1765: Primeira caminhada feminina no espaço cancelada por falta de fatos

NASA anunciou que não consegue preparar fatos espaciais com o tamanho certo para duas mulheres até sexta-feira, portanto a astronauta Anne McClain vai ter de ficar a bordo da Estação Espacial Internacional.

Christina Koch (centro) assistiu os seus colegas Nick Hague (esquerda) e Anne McClain (direita) na missão de 22 de Março. Agora será ela a sair para o espaço
© NASA

Foi anunciado pela NASA como um marco histórico na conquista do espaço: no dia 29 de Março, já na próxima sexta-feira, Anne McClain e Christina Koch deviam realizar a primeira caminhada espacial exclusivamente feminina. Um marco histórico que afinal vai ter de ficar para outra data, tudo devido a um problema de falta de fatos.

A agência espacial norte-americana anunciou esta segunda-feira que não há fatos espaciais com o tamanho certo para as duas mulheres, portanto Anne McClain vai ter de ficar a bordo da Estação Espacial Internacional, sendo substituída na missão ao exterior por Nick Hague.

“Koch devia realizar esta caminhada espacial com a astronauta McClain, no que deveria ser a primeira saída exclusivamente feminina. Contudo, depois de consultar McClain e Nick Hague após uma primeira caminhada [realizada a 22 de Março], os responsáveis decidiram ajustar a missão, em parte devido à falta de fatos disponíveis na estação. McClain percebeu na primeira saída que um tamanho médio da parte superior do fato – essencialmente a camisola – lhe servia melhor”, explica o comunicado da NASA. O problema é que as duas astronautas vestem o mesmo tamanho “e como apenas conseguimos preparar um fato médio até sexta-feira, será Koch a usá-lo”.

A missão de Mcclain e Hague será a segunda de três saídas previstas para instalar umas poderosas baterias de lítio nos painéis solares da Estação Espacial e vai incluir mais três mulheres: Mary Lawrence será a directora da missão e Jackie Kagey a controladora. Já no solo, Kristen Faccioli irá dirigir a equipa a partir do Johnson Space Center.

Menos de 11% das mais de 500 pessoas que estiveram no espaço eram do sexo feminino e as equipas dos passeios espaciais foram sempre masculinas ou mistas.

Diário de Notícias
26 Março 2019 — 12:52

 

1764: Hubble rastreia o ciclo de vida das tempestades gigantes em Neptuno

Esta é uma composição que mostra imagens de tempestades em Neptuno pelo Telescópio Espacial Hubble (esquerda) e pela sonda Voyager 2 (direita). A imagem do Hubble, pela câmara WFC3 (Wide Field Camera 3), obtida em Setembro e Novembro de 2018, mostra uma nova tempestade escura (topo, centro). Na imagem da Voyager, uma tempestade conhecida como Grande Mancha Escura pode ser vista no centro. Tem mais ou menos 13000 por 6000 km em tamanho – tão grande, no seu eixo maior, quanto a Terra. As nuvens brancas vistas a pairar na vizinhança das tempestades estão a maiores altitudes do que o material escuro.
Crédito: NASA/ESA/GSFC/JPL

Em 1989, a sonda Voyager 2 da NASA passou por Neptuno – o seu alvo planetário final antes de chegar aos confins do Sistema Solar. Foi a primeira vez que uma nave visitou este mundo remoto. À medida que a sonda por lá passava, tirou fotos de duas tempestades gigantes no hemisfério sul de Neptuno. Os cientistas apelidaram as tempestades de “Grande Mancha Escura” e “Mancha Escura 2”.

Apenas cinco anos depois, em 1994, o Telescópio Espacial Hubble da NASA obteve imagens nítidas de Neptuno à distância da Terra de 4,3 mil milhões de quilómetros. Os cientistas estavam ansiosos por observar as tempestades novamente. Em vez disso, as fotografias do Hubble revelaram que tanto a Grande Mancha Escura, do tamanho da Terra, quanto a Mancha Escura 2, tinham desaparecido.

“Foi certamente uma surpresa,” recorda-se Amy Simon, cientista planetária do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA em Greenbelt, no estado norte-americano de Maryland. “Estávamos habituados a olhar para a Grande Mancha Vermelha de Júpiter, que presumivelmente está por lá há quase dois séculos.” Os cientistas planetários imediatamente começaram a construir simulações de computador para entender o misterioso desaparecimento da Grande Mancha Escura.

Agora parte do projecto OPAL (Outer Planet Atmospheres Legacy), Simon e seus colegas estão a começar a responder a estas perguntas. Graças às imagens captadas pelo Hubble, a equipa não só testemunhou pela primeira vez a formação de uma tempestade, como desenvolveu restrições que determinam a frequência e duração dos sistemas de tempestades.

O nascimento de uma tempestade

Em 2015, a equipa OPAL começou uma missão anual para analisar imagens de Neptuno capturadas pelo Hubble e detectou uma pequena mancha escura no hemisfério sul. Todos os anos, desde então, Simon e colegas observaram o planeta e monitorizaram a tempestade enquanto se dissipava. Em 2018, surgiu uma nova mancha escura, pairando a 23 graus de latitude norte.

“Estávamos tão ocupados a rastrear esta tempestade pequena de 2015, que não estávamos necessariamente à espera de ver outra grande tão cedo,” comenta Simon acerca da tempestade, parecida em tamanho à Grande Mancha Escura. “Foi uma surpresa agradável. De cada vez que obtemos novas imagens do Hubble, algo é diferente do que esperávamos.”

Além disso, o nascimento da tempestade foi capturado “em directo”. Ao analisarem imagens de Neptuno, pelo Hubble, obtidas de 2015 a 2017, a os cientistas descobriram várias pequenas nuvens brancas formadas na região onde a mancha escura mais recente apareceria mais tarde. Publicaram os seus achados na edição de 25 de Março da revista Geophysical Research Letters.

As nuvens de alta altitude são feitas de cristais de metano gelado, que lhes conferem a sua característica aparência branca e brilhante. Pensa-se que estas nuvens companheiras pairem acima das tempestades, análogas ao modo como as nuvens lenticulares cobrem montanhas altas na Terra. A sua presença, anos antes de uma nova tempestade ser avistada, sugere que as manchas escuras podem ter uma origem muito mais profunda na atmosfera do que se pensava anteriormente.

“Da mesma forma que um satélite terrestre observaria a meteorologia da Terra, observamos a meteorologia em Neptuno,” comenta Glenn Orton, cientista planetário no JPL da NASA em Pasadena, Califórnia, também do projecto OPAL. Assim como os furacões são seguidos na Terra, as imagens do Hubble revelaram o caminho sinuoso da mancha escura. Ao longo de um período de quase 20 horas, a tempestade moveu-se para oeste, deslocando-se um pouco mais devagar do que os ventos de alta velocidade de Neptuno.

Mas estas tempestades neptunianas são diferentes dos ciclones que vemos na Terra ou em Júpiter. Assim como os padrões de vento que as impulsionam. Parecidas aos trilhos que impedem que as bolas de bowling entrem nas calhas, bandas finas de correntes ventosas em Júpiter mantêm a Grande Mancha Vermelha num caminho definido. Em Neptuno, as correntes de vento operam em bandas muito mais amplas em redor do planeta, permitindo que tempestades como a Grande Mancha Escura vagueiem lentamente pelas latitudes. As tempestades normalmente pairam entre os jactos de ventos equatoriais oeste e as correntes que sopram para leste nas latitudes mais altas antes que os fortes ventos as separem.

São necessárias ainda mais observações. “Queremos ser capazes de estudar como os ventos estão a mudar com o tempo,” diz Simon.

Tempo médio de vida?

Simon também faz parte de uma equipa de cientistas liderados pelo estudante Andrew Hsu, da Universidade da Califórnia em Berkeley, que identificou quanto tempo estas tempestades duram e com que frequência ocorrem.

Eles suspeitam que as novas tempestades surgem em Neptuno a cada quatro a seis anos. Cada tempestade pode durar até seis anos, embora a expectativa de vida de dois anos seja mais provável, de acordo com resultados publicados dia 25 de Março na revista The Astronomical Journal.

Foram descobertos um total de seis sistemas de tempestades desde que os cientistas se voltaram para Neptuno. A Voyager 2 identificou duas tempestades em 1989. Desde que o Hubble foi lançado em 1990, viu mais quatro destas tempestades.

Além de analisar os dados recolhidos pelo Hubble e pela Voyager 2, a equipa realizou simulações de computador que mapearam um total de 8000 manchas escuras girando pelo planeta gelado. Quando combinadas com 256 imagens de arquivo, estas simulações revelaram que o Hubble provavelmente teria detectado aproximadamente 70% das tempestades simuladas que ocorreram ao longo de um ano e cerca de 85% a 95% das tempestades com uma vida útil de dois anos.

Ainda pairam perguntas

As condições em Neptuno ainda são em grande parte um mistério. Os cientistas planetários esperam estudar em breve as mudanças na forma do vórtice e a velocidade do vento das tempestades. “Nós nunca medimos directamente os ventos dentro dos vórtices escuros de Neptuno, mas estimamos que as velocidades do vento estão próximas dos 100 metros por segundo, bastante parecidas às velocidades do vento dentro da Grande Mancha Vermelha de Júpiter,” diz Michael Wong, cientista planetário da Universidade da Califórnia em Berkeley. Ele realça que observações mais frequentes, usando o Telescópio Espacial Hubble, ajudarão a pintar uma imagem mais clara de como os sistemas de tempestades em Neptuno evoluem.

Simon diz que as descobertas em Neptuno terão implicações para aqueles que estudam exoplanetas, na nossa Galáxia, de tamanho idêntico aos gigantes de gelo. “Se estudarmos os exoplanetas e quisermos entender como funcionam, precisamos realmente de entender primeiro os nossos planetas,” acrescenta Simon. “Temos muito pouca informação sobre Úrano e Neptuno.”

Todos concordam que estes achados recentes estimulam o desejo de seguir com mais detalhe o nosso mais distante gigante planetário. “Quanto mais sabemos, mais nos apercebemos do que não sabemos,” conclui Orton.

Astronomia On-line
26 de Março de 2019

 

1763: Formação estelar e poeira de estrelas antigas

Imagem do ALMA e do Telescópio Espacial Hubble da galáxia distante MACS0416_Y1. A distribuição da poeira e do oxigénio gasoso traçada pelo ALMA tem tons avermelhados e esverdeados, respectivamente, enquanto a distribuição das estrelas captada pelo Hubble está a azul.
Crédito: ALMA (ESO/NAOJ/NRAO), Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA, Tamura et al.

Investigadores detectaram um sinal de rádio de poeira interestelar abundante em MACS0416_Y1, uma galáxia a 13,2 mil milhões de anos-luz de distância na direcção da constelação de Erídano. Os modelos-padrão não conseguem explicar tanta poeira numa galáxia tão jovem, forçando-nos a reconsiderar a história da formação estelar. Os cientistas agora pensam que MACS0416_Y1 sofreu uma formação estelar escalonada, com dois períodos intensos 300 milhões e 600 milhões de anos após o Big Bang, e com uma fase calma entre eles.

As estrelas são os principais intervenientes no Universo, mas são apoiadas pelas mãos invisíveis dos bastidores: a poeira estelar e o gás. As nuvens cósmicas de poeira e gás são os locais de formação estelar e magistrais contadores da história cósmica.

“A poeira e os elementos relativamente pesados, como oxigénio, são disseminados pela morte das estrelas,” disse Yoichi Tamura, professor associado da Universidade de Nagoya e autor principal do artigo científico. “Portanto, uma detecção de poeira em determinado momento indica que um número de estrelas já se formou e morreu bem antes desse ponto.”

Usando o ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), Tamura e a sua equipa observaram a galáxia distante MACS0416_Y1. Dada a velocidade finita da luz, as ondas de rádio que observamos hoje nesta galáxia tiveram que viajar durante 13,2 mil milhões de anos para chegar até nós. Por outras palavras, fornecem uma imagem do aspecto da galáxia há 13,2 mil milhões de anos, apenas 600 milhões de anos após o Big Bang.

Os astrónomos detectaram um sinal fraco, mas revelador, de emissões de rádio de partículas de poeira em MACS0416_Y1. O Telescópio Espacial Hubble, o Telescópio Espacial Spitzer e o VLT (Very Large Telescope) do ESO observaram a luz das estrelas da galáxia; e da sua cor estimam que a idade estelar seja de 4 milhões de anos.

“Não é fácil,” realça Tamura. “A poeira é demasiado abundante para ter sido formada em 4 milhões de anos. É surpreendente, mas precisamos de ter os pés assentes na terra. As estrelas mais antigas podem estar escondidas na galáxia, ou podem já ter morrido e desaparecido.”

“Já foram propostas várias ideias para superar esta crise orçamentária de poeira,” disse Ken Mawatari, investigador da Universidade de Tóquio. “No entanto, nenhuma é conclusiva. Fizemos um novo modelo que não precisa de suposições extremas divergentes do conhecimento da vida das estrelas no Universo de hoje. O modelo explica bem tanto a cor da galáxia como a quantidade de poeira.” Neste modelo, o primeiro surto de formação estelar começou aos 300 milhões de anos e durou 100 milhões de anos. Depois, a formação estelar acalmou durante algum tempo e recomeçou aos 600 milhões de anos. Os investigadores pensam que o ALMA observou esta galáxia no início da sua segunda geração de formação estelar.

“A poeira é um material crucial para planetas como a Terra,” explica Tamura. “O nosso resultado é um passo importante para entender o início da história do Universo e a origem da poeira.”

Astronomia On-line
26 de Março de 2019

 

“Chaminés” gigantes libertam raios-X do núcleo da Via Láctea

Impressão de artista de duas “chaminés” que funilam material quente e que emitem raios-X do centro da nossa Galáxia para duas bolhas cósmicas.
As duas chaminés galácticas foram reveladas usando dados recolhidos entre 2016 e 2018 pelo observatório espacial XMM-Newton da ESA, que completou o mais extenso mapa do núcleo da Via Láctea em raios-X.
As bolhas gigantes, emissoras de raios-gama, foram descobertas pelo Telescópio Espacial de Raios-Gama Fermi da NASA. Têm uma forma parecida a uma ampulheta colossal, abrangendo cerca de 50.000 anos-luz de ponta a ponta – comparável ao tamanho do disco estelar da Via Láctea e aproximadamente metade do diâmetro de toda a Galáxia.
Os dois canais quentes descobertos pelo XMM-Newton fluem para fora de Sagitário A*, o buraco negro super-massivo central da nossa Galáxia, e cada um mede centenas de anos-luz, finalmente ligando as redondezas imediatas do buraco negro com as bolhas. Os cientistas pensam que estas “chaminés” actuam como um conjunto de tubos de escape através dos quais a energia e a massa são transportadas do coração da nossa Galáxia até à base das bolhas, reabastecendo-as com material novo.
Crédito: ESA/XMM-Newton/G. Ponti et al. 2019; ESA/Gaia/DPAC (mapa da Via Láctea)

Ao examinar o centro da nossa Galáxia, o XMM-Newton da ESA descobriu duas colossais “chaminés” que canalizam o material da vizinhança do buraco negro super-massivo da Via Láctea em duas enormes bolhas cósmicas.

As bolhas gigantes foram descobertas em 2010 pelo Telescópio Espacial de Raios-Gama Fermi da NASA: uma estende-se acima do plano da Via Láctea e a outra por baixo, desenhando uma forma semelhante a uma ampulheta colossal que se estende por mais ou menos 50.000 anos-luz – cerca de metade do diâmetro de toda a Galáxia. Podem ser considerados “arrotos” gigantes de material das regiões centrais da nossa Via Láctea, onde reside o seu buraco negro central, conhecido como Sagitário A*.

Agora, o XMM-Newton descobriu dois canais de emissão de raios-X quentes saindo de Sagitário A*, finalmente ligando as redondezas imediatas do buraco negro às bolhas.

“Sabemos que as correntes e ventos de material e energia que emanam de uma galáxia são cruciais para esculpir e alterar a forma da Galáxia ao longo do tempo – são actores principais no modo como as galáxias e outras estruturas se formam e evoluem pelo cosmos,” comenta Gabriele Ponti do Instituto Max Planck para Física Extraterrestre em Garching, Alemanha, e do Instituto Nacional de Astrofísica na Itália.

“Felizmente, a nossa Galáxia dá-nos um laboratório próximo para explorar isto em detalhe, e examinar como o material flui para o espaço ao nosso redor. Nós usámos dados recolhidos pelo XMM-Newton entre 2016 e 2018 para formar o mapa de raios-X mais extenso já feito do núcleo da Via Láctea.”

Este mapa revelou canais longos de gás super-aquecido, cada um estendendo-se por centenas de anos-luz, fluindo para cima e para baixo do plano da Via Láctea

Os cientistas pensam que estes agem como um conjunto de tubos de escape através dos quais a energia e a massa são transportadas do coração da nossa Galáxia para a base das bolhas, reabastecendo-as com material novo.

Esta descoberta esclarece como a actividade que ocorre no núcleo da nossa Galáxia, tanto no presente como no passado, está ligada à existência de estruturas maiores em seu redor.

O fluxo pode ser um remanescente do passado da nossa Galáxia, de um período em que a actividade era muito mais prevalecente e poderosa, ou pode provar que mesmo galáxias “quiescentes” – aquelas que abrigam um buraco negro super-massivo relativamente calmo e níveis moderados de formação estelar como a Via Láctea – podem orgulhar-se de ter enormes e energéticos fluxos exteriores de material.

“A Via Láctea é vista como uma espécie de protótipo de uma galáxia espiral padrão,” diz o co-autor Mark Morris da Universidade da Califórnia em Los Angeles, EUA.

“De certo modo, este achado lança luz sobre como todas as galáxias espirais típicas – e o seu conteúdo – podem comportar-se em todo o cosmos.”

Apesar da sua classificação como quiescente na escala cósmica de actividade galáctica, dados anteriores do XMM-Newton revelaram que o núcleo da nossa Galáxia ainda é bastante tumultuoso e caótico. As estrelas moribundas explodem violentamente, atirando o seu material para o espaço; as estrelas binárias giram em redor uma da outra; e Sagitário A*, um buraco negro tão massivo quanto 4 milhões de sóis, está à espreita para devorar material que se aproxima, “arrotando” mais tarde radiação e partículas energéticas.

Gigantes cósmicos como Sagitário A* – e aqueles ainda mais massivos – hospedados por galáxias em todo o cosmos, serão explorados em detalhe por observatórios de raios-X como o ATHENA (Advanced Telescope for High-Energy Astrophysics) da ESA, com lançamento previsto para 2031. Outra missão futura da ESA, LISA (Laser Interferometer Space Antenna), vai procurar ondas gravitacionais libertadas pela fusão de buracos negros supermassivos no núcleo de galáxias distantes em colisão.

Entretanto, os cientistas estão ocupados a investigar estes buracos negros com missões actuais como a do XMM-Newton.

“Ainda há muito por fazer com o XMM-Newton – o telescópio pode rastrear uma região significativamente maior do núcleo da Via Láctea, o que nos ajudará a mapear as bolhas e o gás quente em redor da nossa Galáxia, bem como as suas ligações com outros componentes da Via Láctea, e esperamos descobrir como tudo isto está ligado,” acrescenta Gabriele.

“Claro, também estamos ansiosos pela missão ATHENA e pelo avanço que irá permitir.”

ATHENA combinará espectroscopia de raios-X de alta resolução com excelentes capacidades de imagem em amplas áreas do céu, permitindo com que os cientistas investiguem, como nunca antes, a natureza e o movimento do gás cósmico quente.

“Este excelente resultado do XMM-Newton dá-nos uma visão sem precedentes do que realmente está a acontecer no centro da Via Láctea, e apresenta o mapa de raios-X mais extenso já criado de toda a região central,” diz o cientista do projecto XMM-Newton da ESA Norbert Schartel.

“Isto é especialmente excitante no contexto das nossas próximas missões. O XMM-Newton está a pavimentar o caminho para a futura geração de observatórios de raios-X, abrindo oportunidades abundantes para que essas poderosas espaço-naves façam novas descobertas substanciais sobre o nosso Universo.”

Astronomia On-line
26 de Março de 2019

 

1761: Cientistas encontraram uma forma de levitar objectos usando apenas luz

Os cientistas afirmam que a sua nova tecnologia de levitação seria capaz de enviar uma nave espacial para a estrela mais próxima em apenas 20 anos.

Cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) dizem ter encontrado uma forma de levitar e impulsionado objectos usando apenas luz. No entanto, o trabalho não passa da teoria – pelo menos, para já.

A equipa do Caltech espera que esta nova técnica possa ser usada para controlar a trajectória das naves espaciais ultra-leves. Além disso, o artigo científico, publicado recentemente na Nature Photonics, esclarece que a tecnologia seria também capaz de controlar “velas leves com propulsão a laser para exploração espacial”, ou seja, o combustível seria dispensado, sendo apenas necessário um poderoso laser.

O chamado sistema de “levitação e propulsão fotónica” foi criado a partir de um padrão complexo que poderia ser gravado na superfície de um objeto. A maneira como o feixe de luz concentrado reflete faz com que o objeto se “auto-estabilize”, enquanto tenta permanecer dentro de um raio de laser focalizado, explicam os cientistas.

Segundo o Futurism, o primeiro avanço que estabeleceu as bases para a nova pesquisa foi o desenvolvimento de “pinças ópticas” – instrumentos científicos que usam um poderoso feixe de laser para atrair ou afastar objectos microscópicos. A grande desvantagem é que estas pinças só conseguem manipular objectos minúsculos a distâncias microscópicas.

Ognjen Ilic, primeiro-autor do estudo, coloca o conceito de “pinça” e as suas limitações de uma forma muito mais simples: “Pode-se levitar uma bola de pingue-pongue usando um fluxo constante de ar de um secador de cabelo, mas não funcionaria se a bola de pingue-pongue fosse muito grande, ou se estivesse muito longe do secador.”

Teoricamente, a manipulação da luz desta nova técnica poderia funcionar com um objeto de qualquer tamanho. Apesar de esta teoria ainda não ter sido testada no mundo real, os cientistas afirmam que, se funcionar, seria uma forma de enviar uma nave espacial até à estrela mais próxima fora do Sistema Solar em apenas 20 anos.

“Há uma aplicação audaciosamente interessante para usar esta técnica como meio de propulsão de uma nova geração de veículos espaciais. Estamos muito longe de concretizar esse feito, mas estamos no processo de testar os princípios”, disse Harry Atwater, professor da Divisão de Engenharia e Ciências Aplicadas da Caltech.

ZAP //

Por ZAP
26 Março, 2019

 

1760: Há uma “estrela morta” que quer fugir da Via Láctea

Astrofísicos americanos descobriram uma “estrela morta” – um pulsar – extremamente incomum. Esse pulsar surgiu na sequência da explosão de uma super-nova que a acelerou a uma velocidade recorde.

Considerando a velocidade muito alta do seu movimento, a estrela poderá deixar a Via Láctea num futuro longínquo, supõem os cientistas, cujo estudo foi publicado na revista Astrophysical Journal Letters.

“A velocidade do seu movimento — 1.130 quilómetros por segundo (4,07 milhões de quilómetros por hora) — significa que irá fugir da galáxia num futuro longínquo. Actualmente não é claro o que aconteceu exactamente a este pulsar, no entanto, supomos que o movimento poderia ter sido acelerado por instabilidades hidrodinâmicas dentro da super-nova no momento em que explodiu”, declarou Dale Frail, do Observatório Nacional de Radioastronomia.

A maioria das estrelas gira em torno do centro da nossa galáxia com velocidade que normalmente não excede 100 quilómetros por segundo. No entanto, desde meados dos anos 2000, os astrónomos descobriram duas dezenas de estrelas que se movem com velocidade tão alta que quase “se libertaram” da força de gravidade da Via Láctea e a abandonaram.

Segundo opinam os astrónomos, essas estrelas começam a mover.se tão rapidamente devido à interacção com o buraco negro maciço no centro da galáxia ou à explosão de uma super-nova, caso se encontrem perto desses objectos.

No entanto, há excepções. Assim, os cientistas prestaram atenção ao pulsar PSR J0002+6216, localizado na constelação de Cassiopeia a uma distância de cerca de 6,5 mil anos-luz da Terra. Ao contrário da maioria dos outros objectos semelhantes, não se localizava dentro dos restos da super-nova nem numa região relativamente “limpa” do espaço aberto, mas perto do casulo da super-nova que explodiu.

Esta característica incomum da “estrela morta” obrigou Freyle e a sua equipa a estudar em detalhe tanto o pulsar como a nuvem de gás quente CTB 1, que fica a cerca de 50 anos-luz de distância. Os dados e imagens enviados pelo radiotelescópio VLA, usado pelos especialistas, trouxeram descobertas inesperadas.

Primeiro, descobriu-se que o PSR J0002+6216 se move a uma velocidade muito alta — a cada segundo afasta-se dos restos da super-nova à velocidade de 4,07 milhões de quilómetros por hora. Isso converte-o no segundo objeto mais veloz da galáxia depois da US 708, uma estrela “comum” que viaja a uma velocidade de 4,32 milhões de quilómetros por hora.

Além disso, a trajectória deste pulsar indica que nasceu no centro da CTB 1 há cerca de 10 mil anos, quando o seu progenitor explodiu.

No início, movia-se mais devagar do que se expandia o próprio casulo da super-nova, mas a velocidade do movimento do gás e da poeira caiu rapidamente devido às interacções com o meio interestelar. Isto aconteceu há cerca de cinco mil anos, segundo evidencia o rasto brilhante do pulsar, que surgiu após sair do casulo da super-nova.

Freyle e os colegas esperam que as observações da CTB 1 e do PSR J0002+6216 os possam ajudar a entender exactamente o que levou à “fuga” do pulsar para fora da Via Láctea e permitirão que os cientistas descubram os mecanismos internos do surgimento das super-novas.

ZAP // Sputnik News

Por ZAP
25 Março, 2019

Não só é lamentável que não se respeite a Língua Portuguesa, utilizando o BRASUQUÊS, como as “traduções” mantenham termos brasileiros como estes “QUILÔMETROS…” -> “A velocidade do seu movimento — 1.130 quilómetros por segundo (4,07 milhões de quilômetros por hora).


 

1759: Detectado um aumento das erupções no Sol. Estará a Terra em perigo?

As erupções solares são explosões na superfície do Sol causadas por mudanças repentinas no seu campo magnético. Como resultado, a actividade na superfície solar pode causar altos níveis de radiação no espaço sideral. Assim, esta radiação pode vir como partículas (plasma) ou radiação electromagnética (luz). Caso acontecesse uma avassaladora tempestade solar, poderia haver um resultado trágico para o Planeta Terra.

Os cientistas têm verificado que há um aumento significativo da actividade solar. O Sol está a queimar “combustível” do ciclo anterior, conforme deu a conhecer o Laboratório de Astronomia Radiológica da Academia de Ciências da Rússia.

Cientistas registam aumento de erupções no Sol

Segundo informações da instituição científica russa, há um crescimento brusco da actividade solar. Este comportamento está a ser observado desde o dia 20 de Março. Desta forma, os dados recebidos mostram alguma anormalidade relacionada com o fluxo de radiação de raios-X do Sol.

Entre 20 e 21 de Março, foram avistadas três erupções de classe C sem consequências significativas para a Terra. É a primeira vez em meses que o “índice da actividade de erupções” ultrapassa o nível amarelo, ou seja, ultrapassou 3,5 pontos numa escala de 10 pontos.

Referiu o Laboratório de Astronomia Radiológica da Academia de Ciências da Rússia.

Nos passados dias 20 e 21  de Março, os cientistas registaram uma erupção solar de classe C de 4,8 pontos. Segundo os especialistas, o 25.º ciclo da actividade solar ainda não começou. Assim, o Sol continua a queimar “combustível” do ciclo anterior — formam-se campo magnéticos em cima da superfície da estrela e são lançados para fora pelos fluxos de plasma com a energia excedente.

Conforme é notado pelos cientistas, é justamente esta energia que é queimada na forma de erupções (flashes). Há efectivamente um aumento visível da actividade solar nas imagens.

25.º ciclo da actividade solar pode ser mais fraco que o 24.º?

Os astrónomos esperam que o início do 25.º ciclo da actividade solar venha a acontecer nos pólos solares, e acrescentam que ainda não houve sinais do surgimento de novo ciclo.

É um mistério, porque os campos magnéticos do 24.º ciclo continuam no Sol, sete anos depois do ciclo ter atingido o seu máximo em 2012.

Referiram os cientistas russos.

Segundo alguns especialistas, o 24.º ciclo da actividade solar foi o mais fraco em 100 anos.

Poderá haver perigo para a Terra?

Tal como várias vezes já aconteceu, estas erupções solares intensas podem causar danos nos equipamentos espaciais. Contudo, estes danos podem ser mais extensos, desde danos nas naves, nos instrumentos dos satélites até às redes de energia no nosso planeta.

Durante os períodos de enfraquecimento do escudo magnético, que normalmente protege a Terra da radiação solar e cósmica, estes danos podem ser efectivamente mais sentidos.

Em 2011, a Academia Nacional de Ciências dos EUA calculou que a repetição de uma grande tempestade solar como a que atingiu o planeta em 1859 poderia levar a danos na ordem dos dois biliões de dólares, só em danos iniciais. Além disso, poderia levar uma década à recuperação das estruturas afectadas.


Imagem: Tesis

Fonte: RAS

pplware
24 Mar 2019

 

1758: A espectacular imagem das tempestades em Júpiter

Na sua mais recente passagem pelo gigante gasoso, a sonda espacial Juno recolheu três imagens separadas do planeta que depois foram unidas numa só por Kevin M. Gill, usando a informação disponibilizada pela NASA.

A imagem de Júpiter criada por Kevin M. Gill em que se veem as tempestade e a Grande Mancha Vermelha
© NASA/JPL-CALTECH/SWRI/MSSS/KEVIN M. GILL

Lançada em Agosto de 2011, a sonda Juno voltou a recolher imagens de Júpiter, o gigante gasoso em torno do qual orbita. Desta vez, Kevin M. Gill aproveitou três dessas imagens que uniu numa só, mostrando toda a espectacularidade das tempestades que se formam naquele planeta.

Gill usou as imagens recolhidas pela câmara a cores da sonda e postas à disposição dos cidadãos-cientistas pela NASA. As imagens foram tiradas a distâncias que vão dos 27 mil aos 95 mil quilómetros das nuvens do planeta.

Na imagem criada por Gill são nítidas as tempestades formadas no hemisfério sul e a famosa Grande Mancha Vermelha.

Este anticiclone, que existe há milhares de anos, tem visto os seus segredos revelados pela missão da Juno, com os dados recolhidos pela sonda a permitirem perceber que as suas raízes de encontram a 350 km abaixo da atmosfera de Júpiter.

Diário de Notícias
23 Março 2019 — 17:17

 

1757: Portugal participa na criação do maior telescópio do mundo

Cientistas portugueses estão envolvidos no design do telescópios e parte dos testes essenciais vão ser feitos no país. O SKA, que vai ter milhares de antenas, começa a ser construído em 2020 na África do Sul e na Austrália

Foi um longo caminho, de mais de duas décadas, mas a construção do SKA (Square Kilometre Array), que vai ser o maior telescópio do mundo, já tem data para arrancar.

Será no final de 2020, para iniciar observações em 2023 – daqui a quatro anos. Até lá, há ainda muito trabalho pela frente, do design da própria instrumentação à gigantesca rede para a comunicação de todos os dados, e há uma equipa de várias dezenas de portugueses mergulhados nesse trabalho.

“O SKA vai permitir um salto gigantesco no conhecimento”, garante Domingos Barbosa, investigador do Instituto de Telecomunicações (IT), na Universidade de Aveiro, e o coordenador da infra-estrutura de investigação do SKA em Portugal, um dos 10 países que integra a organização SKA, constituída em meados de março.

É por aqui, por Portugal, que passa, aliás, uma parte fundamental desta última fase de definição do futuro telescópio, que tem a assinatura portuguesa praticamente desde o início do projecto. “Participamos no design da máquina, que não está ainda completamente definida nesta altura, e é o nosso grupo que lidera o desenho das plataformas informáticas que vão gerir a operação do SKA”, explica Domingos Barbosa.

Domingos Barbosa é o coordenador científico do projecto em Portugal
© Ivan Del Val/Arquivo Global Imagens

Isso inclui, desde as ordens de orientação de cada uma das antenas para a realização das próprias observações, até à distribuição da informação entre os vários centros de dados. Em suma, toda a gestão operacional do radiotelescópio.

Dois dos testes essenciais dos equipamentos vão ser feitos também em Portugal, até final deste ano. “As ferramentas de software do telescópio estão neste momento a ser todas alojadas no Instituto de Telecomunicações, em Aveiro, para os testes de integração, que têm de estar prontos até final de 2019″, adianta o coordenador nacional do projecto.

Mas não é tudo. A demonstração do modelo de “operação verde” do telescópio, o que significa que será baseado em energias renováveis, também será feito cá. Os testes nesse sentido, que terão igualmente de estar concluídos até ao final de 2019, começam ainda esta primavera, numa zona já definida no Alentejo.

Além de ser o maior do mundo, quando estiver construído, o SKA é um radiotelescópio e tem outra particularidade que o diferencia de todos os outros: vai estar distribuído por vários países. Numa primeira fase, até 2025, vão ser instaladas cerca de 200 antenas parabólicas com 15 metros de diâmetro cada, na África do Sul. Na Austrália vão funcionar outras 130 mil antenas de pequena dimensão. E como estes são ambos países com muitas horas de sol, isso vai ser aproveitado como fonte de energia para a operação das antenas, nomeadamente com a tecnologia solar fotovoltaica. É a demonstração deste modelo “verde” que dentro de poucas semanas começa a ser testado no Alentejo.

“Vamos instalar um conjunto de 256 pequenas antenas num raio de cem metros, e a ideia é com isso demonstrar que esta opção verde permite uma poupança muito significativa, de cerca de 13 milhões de euros, na própria construção do telescópio”, adianta Domingos Barbosa.

Feita a demonstração, permanecem outras vantagens: “As antenas vão ficar no terreno, e funcionarão como infra-estrutura científica que podemos utilizar em Portugal”, explica o investigador.

Membro fundador da organização SKA, que vai construir e operar o radiotelescópio, de acordo com a própria organização, Portugal tem envolvidos no projecto cerca de 40 investigadores das universidades do Porto, Lisboa, Coimbra, Évora, Beira Interior e Aveiro – a coordenação está sediada em Aveiro, no Instituto de Telecomunicações – e ainda do Instituto Politécnico de Beja. Integram igualmente o consórcio nacional cerca de uma dezena de empresas, com quase 30 pessoas envolvidas.

O mapa mais fino da distribuição da matéria no universo

A partir de 2023, já com a maior parte das suas antenas a funcionar de forma integrada, o observatório SKA promete levar o conhecimento do universo para um novo patamar, até porque este será o primeiro telescópio que “vai observar todo o céu, e não apenas algumas parcelas de cada vez”, sublinha Domingos Barbosa.

Além disso, como é um radiotelescópio, as observações podem ser feitas em contínuo. “Não é preciso esperar pela noite, o telescópio não tem essa limitação, como os que usam a luz visível”.

E depois esperam-se novidades em várias frentes. “Logo a partir de 2023, o SKA vai mapear todos os pulsares (estrelas de neutrões muito densas que emitem sinais de rádio com períodos muito precisos, que podem funcionar como referência para a navegação de satélites), vai procurar exoplanetas habitáveis na Via Láctea, na vizinhança do sistema solar, até uma distância 50 anos-luz da Terra, e vai ainda identificar mil milhões de galáxias, para construir o modelo mais fino de sempre da distribuição da matéria no Universo.”

“Será um avanço gigantesco na ciência fundamental nesta área”, explica Domingos Barbosa, sublinhando que “a instalação destas infra-estruturas científicas em África vai contribuir para colocar aquele continente na linha da frente em termos científicos. Numa segunda fase do SKA, a partir de 2026, o observatório alargar-se-á a outros países africanos, nomeadamente a Moçambique, com a instalação de novas antenas, para continuar a crescer.

Diário de Notícias
Filomena Naves
23 Março 2019 — 20:43

 

1756: A enigmática geologia do Ultima Thule está a fascinar os cientistas

News Horizonts / NASA

O asteróide Ultima Thule não tem paralelo. Uma análise a novos dados enviados pela New Horizons da NASA, que baptizou o objeto que se localiza para lá de Neptuno no Cinturão de Kuiper, está a fascinar a comunidade científica.  

Este estranho e misterioso corpo celeste é o primeiro sistema binário de contacto primordial já explorado. As imagens de aproximação ao Ultima Thule sugeriram uma forma estranha, semelhante a um boneco de neve, para este sistema composto por dois corpos celestes. Contudo, uma análise mais aprofundada destas imagens, captadas a 3.500 quilómetros, revelaram novos dados sobre a forma incomum deste objeto.

Com 35 quilómetros de extensão, o Ultima Thule consiste num grande e plano lóbulo (apelidado de “Ultima”) conectado com um menor e mais redondo (apelidado de “Thule”). A equipa de cientistas apresentou as novas conclusões na 50th Lunar and Planetary Science Conference, que decorreu em The Woodlands, no estado norte-americano do Texas.

Até então, esta estranha forma é a maior surpresa das imagens recolhidas durante o sobrevoo. “Nunca vimos nada assim em lado nenhum do Sistema Solar”, disse o líder da New Horizons, Alan Stern, do Southwest Research Institute, citado em comunicado.

“[Isto] envia a comunidade científica planetária à mesa [das descobertas] para perceber como são formados os planeplanetesimais, os componentes básicos dos planetas.”

Tendo em conta que se encontra em óptimas condições de preservação, o Ultima Thule oferece uma visão mais clara sobre a era de acreção planetesimal e sobre os primeiros estágios da formação planetária. Ao que parece, os dois lóbulos do corpo rochoso orbitavam-se mutuamente – tal como muitos dos chamados “mundos binários” que orbitam o Cinturão de Kuiper – até que algum fenómeno os uniu numa fusão “suave”.

“[Esta explicação] está em linha com as ideias gerais sobre o início do nosso Sistema Solar”, explicou William McKinnon, cientista da New Horizons na Universidade de Washington em St. Louis. “Grande parte do impulso orbital do binário Ultima Thule deve ter-se esgotado para unir-se desta forma. Contudo, ainda não sabemos quais fora os processos mais importantes para fazer com que a fusão acontecesse”, sustentou.

Esta fusão pode ter deixado marcas na superfície do corpo celeste. O “pescoço” do Ultima Thule, que conecta o sistema, está remodelado, segundo explicaram os cientistas, podendo indicar um cisalhamento entre os lóbulos. Vários geólogos estão agora a braços com o objeto, tentando descrever e entender as muitas características do Ultima Thule, que vão desde pontos brilhantes e manchas, até colinas e vales, passando ainda por cratera e poços – é todo um mundo novo e fascinante a nível geológico .

A complexa geologia de Ultima Thule

Mais vermelho do que Plutão

Relativamente às suas cores e composição, a nova análise revelou que o corpo se assemelha aos demais vizinhos do Cinturão de Kuiper. Em linha com as observações do pré-voo do telescópio Hubble, o Ultima Thule é muito avermelhado, sendo até mais vermelho do que Plutão.

“É a primeira vez que se explora um deste objectos ‘ultra-vermelhos’, e as nossas observações abrem [caminho para] todo o tipo de novas perguntas”, disse Carly Howett, membro da New Horizons. “A imagem colorida revela inclusivamente diferenças subtis na coloração de toda a superfície e nós queremos realmente saber o porquê”, rematou.

A equipa de cientistas encontrou ainda evidências de metanol, água gelada e moléculas orgânicas na superfície do corpo. A transmissão de dados de Ultima Thule continua e, por isso, podemos esperar novidade sobre o asteróide que está a fascinar cientistas de todos os quadrantes. Contudo, os dados do sobrevoo só chegarão à Terra no verão de 2020. Até lá, a New Horizons vai continuar a acompanhar remotamente outros objectos do cinturão e a mapear o ambiente de radiação de partículas carregadas e poeira no Cinturão de Kuiper.

A nave da NASA, projectada para estudar o anão Plutão e o Cinturão de Kuiper, encontra-se a a 6,6 mil milhões de quilómetros da Terra, operando normalmente e acelerando mais no região do Cinturão de Kuiper, onde atinge quase os 53.000 quilómetros por hora.

SA, ZAP //

Por SA
24 Março, 2019

 

1755: Alguns humanos podem sentir o campo magnético da Terra

CIÊNCIA

NASA Goddard / Flickr

Novas evidências experimentais recolhidas por cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos EUA, sugerem que o cérebro humano é capaz de responder ao campo magnético da Terra, embora num nível inconsciente.

Ainda não é claro se a aparente capacidade de algumas pessoas sentirem o campo magnético do nosso planeta é, de alguma forma, útil – o mais provável é que seja apenas um vestígio do nosso passado mais primitivo.

Apesar desta dúvida, os cientistas deverão continuar a investigar para determinar se a magneto-recepção contribui de alguma forma para o comportamento ou para as capacidades dos humanos, como a orientação espacial.

Aves migratórias, tartarugas marinhas e alguns tipos de bactérias são algumas das espécies capazes de sentir o campo magnético da Terra, usando-o como uma espécie de sistema de navegação integrado. No caso dos humanos, foi em 1980 que foi sugerido pela primeira vez uma possível capacidade de detecção. Contudo, estudos posteriores não encontraram evidências deste fenómeno no Homem.

Agora, e recorrendo a novas técnicas de análises de dados, uma equipa internacional de cientistas, que contou com um biólogo geofísico, um neuro-cientista cognitivo e um neuro-engenheiro, decidiu voltar a analisar a questão.

De acordo com os cientistas, os resultados mistos das investigações anteriores podem estar relacionados com o facto de quase todos os procedimentos dependerem de decisões comportamentais dos seus participantes. Se os humanos possuem um sentido magnético, a experiência diária sugere que este seria muito fraco ou profundamente subconsciente.

Noutras palavras: estas impressões fracas podem ser facilmente mal interpretadas ou até simplesmente perdidas, nota a nova investigação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista especializada eNeuro.

Procedimento científico e resultados

A Terra é cercada por um campo magnético gerado pelo movimento do núcleo líquido do nosso planeta. Na superfície, este campo é bastante fraco, cerca de 100 vezes mais fraco do que ode um íman comum de frigorífico.

Para estudar se os humanos são capazes de o sentir, a equipa convidou 34 adultos a sentarem-se numa câmara escura envolta em bobinas através quais passavam correntes eléctricas, alterando o campo magnético na sala – sempre com a mesma intensidade do que a que rodeia o nosso planeta. Os participantes foram orientados a relaxar e fechar os olhos enquanto os cientistas manipulavam o campo à sua volta.

Durante o procedimento, máquinas utilizadas em electroencefalograma (EEG) mediram um tipo de onda cerebral (apelidada de onda alfa) nos participantes, que diminui de amplitude quando o cérebro capta um sinal, seja este visual, sonoro ou magnético.

Dos 34 participantes, quatro indivíduos mostraram nas monitorizações cerebrais fortes reacções a uma determinada mudança no campo magnético. Contudo, estes quatro indivíduos não perceberam o campo magnético de forma consciente. Para toda a amostra,  a participação no estudo foi totalmente serena, como se nada tivesse acontecido. Durante a hora em que estiveram sentados e parados numa sala escura hora, nada sentiram.

Nos quatro indivíduos acima mencionados, o cérebro respondeu fortemente a uma mudança numa determinada direcção – de nordeste para noroeste. De acordo com os cientistas, as suas ondas alfa diminuíram de amplitude até 60%. Esta mudança seria a mesma que sentira uma pessoa fora da câmara deslocando a rapidamente a sua cabeça da esquerda para a direita.

“Não esperávamos uma resposta assimétrica”, disse Connie Wang, autora principal do estudo, em declarações ao Live Science. Embora não seja claro por que motivo aconteceu, os cientistas sugerem que pode ser algo único para os indivíduos, assim como algumas pessoas são destras e outras canhotas.

Para garantir que os resultados não fossem uma casualidade, os participantes foram testados novamente várias semanas depois, e os resultados foram os mesmos.

Perguntas por responder

O facto de a maioria das pessoas não ser capaz de sentir o campo magnético da Terra não é necessariamente um problema. Da mesma forma que algumas pessoas são boas em artes e outras em matemática, os organismos não têm que se comportar ou reagir da mesma forma.

Ainda não é claro por que alguns humanos parecem ter habilidades de magneto-recepção, mas, teoricamente, esta capacidade poderia ajudar na orientação, ou ser um remanescente de uma capacidade que evoluiu cedo na história humana para ajudar os caçadores-colectores a navegar.

Ficam ainda muitas questões sobre este tema por responder. Aliás, até ao momento, os cientistas só descobriram como este fenómeno funciona exactamente num tipo de criatura, a chamada bactéria magnetotática. Estes micróbios migram ao longo das linhas do campo magnético terrestre usando partículas nos seus cérebros, as magnetita (Fe3O4).

Sabe-se, já décadas, que estas partículas existem no cérebro humano – foram descobertas por Joseph Kirschvink, um dos cientistas envolvidos neste estudo. Para perceber se estes micróbios ajudam ou não os humanos a sentir o campo magnético da Terra, serão necessárias mais investigações.

ZAP // HypeScience

Por HS
23 Março, 2019