2698: Pulsos raios gama de estrela de neutrões que gira 707 vezes por segundo

Um pulsar e a sua pequena companheira estelar, vistas no seu plano orbital. A poderosa radiação e o “vento” pulsar – um fluxo de partículas altamente energéticas – aquecem fortemente o lado da estrela orientado na direcção do pulsar até temperaturas duas vezes mais altas do que a superfície do Sol. O pulsar está a evaporar gradualmente a sua parceira, que enche o sistema com gás ionizado e impede os astrónomos de detectarem, na maior parte do tempo, o feixe rádio do pulsar.
Crédito: Centro de Voo Espacial Goddard da NASA/Cruz deWilde

Uma equipa internacional de investigação liderada pelo Instituto Max Planck para Física Gravitacional (Instituto Albert Einstein em Hannover) descobriu que o pulsar de rádio J0952-0607 também emite radiação gama pulsada. J0952-0607 gira 707 vezes por segundo e é o segundo na lista de estrelas de neutrões de rápida rotação. Através da análise de 8,5 anos de dados do Telescópio Espacial de Raios Gama Fermi da NASA, observações de rádio do LOFAR dos últimos dois anos, observações de dois grandes telescópios ópticos, e dados de ondas gravitacionais dos detectores LIGO, a equipa usou uma abordagem variada para estudar em detalhe o sistema binário do pulsar e da sua companheira leve. O estudo publicado na revista The Astrophysical Journal mostra que os sistemas pulsares extremos estão escondidos nos catálogos Fermi e motiva investigações adicionais. Apesar de muito extensa, a análise também levanta novas questões não respondidas sobre este sistema.

Os pulsares são os restos compactos de explosões estelares que possuem fortes campos magnéticos e que giram muito depressa. Emitem radiação como um farol cósmico e podem ser observados como pulsares de rádio e/ou pulsares de raios gama, dependendo da sua orientação para a Terra.

O pulsar mais rápido fora dos enxames globulares

PSR J0952-0607 (o nome indica a posição no céu) foi descoberto pela primeira vez em 2017 por observações de rádio de uma fonte identificada pelo Telescópio Espacial de Raios Gama Fermi como possivelmente um pulsar. Não foram detectadas pulsações de raios gama nos dados do LAT (Large Area Telescope) a bordo do Fermi. Observações com os radiotelescópios LOFAR identificaram uma fonte de rádio pulsante e – juntamente com as observações por telescópios ópticos – permitiram medir algumas propriedades do pulsar. Está a orbitar o centro de massa comum em 6,2 horas com uma estrela companheira que tem apenas 1/50 da massa do nosso Sol. O pulsar gira 707 vezes por segundo e é, portanto, a mais rápida rotação na nossa Galáxia para lá dos densos ambientes dos enxames globulares.

Procurando sinais extremamente fracos

Usando estas informações anteriores do sistema binário, Lars Nieder, estudante de doutoramento no Instituto Albert Einstein em Hannover, decidiu verificar se o pulsar também emitia raios gama pulsados. “Esta investigação é extremamente desafiadora porque o Telescópio de Raios Gama Fermi apenas registou o equivalente a cerca de 200 raios gama oriundos do pulsar fraco nos seus 8,5 anos de observações. Durante este período, o próprio pulsar girou 220 mil milhões de vezes. Por outras palavras, apenas foi observado um raio gama a cada mil milhões de rotações!”, explicou Nieder. “Para cada um destes raios gama, a pesquisa deve identificar exactamente quando e qual das rotações de 1,4 milissegundos o emitiu.”

Isto requer vasculhar os dados com uma resolução muito fina para não perder nenhum sinal possível. O poder de computação necessário é enorme. A busca muito sensível por pulsações leves de raios gama levaria 24 anos a ser concluída num único núcleo de computador. Ao usarem o complexo computacional do Instituto Albert Einstein em Hannover, terminaram em apenas 2 dias.

Uma estranha primeira detecção

“A nossa pesquisa encontrou um sinal, mas algo estava errado! O sinal era muito fraco e não estava exactamente onde deveria estar. A razão: a nossa detecção de raios gama de J0952-0607 havia revelado um erro de posição nas observações iniciais do telescópio óptico que usámos para direccionar a nossa análise. A nossa descoberta das pulsações de raios gama revelou este erro,” explica Nieder. “Este erro foi corrigido na publicação que relatou a descoberta do pulsar de rádio. Uma nova e extensa pesquisa de raios gama fez uma descoberta bastante fraca – mas estatisticamente significativa – de pulsar de raios gama na posição corrigida.”

Tendo descoberto e confirmado a existência da radiação gama pulsada do pulsar, a equipa voltou aos dados do Fermi e usou os 8,5 anos completos de Agosto de 2008 a Janeiro de 2017 para determinar os parâmetros físicos do pulsar e do seu sistema binário. Dado que a radiação gama de J0952-0607 era muito fraca, tiveram que aprimorar o seu método de análise desenvolvido anteriormente para incluir correctamente todas as incógnitas.

Outra surpresa: sem pulsos gama até Julho de 2011

A solução derivada continha outra surpresa, porque era impossível detectar pulsos de raios gama da estrela de neutrões nos dados anteriores a Julho de 2011. A razão pela qual o pulsar parece apenas mostrar pulsos após essa data é desconhecida. As variações na quantidade de raios gama emitidos podem ser uma razão, mas o pulsar é tão ténue que não foi possível testar esta hipótese com precisão suficiente. Alterações na órbita do pulsar, vistas em sistemas similares, também podem fornecer uma explicação, mas não havia sequer uma pista nos dados de que isso estava a acontecer.

Observações ópticas levantam outras questões

A equipa também usou observações com o NTT (New Technology Telescope) do ESO em La Silla e com o GTC (Gran Telescopio Canarias) em La Palma para examinar a estrela companheira do pulsar. Muito provavelmente tem bloqueio de marés em relação ao pulsar, como a Lua em relação à Terra, de modo que um lado está sempre virado para o pulsar e é aquecido pela sua radiação. Embora a estrela companheira orbite o sistema de massa do binário, o seu lado “diurno” mais quente e o seu lado “nocturno” mais frio são visíveis da Terra e o brilho e a cor observada variam.

Estas observações criam outro enigma. Embora as observações rádio apontem para uma distância de aproximadamente 4400 anos-luz, as observações ópticas implicam uma distância cerca de três vezes maior. Se o sistema estivesse relativamente próximo da Terra, apresentaria uma companheira extremamente compacta e densa, nunca antes vista, enquanto as distâncias maiores são compatíveis com as densidades de companheiras pulsares semelhantes conhecidas. Uma explicação para esta discrepância pode ser a existência de ondas de choque no vento de partículas do pulsar, que podem levar a um aquecimento diferente da companheira. Mais observações de raios gama com o LAT do Fermi devem ajudar a responder a esta pergunta.

À procura de ondas gravitacionais contínuas

Outro grupo de investigadores do Instituto Albert Einstein em Hannover procurou a emissão contínua de ondas gravitacionais do pulsar usando dados da primeira (O1) e da segunda (O2) campanhas de observação do LIGO. Os pulsares podem emitir ondas gravitacionais quando possuem pequenas “colinas” ou “inchaços” à sua superfície. A investigação não detectou ondas gravitacionais, o que significa que a forma do pulsar deve estar muito próxima de uma esfera perfeita, com as maiores deformações não excedendo fracções de um milímetro.

Estrelas de neutrões em rápida rotação

A compreensão dos pulsares em rápida rotação é importante porque são sondas da física extrema. A rapidez com que as estrelas de neutrões podem girar antes de se separarem devido às forças centrífugas é desconhecida e depende de física nuclear desconhecida. Os pulsares de milissegundo como J0952-0607 giram tão depressa porque foram acelerados pela acreção de matéria da sua companheira. Pensa-se que este processo enterre o campo magnético do pulsar. Com observações de raios gama a longo prazo, a equipa de investigação mostrou que J0952-0607 possui um dos dez campos magnéticos mais baixos já medidos para um pulsar, consistente com as expectativas teóricas.

Einstein@Home procura casos de estudo de física extrema

“Vamos continuar a estudar este sistema com observatórios de raios gama, rádio e ópticos, pois ainda há perguntas sem resposta. Esta descoberta também mostra mais uma vez que os sistemas pulsares extremos estão escondidos no catálogo LAT do Fermi,” diz o professor Bruce Allen, supervisor do doutoramento de Nieder e Director do Instituto Albert Einstein em Hannover. “Também estamos a utilizar o nosso projecto de computação distribuída de ciência cidadã, Einstein@Home, para procurar sistemas binários com pulsares de raios gama noutras fontes do LAT do Fermi e estamos confiantes que vamos fazer mais descobertas empolgantes no futuro.”

Astronomia On-line
24 de Setembro de 2019

 

Descoberto “portal” de cometas para o Sistema Solar interior

Impressão de artista do potencial aspecto do Centauro SW1 como um Cometa da Família de Júpiter do Sistema Solar interior a uma distância de 0,2 UA (30 milhões de quilómetros) da Terra. A Lua está no canto superior direito da imagem para efeitos de escala.
Crédito: Universidade do Arizona/Heather Roper

Um novo estudo liderado por um investigador da Universidade da Florida Central pode alterar fundamentalmente a nossa compreensão de como os cometas chegam da periferia do Sistema Solar e são canalizados para o Sistema Solar interior, aproximando-se da Terra.

Publicado a semana passada na revista The Astrophysical Journal Letters, Gal Sarid e co-autores descrevem no artigo a descoberta de um “portal” orbital através do qual muitos cometas passam antes de se aproximarem do Sol. O portal foi descoberto como parte de uma simulação de centauros, pequenos corpos gelados que viajam em órbitas caóticas entre Júpiter e Neptuno. A equipa do estudo modelou a evolução dos corpos para lá da órbita de Neptuno, através da região do planeta gigante e para dentro da órbita de Júpiter. Estes corpos gelados são considerados restos quase intocados de material do nascimento do nosso Sistema Solar.

O percurso dos cometas desde o seu local de formação original em direcção ao Sol há muito tempo que é debatido.

“Como é que os cometas novos, controlados pela influência de Júpiter, substituem os que são perdidos? Onde está a transição entre residir no Sistema Solar exterior, como pequenos corpos adormecidos, e tornarem-se activos no Sistema Solar interior, exibindo uma cabeleira e uma cauda generalizadas de gás e poeira?” pergunta Sarid, o principal cientista do estudo. Estas perguntas permaneceram um mistério até agora. “O que descobrimos, o modelo de portal como um ‘berço de cometas’, vai mudar o modo como pensamos sobre a história dos corpos gelados,” diz.

Pensa-se que os centauros tenham origem na Cintura de Kuiper, uma região para lá de Neptuno, e são considerados como a fonte dos Cometas da Família de Júpiter (CFJ) que ocupam o Sistema Solar interior. A natureza caótica das órbitas dos centauros obscurece os seus percursos exactos, dificultando a previsão do seu futuro como cometas. Quando corpos gelados como os centauros ou cometas se aproximam do Sol, começam a libertar gás e poeira para produzir a aparência difusa da cabeleira e as caudas longas que chamamos de cometas. Esta exibição está entre os fenómenos observáveis mais impressionantes do céu nocturno, mas também é um lampejo de beleza fugaz que é rapidamente seguido pela destruição do cometa ou pela sua evolução para um estado adormecido, explica Sarid.

