3454: Vídeo mostra tamanho dos asteróides em comparação com o planeta Terra

CIÊNCIA

Quando falamos num asteróide que se aproxima da Terra, por vezes não temos noção do impacto que este poderia causar se o seu alvo fosse o nosso planeta. Na verdade, temos pouca, ou nenhuma noção do tamanho destas rochas que vagueiam no Universo e que de vez em quando passam por cá.

Num exercício muito interessante de escala, um criativo desenvolveu um vídeo com as comparações em termos de tamanho de cada um dos mais perigosos asteróides que temos debaixo de olho.

Há uma lista de notáveis asteróides que viajam pelo nosso Sistema Solar. Assim, para que possamos entender o significado de “asteróide” convém explicar que significa corpo menor que não ultrapassa (para fora) a órbita de Júpiter. Esta lista inclui o planeta anão Ceres.

Rochas maiores a partir do seu diâmetro

Actualmente, mesmo com alta tecnologia, ainda não é fácil estimar os tamanhos dos asteróides a partir das observações. Estes têm formas irregulares, albedos que variam (reflectividade), e pequenos diâmetros angulares. Por exemplo, os asteróides tipo C puros são muito mais escuros do que a maioria.

Os asteróides com apenas um ou dois eixos medidos podem ter um diâmetro falsamente inflacionado na sua média geométrica. O asteróide 16 Psique tem um diâmetro do IRAS de 253 km, mas a sua recente e precisa média geométrica é de apenas 186 km.

Álvaro Gracia Montoya, desenvolveu um trabalho muito interessante. Oferece-nos uma oportunidade para entendermos o valor dos asteróides do ponto de vista do seu tamanho. Em pouco menos de três minutos, o vídeo faz uma interessante viagem por dezenas de corpos celestes comparando-os a coisas tão “próximas” como um ser humano, um camião ou a cidade de Nova York.

Os valores em diâmetro é aproximado. Há medições que podem ter um valor ligeiramente diferente, tendo em conta o que foi referido atrás. Mas a perspectiva já nos permite visualizar o que anda lá por fora a vaguear.

Asteróides conhecidos e outros “íntimos”

Na comparação, foram utilizados vários asteróides que conhecemos. Uns melhores que outros, mas todos eles estavam, ou ainda estão debaixo de olho. Por exemplo, foi escolhido o “2008 TC3”, um meteorito de quatro ou cinco metros que entrou na atmosfera no dia 7 de Outubro de 2008 e explodiu sobre o Sudão causando a energia de um quilo-tonelada de TNT. No fim desta lista aparece Ceres, o maior objecto da cintura de asteróides, que tem entre 945 e 952 quilómetros de diâmetro.

Comparações que nos permitem entender como o que fazemos é pequeno, à escala do Universo. Reparem que, a rocha Apophis, ali comparada com a Torre Eiffel, foi um daqueles asteróides que causou um breve período de preocupação em Dezembro de 2004. Isto porque as observações iniciais indicavam uma probabilidade pequena (até 2,7%) de que ele poderia atingir a Terra em 2029 (e depois em 2036). Posteriormente, os cálculos foram feitos com mais precisão e chegaram à realidade que este não tinha em data alguma, a Terra como rota de colisão.

Asteróide 9 vezes maior que Portugal aproxima-se da Terra e será visível a olho nu

Está a caminho da Terra um asteróide COLOSSAL que é cerca de 9 vezes maior que Portugal. Este corpo celeste passará tão perto que o poderemos ver a olho nu no céu nocturno, nos … Continue a ler Asteróide 9 vezes maior que Portugal aproxima-se da Terra e será visível a olho nu

 

spacenews

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.