1514: Nova vaga faz renascer mercado negro de certificados de vacinação e testagem

– Tão criminoso é o que assassina, como o que manda assassinar. Neste caso da falsificação dos certificados, tanto é criminoso o falsificador como o que adere a estas falsificações. Andam a brincar com a morte…

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/COVID-19/CERTIFICADOS/MERCADO NEGRO

Check Point Research alerta que o preço dos documentos falsos relacionados com a covid-19 aumentou 600%.

A Check Point Research (CPR) alertou esta sexta-feira para o recente ressurgimento de testes contrafeitos e certificados de vacinação falsos no mercado negro, nomeadamente em Portugal, avançando que o preço dos documentos falsos relacionados com a covid-19 aumentou 600%.

“A nova vaga de infecções impulsionada pela variante Ómicron da covid-19 tem sido instrumentalizada por vendedores de certificados falsificados que, nas últimas semanas, à medida que muitos países reforçam as medidas de contenção da pandemia, aumentaram a sua actividade”, adverte em comunicado a CPR, área de ‘Threat Intelligence’ da Check Point Software Technologies Ltd.

Avisando que “os governos têm de se reunir rapidamente para combater o mais recente crescimento do mercado negro”, a CPR alerta que, “caso não o façam, o risco do número de documentos falsificados aumentar nas próximas semanas e meses é muito alto”.

Assegurando que “Portugal não é excepção”, a CPR apresenta um exemplo real de um grupo de Telegram, chamado ‘Certificado de vacina covid-19 Portugal’, “onde os quase 800 subscritores são incentivados a fazer a compra ilícita de um certificado de vacinação que o anunciante descreve como ‘100% autêntico’ e garante que “podem ser utilizados no trabalho, escola, espaços públicos e para viajar”.

A unidade de ‘research‘ dá ainda nota de um “aumento dramático das quantias monetárias transaccionadas em troca de um certificado de vacinação ou de testagem falsificados”.

“Pouco depois da apresentação dos certificados de vacinação em 2021, testes PCR e antigénio contrafeitos podiam ser adquiridos por 75 a 100 dólares [cerca de 65 a 87euros]. No mais recente ressurgimento do mercado negro, estes mesmos documentos estão à venda por 200 a 600 dólares [cerca de 175 a 525 euros], o que representa o crescimento de até 600%”, salienta.

De acordo com a CPR, “a alta transmissibilidade e rápida disseminação da variante Ómicron, em conjunto com as dificuldades em satisfazer a procura por testes à covid-19, criaram uma nova lacuna no mercado, que está a ser utilizada para lucrar”.

“Há pelo menos um grupo fraudulento que voltou à actividade depois de um período de silêncio em Outubro de 2021 que, por sua vez, se seguiu ao aproveitamento da variante Delta”, avança, explicando que “os potenciais clientes tanto podem ser pessoas que testaram positivo à doença, como pessoas que se recusam a fazer teste ou a tomar a vacina”.

“Para estas pessoas, a alternativa é, muitas vezes, iniciar uma busca pela Internet. Entre as vítimas, podem constar ainda utilizadores inocentes que acabam por ser atraídos para domínios fraudulentos ou suspeitos, enquanto procuram orientação e conselhos genuínos”, refere.

Citado no comunicado, o especialista em segurança da Check Point Software considera que, “sem um sistema centralizado de certificação de testes e vacinas, é muito fácil para os golpistas explorarem a situação actual em seu benefício”.

“É certamente o que estamos a ver aqui, com alguns grupos fraudulentos que têm estado adormecidos durante meses a ressurgir para colherem o que podem da mudança do cenário pandémico”, afirma Liad Mizrachi.

Conforme explica, os países de todo o mundo estão actualmente a apertar as suas restrições e a pedir aos cidadãos para apresentarem testes negativos ou certificados de vacinação antes de entrar em locais muito frequentados, ao mesmo tempo que “as viagens internacionais ficaram mais complicadas, com o surgimento de mais casos”.

“Isto, em combinação com os problemas em fornecer os ‘kits’ para testes adequados à procura e à hesitação face a vacina, criou a tempestade perfeita para os golpistas”, sustenta, considerando que estes “estão uma vez mais a operar com confiança”, como comprova o “aumento dramático dos preços na ‘dark net‘”.

Diário de Notícias
DN/Lusa
14 Janeiro 2022 — 16:06

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

539: ALERTA: Há vacinas falsificadas para a COVID-19 à venda na Internet

 

SAÚDE/ALERTAS/VACINAS/COVID-19

Atenção às vacinas falsas! Como temos acompanhado, são já várias as vacinas que estão disponíveis para a COVID-19. Os países europeus começarão a vacinar a partir do dia 27 de Dezembro e a expectativa é muita. A par dos anúncios oficiais das farmacêuticas, começaram também a ser vendidas vacinas falsificadas para a COVID-19 na Internet.

Conheça alguns dos esquemas que circulam na Internet relativos a vacinas contra a COVID-19.

Não compre vacinas falsas para a COVID-19

Os alertas têm chegado de várias autoridades nacionais e internacionais. Interpol, Europol e PSP já vieram alertar para a existência de vacinas falsificadas para a COVID-19 à venda na Internet. Rita Henriques, da PSP, já tinha alertado que as vacinas só serão disponibilizadas em Portugal pelos canais oficiais, ou seja, pelo Serviço Nacional de Saúde. Por isso mesmo, qualquer suspeita de fraude deve ser denunciada de imediato à PSP.

Investigadores da Check Point alertaram também para a venda de vacinas na dark net. Segundo uma informação recente, a quantidade de domínios registados relacionados com esta temática aumentou significativamente em Novembro, verificando-se, num mês, 1602 novos domínios, o que equivale à combinação dos três meses anteriores. No seguimento de alertas recentes emitidos pelo FBI e pela Europol, os investigadores partilham quatro exemplos de esquemas fraudulentos encontrados na dark net.

O primeiro exemplo é de um vendedor que publicita a oportunidade de comprar uma das vacinas aprovadas por 250 dólares. O mesmo diz ter stock suficiente para compra e envio a partir do Reino Unido, Estados Unidos da América e Espanha.

Foram encontrados outros anúncios de vacinas do mesmo género com títulos como “Vacina para o coronavírus disponível por 250$”, “Diga adeus à COVID-19 = Fosfato de Cloroquina” ou “Compre rápido. Vacina para Coronavírus disponível agora”. Todos os vendedores descobertos insistem em receber os pagamentos via Bitcoin, o que, segundo os investigadores, pode ser uma forma de minimizar as chances de geo-localização.

Os investigadores chegaram até a iniciar uma conversação com um dos vendedores, introduzindo a seguinte questão: onde posso comprar a vacina? O vendedor respondeu sugerindo a compra de uma vacina não especificada por 0.01 BTC (o equivalente a 300$), afirmando serem necessárias 14 doses.

Noutro exemplo, um vendedor oferece cloroquina como tratamento para o coronavírus por apenas 10 dólares.

Como pode proteger-se?

  • Verifique o endereço de e-mail completo e esteja atento a quaisquer hiperligações que contenham erros de ortografia.
  • Assegure-se que utiliza o URL do site original. Uma forma de o fazer é inserir no motor de pesquisa o nome do domínio em vez de clicar directamente no link recebido.
  • Atenção a domínios parecidos: erros de ortografia em e-mails ou websites ou remetentes desconhecidos são sinais de alarme.
  • Proteja a navegação móvel e endpoint com soluções avançadas de cibersegurança, que protejam contra websites maliciosos de phishing, sejam conhecidos ou não.
  • Utilize dupla autenticação para verificar qualquer mudança das informações de conta.
  • Nunca partilhe credenciais de login ou informações pessoais em resposta a uma mensagem ou e-mail.
  • Monitorize regularmente as suas contas financeiras.
  • Mantenha todos os softwares actualizados.
  • Atenção à linguagem utilizada: técnicas de engenharia social estão especialmente pensadas para tirar proveito da natureza humana

Autor: Pedro Pinto
20 Dez 2020

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]