1996: Os castores gigantes não sobreviveram à Idade do Gelo (e já se sabe porquê)

CIÊNCIA

Western University

Muitas criaturas gigantes vaguearam pela Terra durante a última Idade do Gelo. Na América do Norte, esta megafauna variava desde os mastodontes, os mamutes, os ursos-de-pernas-longas, os lobos pré-históricos e os castores gigantes.

Estes animais eram três vezes o tamanho de um castor moderno, pesando cem quilos e alongando-se a 2,5 metros de comprimento. Eram do tamanho de um urso preto adulto ou de um humano de metro e oitenta de altura que se levantavam. Tinham incisivos de 15 centímetros, conseguindo facilmente derrubar florestas para construir as suas represas.

Só que isso não aconteceu. De acordo com um novo estudo publicado na Scientific Reports, não foi encontrada nenhuma evidência de que castores gigantes tenham comido árvores e isso poderia justificar porque é que estavam extintos no final da Idade do Gelo, superados pelos seus irmãos mais pequenos.

Os modernos castores, de apenas 30 quilos e até 90 centímetros sem cauda, são na verdade os maiores roedores da América do Norte. Os castores são herbívoros e seus enormes dentes da frente – que nunca param de crescer – são usados, não apenas para roer árvores para construir as suas represas e pousadas, mas para comer a casca e a madeira.

O castor gigante, extinto há cerca de dez mil anos, predominantemente terá comido plantas aquáticas submersas – não madeira – descobriram investigadores da Universidade Ocidental. Isso significava que dependiam muito do ambiente de áreas húmidas tanto para comida quanto para abrigo.

“Não encontramos nenhuma evidência de que o castor gigante tenha derrubado árvores ou tenha comido árvores”, disse a co-autora Tessa Plint, ex-estudante de pós-graduação da Universidade Heriot-Watt, em comunicado. “Castores gigantes não eram engenheiros de ecossistemas como o castor norte-americano.”

Castores e castores gigantes coexistiram durante a Era Glacial, com fósseis indicando que os gigantes prosperaram na Florida e na bacia do Mississipi até Yukon e Alasca. No entanto, quando o Pleistoceno estava a chegar ao fim e as mantas de gelo começaram a recuar, o clima tornou-se muito mais seco e as zonas húmidas começaram a desaparecer.

Western University
Os castores gigantes eram três vezes o tamanho de um castor moderno

“A capacidade de construir represas e alojamentos pode ter proporcionado aos castores uma vantagem competitiva sobre os castores gigantes, porque poderia alterar a paisagem para criar um habitat adequado para as terras húmidas quando necessário. Castores gigantes não conseguiram fazer isso”, explicou o co-autor Fred Longstaffe, presidente de pesquisa do Isotope Estável do Canadá, da Western University.

“Quando se olha para o registo fóssil do último milhão de anos, vê-se repetidamente as populações regionais de castores gigantes desaparecerem com o início de condições climáticas mais áridas.”

Plint e Longstaffe uniram-se a Grant Zazula, do Programa de Paleontologia de Yukon, para traçar os isótopos estáveis nos dentes e ossos dos fósseis de Castoroides encontrados em Yukon.

“Basicamente, a assinatura isotópica do alimento que come é incorporada nos seus tecidos”, disse Plint. “Como as razões isotópicas permanecem estáveis mesmo após a morte do organismo, podemos observar a assinatura isotópica do material fóssil e extrair informações sobre o que o animal estava a comer, mesmo que o animal tenha vivido há dezenas de milhares de anos.”

Investigadores têm estado intrigados há anos com o que causou a extinção em massa da megafauna que ocorreu no final da Idade do Gelo. As novas descobertas sobre dietas de castores gigantes oferecem outra “pequena peça no quebra-cabeça”, disse Plint, sugerindo que a falta de adaptação à mudança climática é a culpada.

ZAP // IFL Science

Por ZAP
16 Maio, 2019



[vasaioqrcode]

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.