1731: Cientistas revelam o único método capaz de evitar uma catástrofe climática

(CC0/PD) Myriams-Fotos / Pixabay

Cientistas de três centros universitários adiantam que o único método eficaz para combater os efeitos das alterações climáticas sem prejudicar o meio ambiente é a geoengenharia e as emissões de aerossóis.

Um dos principais equívocos inerentes à geoengenharia solar (colocar aerossóis na atmosfera para reflectir a luz do Sol e reduzir o aquecimento global) é que poderia ser usada como uma solução viável para reverter as tendências do aquecimento global e trazer a temperatura de volta aos níveis pré-industrias.

Mas desengane-se: não é assim tão linear. A aplicação de enormes doses de geoengenharia solar para compensar todo o aquecimento do aumento dos níveis atmosféricos de C02 poderia piorar o problema climático – particularmente os padrões de precipitação – em certas regiões.

No entanto, doses menores de geoengenharia solar aliadas a cortes de emissões poderiam ser a arma fatal para erradicar os riscos das mudanças climáticas.

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Harvard, em colaboração com o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e com a Universidade de Princeton, descobriu que se a geoengenharia solar for usada para reduzir para metade os aumentos da temperatura global, pode haver benefícios à escala mundial.

Na prática, o que os cientistas defendem é que é possível determinar um nível seguro de emissões de aerossóis na atmosfera de maneira a que estes reflitam a luz solar e reduzam o aquecimento global. O artigo científico foi publicado recentemente na Nature Climate Change.

“Alguns dos problemas identificados em estudos anteriores são exemplos do velho ditado de que a dose é o veneno“, disse David Keith, professor de física aplicada da Universidade de Harvard e principal autor do estudo, citada pelo Phys.org.

Os cientistas desenvolveram assim um modelo climático de chuvas extremas e ciclones tropicais para determinar o efeito da geoengenharia em diferentes regiões da Terra. Foram determinados os índices extremos de temperatura e precipitação, a disponibilidade de água doce e a intensidade dos furacões.

As emissões de aerossóis na atmosfera reduzem o aumento da temperatura global para metade, têm um efeito favorável no abastecimento de água e na precipitação em várias regiões, compensando o aumento (em mais de 85%) dos desastres naturais.

Ao mesmo tempo, menos de 0,5% dos territórios seriam afectados negativamente pelos métodos da geoengenharia. Estas regiões afectadas são caracterizadas pela resiliência ao aquecimento global, afirmam os cientistas.

Estes resultados refutam a opinião de que os aerossóis podem agravar significativamente a situação climática da Terra. Para evitar um efeito negativo, é necessário calcular correctamente a quantidade admissível de aerossóis emitidos para a atmosfera, advertem os especialistas.

Segundo a investigação, este é o único método para combater eficazmente os efeitos das mudanças climáticas.Uma outra opção seria reduzir ,imediatamente as emissões de gases de efeito de estufa. No entanto, neste último caso, o aquecimento só poderia ser interrompido se todas as instalações eléctricas, fábricas e mesmo automóveis fossem rapidamente desactivados –  e isso parece (muito) improvável.

Muitos cientistas acreditam que a Humanidade já perdeu a oportunidade de evitar uma catástrofe climática causada pelo aumento da temperatura média da Terra em mais de 1,5 graus Celsius. A única esperança reside, assim, nos métodos de geoengenharia.

ZAP //

Por ZAP
17 Março, 2019

– Eles, os cientistas, chamam-lhe de geoengenharia solar. Eu, não cientista, chamo-lhe de CHEMTRAILS e as descargas químicas e emissões de aerossóis estão a ser efectuadas há anos e a instalar doenças nas pessoas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *