1575: A Terra devorou o seu próprio super-oceano (e pode voltar a acontecer)

Christopher Scotese / Ian Webster / Paleomap / University Of Sydney

Um novo estudo sugere que o antigo super-continente Rodínia virou ao contrário enquanto a Terra devorava o seu próprio oceano há 700 milhões de anos.

A Rodínia foi o super-continente que precedeu a famosa Pangeia, que existiu há entre 320 milhões e 170 milhões de anos.  Num novo estudo, cientistas liderados por Zheng-Xiang Li, da Universidade Curtin, em Perth, Austrália, argumentam que super-continentes e os seus super-organismos se formam e se fragmentam em ciclos alternados que, às vezes, preservam a crosta oceânica e, às vezes, reciclam-na de volta ao interior da Terra.

“Sugerimos que a estrutura do manto da Terra só será completamente reorganizada a cada segundo super-continente – ou em todos os outros ciclos – através da regeneração de um novo super-oceano e um novo anel de fogo“, disse Li.

O “Anel de Fogo” é uma cadeia de zonas de subducção em redor do Pacífico, onde a crosta do oceano range por baixo dos continentes. Vulcões e terremotos são frequentes na zona do Anel de Fogo.

A história dos super-continentes é um pouco obscura, mas os geo-cientistas estão cada vez mais convencidos de que os continentes se fundem numa massa de terra gigante a cada 600 milhões de anos, em média. Primeiro veio a Nuna, que existia entre 1,6 mil milhões e 1,4 mil milhões de anos atrás. Nuna separou-se, apenas para se unir como Rodínia há cerca de 900 milhões de anos. Rodínia separou-se há 700 milhões de anos. Há cerca de 320 milhões de anos, a Pangeia formou-se.

Há padrões na circulação do manto que parecem combinar muito bem com o ciclo de 600 milhões de anos. Mas alguns minerais e depósitos de ouro e assinaturas geoquímicas na rocha antiga repetem-se num ciclo mais longo – mais próximo de mil milhões de anos.

Num artigo publicado na revista Precambrian Research, Li e os colegas argumentam que a Terra tem dois ciclos simultâneos: um super-continente de 600 milhões de anos e um super-continente de mil milhões de anos. Cada super-continente quebra e reforma-se em dois métodos alternados – a introversão e a extroversão.

Na introversão, o continente começa a dividir-se em pedaços separados por um novo oceano interno. Por qualquer motivo, os processos de subducção começam neste novo oceano interno. Nos pontos de fogo, a crosta oceânica mergulha no manto quente da Terra e o oceano interno volta para o interior do planeta. Depois, os continentes voltam a juntar-se novamente – um novo super-continente, rodeado pelo mesmo velho super-oceano.

Extroversão, por outro lado, cria um novo continente e um novo super-oceano. Nesse caso, um super-continente separa-se, criando o oceano interno. Mas desta vez, a subducção não ocorre no oceano interno, mas no super-oceano que rodeia o super-continente. A Terra engole o super-oceano, arrastando a crosta continental. O super-continente basicamente vira ao contrário: os antigos litorais fundem-se para formar um novo meio e o meio rasgado é agora a costa. Enquanto isso, há um super-oceano novo.

Nesse cenário, o super-continente Nuna separou-se e formou Rodínia via introversão. O super-oceano de Nuna sobreviveu e tornou-se o super-oceano de Rodínia, que os cientistas apelidaram de Mirovoi. Nuna e Rodínia tinham configurações semelhantes, o que reforça a noção de que Nuna se separou e se voltou simplesmente a unir.

Mas a crosta oceânica de Mirovoi começou a subductar. Rodínia separou-se quando o super-oceano desapareceu e reapareceu no outro lado do planeta como Pangeia. O novo oceano que se formou é conhecido como Panthalassa.

A Pangeia separou-se para se tornar os continentes que conhecemos hoje. Os remanescentes de Panthalassa sobrevivem na crosta oceânica do Pacífico.

Os últimos 2 mil milhões de anos de história são plausíveis, disse Mark Behn, geofísico do Boston College e Woods Hole Oceanographic Institution, que estuda a história profunda da Terra. No entanto, é difícil saber se os ciclos estudados representam um padrão verdadeiro e fundamental.

Se o padrão alternativo se mantiver, o próximo super-continente formar-se-á por introversão. Os oceanos internos criados pela quebra da Pangeia – os oceanos Atlântico, Índico e Sul – fechar-se-ão e Pacífico expandir-se-á para se tornar o único super-oceano do novo continente. Este é o futuro teórico do super-continente Amasia.

O futuro do super-continente da Terra ainda não está claro. Modelos que tentam combinar os movimentos dos continentes da Terra com a dinâmica interna do manto podem ajudar a determinar se os métodos de montagem de introversão e extroversão são realistas. Os métodos usados ​​por Li provavelmente estão no caminho certo para abordar essas questões fundamentais da tectónica de placas, disse Behn.

ZAP // LiveScience

Por ZAP
10 Fevereiro, 2019

[vasaioqrcode]

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.