3197: Naufrágio romano com 2.000 anos encontrado na Grécia. É um dos maiores do Mar Mediterrâneo

CIÊNCIA

(dr) IBEAM

Uma equipa de cientistas da Universidade de Patras, na Grécia, descobriu os vestígios de um navio romano que naufragou há cerca de 2.000 anos perto da ilha grega de Kefalonia, avança o Greek City Times. 

A embarcação, detalham os cientistas na nova investigação publicada recentemente na revista científica especializada Journal of Archaeological Science, foi construída entre os séculos I a.C e I d.C e é um dos maiores já encontrados no Mar Mediterrâneo – tinha cerca de 30 metros de comprimento e 12 de largura.

Contudo, o navio – baptizado de Fiscardo – destaca-se dos demais já encontrados na área por manter cerca de 6.000 ânforas utilizadas para transportar vinho ou comida em perfeitas condições desde o naufrágio, conta o jornal local.

“O navio está enterrado nos sedimentos por isso temos grandes expectativas de que, se levarmos a cabo uma escavação no futuro, encontraremos parte ou mesmo todo o casco de madeira (…) Isso poderia dizer aos arqueólogos quando e onde o navio foi fabricado, de onde é que o material veio e como é que foi reparado”, disse George Ferentinos, o investigador da Universidade de Patras que conduziu a investigação.

Daily Mirror @DailyMirror

Roman shipwreck from time of Jesus Christ found with ‘exciting’ cargo on board https://www.mirror.co.uk/news/uk-news/roman-shipwreck-time-jesus-christ-21061980 

A embarcação foi encontrada junto do porto de Fiskardo, área onde tinham sido já encontrados vestígios da mesma época – complexos de banho, casas, um teatro e até um cemitério -, indicando que este seria um porto importante à época.

Os cientistas frisam que se trata de uma descoberta arqueológica “significativa” que pode trazer novos dados sobre o transporte marítimo durante a Roma Antiga.

ZAP //

Por ZAP
15 Dezembro, 2019

 

spacenews

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.