1061: “Imunidade híbrida”. Combinação de dois factores cria poderosa resposta imunológica contra variantes

SAÚDE PÚBLICA/IMUNIDADE HÍBRIDA/VACINAÇÃO

Carlos Ramirez / EPA

Ter estado infectado com covid-19 e ter recebido uma vacina de mRNA é uma combinação poderosa que ajuda na criação de anticorpos que fazem com que a pessoa fique imune à doença.

Ser imune à covid-19 pode ser um dos maiores desejos actuais da maior parte da população do mundo – visto que a doença já tirou a vida a milhões de pessoas.

Com o aparecimento das novas variantes, que têm sido caracterizadas pelos especialistas como mais fáceis de propagar, o número de infecções tem sido mais difícil de controlar, mas ainda assim há pessoas que são imunes ao vírus. Afinal, quem é que beneficia desta “imunidade híbrida”?

Um artigo publicado em Junho na revista Science mostra que há humanos que são menos susceptíveis a contrair a SARS-CoV-2: “No geral, a imunidade híbrida parece ser impressionantemente potente”, escreveu Shane Crotty, autor do artigo.

De acordo com o artigo, nos últimos meses, uma série de outros estudos descobriu que algumas pessoas desenvolvem uma resposta imunológica extraordinariamente poderosa contra o SARS-CoV-2 – o coronavírus que causa a covid-19.

Isto deve-se ao facto do seu organismo produzir níveis muito elevados de anticorpos, mas também produzir anticorpos com grande flexibilidade, ou seja, capazes de combater as mais perigosas variantes do coronavírus que circulam no mundo, sendo ainda eficazes contra as variantes que possam surgir no futuro.

“Pode-se dizer que essas pessoas irão estar muito bem protegidas contra a maioria – e talvez todas – as variantes do SARS-CoV-2 que provavelmente teremos de conviver num futuro próximo”, explica Paul Bieniasz, virologista da Universidade de Rockefeller, que ajudou a conduzir alguns dos estudos.

Num estudo publicado no mês passado, Bieniasz e a sua equipa encontraram anticorpos em indivíduos que podem neutralizar fortemente as seis variantes testadas – incluindo a Delta e Beta – bem como vários outros vírus relacionados ao SARS-CoV-2.

“Pode ser um pouco mais especulativo, mas eu também diria que estes indivíduos teriam algum grau de protecção contra os vírus do tipo SARS que ainda não infectaram humanos”, frisou Bieniasz.

Estas conclusões levam-nos a questionar quem são os humanos capazes de criar uma resposta imune tão poderosa. Os especialistas, escreve a NPR, explicam que isto se deve à “imunidade híbrida” que é alcançada quando já se foi infectado com o novo coronavírus e imunizado com uma vacina de mRNA.

“Essas pessoas têm respostas incríveis à vacina“, refere a virologista Theodora Hatziioannou da Universidade Rockefeller, que também ajudou a conduzir vários dos estudos.

“Estas pessoas estão na melhor posição para combater o vírus. Os anticorpos no sangue dessas pessoas podem até neutralizar o SARS-CoV-1, o primeiro coronavírus, que surgiu há 20 anos. E este vírus é muito, muito diferente do SARS-CoV-2”, destaca.

Os anticorpos de pessoas que foram apenas vacinadas ou que só tiveram infecções anteriores por coronavírus eram essencialmente inúteis contra o vírus mutante. No entanto, os anticorpos em pessoas com a “imunidade híbrida” mostraram-se capazes de neutralizá-lo.

Infecção pelo coronavírus pode não garantir protecção prolongada, revela estudo

Um novo estudo britânico sugere que uma infecção pelo SARS-CoV-2 não garante que o hospedeiro desenvolva uma resposta imunitária prolongada…

Ler mais

Estas descobertas mostram o quão poderosas as vacinas de mRNA podem ser em pessoas com exposição anterior ao SARS-CoV-2, explica a investigadora.Porém, este “método” híbrido tem uma desvantagem: É que para terem a tão desejada imunidade, os humanos têm primeiro de passar pela doença. “Depois das infecções naturais, os anticorpos parecem evoluir e tornam-se não apenas mais potentes, mas também mais amplos. Assim, tornam-se mais resistentes a mutações dentro do [vírus]”, esclarece a especialista.

Hatziioannou e a sua equipa não consegue garantir que todas as pessoas que estiveram infectadas e, em seguida, tomaram uma vacina de mRNA, terão uma resposta imunológica tão notável, pois os investigadores apenas estudaram o fenómeno em alguns pacientes.

Ainda assim, a investigadora acredita que esta situação seja comum em muitos casos, já que, num estudo com 14 pacientes, todos eles apresentaram os mesmos resultados.

Por outro lado, vários outros estudos reforçam a ideia de que a exposição ao vírus e a administração de uma vacina de mRNA desencadeia uma resposta imunológica excepcionalmente poderosa.

Num estudo publicado no mês passado no The New England Journal of Medicine, os cientistas analisaram anticorpos gerados por pessoas que tinham sido infectadas com o vírus SARS original – SARS-CoV-1 – em 2002 ou 2003 e que receberam uma vacina de mRNA neste ano.

Percebeu-se que estas pessoas também produziram altos níveis de anticorpos e estes poderiam neutralizar uma ampla gama de variantes e vírus semelhantes ao SARS.

Actualmente, as únicas vacinas que utilizam a tecnologia mRNA são da Pfizer e da Moderna.

Este mês, um estudo do Instituto Ricardo Jorge revelou que as vacinas que utilizam a tecnologia mRNA apresentam uma eficácia que pode chegar aos 96% na protecção face à mortalidade da doença, em especial nos idosos.

Por Ana Isabel Moura
10 Setembro, 2021

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes