1309: Concelhos em risco elevado e muito elevado aumentaram para 154

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/COVID-19/RISCO ELEVADO

Há seis municípios em risco extremo de infecção: Vimioso, Barrancos, Marvão, Mira e Sernancelhe

© PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP

O número de concelhos em risco elevado e muito elevado de infecção pelo vírus SARS-CoV-2 aumentou substancialmente esta semana de 89 para 154, estando em risco extremo seis municípios, indicou esta sexta-feira a Direcção-Geral da Saúde (DGS).

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) esta sexta-feira divulgado avança que Vimioso (1.263), Barrancos (3.204), Marvão (1.021), Mira (1.229) e Sernancelhe (1.060) entraram esta semana no nível de risco extremo de infecção, mantendo-se neste nível o concelho de Mora com uma incidência acumulada a 14 dias (entre 11 e 24 de Novembro) de 1611.

O risco extremo de infecção ocorre quando um concelho tem uma incidência cumulativa a 14 dias acima dos 960 casos de infecção por 100 mil habitantes.

Nos concelhos em risco muito elevado de infecção, ou seja, com uma incidência de entre 480 e 959,9 casos por 100 mil habitantes, o número de municípios neste nível mais do que duplicou na última semana, passando de 19 para 41.

Também a subir estão os concelhos em risco elevado (entre 240 e 479,9 casos por 100 mil habitantes a 14 dias), já que o boletim contabiliza esta sexta-feira 98 concelhos nessa categoria, enquanto no relatório anterior eram 70.

Segundo o boletim, entre os 120 e os 239,9 casos por 100 mil habitantes a 14 dias estão 85 concelhos, menos 11 que na semana anterior.

O número de concelhos com uma incidência de zero casos continua a diminuir e são agora cinco, menos oito do que o registado pela DGS há sete dias.

Na nota explicativa dos dados por concelhos é referido que a incidência cumulativa “corresponde ao quociente entre o número de novos casos confirmados nos 14 dias anteriores ao momento de análise e a população residente estimada”.

Portugal regista esta sexta-feira mais 3.205 novos casos de infecção pelo coronavírus SARS-CoV-2 e oito mortes associadas à covid-19, além de um novo aumento do número de internados em enfermaria, segundo dados oficiais.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) divulgado esta sexta-feira, estão agora internadas 705 pessoas, mais 14 do que na quinta-feira, das quais 100 em unidades de cuidados intensivos, menos três.

Das oito mortes, três ocorreram no Centro, três em Lisboa e Vale do Tejo e duas no Norte.

Em Portugal, desde Março de 2020, morreram 18.393 pessoas e foram contabilizados 1.136.446 casos de infecção, segundo dados da Direcção-Geral da Saúde.

A covid-19 provocou pelo menos 5.180.276 mortes em todo o mundo, entre mais de 259,46 milhões infecções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante foi recentemente detectada na África do Sul e, segundo a Organização Mundial da Saúde, o “elevado número de mutações” pode implicar maior infecciosidade.

Diário de Notícias
DN/Lusa
26 Novembro 2021 — 16:29

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

1209: Penamacor junta-se a Penedono entre os concelhos em risco extremo

SAÚDE PÚBLICA/COVID-19/INFECÇÕES/RISCOS

Apesar da incidência cumulativa mais elevada do país, Penedono apresenta uma descida em relação ao relatório da DGS da semana anterior, no qual apresentava uma incidência cumulativa de 2.138 casos.

Penamacor e Penedono são os únicos concelhos de Portugal no nível de risco extremo de infecção pelo vírus SARS-CoV-2, segundo o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) divulgado esta sexta-feira.

O risco extremo de infecção ocorre quando um concelho tem uma incidência cumulativa a 14 dias acima dos 960 casos de infecção por 100 mil habitantes. Face à semana passada, a entrada de Penamacor para esta categoria é a principal alteração, com uma incidência acumulada a 14 dias (entre 14 e 27 deste mês) de 1.185 casos, ainda assim atrás da incidência de 1.400 registada em Penedono, que era na última sexta-feira o único concelho em risco extremo.

Apesar da incidência cumulativa mais elevada do país, Penedono apresenta uma descida em relação ao relatório da DGS da semana anterior, no qual apresentava uma incidência cumulativa de 2.138 casos.

Na nota explicativa dos dados por concelhos é referido que a incidência cumulativa “corresponde ao quociente entre o número de novos casos confirmados nos 14 dias anteriores ao momento de análise e a população residente estimada”.

Nos concelhos em risco muito elevado, ou seja, com uma incidência de entre 480 e 959,9 casos por 100 mil habitantes, regista-se um decréscimo de nove para apenas três numa semana. Ponte da Barca (523), São Pedro do Sul (493) e Seia (483) são os concelhos agora em risco muito elevado de infecção, saindo deste lote Campo Maior (51), Ferreira do Alentejo (397), Pedrogão Grande (234), Proença-a-Nova (179), Rio Maior (449) e Penamacor (1.185).

Em sentido inverso, regista-se um agravamento do número de concelhos em risco elevado (entre 240 e 479,9 casos por 100 mil habitantes a 14 dias), já que o boletim contabiliza hoje 18 concelhos nessa categoria, enquanto no relatório anterior eram somente 13.

Segundo o boletim, entre os 120 e os 239,9 casos por 100 mil habitantes a 14 dias estão 50 concelhos, mais 21 do que os 29 registados na semana anterior. Com uma incidência de zero casos estão agora 31 concelhos, menos dois do que o registado pela DGS há sete dias.

Portugal regista esta sexta-feira mais 844 casos confirmados de infecção com o coronavírus SARS-CoV-2, quatro mortes associadas à covid-19 e um novo aumento nos internamentos, segundo dados oficiais.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) divulgado esta sexta-feira , estão agora internadas 331 pessoas, mais 13 do que na quinta-feira, das quais 65 em unidades de cuidados intensivos, mais cinco nas últimas 24 horas.

Os quatro óbitos foram registados nas regiões de Lisboa (3) e do Norte (1).

A taxa de incidência de infecções com SARS-CoV-2 nos últimos 14 dias a nível nacional continua a subir situando-se hoje nos 97,4 casos por 100 mil habitantes, enquanto o índice de transmissibilidade (Rt) se manteve em 1,08.

Segundo o boletim epidemiológico conjunto da Direcção-Geral da Saúde e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge divulgado esta sexta-feira, a nível nacional a taxa de incidência subiu de 94,8 para 97,4 casos de infecção por 100 mil habitantes. Em Portugal continental, este indicador registou também uma subida passando de 94,9 para 97,4 casos por 100 mil habitantes.

Diário de Notícias
Lusa
29 Outubro 2021 — 15:56

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

1173: Alvito, Cuba e Penedono são os três concelhos em risco extremo

SAÚDE PÚBLICA/COVID-19/INFECÇÕES/MORTES

Alvito é o caso mais grave com 2.958 casos de infecção por 100 mil habitantes. Há ainda oito concelhos em risco muito elevado.

Alvito é o concelho de Portugal com maior risco de infecção por covid-19.
© Leonardo Negrão / Global Imagens

Portugal tem três concelhos em risco extremo de infecção pelo coronavírus – Alvito, Cuba e Penedono -, mais um em relação à semana anterior, segundo o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) divulgado esta sexta-feira.

O risco extremo de infecção verifica-se quando um concelho tem uma incidência cumulativa a 14 dias acima dos 960 casos de infecção por 100 mil habitantes.

No boletim da passada sexta-feira, dia em que são comunicados os valores dos concelhos, Alvito e Cuba eram os únicos que se encontravam neste patamar de risco extremo, mas os dados de hoje da DGS incluem também Penedono.

Alvito apresenta agora uma incidência cumulativa a 14 dias – entre 30 de Setembro e 13 de Outubro – de 2.958 casos de infecção, Cuba de 1.100 e Penedono de 1.166.

Na nota explicativa dos dados por concelhos é referido que a incidência cumulativa “corresponde ao quociente entre o número de novos casos confirmados nos 14 dias anteriores ao momento de análise e a população residente estimada”.

Em risco muito elevado, ou seja, com uma incidência de entre 480 e 959,9 casos por 100 mil habitantes, estão oito concelhos, mais quatro em relação à semana anterior: Arganil (701 casos), Arouca (548), Campo Maior (886), Castelo Branco (485), Ferreira do Alentejo (820), Pedrogão Grande (732), Proença-a-Nova (525) e Reguengos de Monsaraz (524).

Entre ao 240 e os 479,9 casos por 100 mil habitantes a 14 dias o boletim relata a existência de 15 concelhos nessas condições. Segundo o boletim, entre os 120 e os 239,9 casos por 100 mil habitantes a 14 dias estão 43 concelhos, menos sete do que na semana anterior.

Com uma incidência de zero casos estão agora 40 concelhos, mais um do que o registado pela DGS na semana anterior.

Portugal regista hoje mais 766 casos confirmados de infecção com o coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes associadas à covid-19 e redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos, segundo dados da Direcção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo o boletim epidemiológico da DGS divulgado esta sexta-feira estão internadas 301 pessoas, menos 20 do que na quinta-feira, das quais 55 em unidades de cuidados intensivos, menos uma nas últimas 24 horas.

Entre as sete pessoas que morreram, uma era da faixa etária entre os 70 e 79 anos e os restantes seis tinham mais de 80 anos. Dos óbitos registados dois ocorreram na região de Lisboa, três no Centro e dois no Alentejo.

Diário de Notícias
Lusa
15 Outubro 2021 — 16:07

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes