2514: Divórcio chega ao Espaço. Astronauta acedeu à conta da ex-mulher a partir da EEI

NASA
A astronauta norte-americana Anne McClain

A NASA está a investigar aquele que pode ser o primeiro crime cometido no espaço. Uma astronauta acedeu à conta bancária da ex-mulher a partir da Estação Espacial Internacional.

A astronauta Anne McClain é acusada de roubo de identidade e acesso não autorizado aos registos financeiros da sua ex-mulher a partir da Estação Espacial Internacional (EEI), onde se encontrava numa missão de seis meses, de acordo com o New York Times.

A ex-mulher de McClain, Summer Worden, apresentou uma queixa na Comissão de Comércio Federal (FTC), uma agência independente, depois de saber que Anne McClain acedera à conta bancária conjunta, sem a sua permissão.

Worden começou a suspeitar quando percebeu que a sua antiga companheira continuava a saber onde ela gastava o seu dinheiro. Mais tarde, de acordo com o Observador, viria a descobrir que a sua conta bancária estava a ser acedida através de um computador registado na NASA.

A família de Summer Worden também apresentou uma queixa à inspecção geral da NASA, de acordo com o jornal norte-americano. “Fiquei chocada por ela ter ido tão longe. Eu sabia que não era normal”, disse Worden.

Para o advogado de Anne McClain, a sua cliente não fez nada errado e teve acesso à conta bancária enquanto estava a bordo da EEI para monitorizar a conta conjunta do casal, algo habitual ao longo da relação, sublinhou.

O advogado explicou que o acesso à conta era uma tentativa de verificar se havia fundos suficientes na conta da sua ex-companheira para pagar contas e cuidar da criança que estavam ambas a criar. Investigadores da NASA já ouviram as duas mulheres.

Summer Worden adiantou que a FTC não respondeu à queixa apresentada sobre roubo de identidade, mas um investigador especializado e a inspecção-geral da NASA estão a investigar a acusação.

ZAP // Lusa

Por ZAP
25 Agosto, 2019

 

2513: Ainda há esperança. Corais do Atlântico reproduziram-se pela primeira vez em laboratório

CIÊNCIA

(dr) Florida Aquarium

Este é um avanço histórico que poderia ajudar a salvar corais em todo o mundo, incluindo o ameaçado recife da Florida, nos Estados Unidos.

O Aquário da Florida, nos Estados Unidos, conseguiu que o coral Dendrogyra cylindrus, que pode ser encontrado no Oceano Atlântico e no Mar das Caraíbas, conseguisse desovar pela primeira vez em laboratório, avança o site IFLScience.

De acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), a reprodução de corais é um processo sensível e pode ocorrer tanto de forma assexuada como sexuada. Muitos corais produzem muitos gametas masculinos e femininos para eventualmente libertarem enormes nuvens de espermatozóides e óvulos na coluna de água.

As condições para que isso aconteça têm de ocorrer sob as circunstâncias certas e, embora os cientistas ainda não tenham a certeza de todas as variáveis, acreditam que estão relacionadas com a temperatura, a duração do dia e talvez até os ciclos lunares. Conclusão: todas fazem com que a reprodução em laboratório seja extremamente difícil.

Como parte do Project Coral, cientistas do Centro de Conservação do mesmo aquário conseguiram induzir a desova em corais com recurso a tecnologia inovadora. Especialistas imitaram o ambiente natural destes animais ao manipular a iluminação, incluindo a reprodução do momento do nascer e pôr do Sol e da Lua.

“Quando temos uma boa criação, uma boa qualidade da água e todos os estímulos ambientais certos, isto é o que podemos fazer, podemos mudar o jogo para a restauração de corais”, afirma Keri O’Neil, cientista especializado em corais.

Os conservacionistas de corais acreditam que este trabalho poderá salvar corais em todo o mundo, incluindo o ameaçado recife da Florida, que já viu serem afectadas nos últimos anos cerca de 25 espécies de corais.

“Muitos especialistas em corais não acreditavam que isto seria possível, mas nós aceitámos o desafio e dedicámos os nossos recursos e conhecimento para alcançar este resultado monumental. Continuamos firmemente comprometidos em salvar a única barreira de coral da América do Norte e agora vamos trabalhar ainda mais para proteger e restaurar o nosso Planeta Azul”, afirmou num comunicado Roger Germann, presidente e CEO do aquário.

De acordo com o aquário, a equipa conseguiu induzir artificialmente uma desova em 2013 e, desde então, gerou 18 espécies de corais do Pacífico, mas a desova do Atlântico tinha sido um desafio até agora.

ZAP //

Por ZAP
25 Agosto, 2019

 

2512: Descoberta em Alenquer uma das maiores muralhas do país do Calcolítico

CIÊNCIA

Mário Cruz / Lusa

Arqueólogos portugueses e espanhóis descobriram em Alenquer uma muralha monumental, uma das maiores do país do período Calcolítico, com quatro a cinco mil anos, após terem realizado este mês as primeiras escavações.

A uma altitude de 170 metros, em pleno Canhão Cársico da Ota, classificado como paisagem protegida de âmbito local, foi descoberto “um recinto murado com cinco mil anos”, os primeiros vestígios do que poderá vir a ser um povoado pré-histórico, disse à agência Lusa o arqueólogo André Texugo Lopes.

Através do motor de localização por satélite Google Earth, o arqueólogo já tinha conseguido identificar a estrutura murada pré-histórica, mas, devido à vegetação densa, só os trabalhos de desmatação e as escavações deste ano permitiram pô-la em parte a descoberto.

“Já identificámos quatro a cinco metros de largura da estrutura e um comprimento de 150 metros” afirmou o investigador do Centro de Estudos Geográficos e do Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa, apontando para que seja “provavelmente a maior estrutura pré-histórica deste tipo de sítios”.

As escavações, realizadas em conjunto com Ana Catarina Basílio, investigadora do Centro Interdisciplinar em Arqueologia e Evolução do Comportamento Humano da Universidade do Algarve, com a colaboração de arqueólogos da Universidade de Coimbra, da Universidade Autónoma de Madrid e da Universidade de Jaén (Espanha), permitiram perceber que o muro possui uma altura conservada de 1,4 metros, apesar de ter vários derrubes identificados.

O sítio arqueológico da Ota terá uma dimensão na ordem dos cerca de quatro hectares, incluindo uma zona de dois hectares rodeada pela muralha e outra fora da mesma, onde os arqueólogos também identificaram e escavaram estruturas e materiais de importância arqueológica, que estão, contudo, por datar.

O sítio estava identificado desde 1936, mas só em 2016 André Texugo Lopes, natural do concelho, no distrito de Lisboa, fez prospecções no local e estudou os materiais recolhidos à superfície nas últimas décadas, no âmbito da sua dissertação de mestrado e de um dos projectos que venceram o Orçamento Participativo de 2014 da Câmara Municipal de Alenquer.

A localização do sítio pré-histórico pode dever-se à existência de “água por perto e ao controlo e defensibilidade sobre a zona a 360 graus, localizando-se este sítio sobre uma via de comunicação importante, o rio Ota, que nasce na serra do Montejunto e desagua no Tejo”.

Durante as escavações, os arqueólogos encontraram materiais muito fragmentados do período Calcolítico e elementos da Idade do Bronze (cerca de 1500 anos antes de Cristo), da Idade do Ferro (cerca de 700 anos a.C.), do período romano (entre 400 anos a.C. e 200 anos d.C.) e do período islâmico (século VIII d.C.), que revelam uma ampla ocupação do sítio, ainda que com dinâmicas distintas.

Entre eles, destacam-se machados de bronze, machados de pedra polida, cerâmicas decoradas, elementos construtivos romanos, artefactos em sílex, ossos polidos e até um ‘lagomorfo’, que pensam estar associado a contextos funerários.

A dimensão do sítio leva os arqueólogos a depositar elevada expectativa em futuras campanhas.

“Sempre que desmatamos mais um bocadinho conseguimos sempre incrementar valor e encontrar estruturas arqueológicas”, disse André Texugo Lopes.

No âmbito da tese de doutoramento que está a desenvolver, André Texugo Lopes vai pela primeira vez em Portugal efectuar prospecção arqueológica recorrendo a ‘drones’ e a tecnologia, com um raio laser a penetrar na densa vegetação e a chegar ao nível do solo, identificando “com grande precisão estruturas arqueológicas, como as identificadas na Ota”.

ZAP // Lusa

Por Lusa
25 Agosto, 2019

 

2511: Cientistas descobrem que as mantas gostam de socializar e de fazer amigos

CIÊNCIA

dillpixel / Flickr

Embora já tenham sido consideradas criaturas solitárias, um novo estudo descobriu que as mantas formam relações sociais e escolhem parceiros sociais.

De acordo com o IFLScience, uma equipa de cientistas estudou mais de 500 grupos sociais de mantas ao longo de cinco anos no Parque Marinho Raja Amput, na Indonésia — considerado um dos habitats marinhos mais biodiversos da Terra — para analisar como estes animais interagem uns com os outros.

Foram tiradas fotografias de identificação de todas as mantas e os investigadores monitorizaram quais destes peixes foram vistos com outros e em que horários e locais. Os resultados foram agora publicados na revista Behavioral Ecology and Sociobiology.

“As mantas têm preferências sociais activas, o que significa que estão activamente a escolher socializar com outros indivíduos que conhecem; e lembram-se do seu contacto social com esses indivíduos, ou seja, podemos dizer que têm amigos“, explica ao mesmo site o autor do estudo, Rob Perryman.

A equipa descobriu que as manta Mobula alfredi têm vários “comportamentos socialmente mediados” dentro de dois grupos diferentes: um composto sobretudo por mantas fêmeas maduras e outro com uma mistura de machos, fêmeas e juvenis.

Embora não vivam em grupos sociais estreitos, as fêmeas tendem a estabelecer laços de longo prazo com outras. Os machos, por outro lado, não formam conexões fortes, possivelmente devido a estratégias reprodutivas.

“Embora tenhamos descoberto que muitas das mantas têm preferências sociais que duram várias semanas ou meses, não havia assim tantas relações que permanecessem fortes entre os anos estudados”, disse ainda Perryman.

O investigador acrescenta que isto sugere que estas relações sociais podem ser alianças temporárias alinhadas com os movimentos sazonais que permitem às mantas agruparem-se numa vida similar ou no estágio reprodutivo, talvez para se protegerem de predadores ou de tentativas indesejadas de acasalamento.

A localização também desempenhou um papel importante na forma como as manta formam laços sociais. Estes animais tendem a regressar às estações de limpeza preferidas com os mesmos grupos. Certos grupos foram regularmente observados no mesmo local juntos, sugerindo que esses lugares podem servir como pontos de encontro ou que algumas mantas têm fortes conexões com certas estações de limpeza.

No entanto, Perryman destaca que o seu estudo apenas dá alguns “snapshots” no tempo e no espaço, havendo grandes intervalos de tempo que podem não ter sido observados.

ZAP //

Por ZAP
25 Agosto, 2019

 

2510: Planta que não se reproduzia há 60 milhões de anos no Reino Unido revivida pelas alterações climáticas

CIÊNCIA

(dr) Ventnor Botanic Garden
Um cone macho de Cycas revoluta.

Há 60 milhões de anos que as cicas não se reproduziam no Reino Unido. Agora, com a subida das temperaturas devido às alterações climáticas, fizeram-no pela primeira vez.

As cicas são plantas lenhosas muito parecidas com as palmeiras, com as quais são confundidas frequentemente. Os exemplares mais antigos podem ser encontrados no Japão junto a templos e santuários. A Cycas revoluta é considerada um “fóssil vivo”, porque as suas características mantêm-se praticamente inalteradas desde a sua origem no início da era Mesozoica.

Encontradas com maior frequência em habitats tropicais e subtropicais, estas plantas estão agora a fazer um regresso natural ao Reino Unido, 60 milhões de anos depois. Segundo a VICE, com o agravamento do aquecimento global, tanto fêmeas como machos estão a surgir em ilhas britânicas.

Cicas são normalmente mantidas em jardins interiores nas grandes latitudes, mas no Jardim Botânico de Ventnor, na Ilha de Wight, são mantidos no exterior, onde normalmente é demasiado frio para que desenvolvam os cones necessários para se reproduzirem.

Um cone macho surgiu pela primeira vez no verão de 2012, em Ventnor, mas sem companhia feminina à vista. No entanto, este mês, o jardim botânico anunciou no seu blogue oficial o primeiro cone fêmea fora de portas no Reino Unido.

“Isto dá-nos uma excelente oportunidade de transferir o pólen e gerar sementes pela primeira vez no Reino Unido em 60 milhões de anos”, lê-se no blogue. Com a subida das temperaturas no país, as plantas sentiram-se em condições para produzir os cones necessários à reprodução.

Apesar de naturalmente as cicas serem polinizadas por besouros, o Jardim Botânico de Ventnor vai fertilizar as sementes manualmente. Esta será a primeira nova geração desta plantas nos últimos milhões de anos.

ZAP //

Por ZAP
25 Agosto, 2019

 

2509: Astrónomos treinam IA para encontrar antigas colisões de galáxias

CIÊNCIA

B. Whitmore et al. / AURA / Hubble Heritage Team / NASA / ESA

Há luzes brilhantes em todo o Universo que representam as colisões de galáxias. Os astrónomos encontraram agora uma nova forma de as encontrar.

Há luzes brilhantes em todo o Universo que representam as colisões de galáxias. E há pontos brilhantes por todo o Universo — sobretudo o mais distante — onde as galáxias produziram estrelas a uma grande e invulgar escala.

Mas há um problema. Os telescópios não conseguem ver partes longínquas e antigas do Universo com clareza suficiente para identificar as fusões de galáxias, então não há uma boa forma de distinguir esses dois tipos de galáxias super brilhantes. Agora, segundo o Live Science, astrónomos encontraram um novo sistema.

Como sabem qual é a aparência das galáxias em formação e das fusões galácticas vistas de perto, os investigadores acharam que seria relativamente simples criar imagens falsas e depois distorcê-las como se a luz dessas galáxias estivesse a ser capturada de longe por um dos telescópios espaciais.

E, portanto, foi mesmo isso que os cientistas fizeram, criando mais de um milhão de imagens falsas dos telescópios espaciais Hubble e James Webb. Os astrónomos sabiam quais eram as imagens desfocadas e distantes de colisões galácticas versus as imagens desfocadas de galáxias em formação super brilhantes, embora parecessem muito semelhantes à primeira vista.

Assim, foram capazes de encontrar assinaturas subtis que os astrónomos usam para distinguir fusões de galáxias de fábricas de estrelas galácticas no distante e antigo Universo. E então treinaram um algoritmo de aprendizagem de máquina para distinguir as imagens dos dois tipos de galáxias.

De acordo com os investigadores, cujo artigo foi publicado em Julho na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, isto é uma novidade excelente uma vez que todo o Universo está cheio de fusão de galáxias — até 5% estão envolvidas em fusões a qualquer momento e até a Via Láctea poderá um dia fundir-se com a vizinha Andrómeda.

Os investigadores admitem que o novo método tem limitações. Há sempre o potencial de enviesamento no banco de dados de simulações e, em primeiro lugar, algumas tentativas e erros imprecisos envolvidos na geração desse mesmo banco de dados. Para melhorar ainda mais o algoritmo e distinguir fusões de galáxias ainda mais antigas, a equipa precisa de construir um banco de dados muito maior.

ZAP //

Por ZAP
25 Agosto, 2019