O objetivo original da investigação era explorar a história de um centauro peculiar – 29P/Schwassmann-Wachmann 1 (SW1), um centauro de tamanho médio numa órbita quase circular logo a seguir a Júpiter. SW1 há muito que intriga os astrónomos com a sua alta actividade e frequentes surtos explosivos que ocorrem a uma distância do Sol onde o gelo efectivamente não deverá vaporizar. Tanto a sua órbita quanto a sua actividade colocam SW1 num meio termo evolutivo entre os outros centauros e os Cometas da Família de Júpiter. A equipa de investigação queria explorar se as circunstâncias de SW1 eram consistentes com a progressão orbital dos outros centauros, acrescentou Sarid.

“Mais de um em cada cinco centauros que rastreámos encontrava-se numa órbita semelhante à de SW1 em algum momento da sua vida,” disse Maria Womack, cientista do Instituto Espacial da Florida e co-autora do estudo. “Em vez de ser um ‘outlier’ peculiar, SW1 é um centauro apanhado no ato de evoluir dinamicamente para um CFJ.” Além da natureza comum da órbita de SW1, as simulações levam a uma descoberta ainda mais surpreendente, realça Womack.

“Os centauros que passam por esta região são a fonte de mais de dois-terços de todos os CFJs, tornando-se no portal principal através do qual estes cometas são produzidos,” diz Womack. Esta região não hospeda objectos durante muito tempo, sendo que a maioria dos centauros se tornam CFJs em alguns milhares de anos. Esta é uma parte curta da vida útil de qualquer objecto do Sistema Solar, que pode durar milhões e por vezes milhares de milhões de anos.

A presença do portal fornece um meio há muito procurado de identificar os centauros numa trajectória iminente em direcção ao Sistema Solar interior. SW1 é actualmente o maior e mais activo dos poucos objectos descobertos nesta região, o que o torna num “principal candidato a avançar o nosso conhecimento das transições orbitais e físicas que moldam a população de cometas que vemos hoje,” disse Sarid.

A nossa compreensão dos cometas está intimamente ligada ao conhecimento da composição inicial do nosso Sistema Solar e à evolução das condições para o surgimento de atmosferas e da vida, explicaram os investigadores.

Astronomia On-line
24 de Setembro de 2019

 

2696: WFIRST da NASA vai ajudar a descobrir o destino do Universo

Impressão de artista do WFIRST.
Crédito: Centro de Voo Espacial Goddard da NASA

Os cientistas descobriram que uma pressão misteriosa chamada “energia escura” compõe cerca de 68% do conteúdo energético total do cosmos, mas até agora não sabemos muito sobre ela. A exploração da natureza da energia escura é uma das principais razões pelas quais a NASA está a construir o WFIRST (Wide Field Infrared Survey Telescope), um telescópio espacial cujas medições vão ajudar a iluminar o quebra-cabeças da energia escura. Com uma melhor compreensão da energia escura, teremos uma melhor noção da evolução passada e futura do Universo.

Um Cosmos em expansão

Até ao século XX, a maioria das pessoas achava que o Universo era estático, permanecendo essencialmente inalterado por toda a eternidade. Quando Einstein desenvolveu a sua teoria geral da relatividade em 1915, descrevendo como a gravidade actua através do tecido do espaço-tempo, ele ficou intrigado ao descobrir que a teoria indicava que o cosmos ou devia expandir-se ou contrair-se. Ele fez alterações para preservar um Universo estático, acrescentando algo que chamou de “constante cosmológica”, mesmo não existindo evidências da sua existência. Esta força misteriosa deveria neutralizar a gravidade para manter tudo no lugar.

No entanto, no final da década de 1920, o astrónomo George Lemaitre, e depois Edwin Hubble, fizeram a descoberta surpreendente de que, com poucas excepções, as galáxias estão a afastar-se umas das outras. O Universo estava longe de ser estático – estava a “inchar”. Consequentemente, se imaginarmos rebobinar esta expansão, deverá ter havido uma altura em que tudo no Universo estava quase impossivelmente quente e próximo.

O fim do Universo: fogo ou gelo?

A teoria do Big Bang descreve a expansão e a evolução do Universo a partir deste estado inicial super-quente e super-denso. Os cientistas teorizaram que a gravidade acabaria por desacelerar e possivelmente até reverter completamente esta expansão. Se o Universo tivesse matéria suficiente, a gravidade superaria a expansão e o Universo entraria em colapso num grande “Big Crunch” de fogo.

Caso contrário, a expansão nunca terminaria – as galáxias afastar-se-iam umas das outras cada vez mais até que passassem para lá da orla do Universo observável. Os nossos distantes descendentes poderão não ter conhecimento da existência de outras galáxias uma vez que estariam demasiado longe para serem visíveis. Grande parte da astronomia moderna pode um dia ser reduzida a mera lenda, à medida que o Universo desvanece gradualmente para uma gelada escuridão.

O Universo não está apenas a expandir-se – está a acelerar

Os astrónomos mediram o ritmo de expansão usando telescópios terrestres para estudar explosões de super-novas relativamente próximas. O mistério cresceu em 1998 quando observações de super-novas mais distantes, pelo Telescópio Espacial Hubble, ajudaram a mostrar que o Universo realmente se expandiu mais lentamente no passado do que hoje. A expansão do Universo não está a diminuir devido à gravidade, como todos pensavam. Está a acelerar.

Avançando rapidamente para hoje. Embora ainda não saibamos, exactamente, a razão desta aceleração, a “culpada” recebeu um nome – energia escura. Esta pressão misteriosa permaneceu desconhecida por tanto tempo porque é tão fraca que a gravidade se sobrepõe a ela à escala dos humanos, dos planetas e até da nossa Galáxia. Está presente na sua sala enquanto lê, dentro do seu próprio corpo, mas a gravidade neutraliza-a para que não saia a voar do seu lugar. Somente a escalas inter-galácticas é que a energia escura se torna perceptível, agindo como uma espécie de oposição fraca à gravidade.

O que é a energia escura?

O que é, exactamente, a energia escura? Desconhecemos mais do que sabemos, mas os teóricos estão à procura de algumas explicações possíveis. A aceleração cósmica pode ser provocada por um novo componente energético, o que exigiria alguns ajustes na teoria da gravidade de Einstein – talvez a constante cosmológica, que Einstein chamou do seu maior erro seja, afinal, real.

Alternativamente, a teoria da gravidade de Einstein pode quebrar-se a escalas cosmológicas. Se for esse o caso, a teoria precisará de ser substituída por uma nova que incorpore a aceleração cósmica que observamos. Os teóricos ainda não sabem qual é a explicação correta, mas o WFIRST ajudar-nos-á a descobrir.

WFIRST irá iluminar a energia escura

As missões anteriores reuniram algumas pistas, mas até agora não produziram resultados que favorecem fortemente uma explicação ou outra. Com a mesma resolução das câmaras do Hubble, mas com um campo de visão 100 vezes maior, o WFIRST produzirá imagens grandes do Universo nunca antes vistas. A nova missão avançará a exploração da energia escura de maneiras que outros telescópios não conseguem, mapeando como a matéria é estruturada e distribuída por todo o cosmos e medindo também um grande número de super-novas distantes. Os resultados indicarão como a energia escura actua por todo o Universo e se mudou ao longo da história cósmica.

A missão vai usar três métodos de pesquisa para procurar uma explicação da energia escura.

O HLSS (High Latitude Spectroscopic Survey) vai medir com precisão distâncias e posições de milhões de galáxias usando uma técnica de “régua padrão”. A medição de como a distribuição das galáxias varia com a distância vai abrir uma janela para a evolução da energia escura ao longo do tempo. Este estudo vai ligar as distâncias das galáxias com os ecos de ondas sonoras logo após o Big Bang e testar a teoria da gravidade de Einstein ao longo da idade do Universo.

O WFIRST também vai realizar um levantamento de um tipo de explosão estelar, baseando-se nas observações que levaram à descoberta da expansão acelerada. As super-novas do Tipo Ia ocorrem quando as estrelas anãs brancas explodem. As super-novas do Tipo Ia geralmente têm o mesmo brilho absoluto no seu pico, tornando-as no que os astrónomos apelidam de “velas padrão”. Isto significa que os astrónomos podem determinar a que distância estão a ver o seu brilho da Terra – e quanto mais longe estão, mais ténues parecem. Os astrónomos também vão observar comprimentos de onda específicos provenientes de super-novas para descobrir com que rapidez as estrelas moribundas estão a afastar-se nós. Ao combinarem distâncias com medições de brilho, os cientistas podem ver como a energia escura evoluiu ao longo do tempo, fornecendo uma verificação cruzada com os dois levantamentos.

Adicionalmente, o HLIS (High Latitude Imaging Survey) vai medir as formas e distâncias de inúmeras galáxias e enxames galácticos. A imensa gravidade de objectos massivos distorce o espaço-tempo e faz com que as galáxias mais distantes pareçam distorcidas. A observação do grau de distorção permite que os cientistas possam inferir a distribuição de massa por todo o cosmos. Isto inclui toda a matéria que podemos ver directamente, como planetas e estrelas, bem como a matéria escura – outro mistério cósmico escuro que é “visível” apenas devido aos seus efeitos gravitacionais sobre a matéria normal. Este levantamento fornecerá uma medição independente do crescimento da estrutura a larga escala do Universo e de como a energia escura tem afectado o cosmos.

“A missão WFIRST é única na combinação destes três métodos. Levará a uma interpretação muito robusta e rica dos efeitos da energia escura e permitir-nos-á fazer uma declaração definitiva sobre a natureza da energia escura,” disse Olivier Doré, cientista do JPL da NASA em Pasadena, no estado norte-americano da Califórnia, e líder da equipa que está a planear os dois primeiros métodos de pesquisa com o WFIRST.

Descobrir como a energia escura afectou a expansão do Universo no passado vai lançar alguma luz sobre como influenciará a expansão no futuro. Se continuar a acelerar a expansão do Universo, podemos estar destinados a sofrer um “Big Rip”. Neste cenário, a energia escura acabará por tornar-se dominante sobre as forças fundamentais, fazendo com que tudo o que está actualmente unido – galáxias, planetas, pessoas – se separe. A exploração da energia escura vai permitir-nos investigar e possivelmente prever o destino do Universo.

Astronomia On-line
24 de Setembro de 2019

 

2695: NASA vigia atentamente 5 asteróides que vão passar pela Terra

CIÊNCIA

Apesar de não haver nas contas da NASA nenhum asteróide em rota de colisão com a Terra nos próximos 100 anos, tudo pode mudar rapidamente. De facto, neste momento, há 5 asteróides que estão a ser vigiados de forma mais individual.

Segundo as informações, uma das 5 rochas que estão a caminho do nosso planeta é um corpo celeste grande. De tal forma que, se porventura estivesse em rota de colisão com o planeta, poderia destruir uma cidade inteira.

NASA vigia o caminho de 5 asteróides que passarão pela Terra

A NASA está a seguir um total de cinco asteróides que se dirigem agora para a Terra. Um dos asteróides que se aproxima é grande o suficiente para aniquilar uma grande área metropolitana. No entanto, estes não estão numa rota de colisão para tal cenário.

De acordo com o Center for Near Earth Object Studies (CNEOS) da NASA, o primeiro asteróide que se aproximará da Terra é chamado de 523934 (1998 FF14). A agência observou que o asteróide está a viajar actualmente a uma velocidade de cerca de 80 mil km/h. Contudo, este tem um diâmetro estimado de cerca de 430 metros, tornando-o significativamente maior do que a Torre Eiffel.

Asteróides que mesmo pequenos podem causar danos… se caíssem na Terra

Dado o enorme tamanho do asteróide, este poderia causar danos significativos se atingir a Terra. Ao contrário dos asteróides mais pequenos que normalmente explodem em pleno ar, o 523934 (1998 FF14) poderia muito provavelmente atravessar a nossa atmosfera e causar um evento de impacto maciço.

Se o asteróide atingir o planeta, pode criar uma cratera com cerca de alguns quilómetros de largura e nivelar uma área tão grande quanto uma cidade.

De acordo com o CNEOS, o asteróide aproximar-se-á da Terra amanhã, 24 de Setembro às 8:27 horas (hora de Lisboa). Durante este tempo, o asteróide estará a cerca de 0,02780 unidades astronómicas ou a aproximadamente 4.1 milhões de quilómetros de distância.

Pequenos mas muito velozes

A segunda rocha que passará pela Terra chama-se 2019 SW1. Move-se a uma velocidade perto dos 46 mil km/h e tem um diâmetro estimado de 21 metros. O CNEOS prevê que a 2019 SW1  passará pela Terra também a 24 de Setembro, pelas 11:52 horas (hora de Lisboa). Contudo, o asteróide estará a cerca de 0,00769 unidades astronómicas ou aproximadamente 1.1 milhões de quilómetros do centro da Terra. No fundo, estamos a falar em cerca de três vezes a distância entre o planeta e a Lua.

Posteriormente, chega o terceiro asteróide conhecido como 2019 QY3. Esta rocha viaja a uma velocidade de 30 mil km/h e possui um diâmetro estimado de 66 metros. De acordo com o CNEOS, o 2019 QY3 irá passar pela Terra no dia 26 de Setembro às 8:35 da manhã. A sua distância mais próxima à Terra durante a sua aproximação será de cerca de 5 milhões de quilómetros de distância.

O quarto asteróide, o 2017 KP27, viaja à velocidade estimada de cerca de 17 mil km/h. Segundo as informações do CNEOS, este asteróide tem cerca de 45 metros de comprimento e passará pelo nosso planeta no dia 26 de Setembro às 20:36. Durante este tempo, o asteróide estará a aproximadamente 1.6 milhões de quilómetros do centro do planeta.

Por fim, chega o 2006 QV89. Este asteróide voa a uma velocidade de cerca de 15 mil km/h. O organismos da NASA notou que este asteróide tem cerca de 52 metros de comprimento. Assim sendo, este passará já na madrugada do dia 27 de Setembro pelas 04:54.

NASA: Asteróide classificado como perigoso vai passar pela Terra no próximo ano

Chama-se 1998 OR2 e é um enorme asteróide que está actualmente numa trajectória para passar pelo nosso planeta. Contudo, este não é um asteróide qualquer. O astro tem órbita excêntrica, é classificado como objecto … Continue a ler NASA: Asteróide classificado como perigoso vai passar pela Terra no próximo ano

Pplware
Imagem: NASA
Fonte: Business Times

 

2694: Adeus, Pizol. Suíços fizeram funeral a glaciar que (quase) desapareceu

AMBIENTE

Gian Ehrenzeller / EPA

Mais de duas centenas de pessoas reuniram-se neste Domingo para realizar um funeral simbólico pelo desaparecimento de um dos glaciares mais estudados do mundo – Pizol.

Cerca de 250 pessoas reuniram-se após um trilho de duas horas pelo terreno onde antes se encontrava o antigo glaciar, localizado na montanha Pizol, que lhe dá o nome, perto de Liechtenstein e da Áustria, a 2.700 metros de altitude.

O glaciar ainda não desapareceu completamente mas, segundo os cientistas, perdeu 80% do seu volume desde 2006 devido às alterações climáticas. Restam agora 26.000 metros quadrados de gelo, menos do que quatro campos de futebol, refere o Observador.

O Pizol perdeu tanto volume que, “numa perspectiva científica, já nem sequer é um glaciar”, disse à agência AFP a activista Alessandra Degiacomi. Um estudo de investigadores suíços concluiu que, até 2050, pelo menos metade dos glaciares da Suíça vão desaparecer.

O funeral simbólico ao Pizol contou ainda com a presença de um padre e vários cientistas. A cerimónia foi organizada pela Associação Suíça pela Protecção do Clima, que pede a redução para zero das emissões de dióxido de carbono no país até 2050. Uma coroa de flores foi colocada na montanha, em memória do glaciar.

Viemos aqui para dizer ‘adeus’” ao Pizol, disse Matthias Huss, especialista em glaciares. Já o pároco de Mels, localidade onde o glaciar se localiza, pediu “ajuda de Deus para superar o enorme desafio das mudanças climáticas”.

Matthias Huss disse à AFP que, independentemente do que possamos vir a fazer, os Alpes vão perder, pelo menos, metade da massa de gelo até 2100.

O Pizol não é o primeiro glaciar a desaparecer dos Alpes Suíços. “Desde 1850, estimamos que mais de 500 glaciares suíços tenham desaparecido completamente”. Ainda assim, o Pizol é o “primeiro glaciar densamente estudado a desaparecer”. De acordo com o matutino, estava a ser acompanhado pelos especialistas desde 1893.

Depois do Pizol, os especialistas estimam que o maior glaciar dos Alpes, o Aletsch, possa vir a desaparecer completamente nas próximas oito décadas.

ZAP //

Por ZAP
23 Setembro, 2019

 

2693: Revelada fotografia do misterioso material do lado oculto da Lua

CIÊNCIA

CNSA / CLEP

A agência espacial chinesa já tinha anunciado a descoberta de uma espécie de gel numa cratera lunar. Não satisfeita com as primeiras imagens, fez regressar o Yutu-2 ao local para recolher mais fotografias.

Em Julho, imagens recolhidas pelo veículo robótico Yutu-2, da missão Chang’e-4, revelaram a existência de uma substância gelatinosa numa cratera situada no lado mais negro da Lua. Na altura, a Agência Espacial chinesa anunciou a descoberta descrevendo o material como tendo uma forma, cor e textura diferentes do restante da superfície do satélite natural da Terra.

Este fim de semana, foram divulgadas novas imagens, de acordo com o Sapo Tek. A sonda chinesa terá sido capaz de detectar o gel, depois de inspeccionar a pequena cratera lunar com uma ferramenta espectroscópica conhecida como VNIS (Visible and Near-Infrared Spectrometer).

Esta tecnologia é capaz de determinar a composição química de uma substância ao analisar a luz que a matéria reflecte, embora seja impossível determinar com exactidão o que é a substância em causa na ausência de estudos mais completos sobre a sua origem.

Uma das teorias apontada pelos cientistas é que esta substância possa ser vidro derretido pelo calor de meteoritos que atingiram a Lua, deixando a cratera no local. Impactos de alta velocidade na superfície lunar podem criar rochas vítreas e ígneas, assim como estruturas cristalinas.

Em entrevista ao Space.com, Clive Neal, cientista da Universidade de Notre Dame, explicou que, apesar de a fotografia não ser perfeita, pode oferecer pistas preciosas. Segundo o mesmo especialista, o material encontrado assemelha-se a uma amostra de vidro de impacto, encontrada durante a missão Apolo 17, em 1972. A origem é atribuída a uma erupção vulcânica datada de há 3,54 mil milhões de anos.

O especialista da NASA Dan Moriarty concorda que é muito difícil fazer uma avaliação definitiva da composição química da substância em função da baixa qualidade da imagem. O material descrito parece um pouco mais brilhante do que o material circundante, embora o brilho real seja difícil de confirmar nas fotografias obtidas.

No dia 8 de Dezembro, a China lançou com sucesso a sonda da missão Chang’e-4, tornando-se no primeiro país a realizar uma alunagem bem sucedida no lado oculto da Lua. Chang’e-4 e Yutu-2 estão a realizar várias medições e a recolher rochas que podem revelar novos detalhes sobre esta área inexplorada do nosso satélite natural.

ZAP //

Por ZAP
23 Setembro, 2019

 

Rio Tejo “espanhol” escondia círculo de pedras como Stonehenge

CIÊNCIA

Seca revelou conjunto de menires debaixo de água com mais de 4 mil anos.

© SIC Notícias Dolmen Guadalperal no verão de 2019

Durante décadas, um cromeleque (conjunto de pedras pré-histórico em círculo) esteve oculto sob as águas do rio Tejo, no reservatório espanhol Valdecañas.

Meses de seca intensa fizeram desaparecer as águas do reservatório – revelando assim toda a estrutura megalítica. É uma oportunidade para o reinício das investigações sobre o enigmático círculo, mas também o início da discussão sobre se as pedras devem ser movidas ou deixadas no mesmo sítio.

Constituída por 150 menires dispostos em círculo, o Dólmen de Guadalperal é também conhecido como “Stonehenge espanhol”. Foi construído na Idade do Cobre ou do Bronze, nas margens do rio Tejo, há pelo menos 4.000 anos.

Os menires colocados na vertical fazem lembrar os famosos que constituem o conjunto britânico Stonehenge, bem como outros conjuntos megalíticos que há um pouco por toda a Europa, todos, supõe-se, para o mesmo fim.

Ao longo dos tempos, foram sendo colocadas lajes horizontais formando uma estrutura como um túmulo ou abrigo fechado chamado dólmen.

As teorias sobre pedras dispostas em círculo

Durante anos se acreditou que estes cromeleques funcionavam como um calendário ou observatório astronómico.

Já no século XXI, os arqueólogos desenvolveram a tese de que Stonhenge teria sido um cemitério, utilizado como um túmulo para famílias distintas, depois de 10 anos de pesquisas que incluíram escavações, trabalho de laboratório e a análise de 63 antigos restos humanos.

Análises efectuadas aos restos de 80.000 ossos de animais detectados no local também sugerem que, por volta de 2.500 A.C., decorreram em Stonehenge grandes festas comunitárias, como a celebração dos solstícios do verão e do inverno.

© Chris Helgren / Reuters

Perdido nos tempos, o local milenar foi redescoberto em 1920 e captou a atenção do antropólogo alemão Hugo Obermaier.

Mas o tempo que teve para estudar as pedras foi pouco. O Estado espanhol começou a transformar o rio Tejo num reservatório, que engoliu não só o cromeleque, mas também vários outros locais historicamente significativos de vários períodos.

Na década de 1960, a estrutura pré-histórica praticamente desapareceu de vista.

Este ano de 2019 foi particularmente seco, com Espanha a sofrer o Junho mais seco do século, o que fez com que os menires reaparecessem.

Duas imagens do satélite Landsat da NASA mostram bem como a terra sofreu uma grande transformação devido ao excesso de calor.

msn notícias
SIC Notícias
23/09/2019

 

2691: Alguns planetas podem orbitar um buraco negro super-massivo em vez de uma estrela

CIÊNCIA

NASA Goddard

Estamos habituados à ideia de que um planeta orbita estrelas. No entanto, estes corpos celestes podem também existir em torno de buracos negros super-massivos.

Os cientistas já haviam adoptado a ideia de que há planetas a orbitar buracos negros mais pequenos, mas nada se sabe sobre a possibilidade de estes corpos espaciais orbitarem buracos negros super-massivos. Keiichi Wada, da Universidade de Kagoshima, no Japão, decidiu aplicar modelos de formação planetária para ver se esta hipótese pode ser real.

“Este é o primeiro estudo que afirma a possibilidade de formação” directa “de objectos semelhantes a planetas que não estão associados a estrelas, mas sim a buracos negros super-massivos”, afirmou a cientista, citada pelo New Scientist.

Os cientistas desconfiam que a formação de planetas começa com um disco de poeira e gás em torno de uma estrela. Gradualmente, este material agrupa-se e a gravidade atrai ainda mais material, construindo assim um planeta.

Wada e a sua equipa analisaram de que forma os discos conhecidos por cercar buracos negros super-massivos se comportariam e mostraram que este processo, muito semelhante ao da formação planetária, pode mesmo acontecer. “Basicamente, trata-se do mesmo processo que a formação de planetas normais ao redor das estrelas”, resume Wada.

Graças à sua enorme massa e força gravitacional, os buracos negros super-massivos distorcem o tempo espacial de maneiras estranhas. No entanto, os planetas em órbita podem não sentir efeitos estranhos, como a dilatação do tempo. Wada diz que, provavelmente, estes planetas orbitariam a uma grande distância – entre 10 e 30 anos-luz -, onde os efeitos extremos da relatividade geral seriam “desprezíveis”.

Os sistemas planetários em torno de um buraco negro super-massivo podem não ser como os sistemas estelares. “A quantidade de poeira é enorme”, o que significa que a massa dos planetas seria muito grande – cerca de 10 vezes mais massivos do que a Terra. Além disso, poderia haver até 10.000 planetas em torno de um único buraco negro. O artigo científico da equipa foi publicado no arXiv.org.

Sean Raymond, da Universidade de Bordeaux, diz que a lógica da equipa da universidade japonesa é plausível. Ainda assim, o cientista afirma que pode ser possível que os planetas se aproximem de um buraco negro super-massivo e existam em números ainda maiores.

Teoricamente, é possível que milhões de planetas orbitem um buraco negro super-massivo, mas isso exige que muitas coisas sejam perfeitas”, afirmou.

Detectar directamente estes planetas seria muito difícil por causa das vastas distâncias envolvidas. Ainda assim, através da astronomia infravermelha, pode ser possível observar o disco proto-planetário e, desta forma, conseguir provas indirectas de que planetas orbitam em torno de buracos negros super-massivos.

ZAP //

Por ZAP
23 Setembro, 2019

 

2690: Colisão gigante de asteróides no Espaço provocou um boom de vida na Terra

CIÊNCIA

JPL-Caltech / NASA

Os asteróides desempenharam um “papel divino” na história da vida na Terra. Um novo estudo sugere que um gigantesco boom de biodiversidade na Terra, há cerca de 470 milhões de anos, poderá ter acontecido devido a uma colisão cataclísmica no cinturão de asteróides.

Há cerca de 466 milhões de anos, a Terra embarcou numa das explosões mais monumentais da biodiversidade de sua história, no que é agora chamado de Great Ordovician Biodiversification Event (GOBE).

Durante esse evento, a biodiversidade marinha teve um aumento espectacular, principalmente dentro dos filos estabelecidos durante a Explosão dos Cambrianos, período em que os principais filos animais surgiram no registo fóssil há cerca de 541 milhões de anos. O GOBE abriu o caminho para a evolução de algas verdes, peixes primitivos, cefalópodes, corais e um monte de outras criaturas que reconheceríamos hoje.

De acordo com o novo estudo, publicado este mês na revista especializada Science Advances, cientistas da Universidade de Lund, na Suécia, argumentam que este evento foi desencadeado por uma colisão no cinturão de asteróides em algum lugar entre Marte e Júpiter, envolvendo um asteróide de 150 quilómetros de largura.

De acordo com a sua hipótese, a poeira lançada pelo acidente impediu que uma quantidade significativa de luz solar chegasse à Terra, causando a queda das temperaturas e o surgimento de uma mini era glacial. No processo de adaptação ao novo clima – mais frio, mas mais adequado para a vida -, surgiu uma grande diversidade de invertebrados.

“Os nossos resultados mostram pela primeira vez que este pó arrefeceu drasticamente a Terra. Os nossos estudos podem fornecer uma compreensão empírica mais detalhada de como isto funciona, e isso, por sua vez, pode ser usado para avaliar se simulações de modelos são realistas”, explicou Birger Schmitz, professor de geologia da Universidade de Lund e líder do estudo, em comunicado.

A equipa chegou a essa conclusão ao estudar a composição de sedimentos petrificados no fundo do mar em Kinnekulle, no sul da Suécia. A presença de um isótopo de hélio e outras substâncias aprisionadas nos sedimentos só pode ser explicada pelo vento solar, que terá bombardeado a poeira, enriquecendo-a com estes elementos antes de cair na Terra.

“Este resultado foi completamente inesperado. Nos últimos 25 anos, inclinamo-nos para hipóteses muito diferentes em termos do que aconteceu. Só nas últimas medições de hélio é que tudo foi resolvido”, rematou Schmitz.

ZAP //

Por ZAP
23 Setembro, 2019

 

2689: Cientista diz que avanços científicos podem levar à extinção humana

CIÊNCIA

fotorince / Canva

A evolução da ciência e tecnologia pode ser fundamental para evitar catástrofes, mas, ironicamente, pode também ser a causadora do fim da nossa espécie.

O estudo das mudanças climáticas baseia-se em simulações cada vez mais de longo prazo. As previsões da ciência já não são meras hipóteses de validação ou invalidação, mas geralmente são ameaças graves — de crescente alcance e severidade — que devem ser evitadas.

Prever o perigo que se aproxima exige uma resposta proactiva. Isto significa que, cada vez mais, a procura pela tecno-ciência tende a não apenas investigar passivamente o mundo natural, mas também a intervir activamente nele.

No caso do clima, uma coisa que isto gerou foi a proposta de “geo-engenharia” — o aproveitamento em larga escala dos sistemas naturais da Terra, a fim de combater as consequências desastrosas das mudanças climáticas.

As nossas antecipações dos perigos da natureza motivam-nos a tentar intervir nela e reinventá-la para os nossos próprios propósitos e fins. Assim, cada vez mais vivemos num mundo da nossa própria autoria, no qual a divisão entre o “natural” e o “artificial” está em colapso. Vemos isso desde a edição genética até às inovações farmacêuticas e novos materiais.

Embora algumas destas tecnologias sejam correctamente consideradas o auge do progresso e da civilização, a nossa ânsia por antecipar e impedir o desastre em si gera os seus próprios perigos. Isto foi o que nos levou à nossa situação actual: a industrialização, que foi originalmente impulsionada pelo nosso desejo de controlar a natureza, talvez a tenha apenas tornado mais incontrolável.

Os nossos esforços para prever o mundo tendem a mudá-lo de maneiras imprevisíveis. Além de desbloquear oportunidades radicais, como novos medicamentos e tecnologias, representa novos riscos para a nossa espécie. É um veneno e uma cura. Embora a consciência desta dinâmica possa parecer incrivelmente contemporânea, ela na verdade é surpreendentemente mais distante na história.

Cometas e colisões

Foi em 1705 que o cientista britânico Edmond Halley previu correctamente o regresso do cometa em 1758, que agora carrega o seu nome. Esta foi uma das primeiras vezes que os números foram aplicados com sucesso à natureza para prever o seu curso a longo prazo. Este foi o começo da conquista do futuro pela ciência.

Na década de 1830, outro cometa — o Cometa de Biela — tornou-se objecto de atenção quando John Herschel levantou a hipótese de que um dia se cruzaria com a Terra. Tal encontro “apagaria-nos” do Sistema Solar.

Em 1827, um jornal de Moscovo publicou um conto a prever os efeitos de uma iminente colisão de cometas na sociedade. Estratégias de mitigação plausíveis foram discutidas. A história evocava máquinas gigantes que actuariam como “defesas” planetárias para “repelir” o míssil extraterrestre. A conexão entre prever a natureza e intervir artificialmente já estava a começar a ser entendida.

O príncipe russo

O conto tinha sido escrito pelo excêntrico príncipe russo Vladimir Odoievsky. Numa outra história, “O Ano 4338”, escrita alguns anos depois, descreve a sua representação da futura civilização humana. O título veio de cálculos contemporâneos que previam a futura colisão da Terra com o Cometa de Biela, 2.500 anos depois.

Kirill Gorbunov / Wikimedia

A humanidade tornou-se numa força planetária. No entanto, a visão de Odoyevsky desse futuro resplandecente (completo com aeronaves, uso recreativo de drogas, telepatia e túneis de transporte através do manto da Terra) é-nos transmitida inteiramente sob essa ameaça iminente de total extinção. Mais uma vez, os cientistas neste futuro planeiam repelir a ameaça do cometa com sistemas de defesa balística. Também há menção a sistemas de controle climático.

Isto demonstra perfeitamente que foi a descoberta de tais perigos que primeiro arrastaram — e continuam a arrastar — as nossas preocupações ainda mais para o futuro. A humanidade apenas se afirma tecnologicamente, em níveis cada vez mais planetários, quando percebe os riscos que enfrenta.

Não é surpresa que, nas notas anexas do livro, Odoyevsky forneça talvez aquela que é a primeira metodologia para uma “ciência geral da futurologia”.

Fim da humanidade

Em 1799, o filósofo alemão Johann Fichte antecipou a nossa actual mega-estrutura de previsão planetária. Ele anteviu um tempo de previsão perfeita e argumentou que isso domesticaria o planeta inteiro, apagaria a natureza selvagem e até erradicaria inteiramente “furacões”, “terramotos” e “vulcões”. O que Fichte não previu foi o facto de que a própria tecnologia que nos permite prever também cria riscos novos e imprevistos.

Mas Odoyevsky gostou disto. Em 1844, ele publicou outra história intitulada “O Último Suicídio”. Desta vez, imaginou uma humanidade futura que se tornara novamente uma força planetária. A urbanização saturou o espaço global, com as cidades a crescer e a fundirem-se numa Ecumenópole — uma única e gigantesca cidade global.

No entanto, Odoyevsky alerta para os perigos que vêm com a aceleração da modernidade. Este é um mundo em que o progresso tecnológico descontrolado causou sobre-população e esgotamento de recursos. A natureza tornou-se inteiramente artificial, com espécies não-humanas e ecossistemas totalmente obliterados.

Alienado e deprimido, o mundo recebe um líder demagogo que convence a humanidade a extinguir-se. Numa última expressão do poder tecnológico, a civilização armazena todas as suas armas e começa a explodir o planeta inteiro.

Odoyevsky prenuncia, assim, a discussão contemporânea sobre o “risco existencial” e o potencial dos nossos desenvolvimentos tecnológicos para desencadear a própria extinção de espécies. Em 1844, a sua visão é sombria, mas surpreendentemente presciente ao reconhecer que o poder necessário para evitar uma catástrofe existencial é também o poder necessário para causá-la.

Séculos depois, agora que temos esse poder, não podemos recusá-lo ou rejeitá-lo — devemos exercê-lo com responsabilidade. Vamos torcer para que a ficção de Odeovskii não se torne na nossa realidade.

ZAP // The Conversation

Por ZAP
22 Setembro, 2019

 

2688: Jovens do mundo inteiro ocupam a ONU em inédita Cimeira do Clima

AMBIENTE

Justin Lane / EPA
O secretário geral da ONU, António Guterres, com a activista Greta Thunberg, de 16 anos

Mais de 500 jovens, representantes de mais de 140 países, ocuparam este sábado o espaço habitualmente destinado aos diplomatas da ONU.

A United Nations Youth Climate Summit, primeira cimeira da juventude sobre o clima, em Nova York, aconteceu este sábado, após as enormes manifestações contra o aquecimento global que tiveram lugar por todo o mundo na sexta-feira.

Os jovens compareceram em força à cimeira, tendo proposto soluções concretas e exigindo dos chefes de Estado medidas para travar as mudanças climáticas.

Duas gerações inauguraram o dia de debates na sede das Nações Unidas. A primeira foi representada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, o grande dinamizador do encontro, que culmina na segunda-feira com a Cimeira do Clima dos líderes mundiais.

A ambientalista sueca Greta Thunberg representava a segunda geração, este sábado a maioria dos participantes.

Mostrámos que estamos unidos e que os jovens são imparáveis“, disse a activista de 16 anos, que ficou conhecida pelas suas greves às sextas-feiras em frente ao Parlamento sueco, sob o lema “Sextas pelo Futuro”, que se transformaram em um movimento mundial.

A sueca preferiu dar o seu tempo ao representante de outros continentes, e foi o discurso do argentino Bruno Rodríguez, de 19 anos, que expressou melhor a indignação da juventude mundial.

“Dizem que a nossa geração deve resolver os problemas criados pelos actuais governantes, mas não vamos esperar passivamente. Chegou a hora de sermos os líderes“, disse o fundador da organização Jovens pelo Clima Argentina. “Basta! Não queremos mais combustíveis fósseis!”, afirmou o activista.

Energia rara

Segundo a correspondente da RFI em Nova York, Carrie Nooten, raramente se viu nos corredores da ONU tanta energia e tantas soluções concretas. Os participantes puderam apresentar quer projectos tecnológicos quer naturais, criados nos seus países de origem, para combater as mudanças climáticas.

Há muito tempo que pedimos um lugar à mesa dos que tomam as decisões”, disse aos jovens líderes Jayathma Wickramanayake, mandatária para a juventude do secretário-geral da ONU. “Hoje, são os líderes mundiais que estão a pedir para negociar connosco”, completou.

A jovem Kamal Karishma Kumar, das Ilhas Fiji, realçou que para as ilhas do Pacífico combater as mudanças climáticas é uma questão de sobrevivência. “Não queremos que as gerações futuras afundem com nossas ilhas“, afirmou.

Em nome dos 625 milhões de jovens africanos, o queniano Wanjuhi Njoroge recordou que os países de África são os que emitem menos gases de efeito estufa, mas os que mais sofrem com as consequências do aquecimento global, e pediu acima de tudo apoio financeiro “para trabalhar na mitigação e adaptação às mudanças climáticas”.

Sentado entre os jovens, Guterres pediu-lhes que continuem a lutar e exigir que os líderes prestem contas sobre os seus planos para o clima”.

Ainda estamos a perder a corrida contra o aquecimento global. Ainda há quem atribua subsídios às energias fósseis e centrais de carvão. Mas nota-se uma mudança nesta dinâmica, devido em parte às vossas iniciativas e à coragem com que vocês começaram este movimento”, afirmou.

Na sexta-feira, cerca de 4 milhões de jovens saíra às ruas de mais de 5 mil cidades em 163 países do planeta, para participar do maior protesto da história na luta contra as mudanças climáticas.

Cimeira dos líderes mundiais

A cimeira da juventude abriu a Cimeira do Clima da ONU, que termina esta segunda-feira com uma reunião de chefes de Estado. Representantes de mais de 60 países participam do encontro e novos anúncios para conter o aquecimento global são esperados.

Os líderes mundiais começam a chegar este domingo a Nova York para participar no evento, ao qual se segue a Assembleia Geral da ONU da próxima terça-feira. O presidente dos EUA, Donald Trump, tal como o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, vão estar presentes na Assembleia Geral da ONU, mas não participarão na Cimeira do Clima.

O motivo, António Guterres, é não terem mostrado interesse.

ZAP // RFI

Por RFI
22 Setembro, 2019

 

2687: Estudo mostra que os golfinhos também já são resistentes aos antibióticos

CIÊNCIA

ST33VO via Foter.com / CC BY

Um novo estudo realizado nos Estados Unidos mostra que os golfinhos Tursiops truncatus também já mostram resistência aos antibióticos.

Não é segredo que os seres humanos usam demasiados antibióticos, tanto que estamos a desenvolver uma resistência a estes medicamentos. No entanto, de acordo com um novo estudo publicado na revista científica Aquatic Mammals, o mesmo já está a acontecer com os golfinhos.

“Ao contrário dos humanos, os golfinhos selvagens não tomam antibióticos e, por isso, não se espera um aumento da sua resistência”, explica Adam Schaefer ao IFLScience, o autor principal do estudo e epidemiologista do FAU Harbor Branch.

“É preocupante porque significa que as bactérias resistentes a antibióticos e os antibióticos estão a entrar no ambiente marinho. Uma vez nesse ambiente, os genes de resistência estão a ser trocados entre bactérias na água, sendo que algumas dessas bactérias são potenciais patógenos humanos”, acrescenta.

Os cientistas analisaram amostras retiradas da narina, fluido gástrico e fezes de 171 golfinhos Tursiops truncatus entre 2003 e 2015, na Indian River Lagoon, nos Estados Unidos.

A prevalência geral de resistência a pelo menos um antibiótico foi de 88,2%. A eritromicina assumiu a liderança com uma prevalência de 91,6%. O segundo e o terceiro lugares da tabela foram ocupados pela ampicilina (77,3%) e pela cefalotina (61,7%).

“Provavelmente vêm de fontes terrestres. O IRL onde o estudo foi realizado é cercado por uma maior população humana. Os inputs do tratamento de águas residuais, canais e agricultura afectam a saúde da lagoa em geral”, afirma Schaefer.

“O nosso estudo não pôde confirmar se estas bactérias resistentes estão a causar infecções nos golfinhos. Em vez disso, como um predador no topo da cadeia alimentar, os golfinhos podem ser um barómetro para a saúde dos ambientes em que vivem. Estas são as mesmas águas que os seres humanos usam para a pesca e para a recreação. Portanto, estes animais também podem identificar possíveis ameaças à saúde pública”.

ZAP //

Por ZAP
22 Setembro, 2019

 

2686: Rússia vai permitir que astronautas levem armas em viagens espaciais

ESPAÇO

(CC0/PD) philanthropiststeam / pixabay

Os astronautas russos vão começar a levar consigo uma arma de fogo durante as suas viagens espaciais. O objectivo é poderem afastar animais selvagens quando aterrarem em áreas remotas na Terra.

A Rússia começou a armar os seus astronautas para que eles possam afastar animais selvagens no regresso à Terra. De acordo com um comunicado do chefe da Roscosmos, na quarta-feira, os próprios cosmonautas confessaram que gostariam de ter uma arma ao aterrar em áreas remotas.

Já faz mais de uma década que os astronautas viajam em missões espaciais desarmados. Na década de 1980, carregavam uma pistola TP-82 de três canos e uma faca de mato. A arma foi removida do kit de emergência aprovado em 2007, mas o chefe da Roscosmos, Dmitry Rogozin, disse que já é hora de trazer as armas de volta aos kits.

Uma vez que os lançamentos tripulados estão a mudar-se para o extremo oriente russo, “é possível que as aterragens também sejam nesta área, que não é povoada e tem florestas, e os astronautas estão a dizer que seria bom ter [uma arma] no kit”, disse Rogozin.

Oleg Kononenkov, astronauta russo que comandou uma equipa da Estação Espacial Internacional que regressou recentemente à Terra, disse que essas armas podem ser necessárias em território selvagem russo.

“É possível que seja um terreno acidentado, que possamos precisar de uma faca especial para construir um abrigo, e talvez precisemos de uma arma por causa dos animais selvagens”, disse aos jornalistas, na terça-feira. E garante ainda que seria útil no kit ferramentas de disparo para sinalização.

ZAP // CanalTech

Por ZAP
21 Setembro, 2019

 

2685: Where Do Black Holes Lead?

SCIENCE

Where does a black hole go?

So there you are, about to leap into a black hole. What could possibly await should — against all odds — you somehow survive? Where would you end up and what tantalizing tales would you be able to regale if you managed to clamor your way back?

The simple answer to all of these questions is, as Professor Richard Massey explains, “Who knows?” As a Royal Society research fellow at the Institute for Computational Cosmology at Durham University, Massey is fully aware that the mysteries of black holes run deep. “Falling through an event horizon is literally passing beyond the veil — once someone falls past it, nobody could ever send a message back,” he said. “They’d be ripped to pieces by the enormous gravity, so I doubt anyone falling through would get anywhere.”

If that sounds like a disappointing — and painful — answer, then it is to be expected. Ever since Albert Einstein’s general theory of relativity was considered to have predicted black holes by linking space-time with the action of gravity, it has been known that black holes result from the death of a massive star leaving behind a small, dense remnant core. Assuming this core has more than roughly three-times the mass of the sun, gravity would overwhelm to such a degree that it would fall in on itself into a single point, or singularity, understood to be the black hole’s infinitely dense core.

Related: 9 Ideas About Black Holes That Will Blow Your Mind

https://www.livescience.com/where-do-black-holes-lead.html?utm_source=ls-newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=20190921-ls&jwsource=cl

[link not active]

The resulting uninhabitable black hole would have such a powerful gravitational pull that not even light could avoid it. So, should you then find yourself at the event horizon — the point at which light and matter can only pass inward, as proposed by the German astronomer Karl Schwarzschild — there is no escape. According to Massey, tidal forces would reduce your body into strands of atoms (or ‘spaghettification’, as it is also known) and the object would eventually end up crushed at the singularity. The idea that you could pop out somewhere — perhaps at the other side — seems utterly fantastical.

What about a wormhole?

Or is it? Over the years scientists have looked into the possibility that black holes could be wormholes to other galaxies. They may even be, as some have suggested, a path to another universe.

Such an idea has been floating around for some time: Einstein teamed up with Nathan Rosen to theorise bridges that connect two different points in space-time in 1935. But it gained some fresh ground in the 1980s when physicist Kip Thorne — one of the world’s leading experts on the astrophysical implications of Einstein’s general theory of relativity — raised a discussion about whether objects could physically travel through them.

“Reading Kip Thorne’s popular book about wormholes is what first got me excited about physics as a child,” Massey said. But it doesn’t seem likely that wormholes exist.

Indeed, Thorne, who lent his expert advice to the production team for the Hollywood movie Interstellar, wrote: “We see no objects in our universe that could become wormholes as they age,” in his book “The Science of Interstellar” (W.W. Norton and Company, 2014). Thorne told Space.com that journeys through these theoretical tunnels would most likely remain science fiction, and there is certainly no firm evidence that a black hole could allow for such a passage.

Artist’s concept of a wormhole. If wormholes exist, they might lead to another universe. But, there’s no evidence that wormholes are real or that a black hole would act like one.
(Image credit: Shutterstock)

But, the problem is that we can’t get up close to see for ourselves. Why, we can’t even take photographs of anything that takes place inside a black hole — if light cannot escape their immense gravity, then nothing can be snapped by a camera. As it stands, theory suggests that anything which goes beyond the event horizon is simply added to the black hole and, what’s more, because time distorts close to this boundary, this will appear to take place incredibly slowly, so answers won’t be quickly forthcoming.

“I think the standard story is that they lead to the end of time,” said Douglas Finkbeiner, professor of astronomy and physics at Harvard University. “An observer far away will not see their astronaut friend fall into the black hole. They’ll just get redder and fainter as they approach the event horizon [as a result of gravitational red shift]. But the friend falls right in, to a place beyond ‘forever.’ Whatever that means.”

Maybe a black hole leads to a white hole

Certainly, if black holes do lead to another part of a galaxy or another universe, there would need to be something opposite to them on the other side. Could this be a white hole — a theory put forward by Russian cosmologist Igor Novikov in 1964? Novikov proposed that a black hole links to a white hole that exists in the past. Unlike a black hole, a white hole will allow light and matter to leave, but light and matter will not be able to enter.

Scientists have continued to explore the potential connection between black and white holes. In their 2014 study published in the journal Physical Review D, physicists Carlo Rovelli and Hal M. Haggard claimed that “there is a classic metric satisfying the Einstein equations outside a finite space-time region where matter collapses into a black hole and then emerges from a while hole.” In other words, all of the material black holes have swallowed could be spewed out, and black holes may become white holes when they die.

Far from destroying the information that it absorbs, the collapse of a black hole would be halted. It would instead experience a quantum bounce, allowing information to escape. Should this be the case, it would shed some light on a proposal by former Cambridge University cosmologist and theoretical physicist Stephen Hawking who, in the 1970s, explored the possibility that black holes emit particles and radiation — thermal heat — as a result of quantum fluctuations.

https://www.livescience.com/where-do-black-holes-lead.html?utm_source=ls-newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=20190921-ls&jwsource=cl

[link not active]

“Hawking said a black hole doesn’t last forever,” Finkbeiner said. Hawking calculated that the radiation would cause a black hole to lose energy, shrink and disappear, as described in his 1976 paper published in Physical Review D. Given his claims that the radiation emitted would be random and contain no information about what had fallen in, the black hole, upon its explosion, would erase loads of information.

This meant Hawking’s idea was at odds with quantum theory, which says information can’t be destroyed. Physics states information just becomes more difficult to find because, should it become lost, it becomes impossible to know the past or the future. Hawking’s idea led to the ‘black hole information paradox’ and it has long puzzled scientists. Some have said Hawking was simply wrong, and the man himself even declared he had made an error during a scientific conference in Dublin in 2004.

So, do we go back to the concept of black holes emitting preserved information and throwing it back out via a white hole? Maybe. In their 2013 study published in Physical Review Letters, Jorge Pullin at Louisiana State University and Rodolfo Gambini at the University of the Republic in Montevideo, Uruguay, applied loop quantum gravity to a black hole and found that gravity increased towards the core but reduced and plonked whatever was entering into another region of the universe. The results gave extra credence to the idea of black holes serving as a portal. In this study, singularity does not exist, and so it doesn’t form an impenetrable barrier that ends up crushing whatever it encounters. It also means that information doesn’t disappear.

Maybe black holes go nowhere

Yet physicists Ahmed Almheiri, Donald Marolf, Joseph Polchinski and James Sully still believed Hawking could have been on to something. They worked on a theory that became known as the AMPS firewall, or the black hole firewall hypothesis. By their calculations, quantum mechanics could feasibly turn the event horizon into a giant wall of fire and anything coming into contact would burn in an instant. In that sense, black holes lead nowhere because nothing could ever get inside.

This, however, violates Einstein’s general theory of relativity. Someone crossing the event horizon shouldn’t actually feel any great hardship because an object would be in free fall and, based on the equivalence principle, that object — or person — would not feel the extreme effects of gravity. It could follow the laws of physics present elsewhere in the universe, but even if it didn’t go against Einstein’s principle it would undermine quantum field theory or suggest information can be lost.

Related: 11 Fascinating Facts About Our Milky Way Galaxy

Artist’s impression of a tidal disruption event which occurs when a star passes too close to a supermassive black hole.
(Image credit: All About Space magazine)

A black hole of uncertainty

Step forward Hawking once more. In 2014, he published a study in which he eschewed the existence of an event horizon — meaning there is nothing there to burn — saying gravitational collapse would produce an ‘apparent horizon’ instead.

This horizon would suspend light rays trying to move away from the core of the black hole, and would persist for a “period of time.” In his rethinking, apparent horizons temporarily retain matter and energy before dissolving and releasing them later down the line. This explanation best fits with quantum theory — which says information can’t be destroyed — and, if it was ever proven, it suggests that anything could escape from a black hole.

Hawking went as far as saying black holes may not even exist. “Black holes should be redefined as metastable bound states of the gravitational field,” he wrote. There would be no singularity, and while the apparent field would move inwards due to gravity, it would never reach the center and be consolidated within a dense mass.

And yet anything which is emitted will not be in the form of the information swallowed. It would be impossible to figure out what went in by looking at what is coming out, which causes problems of its own — not least for, say, a human who found themselves in such an alarming position. They’d never feel the same again!

One thing’s for sure, this particular mystery is going to swallow up many more scientific hours for a long time to come. Rovelli and Francesca Vidotto recently suggested that a component of dark matter could be formed by remnants of evaporated black holes, and Hawking’s paper on black holes and ‘soft hair’ was released in 2018, and describes how zero-energy particles are left around the point of no return, the event horizon — an idea that suggests information is not lost but captured.

This flew in the face of the no-hair theorem which was expressed by physicist John Archibald Wheeler and worked on the basis that two black holes would be indistinguishable to an observer because none of the special particle physics pseudo-charges would be conserved. It’s an idea that has got scientists talking, but there is some way to go before it’s seen as the answer for where black holes lead. If only we could find a way to leap into one.

livescience
21/09/2019
By David Crookes – All About Space magazine

 

2684: Marte: Imagem incrível mostra o pólo norte marciano cheio de neve

CIÊNCIA

Uma imagem captada no mês de Junho aos pólos de Marte mostra o pólo do hemisfério norte cheio de gelo. Estas fotografias, nunca antes conseguidas, foram captadas pela câmara de alta resolução da sonda Mars Express. Segundo a ESA, esta é uma imagem impressionante que mostra o planeta vermelho com uma resolução raramente vista.

São muito raras as imagens do inverno marciano. No entanto, durante este inverno, “chove” bastante sobre o Polo Norte…

Marte de pólo a pólo com impressionante resolução

O topo desta impressionante vista global de Marte mostra o hemisfério norte com o Polo Norte ainda estendido no inverno. Na imagem de alta resolução é possível ver um véu fino e nublado que se estende sobre os vales baixos adjacentes, parcialmente cobertos de areia escura.

Com um olhar atento ao centro da imagem, verificamos que há uma fronteira terrestre. Segundo os especialistas, esta marca a fronteira entre as terras baixas do norte e as terras altas do sul de Marte. As areias escuras também cobrem áreas das terras altas cobertas de crateras.

Por outro lado, no extremo sul da imagem, podemos ver parte das nuvens brancas que pairam sobre esse pólo. A vista do planeta é ligeiramente “inclinada” para o sul, de modo que uma vista do Polo Norte é possível, mas não do Polo Sul. De pólo a pólo, Marte tem um diâmetro de 6.752 quilómetros e a imagem mostrada cobre cerca de 5.000 quilómetros.

O inverno marciano

Durante o inverno no hemisfério norte, o frio intenso causa a precipitação de quantidades significativas de dióxido de carbono para fora da atmosfera sobre o Polo Norte. Isto forma uma película fina no topo da camada polar permanente, que de outra forma consiste predominantemente em gelo de água.

Como resultado, esta camada de gelo estende-se até cerca de 50 graus norte. O conteúdo de vapor de água na atmosfera marciana, que poderia congelar para formar gelo de água e cair à superfície como neve ou gelo, é extremamente baixo.

Estes dados da imagem foram obtidos no início da primavera, no norte. Nesse sentido, a noite polar no Polo Norte acabou e a camada polar, que tinha crescido durante o inverno, começou a recuar gradualmente.

Este crescimento e contracção podem também ter sido observados na camada polar sul. A fina faixa branca de nuvens (provavelmente composta de cristais de gelo de água) é uma das muitas que aparecem no hemisfério norte nesta época do ano.

Planícies enormes

As planícies avermelhadas da Arábia Terra e Terra Sabaea, no centro da imagem, são notáveis pela presença de muitas crateras de grande impacto. Estas indicam que estão entre as regiões mais antigas de Marte.

Dessa forma, vemos ao longo da fronteira norte há uma escarpa surpreendente, com uma diferença de vários quilómetros de altura. Isto separa as planícies, com as crateras das terras baixas do norte das terras altas do sul. Estas últimas têm muitas mais crateras.

Assim, esta mudança notável no terreno, conhecida como a dicotomia marciana, marca uma divisão topográfica e regional fundamental em Marte.

Isto reflecte-se nas diferentes espessuras da crosta, mas estende-se também às propriedades magnéticas da crosta e ao seu campo gravitacional. Há ainda um debate científico sobre como surgiu essa dicotomia da crosta. Terão sido forças “endógenas” no interior de Marte ou serão “forças externas”, asteróides, as responsáveis pelo estado do solo marciano?

Um planeta congelado no tempo

Os processos geológicos (vulcanismo, tectónica, água e gelo) pararam em Marte. No entanto, actualmente, as mudanças que podem ser observadas na superfície são causadas principalmente pelo deslocamento induzido pelo vento das areias escuras.

Assim, enquanto estas areias, que são de origem vulcânica, formam vastos campos de dunas em depressões como crateras de impacto, elas também são frequentemente depositadas noutras grandes áreas, fazendo com que partes da superfície planetária pareçam escuras.

2683: O mistério da origem do estanho da Idade do Bronze foi finalmente resolvido

CIÊNCIA

Sangjun Yi / Flickr

A origem do estanho usado na Idade do Bronze tem sido um dos maiores enigmas da pesquisa arqueológica. Agora, investigadores resolveram parte do quebra-cabeças.

Um grupo de arqueólogos da Universidade de Heidelberg e do Centro de Arqueometria Curt Engelhorn, em Mannheim, na Alemanha, resolveram o mistério da origem do estanho utilizado durante a Idade do Bronze.

Para descobrir a sua origem geográfica, os especialistas analisaram 27 lingotes de estanho datados do segundo milénio antes de Cristo encontrados em sítios arqueológicos de Israel, Turquia e Grécia, comprovando que o metal não provinha da Ásia Central, como se suponha anteriormente, mas sim de jazidas de estanho na Europa.

Este facto indica que deviam existir rotas comerciais de longo alcance entre a Europa e o Mediterrâneo Oriental já na Idade do Bronze. Assim, os investigadores assinalam que este metal, assim como o âmbar, o vidro e o cobre, foi uma das grandes forças impulsionadoras desta rede de comércio internacional.

Algo interessante descoberto pelo cientistas foi o facto de que peças de estanho de Israel, por exemplo, coincidiam, na sua maioria, com estanho de Cornwall e Devon, no Reino Unido.

“Os objectos e depósitos de estanho são raros na Europa e na Ásia. A região do Mediterrâneo Oriental, onde alguns dos objectos que estudamos se originou, praticamente não possuía depósitos próprios. Então, a matéria-prima nessa região deve ter sido importada”, explicou em comunicado um dos autores do estudo, Ernst Pernicka.

Os resultados deste trabalho, publicado na revista especializada PLOS ONE, são de grande relevância, uma vez que a origem deste metal é especificamente identificada pela primeira vez e abre novos caminhos para futuras investigações arqueológicas.

ZAP //

Por ZAP
21 Setembro, 2019

 

2682: Já se sabe o que colidiu com Júpiter em Agosto

CIÊNCIA

(cv)

No mês passado, recebemos a notícia de um raro flash de luz em Júpiter, suficientemente brilhante para ser visto através de telescópios.

De acordo com uma nova análise, a causa desse acidente foi um pequeno asteróide, com uma densidade consistente com meteoros que têm partes iguais de pedra e ferro.

O meteoro explodiu na atmosfera superior de Júpiter, cerca de 80 quilómetros acima do topo das nuvens, libertando energia equivalente a 240 quilo-toneladas de TNT – pouco mais da metade da energia da explosão de 440 quilo-toneladas de meteoro de Chelyabinsk em 2013.

Os resultados foram apresentados na Reunião Conjunta EPSC-DPS 2019 em Genebra. O impacto foi capturado inteiramente por acidente pelo astro-fotógrafo Ethan Chappel em 7 de Agosto de 2019. “Acredito que estava a olhar para o céu à procura de meteoros Perseidas quando aconteceu, não vi o flash durante a gravação”, disse Chappel. “Só percebi depois graças a um excelente software chamado DeTeCt, de Marc Delcroix, que foi projectado especificamente para encontrar estes flashes”.

@ChappelAstro

Imaged Jupiter tonight. Looks awfully like an impact flash in the SEB. Happened on 2019-08-07 at 4:07 UTC.

Acredita-se que as explosões atmosféricas de meteoros – chamadas bólidos – não sejam particularmente raras em Júpiter, já que o planeta é maciço e próximo de um cinturão de asteróides.

No entanto, Júpiter está longe e os flashes são fracos e breves. É aí que entra o software DeTeCt de código aberto. Desenvolvido pelo astrónomo amador Marc Delcroix e pelo físico Ricardo Hueso, o software é projectado especialmente para detectar flashes de impacto em Júpiter e Saturno.

“Fiquei emocionado quando Ethan entrou em contacto comigo”, disse Delcroix em comunicado. “Este é o primeiro flash de impacto encontrado em Júpiter usando o software DeTeCt. Essas detecções são extremamente raras porque os flashes de impacto são fracos, curtos e podem ser facilmente perdidos enquanto observamos os planetas durante horas”.

“No entanto, quando um flash é encontrado numa gravação de vídeo, pode ser analisado para quantificar a energia necessária para torná-lo visível a uma distância de 700 milhões de quilómetros”. Essa análise foi conduzida pelos astrónomos Ramanakumar Sankar e Csaba Palotai, do Instituto de Tecnologia da Florida.

Com base no flash, determinaram que o objecto tinha provavelmente 12 a 16 metros de diâmetro e uma massa de cerca de 450 toneladas. A curva de luz da explosão sugere uma composição de ferro pedregoso, com partes iguais de ferro meteórico e silicatos – com maior probabilidade de ser, portanto, um asteróide do que um cometa. Isso é consistente com o que Hueso encontrou, com base nas suas comparações com flashes de impacto anteriores detectados em Júpiter.

“Com seis flashes de impacto observados em dez anos desde que o primeiro flash foi descoberto em 2010, os cientistas estão a ficar mais confiantes nas suas estimativas da taxa de impacto desses objectos em Júpiter”, disse Hueso. “Muitos desses objectos atingem Júpiter sem serem vistos pelos observadores na Terra. No entanto, agora estimamos entre 20 a 60 objectos semelhantes a Júpiter a cada ano”.

No entanto, quando se trata de impactos de Saturno, ainda precisa de ser feito muito trabalho. Nos seus resultados, o par observou que o banco de dados DeTeCt actualmente possui 103 dias de observações de Júpiter, mas apenas 13 dias para Saturno – o que significa que ainda é muito cedo para estimar as taxas de impacto no planeta.

ZAP //

Por ZAP
21 Setembro, 2019

 

2681: Mosquitos geneticamente modificados estão a reproduzir-se no Brasil

CIÊNCIA

Frank Hadley Collins / Sanofi Pasteur / Flickr
Fêmea de Aedes aegypti, mosquito que pode transmitir três doenças: zika, dengue e chikungunya

Mosquitos geneticamente modificados estão a reproduzir-se no Brasil, segundo uma investigação recentemente publicada. A empresa responsável pela criação destes insectos mutantes realça que não há perigo para a saúde das pessoas.

O plano para reduzir a população local de mosquitos na cidade de Jacobina, no Brasil, saiu totalmente furado. Com a ideia geral de travar a disseminação de doenças transmitidas por este insecto, como febre amarela, dengue e zika, os cientistas soltaram 450 mil mosquitos geneticamente modificados.

“A alegação era de que os genes da cepa libertada não entrariam na população geral porque as suas crias morreriam. Isso obviamente não foi o que aconteceu“, explicou Jeffrey Powell, autor do estudo publicado na semana passada na revista Scientific Reports.

A verdade é que os mosquitos geneticamente modificados conseguiram reproduzir-se com os outros mosquitos, elevando ainda mais a sua população na região. A experiência iniciada em 2013 foi realizada pela empresa de biotecnologia britânica Oxitec e os resultados conseguidos estão a levantar preocupações em relação à sua segurança.

O objectivo inicial da Oxitec era reduzir a população em 90%, sem afectar a sua integridade genética. De acordo com o Gizmodo, apesar de assegurarem o contrário, cientistas da Universidade de Yale acompanharam o desenvolvimento da experiência e detectaram material genético dos mosquitos geneticamente modificados na população local.

Os investigadores descobriram “claras evidências” de que partes do genoma dos mosquitos transgénicos “foram incorporados na população-alvo”.

“Baseado amplamente em estudos de laboratório, é possível prever qual será o resultado provável da libertação de mosquitos transgénicos, mas estudos genéticos do tipo que fizemos devem ser feitos durante e após essas libertações para determinar se aconteceu algo diferente do previsto”, explicou Powell.

A Oxitec previa que três quartos das crias de mosquitos conseguiriam sobreviver até à idade adulta, mas que seriam demasiado fracos para se reproduzirem. Contudo, não foi isso que se verificou.

Inicialmente, as suas aspirações até estavam bem encaminhadas, com a população de mosquitos em Jacobina a decrescer significativamente. Porém, viria a recuperar, chegando quase aos níveis iniciais. Os cientistas acreditam que isto se tenha devido a uma discriminação por parte das fêmeas, que se recusaram em acasalar com machos modificados geneticamente.

Um porta-voz da Oxitec disse à Gizmodo que a empresa está “actualmente a trabalhar com os editores da Nature Research [a revista científica responsável pela publicação] para remover ou corrigir substancialmente o artigo, que contém inúmeras alegações e declarações falsas, especulativas e sem fundamento sobre a tecnologia dos mosquitos da Oxitec”.

De acordo com o porta-voz, a investigação não identificou nenhum “efeito negativo, deletério ou imprevisto para as pessoas ou para o meio ambiente da libertação dos mosquitos”.

Entretanto, a Scientific Reports adicionou uma nota no artigo em que realça que a investigação está sujeita a críticas que estão a ser consideradas por responsáveis da revista científica.

ZAP //

Por ZAP
21 Setembro, 2019

 

2680: Começou à “invasão” da Área 51. Já há detidos e até um festival

Vista aérea da Area 51, fotografada em 1964

Pelo menos 75 pessoas já chegaram à Área 51, uma base militar secreta dos Estados Unidos, em resposta a um evento criado no Facebook.

Milhão e meio de pessoas combinaram invadir esta sexta-feira esta zona misteriosa no estado norte-americano do Nevada, onde acreditam que o governo mantém em cativeiro os extraterrestres que visitaram a cidade de Roswell em 1947, guarda os cenários onde se simulou a chegada à Lua, esconde Elvis Presley e faz testes a máquinas de tele-transporte. De acordo com a Associated Press, duas pessoas já foram detidas.

No condado de Lincoln, onde fica a Área 51, localizam-se duas cidades — Rachel e Hiko — na qual vivem pouco mais de 170 habitantes. Estas duas cidades isoladas já receberam 1.500 pessoas na segunda-feira, estimou o xerife do condado, Kerry Lee. Além da invasão à Área 51, foram também criados três festivais relacionados com a mesma temática: extraterrestres.

O único hotel da pequena e desértica cidade de Rachel, onde o número de habitantes não chega aos 50, está esgotado. De acordo com a agência Reuters, foram contratados 15 guardas de segurança, uma ambulância particular e encomendados 80 chuveiros portáteis para receber todos os visitantes.

Segundo o Review Journal de Las Vegas, as estradas que durante todo o ano se mantêm desertas estão a receber enchentes de curiosos, nas suas tendas, carros e auto-caravanas. Alguns demarcam-se com bandeiras americanas ou mesmo insufláveis de extraterrestres verdes. Outros mascararam-se de alien.

Some women showed up to the Little A’Le’Inn in full alien garb and have become a crowd favorite. They said they are getting free camping to pose for pictures.

Há até quem tenha escolhido a ocasião para envergar o seu papel de ativista, ao que dizem, em defesa da liberdade destas criaturas cuja existência nunca ficou provada. “Salvem os extraterrestres do Governo”, lê-se num dos cartazes levados pelos invasores.

O xerife Kerry Lee disse à AP que mais de 150 pessoas já tinham iniciado a viagem de vários quilómetros por caminhos de terra para chegar aos portões da Área 51. Kerry Lee agendou uma conferência de imprensa para o final da manhã desta sexta-feira.

Quando os eventos do Facebook começaram a ganhar dimensão, Laura McAndrews, porta-voz da Força Aérea, emitiu um comunicado a avisar a população que era mais prudente manter-se longe daquela base norte-americana.

“É um campo de treino aberto para a Força Aérea dos EUA e desencorajamos qualquer um a tentar entrar na área onde treinamos as forças armadas americanas. A Força Aérea dos EUA está sempre pronta para proteger a América e os seus activos”, alertou.

Na terça-feira, dois youtubers foram detidos por tentarem invadir a Área 51. Ties Granzier e Govert Sweep, dois holandeses de 20 e 21 anos, foram encontrados dentro da base, a quase cinco quilómetros do portão de entrada.

Dentro do carro, as autoridades encontraram câmaras de filmar e fotográficas, um telemóvel, um computador portátil e um drone. As investigações aos materiais revelaram que os dois youtubers já tinham recolhido vídeos e fotografias captados no interior da base militar. Todos os conteúdos foram apagados. Foram libertados no dia seguinte após terem pago 500 dólares de fiança.

A designada Área 51 é um terreno militar situado em pleno deserto do Nevada, que está envolvida desde há anos, devido ao secretismo que a rodeia, num halo de mistério que tem motivado numerosas teorias extravagantes. Uma das mais generalizadas é a de que o Governo norte-americano usa este terreno para esconder provas de vida extraterrestre.

De facto, o Governo norte-americano nunca reconheceu a existência desta instalação militar até Agosto de 2013, quando a CIA desclassificou uma série de documentos que confirmavam a existência desta base militar.

Aquela teoria sustenta, entre outros pontos, que foi para ali que se transferiram os restos de uma alegada nave extraterrestre, que se tinha despenhado em Roswell, no Estado do Novo México, em Julho de 1947.

ZAP //

Por ZAP
20 Setembro, 2019

 

2679: Vem aí o Dia 0. A Austrália vai ficar sem água (e pode não ser a única)

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

UNSW

O Dia 0 está a chegar e a Austrália está prestes a ficar sem água. Os cientistas dizem que este é um aviso para todas as outras regiões em redor do mundo.

Este dia vai marcar o início do racionamento de água e o dia em que as torneiras residenciais serão fechadas, tendo um grande número de famílias e empresas de ir aos locais de recolha locais para buscar água.

O Dia 0 está pendente em, pelo menos, uma dúzia de cidades australianas que se estendem desde o estado norte de Queensland até ao estado de New South Wales, cuja capital Sidney é a cidade mais populosa do país.

Secas sucessivas e a água extra necessária para combater incêndios florestais intensos causaram uma escassez sem precedentes, com estas regiões a enfrentar a perspectiva de que as torneiras acabem numa questão de meses. A segurança da água permanece quase inexistente para muitas comunidades rurais, com dez cidades em risco de secar em seis meses se não chover e se a infra-estrutura da água não melhorar.

As consequências mais amplas fizeram com que muitas lojas estivessem à beira de fechar e o desespero levou ao roubo de água. As temperaturas estão 10º C acima da média e 130 incêndios florestais continuam a deflagrar grandes áreas australianas.

Há anos que os governos australianos paralisam a reforma da acção climática porque o crescimento económico do país está fortemente vinculado às exportações de mineração de carvão, de acordo com o Raw Story.

Mas a Austrália não é o primeiro país a enfrentar a perspectiva de um Dia 0. A cidade de São Paulo ficou em sexto lugar em 2015, assim como a sexta maior cidade da Índia, Chennai, em meados de 2018.

A África do Sul evitou por pouco o Dia 0 no ano passado, após prolongadas baixas chuvas e uma seca particularmente brutal que atingiu a cidade da Cidade do Cabo. O suprimento de água da cidade estava quase fechado, pois o seu reservatório de água doce pairava pouco acima de 13,5% da capacidade total. Se o Dia Zero tivesse sido accionado, teria sido a primeira grande cidade dos tempos modernos sem água.

O iminente Dia 0 da Austrália está a destacar a necessidade de estratégias de longo prazo para a gestão da água e para uma cooperação aprimorada em nível global. Cientistas do Instituto Grantham no Imperial College de Londres e da Universidade da Cidade do Cabo, co-autores de um artigo sobre o Dia 0 da Cidade do Cabo, dizem que a mudança climática tornará a escassez de água mais comum em cidades ao redor do mundo.

“Mudanças nas mudanças nos padrões de chuva são uma das principais causas de escassez de água e, com as mudanças climáticas, as secas e as ondas de calor serão mais prováveis”, explica Robbie Parks, co-autor do artigo. “A água é tratada como um recurso infinito, mas são necessárias apenas duas ou três estações secas para desencadear uma seca catastrófica – a Cidade do Cabo é um excelente exemplo disso -, por isso é preciso haver uma grande mudança na forma como a água é gerida.”

É uma avaliação preocupante, dado o calor extremo que este ano causou incêndios devastadores em Espanha, Grécia e EUA. As ondas de calor também elevaram o mercúrio a níveis recordes na Holanda e na França, com o Ministério da Saúde divulgando estatísticas este mês mostrando um aumento de 1.500 no número de mortes causadas por calor intenso em comparação com os anos anteriores.

Mais calor significará um aumento da demanda por água, com ameaças à segurança da água previstas como um dos efeitos mais preocupantes das mudanças climáticas.

O Instituto de Recursos Mundiais (WRI) divulgou um relatório em Julho, que dizia que um quarto da população do mundo enfrenta “stress hídrico extremo”. “Actualmente, estamos a enfrenta uma crise mundial da água”, disse Betsy Otto, directora do programa global de água do WRI.

As acções globais sobre as mudanças climáticas sofreram um revés significativo após a retirada dos EUA do acordo de Paris sobre as mudanças climáticas de 2017. Agora, a activista climática juvenil Greta Thunberg está a pressionar os governos, levando a sua mensagem das ruas para as cimeiras internacionais.

O que permanece sem resposta, no entanto, é se as mudanças políticas adoptadas agora serão suficientes para deter ou reverter os danos já causados. Caso contrário, mais cidades enfrentarão o seu próprio Dia 0 num futuro não muito distante.

ZAP //

Por ZAP
20 Setembro, 2019

 

2678: Asteróide “sorrateiro” pregou um susto à NASA e quase colidiu com a Terra em Julho

CIÊNCIA

State Farm / Wikimedia

Em finais de Julho, um asteróide do tamanho de um campo de futebol pregou um susto à NASA quando passou a apenas 65.0175 quilómetros da Terra. Foi a maior rocha espacial a passar tão perto num século.

Mais alarmante do que o sobrevoo em si, foi o quanto o asteróide apanhou a NASA de surpresa. “Este apareceu na nossa frente”, escreveu um especialista da NASA em um e-mail interno, de acordo com documentos internos da agência obtidos pelo BuzzFeed News.

O asteróide, que recebeu o nome de 2019 OK – como para tranquilizar os astrónomos – passou de forma quase imperceptível no espaço, passando a uma distância aproximadamente cinco vezes mais próxima da Terra do que a lua a 88 mil quilómetros por hora.

“Se 2019 OK tivesse entrado na atmosfera terrestre, a onda de explosão poderia ter causado devastação localizada numa área de aproximadamente 80 quilómetros de diâmetro”, de acordo com um comunicado de imprensa enviado pelo Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA quando finalmente notaram a rocha gigante a passar pelo nosso planeta.

Apesar de a NASA notar que o asteróide não era um perigo para a Terra, o que é posto em cima da mesa é o facto de não ter sido detectado com maior antecedência.

“Este objecto deslizou por toda uma série das nossas redes de captura”, escreveu Paul Chodas, do JPL, num e-mail obtido pelo BuzzFeed dois dias após o asteróide passar, observando que era uma pequena rocha espacial “sorrateira”.

Embora a NASA tenha desculpas por não ter percebido que a rocha espacial vinha a caminho, este não é um grande começo para o Departamento de Coordenação de Defesa Planetária (PDCO), cujo objectivo era “encontrar e caracterizar asteróides e cometas que passam perto da órbita da Terra ao redor do sol”.

Em 2005, os legisladores ordenaram que a agência espacial norte-americana detectasse 90% dos asteróides perigosos, mas não financiaram telescópios e naves espaciais suficientemente grandes para fazer esse trabalho, segundo concluíram as Academias Nacionais de Ciências dos EUA num relatório de Junho.

ZAP //

Por ZAP
20 Setembro, 2019

 

2677: Maior expedição científica de sempre ao Árctico parte hoje da Noruega

CIÊNCIA

M.Hoppmann / Alfred Wegener Institute
A expedição MOSAIC vai estudar o Árctico através do navio quebra-gelo RV Polarstern

A maior expedição científica de sempre ao Árctico parte hoje para estudar durante um ano os efeitos visíveis das alterações climáticas no Pólo Norte.

O quebra-gelo Polarstern, do instituto Alfred-Wegener, de Bremerhaven, na Alemanha, partirá do porto de Tromso, na Noruega, levando a bordo a equipa internacional que irá sendo rendida, envolvendo no total cerca de 600 investigadores.

Espera-os uma viagem de 2.500 quilómetros até um destino onde estarão 150 dias na penumbra do Árctico, debaixo de temperaturas que poderão cair até aos 45 graus negativos.

Os ursos polares, a atmosfera, o oceano, o gelo e todo o ecossistema serão objectos de estudo para os cientistas, que esperam recolher dados para avaliar como as alterações climáticas afectam a região e o mundo inteiro.

“Nenhuma outra parte da Terra aqueceu tão depressa nas últimas décadas como o Árctico”, salientou o chefe da missão, Markus Rex, notando que é lá que “praticamente se situa o epicentro do aquecimento global” e que é uma região ainda “muito pouco compreendida”.

É impossível “fazer previsões corretas em relação ao clima” sem dados fiáveis sobre o Árctico, assinalou, considerando que a situação é preocupante quando, como no início do ano, “no centro do Árctico fez tanto calor como na Alemanha”.

O “Polarstern” faz parte de uma frota com outros quatro quebra-gelo da Rússia, China e Suécia, apoiada por aviões e helicópteros para reabastecer e transportar as equipas em rotação.

O orçamento de 140 milhões de euros é partilhado por 60 instituições de 19 países.

ZAP // Lusa

Por Lusa
20 Setembro, 2019