1057: Vitamina D3 e medicamentos para alergia e cancro reduzem replicação de vírus

– Há mais de dois anos, portanto antes do aparecimento da pandemia do Covid-19, já eu e a minha filha Vera tomamos Vitamina D3. (ver imagem no final do artigo e não é PUB).

SAÚDE PÚBLICA/COVID-19/VITAMINA D3

Estudo feito no Reino Unido oi publicado na revista científica PLOS Pathogens e realizado por uma equipa de cientistas da Universidade de Manchester, que usou culturas de células humanas infectadas com o SARS-CoV-2

© Helena Vazão

Um estudo feito no Reino Unido, e divulgado esta quinta-feira, conclui que a vitamina D3 e alguns medicamentos para o tratamento de alergias, pneumonia, cancro, malária, tuberculose e hipertensão reduzem a replicação do coronavírus SARS-CoV-2 nas células humanas.

O estudo, que pode abrir caminho a novas linhas de tratamento da covid-19, foi publicado na revista científica PLOS Pathogens e realizado por uma equipa de cientistas da Universidade de Manchester, que usou culturas de células humanas infectadas com o SARS-CoV-2.

De acordo com a equipa, os medicamentos ‘ebastina’ (antialérgico com ação anti-histamínica), ‘amodiaquina’ (antimalárico), ‘atovaquona’ (anti-pneumonia), ‘bedaquilina’ (anti-tuberculose multirresistente), ‘manidipina’ (para a hipertensão), ‘abemaciclib’ e ‘panobinostat’ (anticancerígenos) e a vitamina D3 (que possui propriedades anti-inflamatórias e de reforço das defesas naturais) podem revelar-se promissores no tratamento da covid-19, uma vez que travaram a replicação do novo coronavírus em células humanas infectadas.

“O nosso estudo identificou compostos que são seguros em humanos e mostram eficácia na redução da infecção e replicação por SARS-CoV-2 em células humanas”, afirmam os autores, citados em comunicado pela PLOS Pathogens.

Ensaios clínicos terão, no entanto, de ser feitos para se confirmar se esses compostos são adequados para o tratamento de doentes com covid-19, ressalvam.

Os autores do estudo lembram ainda que, apesar de promissores, “não são alternativas aos tratamentos existentes ou aos programas de vacinação” contra a covid-19.

Para quantificarem a carga viral nas culturas de células humanas, os investigadores usaram uma versão luminescente do SARS-CoV-2 (introduziram no vírus uma enzima que produz luz).

Pelo menos mais de 4,5 milhões de pessoas morreram no mundo por covid-19, entre os mais de 220 milhões infectados com o novo coronavírus, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e que se tornou pandémico.

Diário de Notícias
DN/Lusa
09 Setembro 2021 — 19:08

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes