Portal da Saúde

Dicas & Informações sobre Saúde – saude@inforgom.pt

Portal da Saúde

O que fazer perante alforrecas – conselhos da Autoridade Marítima

Autoridade Marítima Nacional emitiu um alerta à população sobre o que fazer em caso de contacto com alforrecas e caravelas-portuguesas. Há diferenças no tratamento dos venenos de cada uma.

© image/jpeg image/jpeg

A nota da Autoridade Marítima Nacional (AMN), emitida esta sexta-feira, começa por explicar as diferenças entre ambos os seres.

As águas-vivas, também conhecidas como medusas ou alforrecas, “são animais gelatinosos que vivem no mar, na coluna de água ou à superfície, e podem ter diferentes tamanhos, formas e cores“.

Os tentáculos destes animais libertam “um líquido, potencialmente urticante e perigoso” que serve para paralisar pequenos animais, dos quais se alimentam, ou como mecanismo de defesa.

Assim, “o contacto com uma água-viva pode produzir irritação na pele e até queimaduras ou outras reacções graves e prejudiciais“.

a caravela-portuguesa vive na superfície do mar e tem um “flutuador cilíndrico, azul-arroxeado, cheio de gás. Os seus tentáculos podem atingir 30 m e o seu veneno é muito perigoso“, alerta a AMN.

“Quando o banhista avistar este tipo de animal deve afastar-se, evitando o contacto. Se sentir uma picada, deve sair rapidamente da água, dirigindo-se de imediato ao nadador-salvador“.

A Autoridade Marítima acrescenta que a picada da caravela-portuguesa provoca “dor forte e sensação de queimadura (calor/ardor) no local e ainda irritação, vermelhidão, inchaço e comichão”.

Em pessoas mais sensíveis pode também provocar “falta de ar, palpitações, cãibras, náuseas, vómitos, febre, desmaios, convulsões, arritmias cardíacas e problemas respiratórios“. Nestes casos, a vítima deve ser encaminhada “de imediato para serviço de urgência“.

Contacto com águas-vivas, o que fazer:

– Não esfregar ou coçar a zona atingida para não espalhar o veneno;

– Não usar água doce, álcool ou amónia;

– Não colocar ligaduras;

– Lavar com cuidado com a própria água do mar;

– Retirar com cuidado os tentáculos da água viva (caso tenham ficado agarrados à pele) utilizando luvas, uma pinça de plástico e soro fisiológico ou água do mar;

– Se possível, aplique bicarbonato de sódio misturado em partes iguais com água do mar;

– Aplicar frio (água do mar gelada ou bolsas de gelo) no local atingido para aliviar a dor (o gelo não pode ser aplicado directamente na pele, deve ser enrolado num pano);

– Tomar um analgésico para aliviar a dor;

– Aplicar uma camada fina de pomada própria para queimaduras.

Contacto com caravela-portuguesa, o que fazer:

– Não esfregar ou coçar a zona atingida para não espalhar o veneno;

– Não usar água doce, álcool ou amónia;

– Não colocar ligaduras;

– Lavar com cuidado com a própria água do mar;

– Retirar com cuidado os tentáculos da água viva (caso tenham ficado agarrados à pele) utilizando luvas, uma pinça de plástico e soro fisiológico ou água do mar;

– Aplicar vinagre no local atingido;

– Aplicar bandas quentes ou água quente para aliviar a dor;

– Consultar assistência médica o mais rapidamente possível.

MSN notícias

191: Lavar as mãos é a melhor vacina

Dia mundial da lavagem das mãos

Lavar as mãos com sabão é uma das ‘vacinas’ mais baratas e eficazes contra doenças virais. Na véspera do Dia Mundial da Lavagem das Mãos, o Observador fez um vídeo onde explica como lavar bem as mãos.

observador14102014Parece um fait divers, mas lavar as mãos é tão importante para a saúde que a Organização das Nações Unidas instituiu, em 2008, o dia 15 de Outubro como o Dia Mundial da Lavagem das Mãos. À medida que a resposta ao ébola tem vindo a afectar os serviços de saúde nos países atingidos, lavar as mãos pode ser fundamental para a contenção de doenças virais, avisa a UNICEF.

“Lavar as mãos com sabão é uma das ‘vacinas’ mais baratas e eficazes contra doenças virais, desde a gripe sazonal, à constipação mais comum,” afirmou Sanjay Wijesekera, responsável dos programas de água, saneamento e higiene da UNICEF. “As nossas equipas no terreno na Serra Leoa, Libéria e Guiné estão a reforçar a importância de lavar as mãos como parte de uma série de medidas necessárias para travar a propagação do ébola. Não é uma fórmula mágica, mas é um meio de defesa adicional que é barato e facilmente disponibilizado”, explicou, em comunicado.

Mas nem só nos países africanos é que lavar bem as mãos é fundamental. As mãos devem ser lavadas com água e sabão principalmente antes e depois das refeições, após ir à casa de banho, antes de preparar alimentos, de pegar em bebés e de coçar os olhos, de mexer com dinheiro e animais, ao tossir ou espirrar. O Observador explica os passos a seguir: (vídeo no online não passível de ser aqui reproduzido).

observador14102014_02Só em 2013, mais de 340 mil crianças com menos de cinco anos morreram de doenças diarreicas devido à falta de água segura para consumo, saneamento e higiene básica. São quase mil por dia. A UNICEF distribuiu artigos de protecção, tais como fatos, luvas e lixívia, bem como 1,5 milhões de barras de sabão na Serra Leoa, e vários milhões na Libéria e na Guiné.

Depois, é preciso não esquecer a sua importância. Para lembrar o contributo da lavagem das mãos com sabão na prevenção de doenças comuns, mas potencialmente fatais, tais como a diarreia, há algumas actividades preparadas um pouco por todo o mundo para o Dia Mundial da Lavagem das Mãos. No Sri Lanka, por exemplo, mais de 38 mil alunos de 96 escolas vão participar em eventos no âmbito desta iniciativa juntamente com políticos e membros da sociedade. No Líbano, a mensagem ‘Proteja a sua saúde; lave as mãos’ vai ser enviada por SMS a centenas de pessoas. No Mali, vai decorrer uma campanha nacional nos media, bem como acções de lavagem das mãos e distribuição de barras de sabão em dezenas de escolas. Estão também a ser organizados vários eventos na Gâmbia, na Nigéria e no Camboja, entre outros países.

In Observador online
14/10/2014, 20:31

[vasaioqrcode]

184: Beba água às refeições

O papel fundamental que a água desempenha nos mais diversos sistemas do nosso organismo e na manutenção de funções vitais é do senso comum. Contudo, não é raro serem detetados sinais claros do estado de desidratação, especialmente em populações idosas e crianças.

O papel fundamental que a água desempenha nos mais diversos sistemas do nosso organismo e na manutenção de funções vitais é do senso comum. Contudo, não é raro serem detectados sinais claros do estado de desidratação, especialmente em populações idosas e crianças.

Sabia que está comprovado que as pessoas bebem mais água quando esta tem algum sabor? E que o envelhecimento tende a dissociar a sensação de sede do nível de líquidos no organismo, facto que leva adultos mais velhos a desidratar sem darem conta?

O RITUAL: Por regra, acompanhe as suas refeições principais com água, incluindo os vários tipos de água com sabores disponíveis, em vez de bebidas alcoólicas ou refrigerantes, que reserva apenas para as ocasiões especiais.

O papel fundamental que a água desempenha nos mais diversos sistemas do nosso organismo e na manutenção de funções vitais é do senso comum. Contudo, não é raro serem detectados sinais claros do estado de desidratação, mesmo que a níveis sub clínicos – especialmente em populações idosas e crianças. Isto pode e deve ser evitado pois é causa de pior qualidade de vida, traduzida em cansaço prematuro, dores de cabeça, pele seca e cieiro, entre outros sintomas que às vezes se atribuem a outros factores.

Nem sempre a implementação de estratégias para a ingestão de vários copos de água ao longo do dia resulta. Ora porque o transporte de água para o trabalho é esquecido, ora porque os muitos afazeres desviam a atenção da necessidade de ingestão de água, ora porque…, a realidade é que muitas pessoas têm episódios frequentes de sede, um dos sintomas a evitar. As refeições são por isso uma oportunidade ideal para se hidratar, mas não às custas da ingestão excessiva de álcool ou açúcar.

Assim, o ritual que lhe propomos é adoptar a ingestão habitual de água à refeição. Pense que ao ingerir dois copos de água a cada uma das principais refeições, bem como um copo de água ao acordar e outro ao deitar, terá obtido uma parte significativa das recomendações diários de líquidos, que rondam entre 1,5-2 litros por dia.

A CONSIDERAR:

  • Se não aprecia beber água natural às refeições, experimente adicionar-lhe algumas gotas de limão, chá, ou beber águas com sabor! Conseguirá bebidas saborosas com poucas ou nenhumas calorias.
  • Varie o tipo de águas e varie entre água da torneira e águas minerais naturais engarrafadas, não só pela variedade de minerais mas também pela variedade de sabores – todas sabem diferente.
  • Experimente filtros de água disponíveis no mercado, desde as versões portáteis (em recipientes próprios) até às que se instalam nas torneiras da cozinha – vai surpreender-se com a melhoria no sabor e evitar alguns poluentes correntes na água canalizada.
  • Se não deseja abdicar dos refrigerantes, aprecie-os mas escolha versões sem calorias (com edulcorantes, também conhecidos por adoçantes).
  • Ou, para as versões calóricas de refrigerantes ou sumos (que muitas vezes são demasiado doces) opte por diluí-los em água, fazendo “render” uma bebida para duas pessoas!

In Rituais

[vasaioqrcode]

119: Localização das praias favorece águas-vivas e caravelas

Açores

O biólogo da Universidade dos Açores João Pedro Barreiros diz que a localização da maioria das praias açorianas na costa sul das ilhas favorece a concentração de águas-vivas e caravelas-portuguesas em zonas balneares do arquipélago.

dn17072013

“A maior parte das zonas balneares dos Açores ficam na costa sul das ilhas, os últimos ventos fortes foram do quadrante sul e muitas águas-vivas e caravelas-portuguesas foram levadas para perto da costa nas zonas sul das ilhas e portanto ficaram em baías onde estão as zonas balneares. Como não tem havido temporais, como não tem havido ondulação que as remova, acabam por ficar e as pessoas contactam com elas”, explica o biólogo.

No entanto, João Pedro Barreiros faz questão de explicar que “este ‘boom'” de águas-vivas (alforrecas) e caravelas-portuguesas (colónias de animais com longos tentáculos que libertam toxinas e são muitas vezes confundidas com alforrecas) ocorre todos os anos e está associado ao aumento do fotoperíodo, o aumento de horas de luz a partir de Março.

“Isso faz com que aumente a fotossíntese no mar e isso acontece ao nível de pequenos organismos fotossintéticos que geram milhões de toneladas de biomassa que, por sua vez, vão criar condições favoráveis para o aparecimento de zooplâncton, ou seja, de micro animais e larvas de animal. Isso despoleta o aparecimento de predadores e as águas-vivas e caravelas são predadores de plâncton e aparecem em grande quantidade porque há muita comida disponível”, sublinhou.

In Diário de Notícias online
17/07/2013
por Lusa, texto publicado por Paula Mourato

118: Levantada interdição de banhos nas praias de Lisboa

Irritação cutânea

Fotografia © Carlos Santos/Global Imagens

Fotografia © Carlos Santos/Global Imagens

A Agência Portuguesa de Ambiente (APA) levantou hoje a interdição de banhos nas praias de Santo Amaro de Oeiras, Carcavelos, Torre e São João da Caparica, que tinha sido decidida depois de relatos de casos de irritação cutânea.

O levantamento da interdição foi decidido por não ter sido detectada uma relação causal entre a presença de micro-algas e as situações de irritação cutânea que foram registadas em várias praias.

Em conferência de imprensa, o presidente da APA, Nuno Lacasta, garantiu que não há contaminação das águas da Grande Lisboa e adiantou que estão a ser recolhidas amostras em várias praias, como Carcavelos, Santo Amaro, Torre, São João e CDS/São João da Caparica.

A prática de banhos pode assim ser retomada ainda que ao abrigo de medidas de protecção, recomendando a lavagem com água doce para as populações mais vulneráveis, como crianças e pessoas com alergias.

In Diário de Notícias online
15/07/2013
por Lusa, texto publicado por Sofia Fonseca

117: Banhos desaconselhados em 4 praias da área de Lisboa

Agência do Ambiente

A Agência Portuguesa do Ambiente desaconselhou a prática de banhos nas praias de Santo Amaro de Oeiras, Carcavelos, Torre e São João da Caparica durante o dia de hoje, principalmente por parte de crianças e pessoas com mais sensibilidade.

Numa nota enviada às redacções, a APA explica que a medida preventiva tem como alvo aquelas quatro praias da Área Metropolitana de Lisboa e surge depois de “relatos pontuais de comichão na pele, por parte de banhistas, após contacto com a água do mar” nas praias de Santo Amaro de Oeiras e São João da Caparica.

“Relatos (…) que indicam podermos estar perante casos semelhantes aos registados nas praias de Carcavelos e da Torre”, o que faz a APA manter para segunda-feira, dia 15, “as medidas preventivas adoptadas para as praias da área Metropolitana de Lisboa”.

“Assim, é desaconselhada a prática de banhos nas quatro praias mencionadas, especialmente por parte de crianças e pessoas com maior sensibilidade, devendo ser consultados os nadadores salvadores, nas restantes praias, em particular para comunicação de eventuais ocorrências”, diz a APA.

A Agência Portuguesa do Ambiente adianta que se trata de medidas preventivas, “prevendo-se para breve a normalização da situação”, já que está a ser feita uma monitorização “de forma permanente” e articulada com as respectivas autarquias e a Autoridade Marítima.

Acrescenta ainda que durante o dia de segunda-feira poderão ser conhecidos os resultados das análises laboratoriais que irão permitam identificar a origem destas ocorrências.

Fonte da Capitania de Lisboa disse hoje à Lusa que tinham surgido dois novos casos de alergias nas praias de São João e do CDS, na Costa de Caparica.

Assim que foram conhecidos os dois casos, foram içadas as bandeiras amarelas e os nadadores-salvadores foram informados de que deveriam avisar as pessoas que pretendessem entrar na água.

A mesma fonte disse ainda que em relação aos casos registados na semana passada nas praias da linha de Cascais, os resultados laboratoriais mostraram que havia “uma concentração de micro-algas que aumentou mas estavam mortas”.

In Diário de Notícias online
15/07/2013
por Agência Lusa, publicado por Susana Salvador

Praia de Santo Amaro de Oeiras

Praia de Santo Amaro de Oeiras

Praia da Torre - Oeiras

Praia da Torre – Oeiras

Praia de Carcavelos

Praia de Carcavelos

Praia de São João da Caparica

Praia de São João da Caparica

Mais resultados de análises à água de Carcavelos previstos para hoje

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) conta ter hoje ao final do dia mais resultados das análises feitas à água da praia de Carcavelos, Cascais, onde os banhos estão desaconselhados desde quarta-feira, disse à Lusa fonte da instituição.

dd03052012_02

A praia de Carcavelos foi interditada a banhos na quarta-feira à tarde, depois de vários banhistas terem apresentado «queixas de prurido» após saírem do mar.

No mesmo dia, a Polícia Marítima levantou a interdição a banhos na praia naquela praia do concelho de Cascais. No entanto, desde então desaconselhou a entrada no mar a pessoas «mais sensíveis».

In Diário Digital online
12/07/2013 | 12:18
Diário Digital / Lusa

115: Duas praias da Costa da Caparica podem ter águas contaminadas

foto Paulo Spranger/Global Imagens

foto Paulo Spranger/Global Imagens

Suspeita-se que as águas de duas praias da Costa da Caparica possam estar contaminadas. Os banhistas estão a ser aconselhados a não entrar no mar, depois de terem sido detectados dois casos de alergia.

As águas de das praias da Costa da Caparica, CDS e São João, ambas em Almada, Lisboa, podem estar contaminadas. Dois banhistas foram vítimas de alergias, ao longo do corpo.

“Durante o dia de hoje, surgiram dois novos casos de alergias nas praias de São João e do CDS”, contou à agência de notícias Lusa o comandante da Capitania de Lisboa, Cruz Gomes. Um dos jovens afectado tinha “80% do corpo com sintomas de alergia” o que o obrigou a ir ao hospital, acrescentou.

Assim que foram conhecidos os dois casos, foram içadas as bandeiras amarelas e os nadadores-salvadores foram informados de que deveriam avisar as pessoas que pretendessem entrar na água.

Os resultados da água das praias da Costa ainda não são conhecidas, mas as pessoas “estão a ser aconselhadas a não tomar banho”.

Em relação aos casos registados na semana passada nas praias da linha de Cascais, os resultados mostraram que havia “uma concentração de micro-algas que aumentou mas, estavam mortas”, explicou o Comandante, recordando que o problema da água atingiu 50 pessoas em Carcavelos, cinco da praia da Torre e duas ou três de São Amaro de Oeiras.

De acordo com especialistas, o aparecimento das micro-algas poderá estar relacionado com o aumento da temperatura.

In Jornal de Notícias online
14/07/2013 | 18:13

99: Caravelas-portuguesas dão à costa em Portimão

Ainda nenhuma pessoa foi atingida

Caravelas-portuguesas aparecem na altura da preia-mar

Caravelas-portuguesas aparecem na altura da preia-mar

Um número anormal de caravelas-portuguesas, espécie marinha parecida com uma alforreca e que não é habitual estar junto à costa portuguesa, está desde quarta-feira a surgir na zona de Portimão, disse à Lusa o capitão do porto.

Habitual nas zonas tropicais, este animal liberta células urticantes que causam bastante dor aos humanos, mas até ao momento não houve nenhuma pessoa atingida, disse à Lusa o comandante Santos Pereira.

O capitão do Porto de Portimão adiantou que começou a ser informado da presença destes animais nas águas da costa algarvia na quarta-feira, mas hoje o número “já é inferior” e estão a “aparecer mortas” na preia-mar.

“São também exemplares bastante pequenos, com apenas cinco centímetros, tirando a parte dos tentáculos, que é maior”, precisou o capitão do porto, referindo-se a uma espécie cujos adultos podem atingir os 30 centímetros.

Questionado sobre o que pode ter causado o seu aparecimento junto da costa algarvia, na zona de Portimão, Santos Pereira disse não haver uma justificação exata, mas referiu que pode estar relacionado com o vento de sudoeste que se tem feito sentir na região do Algarve e que levou correntes de água mais quente para a zona.

A medusa existe... mas muito longe da costa portuguesa

A medusa existe… mas muito longe da costa portuguesa

A caravela-portuguesa flutua e os seus tentáculos ficam dentro de água, podendo atingir vários metros. Alimenta-se de peixes e outras espécies marinhas que, ao entrarem em contacto com os tentáculos, ficam imobilizados.

Aos humanos causa irritações e dores bastantes fortes ao entrar em contacto com a pele, podendo mesmo causar a morte se não for feito tratamento a tempo.

In Correio da Manhã online
07/03/2013

90: Cientistas descobrem por que os dedos enrugam na água

Uma pesquisa realizada por cientistas na Grã-Bretanha indica que o facto de os dedos ficarem enrugados depois de algum tempo na água pode ser uma vantagem adquirida pelo ser humano durante a sua evolução.

Os cientistas da Universidade de Newcastle, no norte de Inglaterra, decidiram investigar a razão de os dedos ficarem enrugados na água através de uma experiência.

Eles pediram a voluntários para segurar em bolas imersas num balde de água com uma mão e passá-las por uma pequena abertura para a outra mão, para colocá-las noutro local.

Os voluntários com os dedos enrugados pela humidade completaram a tarefa mais rápido do que os voluntários com os dedos lisos.

O estudo sugere que as rugas têm a função específica de tornar mais fácil o manuseamento de objectos sob água ou de superfícies molhadas em geral, o que pode ter sido uma vantagem para os primeiros humanos quando procuravam alimentos na natureza.

Durante muito tempo, acreditava-se que os dedos enrugados indicavam simplesmente o inchaço da pele devido ao contacto prolongado com a água. Ou seja, tratava-se de uma reacção automática, provavelmente sem nenhuma função.

As últimas pesquisas, entretanto, revelaram que as rugas são um sinal de vaso-constrição como resposta à água, o que, por sua vez, é uma reacção controlada pelo sistema nervoso.

«Se os dedos enrugados fossem apenas o resultado do inchaço da pele ao entrar em contacto com a água, eles poderiam ter uma função, mas não necessariamente», disse o cientista Tom Smulders, do Centro de Comportamento e Evolução da Universidade de Newcastle.

«Por outro lado, se o sistema nervoso está activamente a controla essa reacção em certas circunstâncias e não outras, é mais fácil concluir que há uma função por trás disso que é resultado da evolução. E a evolução não teria seleccionado essa resposta se ela não nos conferisse algum tipo de vantagem.»

Segundo os cientistas, para os nossos ancestrais, ter dedos que agarram melhor objectos húmidos certamente teria sido uma vantagem na procura por alimentos em lagos e rios.

Smulders disse que seria interessante, agora, verificar se outros animais, especialmente primatas, têm a mesma característica.

«Se está presente em muitos primatas, então a minha opinião é que a sua função original pode ter sido locomotora, ajudando a deslocar-se em vegetação húmida ou árvores molhadas. Por outro lado, se é apenas em humanos, então podemos considerar que é algo muito mais específico, como procurar por comida dentro e à beira de rios.»

In Diário Digital
09/01/2013 | 10:51