasoso parecido com Júpiter a aproximadamente 457 anos-luz da Terra.
Crédito: Sam Cabot

Uma nova tecnologia está a dar aos astrónomos uma visão mais detalhada da atmosfera de um planeta distante, onde o ar é tão quente que vaporiza metais.

O planeta, MASCARA-2 b, fica a 140 parsecs da Terra (aproximadamente 457 anos-luz). É um gigante gasoso, como Júpiter. No entanto, a sua órbita fica 100 vezes mais próximo da sua estrela do que a órbita de Júpiter está do nosso Sol.

A atmosfera de MASCARA-2 b atinge temperaturas superiores a 1720º C, colocando-o no extremo de uma classe de planetas conhecidos como Júpiteres quentes. Os astrónomos estão profundamente interessados em Júpiteres quentes, porque a sua existência era desconhecida até há 25 anos atrás e porque podem fornecer informações sobre a formação de sistemas planetários.

“Os Júpiteres quentes são os melhores laboratórios para o desenvolvimento de técnicas de análise que um dia serão usadas para procurar bio-assinaturas em mundos potencialmente habitáveis,” disse Debra Fischer, astrónoma de Yale e co-autora de um novo estudo aceite para publicação na revista Astronomy & Astrophysics.

Fischer é a força orientadora por trás do instrumento que tornou possível a descoberta: o EXPRES (Extreme PREcision Spectrometer), construído em Yale e instalado no Telescópio Lowell Discovery de 4,3 metros perto de Flagstaff, no estado norte-americano do Arizona.

A missão principal do EXPRES é encontrar planetas semelhantes à Terra com base na leve influência gravitacional que têm nas suas estrelas. Os investigadores disseram que esta precisão também é útil na observação de detalhes atmosféricos de planetas distantes.

À medida que MASCARA-2 b atravessa a linha de visão directa entre a sua estrela hospedeira e a Terra, elementos na atmosfera do planeta absorvem a luz da estrela em comprimentos de onda específicos – deixando uma “impressão digital” química. O EXPRES é capaz de captar essas impressões digitais.

Usando o EXPRES, os astrónomos de Yale e colegas do Observatório de Genebra e da Universidade de Berna na Suíça, bem como da Universidade Técnica da Dinamarca, encontraram ferro gasoso, magnésio e crómio na atmosfera de MASCARA-2 b.

“As assinaturas atmosféricas são muito fracas e difíceis de detectar,” disse o co-autor Sam Cabot, estudante de astronomia em Yale e líder da análise de dados do estudo. “Por acaso, o EXPRES detém esta capacidade, pois precisamos de instrumentos de alta fidelidade para encontrar planetas para lá do nosso próprio Sistema Solar.”

O autor principal do estudo, o astrónomo Jens Hoeijmakers do Observatório de Genebra, disse que o EXPRES também encontrou evidências de química diferente entre o lado diurno e nocturno de MASCARA-2 b.

“Estas detecções químicas podem não apenas ensinar-nos sobre a composição elementar da atmosfera, mas também sobre a eficiência dos padrões de circulação atmosférica,” disse Hoeijmakers.

Juntamente com outros espectrómetros avançados, como o ESPRESSO, construído por astrónomos suíços no Chile, o EXPRES deverá recolher muitos novos dados que podem avançar drasticamente a busca por exoplanetas – planetas que orbitam estrelas que não o nosso próprio Sol.

“A detecção de metais vaporizados na atmosfera de MASCARA-2 b é um dos primeiros resultados científicos interessantes a surgir do EXPRES,” disse Fischer. “Mais resultados estão a caminho.”

Astronomia On-line
28 de Abril de 2020

 

spacenews

 

3605: Uma abundância de galáxias giratórias

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Colagem de 21 galáxias fotografadas pelo levantamento ALPINE. As imagens têm por base luz emitida pelo carbono ionizado, ou C+. Estes dados mostram a variedade de estruturas galácticas já em vigor menos de 1,5 mil milhões de anos após o Big Bang (o nosso Universo tem 13,8 mil milhões de anos). Algumas das imagens na verdade contêm galáxias em fusão; por exemplo, o objecto na linha superior, o segundo a contar da esquerda, é na verdade três galáxias em fusão. Outras galáxias parecem ser mais suavemente ordenadas e podem ser espirais; um exemplo claro encontra-se na segunda linha, a primeira galáxia a contar da esquerda. A nossa Via Láctea é mostrada à escala, a fim de ajudar a visualizar os tamanhos pequenos destas galáxias jovens.
Crédito: Michele Ginolfi (colaboração ALPINE); ALMA (ESO/NAOJ/NRAO); NASA/JPL-Caltech/R. Hurt (IPAC)

Novos resultados de um ambicioso levantamento do céu, de nome ALPINE, revelam que galáxias giratórias, em forma de disco, podem ter existido em grandes números mais cedo no Universo do que se pensava anteriormente.

O programa ALPINE, formalmente denominado “ALMA Large Program to Investigate C+ at Early Times,” usa dados obtidos a partir de 70 horas de observações do céu com o observatório ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) no Chile, em combinação com dados de observações anteriores de uma série de outros telescópios, incluindo o Observatório W.M. Keck no Hawaii e os telescópios espaciais Hubble e Spitzer da NASA. Especificamente, o levantamento analisou uma zona do céu que contém dúzias de galáxias remotas.

“Esta é o primeiro estudo em múltiplos comprimentos de onda, que vai do ultravioleta ao rádio, de galáxias distantes que existiram entre mil milhões de 1,5 mil milhões de anos após o Big Bang,” diz Andreas Faisst, cientista do IPAC, um centro de astronomia do Caltech e investigador principal do programa ALPINE, que inclui cientistas de todo o mundo.

Uma das principais funções do ALPINE é usar o ALMA para observar a assinatura de um ião conhecido como C+, que é uma forma de carbono com carga positiva. Quando a radiação ultravioleta das estrelas recém-nascidas atinge nuvens de poeira, cria átomos de C+. Ao medir a assinatura deste átomo, ou “linha de emissão”, nas galáxias, os astrónomos podem ver como giram; dado que o gás contém C+ nas galáxias que giram na nossa direcção, a sua assinatura de luz muda para comprimentos de onda mais azuis e, à medida que gira para longe de nós, a sua luz desvia-se para comprimentos de onda mais vermelhos. Isto é parecido ao som da sirene de um carro da polícia que se aproxima de nós e depois quando se afasta.

A equipa do ALPINE obteve medições de C+ em 118 galáxias remotas para criar um catálogo não apenas das suas velocidades de rotação, mas também de outras características, como a densidade do gás e o número de estrelas formadas.

O levantamento revelou galáxias giratórias e destroçadas que estavam no processo de fusão, além de galáxias aparentemente perfeitamente suaves em forma de espiral. Cerca de 15% das galáxias observadas tinham uma rotação macia e ordenada, o que é esperado para as galáxias espirais. No entanto, realçam os autores, as galáxias podem não ser espirais, mas discos giratórios com aglomerados de material. Observações futuras com a próxima geração de telescópios espaciais vão identificar a estrutura detalhada destas galáxias.

“Estamos a encontrar galáxias giratórias bem ordenadas neste estágio muito precoce e bastante turbulento do nosso Universo,” diz Faisst. “Isto significa que devem ter-se formado por um processo de recolha de gás e ainda não colidiram com outras galáxias, como muitas galáxias já o fizeram.”

Ao combinar os dados do ALMA com as medições de outros telescópios, incluindo o Spitzer, agora aposentado, que ajudou especificamente a medir as massas das galáxias, os cientistas estão mais aptos a estudar como estas galáxias jovens evoluem ao longo do tempo.

“Como é que as galáxias crescem tão depressa? Quais são os processos internos que permitem com que cresçam tão rapidamente? Estas são perguntas que o ALPINE está a ajudar a responder,” diz Faisst. “E com o lançamento do Telescópio Espacial James Webb da NASA, vamos poder fazer observações de acompanhamento destas galáxias para aprender ainda mais.”

Astronomia On-line
28 de Abril de 2020

 

spacenews

 

3604: SpaceX’s future deep-space rocket passes key test, paving the way for short flight

CIÊNCIA/ESPAÇO

Finally, a Starship prototype survives a cryo test

SpaceX’s fourth Starship prototype prior to cryogenic proof testing. Photo by Elon Musk

This weekend, SpaceX successfully passed a big milestone in the development of its next-generation deep-space rocket called Starship, which is designed to one day send cargo and people to the Moon and Mars. Overnight on Sunday, a prototype of the rocket underwent a super cold pressure test in Texas and remained intact on the test stand, paving the way for this particular vehicle to fly to a low altitude in the upcoming weeks.

Passing this test is a major step for SpaceX since this same test has destroyed other Starship prototypes in the past. Known as a cryogenic proof test, it entails filling the vehicle with incredibly cold liquid nitrogen to see if the vehicle can handle the same types of temperatures and pressure it’ll have to deal with when it’s filled with super cold propellants for launches. SpaceX lost three previous vehicles during these cold pressure tests; the prototypes either burst apart or imploded while on the test stand at SpaceX’s facility in Boca Chica, Texas. SpaceX CEO Elon Musk said that this test was a bit of a “softball” pressure test, but it was enough to proceed with flight tests.

Elon Musk @elonmusk

SN4 passed cryo proof!

 

Engineers will install SpaceX’s newly developed Raptor engine onto the base of the prototype this week. The company will then ignite the Raptor while restraining the vehicle to see if the engine is working properly. SpaceX developed the Raptor engine specifically for Starship, and the final design of the rocket calls for six of these engines to power the vehicle. But SpaceX will only use one Raptor on this prototype, with plans to increase that number on future vehicles. The next prototype will get three Raptor engines, according to Musk.

Once the Raptor is tested properly on this prototype, it’ll be time for this vehicle to catch some air. SpaceX intends to fly the prototype up to an altitude of 492 feet, or 150 meters, and then land it back down on the ground in one piece. It’d be a short “hop” test, meant to test the vehicle’s ability to take off and then use its engine to touch down gently afterward. This type of propulsive landing is how SpaceX lands its Falcon 9 rockets after launch, and it’s the same technique that the Starship is supposed to use when it lands back on Earth after launch or when it lands on other worlds — such as the Moon or Mars.

SpaceX conducted a similar hop test back in August with a very early prototype of Starship called Starhopper. That vehicle did not resemble the final design of Starship, looking more like a water tower with landing legs. But this new prototype should be more similar in size and shape to Starship when it flies, though it’ll still be missing some hardware that the final design will have. Musk claims everything should be “physically ready” for the hop test in a few weeks, but regulatory approvals from the Federal Aviation Administration “may take longer.”

Meanwhile, SpaceX is still updating the design of Starship and implementing changes on future vehicles. Production of the next Starship prototype is already underway as the company continues to develop this rocket at a rapid pace in Boca Chica.

The Verge

 

spacenews

 

3603: Enquanto nos debatemos com a covid-19, a Terra é ameaçada por uma catástrofe pior do que a extinção dos dinossauros

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

(CC0/PD) 9866112 / Pixabay

Apesar de o mundo ter as atenções voltadas para a pandemia de covid-19, os riscos para a natureza causados pelo aquecimento global permanecem claros.

Em vários momentos da história do nosso planeta, quantidades crescentes de dióxido de carbono na atmosfera causaram um aquecimento global extremo que levou à morte da grande maioria das espécies existentes na Terra.

No passado, estes eventos foram desencadeados por uma erupção vulcânica ou um impacto de asteróide. Agora, ao que tudo indica, a Terra caminha para outra extinção em massa – e a culpa é nossa.

O cientista australiano Andrew Glikson sustenta que a actual taxa de crescimento das emissões de dióxido de carbono é mais rápida do que as que desencadearam as duas extinções anteriores, incluindo o evento que dizimou os dinossauros.

É verdade que muitas espécies podem ser capazes de se adaptar às alterações ambientais lentas ou moderadas, mas a história mostra-nos que as mudanças extremas do clima podem ser fatais para a grande maioria das espécies.

Antes do início dos tempos industriais, no final do século XVIII, o dióxido de carbono na atmosfera era de cerca de 300 partes por milhão, isto é, para cada milhão de moléculas de gás na atmosfera, 300 eram dióxido de carbono. Em Fevereiro deste ano, o dióxido de carbono atmosférico atingiu 414,1 partes por milhão.

Segundo um artigo publicado no The Conversation assinado por Andrew Glikson, o dióxido de carbono está a ser derramado na atmosfera a uma taxa de duas a três partes por milhão a cada ano.

Através de registos de carbono armazenados em fósseis e matéria orgânica, o investigador determinou que as actuais emissões de carbono constituem um evento extremo na história da Terra.

As emissões anuais de dióxido de carbono são agora mais rápidas do que após o impacto do asteróide que erradicou os dinossauros (cerca de 0,18 partes por milhão de CO2 por ano) e o máximo térmico de há 55 milhões de anos (cerca de 0,11 partes por milhão de CO2 por ano).

As concentrações atmosféricas de dióxido de carbono ainda não se encontram nos níveis observados há 55 e 65 milhões de anos, mas o influxo maciço de dióxido de carbono significa que o clima está a mudar muito mais rapidamente do que muitas espécies de plantas e animais são capazes de suportar.

No ano passado, um relatório da ONU revelou que cerca de um milhão de espécies estão ameaçadas de extinção e as alterações climáticas foram catalogadas como um dos cinco principais impulsionadores.

Para Glikson, a próxima extinção em massa na Terra é inevitável – “caso não reduzamos drasticamente as emissões de dióxido de carbono e desenvolvamos tecnologias para remover o dióxido de carbono da atmosfera”.

ZAP //

Por ZAP
26 Abril, 2020

 

spacenews

 

3602: Galáxias massivas (e famintas) comem os vizinhos para crescer

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Gupta et al / colaboração ASTRO 3D / IllustrisTNG
Canais de gás que conectam a galáxia central aos vizinhos

Uma equipa de cientistas combinou vários dados cosmológicos com um programa de modelagem para vislumbrar as forças que criam galáxias massivas no Universo.

Uma nova investigação acaba de revelar que as galáxias massivas comem os vizinhos mais pequenos para crescer. Os cientistas, liderados por Anshu Gupta do Centro de Excelência ARC da Austrália para todas as astrofísicas do céu em 3 dimensões (ASTRO 3D), chegaram a esta conclusão combinando dados de observação com um programa de modelagem.

Ao analisar o movimento dos gases no interior das galáxias, os astrónomos conseguiram descobrir “a proporção de estrelas produzidas internamente e a proporção canibalizada de outros lugares”, explicou o principal autor do estudo, publicado no dia 9 de Abril no Astrophysical Journal.

“Descobrimos que nas antigas galáxias massivas – com cerca de 10 mil milhões de anos-luz de distância – tudo se move em muitas direcções diferentes”, o que sugere que muitas das estrelas no interior das galáxias foram adquiridas no exterior, em vez de terem sido formadas no interior.

“Por outras palavras, as grandes galáxias estão a comer as mais pequenas.”

Os cientistas sugerem que as galáxias massivas engordaram ao incorporar galáxias mais pequenas no seu interior, um fenómeno baptizado pelos cientistas como uma espécie de “fome cósmica”.

A observação e a modelagem das galáxias mais distantes também revelou menos variação de movimentos internos. No fundo, segundo o Sci-News, as galáxias mais antigas e de maior proporção são muito mais desordenadas do que as mais novas.

As mais novas tiveram menos tempo para se fundirem com outras galáxias, o que pode ajudar a explicar o que acontece durante um determinado estágio da evolução destes corpos celestes.

Os astrónomos combinam dados de um projecto australiano, chamado Linha de Emissão Espectroscópica de Objectos Múltiplos (MOSEL), com um programa de modelagem cosmológica em execução em alguns dos maiores supercomputadores do mundo.

ZAP //

Por ZAP
27 Abril, 2020

 

spacenews

 

3601: Um planeta de metal derretido pode ser a chave para encontrar a próxima Terra

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

(dr) Sam Cabot
Planeta MASCARA-2 b

Um planeta de metal derretido, semelhante a Júpiter, não parece ser o paraíso. No entanto, os cientistas estão muito entusiasmados com o planeta MASCARA-2 b, uma vez que as suas características são aquilo a que chamam de laboratório perfeito.

Um espectrómetro construído na Universidade de Yale e instalado no Observatório Lovell está a oferecer aos astrónomos uma visão detalhada da atmosfera de MASCARA-2 b, um planeta distante tão quente que o ar contém metais vaporizados na sua composição.

De acordo com o Business Insider, se os astrónomos conseguiram encontrar uma forma de estudar um Júpiter quente tão distante do planeta Terra, podem estar muito perto de encontrar (e estudar) um planeta no Universo capaz de albergar vida.

O planeta em causa fica a cerca de 4.300 triliões de quilómetros da Terra e é um gigante de gás muito semelhante a Júpiter. No entanto, a sua órbita é 100 vezes mais próxima da sua estrela do que a órbita de Júpiter em relação ao Sol.

A atmosfera de MASCARA-2 b atinge temperaturas acima dos 1.726 graus Celsius, o que o coloca no final de uma classe de planetas conhecida como Júpiteres quentes. Este tipo de corpo celeste chama a atenção dos cientistas porque a sua existência era desconhecida há 25 anos e podem oferecer informações interessantes sobre a formação dos sistemas planetários.

“Os Júpiteres quentes fornecem os melhores laboratórios para desenvolver técnicas de análise que um dia serão usadas para procurar assinaturas biológicas em mundos potencialmente habitáveis”, explicou a astrónoma Debra Fischer, co-autora do artigo científico publicado na Astronomy and Astrophysics.

À medida que o MASCARA-2 b cruza a linha de visão directa entre a sua estrela hospedeira e a Terra, elementos na atmosfera do planeta absorvem a luz das estrelas em comprimentos de onda específicos, deixando uma impressão digital química. O espectrómetro EXPRES recolhe essas impressões digitais que são pistas valiosas para os astrónomos.

Através deste instrumento, a equipa encontrou ferro gasoso, magnésio e cromo na atmosfera do planeta. O principal autor do estudo, Jens Hoeijmakers, disse ainda que o EXPRES encontrou evidências de uma assinatura química diferente nos lados “manhã” e “noite” do MASCARA-2 b.

“Estas detecções químicas podem não apenas dar-nos pistas sobre a composição elementar da atmosfera, como também sobre a eficiência dos padrões de circulação atmosférica”, disse Hoeijmakers, citado pelo EuropaPress.

ZAP //

Por ZAP
27 Abril, 2020

 

spacenews

 

3600: ESA lança concurso de ideias para combater a Covid-19 a partir do Espaço

CIÊNCIA/SAÚDE

“O objectivo é dar resposta a importantes desafios actuais de áreas tão diversas como a saúde, energias renováveis, protecção ambiental, agricultura inteligente, gestão de catástrofes, cidades inteligentes”, refere o IPN em comunicado

Pode não parecer, mas o Copernicus Masters é um concurso. E pode não parecer, mas este ano este concurso pode ter uma palavra a dizer no combate à pandemia Covid-19. Em comunicado, o Instituto Pedro Nunes (IPN), que gere uma das incubadoras da Agência Espacial Europeia ESA) vem anunciar o lançamento do período de candidatura de ideias e projectos ao Copernicus Master, com vista ao desenvolvimento de ferramentas que usam dados recolhidos de observação da Terra para o combate e prevenção da pandemia Covid-19.

Os interessados poderão apresentar candidatura até 30 de Junho. A iniciativa, que pretende fomentar o uso de dados recolhidos pelo satélite Copernicus, tem este ano por temática o combate à pandemia da Covid-19.

“O Copernicus Masters é uma iniciativa organizada pela AZO – Space of Innovation e pela Agência Espacial Europeia. O objectivo é dar resposta a importantes desafios actuais de áreas tão diversas como a saúde, energias renováveis, protecção ambiental, agricultura inteligente, gestão de catástrofes, cidades inteligentes, de entre outras. Em tempo de pandemia, a competição encoraja especialmente as empresas a participarem com projectos que possam apoiar a luta contra a COVID-19”, refere o IPN em comunicado.

Há três empresas portuguesas que já foram distinguidas em edições anteriores do concurso Copernicus Masters: Space Layer Technologies, Cybele, e Theia são as três start-ups nacionais que ganharam prémios nas edições de 2017, 2018, e 2019, respectivamente.

Exame Informática
27.04.2020 às 16h29

 

spacenews