695: Estudo sugere que há quatro tipos de Alzheimer

 

SAÚDE/ALZHEIMER

André Ulyssesdesalis / Pexels

Uma equipa de investigadores sugere que há quatro tipos da doença de Alzheimer, que atacam diferentes zonas do cérebro e têm sintomas distintos.

Um novo estudo sugere que o Alzheimer é uma doença bem mais complexa daquilo que pensávamos. Não existe uma forma “típica” da doença de Alzheimer, uma vez que a condição pode manifestar-se de pelo menos quatro maneiras diferentes, dizem os investigadores.

Cada um destes quatro tipos de Alzheimer ataca diferentes regiões do cérebro, sugerem ainda os autores do estudo publicado na revista científica Nature Medicine.

A proteína tau é considera a culpada do aparecimento e desenvolvimento da doença, embora ainda não haja certezas em relação à sua causa. Alguns especialistas sugerem que a agregação e disseminação desta proteína poderá ser apenas uma das suas consequências.

De qualquer forma, a disseminação de tau pode ser usada para identificar esta doença, que é a forma mais comum de demência, constituindo cerca de 50% a 70% de todos os casos.

A equipa de investigadores analisou os dados de Tomografias por Emissão de Positrões (PET) de 1.143 pessoas para ver onde no cérebro as proteínas tau estavam a acumular-se.

A PET é uma técnica de imagem médica recente que utiliza moléculas que incluem um componente radioactivo. Quando administradas no corpo humano, estas moléculas permitem detectar e localizar reacções bioquímicas associadas a determinadas doenças.

De acordo com o Big Think, um algoritmo foi aplicado a estes dados, sendo capaz de categorizar os padrões nas imagens. Isto pode significar que existem quatro subtipos de Alzheimer, cada um com diferentes áreas afectadas do cérebro, sintomas e prognósticos.

Jacob Vogel
Os quatro tipos diferentes de Alzheimer.

No primeiro tipo, a proteína tau espalha-se dentro do lobo temporal, afectando a memória. Este tipo foi observado em 33% dos casos de Alzheimer, sendo o mais comum.

O tipo dois é o inverso do tipo um. A proteína tau espalha-se principalmente no córtex cerebral. Os pacientes têm menos problemas de memória, mas mais dificuldades para planear e executar acções. Este tipo manifestou-se em 18% dos casos.

O tipo três tem como alvo o córtex visual, a parte do cérebro que processa as informações visuais. Nesta forma de Alzheimer, os pacientes têm dificuldade particular com orientação, movimento e processamento de informações sensoriais. Este tipo ocorreu em 30% dos casos.

Por fim, no quarto tipo, a proteína espalha-se no hemisfério esquerdo do cérebro e parece afectar principalmente a linguagem. Manifestou-se nos 19% restantes casos.

A confirmar-se, um diagnóstico mais preciso de Alzheimer pode ajudar a fornecer tratamento especializado para futuros pacientes.

Por Daniel Costa
9 Maio, 2021

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]