2358: Afinal, as pedras de Stonehenge podem ter sido transportadas usando sebo

CIÊNCIA

(CC0/PD) Walkerssk / pixabay

Como é que os construtores de Stonehenge levaram as pedras gigantes para o mesmo local continua um mistério. Agora, uma nova investigação sugere que as pedras foram transportadas através de gordura animal.

Uma nova investigação pode oferecer uma perspectiva curiosa em relação a como é que os construtores do Stonehenge levaram as pedras para o local. Gordura animal encontrada em olaria foi interpretada como prova de que eram feitos grandiosos banquetes em Stonehenge.

No entanto, uma equipa de cientistas publicou um estudo, esta semana, na revista Antiquity, que sugere que essa gordura pode ter sido usada para mover as pedras até ao destino. Isto porque o sebo foi encontrado em cerâmica do tamanho de baldes, o que pode indicar que foi usada para facilitar o transporte das peças.

“Eu estava interessada no nível excepcional da preservação e grandes quantidade lípidos que recuperamos da cerâmica em Grooved Ware”, disse Lisa-Marie Shillito, autora principal do estudo. A arqueóloga ficou curiosa para saber por que razão havia grandes quantidades de de gordura de porco na cerâmica encontrada.

Os ossos escavados em Grooved Ware mostram que muitos dos porcos foram assados no espeto, em vez de cortados, como seria de esperar caso estes tivessem sido cozidos nos potes.

“Uma análise de resíduos de gordura é uma técnica bem estabelecida para revelar que tipo de alimentos eram usados para os diferentes tipos de cerâmica”, disse Shillito.  De acordo com o Sci-News, apesar de haver questões por responder em relação a Stonehenge, é praticamente consensual que as pedras foram movidas através de esforço humano.

“Interpretações arqueológicas de resíduos da cerâmica, às vezes, só nos mostram parte da realidade”, explicou o especialista. “Se esperamos obter um melhor entendimento, precisamos de pensar num contexto mais amplo e adoptar uma abordagem diferente para identificar outras possibilidades”, acrescentou.

ZAP //

Por ZAP
23 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *